Frase do dia

Houve uma má interpretação da imprensa. O que eu disse no passado foi que, quando o dinheiro da propina era dirigido ao financiamento ilegal de campanha, era pior do que [quando gera] enriquecimento ilícito. Caixa dois não é corrupção, é outro crime. Corrupção pressupõe contrapartida. Ambos são graves, e o governo toma posição firme em relação aos dois, diferentemente de qualquer outro [antes]

Ministro da Justiça, Sérgio Moro comentar

22 de fevereiro de 2019, 14:25

BRASIL Se reforma vier da Câmara em abril, entra no recesso aprovada, diz Alcolumbre

Foto: Reprodução

O presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre

O presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre, disse nesta sexta-feira, 22, acreditar que a proposta de reforma da Previdência pode estar aprovada até junho, caso o texto seja aprovado pela Câmara dos Deputados em abril. “Se vier da Câmara em abril, acho que a gente entra no recesso de julho com a proposta aprovada”, disse o presidente, durante café da manhã com jornalistas. A previsão de Alcolumbre considera a tramitação dentro dos prazos regimentais. Alcolumbre disse que, apesar de o governo ainda não ter os 49 votos suficientes para aprovar o texto, “a maioria dos senadores quer votar reforma da Previdência”. Ele destacou, no entanto, que o governo precisa se articular para buscar os votos necessários. O presidente informou que em 15 dias terá uma conversa com os líderes dos partidos no Senado para saber o “sentimento” da Casa com relação à reforma. Ele adiantou, no entanto, que a reforma da Previdência não tem como tramitar ao mesmo tempo que o pacote “anticrime” do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. “A reforma da Previdência pode ser um tema sensível, mas os senadores estão dispostos. Eu não via essa vontade de votar em outros governos”, disse o presidente do Senado. Alcolumbre afirmou que, neste primeiro momento, há uma resistência de senadores em relação ao Benefício de Prestação Continuada. “Em relação à redução de 65 para 60, só que com a diminuição de um salário mínimo para R$ 400. Pedi para a consultoria do Senado para fazer um estudo em relação a qual o valor que esse recurso significa de economia para o Estado, em função de que lá na frente também estará se ampliando de 65 para 70 para que a pessoa possa receber mais cinco anos um salário mínimo”, disse ele. “Todos os senadores com quem falei num primeiro momento tocaram nesse assunto. Falaram que esse é um tema que o Senado tem que se debruçar, porque não é possível a pessoa pagar salário mínimo só porque está antecipando cinco anos, diminuir para R$ 400”, afirmou.

Estadão Conteúdo

22 de fevereiro de 2019, 14:06

BRASIL Reforma da Previdência é primeiro ataque robusto aos gastos públicos, diz Guedes

Foto: Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu nesta sexta-feira 22, a reforma da Previdência proposta pelo governo Jair Bolsonaro como “o primeiro ataque robusto aos gastos públicos”, em discurso durante a cerimônia de posse da presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Susana Cordeiro Guerra, no Rio. “A reforma da Previdência é o primeiro ataque robusto aos gastos públicos”, afirmou Guedes. Em sua fala, o ministro voltou a citar argumentos sempre presentes em seus discursos, como a defesa de que a eleição de Bolsonaro significa que o Brasil é uma “democracia vibrante”, com “poderes independentes”, e a avaliação de que todos os governos após a redemocratização foram “sociais-democratas”, e que agora é hora de um governo liberal. Ao citar a história da economia brasileira, Guedes classificou como “truncada” a transição de uma política econômica focada em investimentos em infraestrutura e indústria da base, durante os governos da ditadura militar, para uma política de aumento de gastos nas áreas sociais, como saúde e educação, a partir dos governos civis. Segundo Guedes, essa transição deixou de lado o controle dos gastos públicos, levando a hiperinflação. Mesmo após a estabilização, o problema do aumento crescente dos gastos dos governos não foi atacado. “Um programa virtuoso de estabilização leva um ano e meio. Levar dez anos é sinal de que não está atacando gastos fiscais”, afirmou Guedes, numa referência ao Plano Real. O ministro chegou a dizer que “só agora começamos a atacar” os gastos públicos, embora tenha dito que queria “dar o crédito” a iniciativas anteriores, como a Lei de Responsabilidade Fiscal, de 2000, e o teto dos gastos públicos, criado no governo Michel Temer. “Tudo isso veio, mas não adianta botar teto se não tem paredes. Hoje o teto está solto”, afirmou Guedes. O ministro alertou que o problema do gasto público excessivo ainda precisa ser atacado por causa do elevado endividamento público. Segundo Guedes, a dívida pública é composta por “ativos ruins”, com juros altos, e cresce como uma “bola de neve”. “Aparentemente está tudo calmo porque a inflação está baixa, mas a dívida está chegando a R$ 4 trilhões”, afirmou o ministro.

Estadão Conteúdo

22 de fevereiro de 2019, 14:04

BAHIA Bahia emite alerta sobre aumento de 301% nos casos de Dengue em 2019

Foto: Divulgação

O município de Feira de Santana lidera com 1.520 registros e quatro óbitos

O número de casos de Dengue, doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, cresceu 301,4% em 2019, se comparado ao mesmo período de 2018. Até o dia 16 de fevereiro desse ano foram notificados 3.725 casos em 123 municípios. O município de Feira de Santana lidera com 1.520 registros e quatro óbitos. Outros dois óbitos foram confirmados, sendo um em Salvador e outro em Candeias. A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) solicita que os municípios realizem mutirões de limpeza, com atividades de vistoria e remoções de focos do vetor nas residências, juntamente com caminhadas de conscientização e distribuição de materiais informativos. O governo da Bahia já distribuiu 7.400 kits para serem utilizados pelos agentes de controle de endemias dos 417 municípios. Com investimento superior a R$ 2,6 milhões, cada kit é composto de 26 itens, como pesca larva, pipetas de vidro, tubos de ensaio, álcool, esponja, lanterna de led recarregável, bacia plástica, dentre outros materiais. “Os agentes de controle de endemias têm um papel fundamental na eliminação de focos do Aedes aegypti, pois na visita aos imóveis, eles eliminam criadouros, orientam moradores e realizam mobilizações”, afirma o secretário da Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas. O titular da pasta estadual da Saúde ainda ressalta que “construir uma estratégia agressiva de combate ao mosquito e controle dos agravos é fruto de um esforço conjunto do poder público, empresas e sociedade em geral, visto que mais de 80% dos focos estão dentro das casas”. A distribuição desses kits se configura como um apoio essencial aos municípios, considerando que a maioria tem dificuldades para aquisição de bens e equipamentos, bem como escassez de recursos. “Os materiais e equipamentos adquiridos pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) são todos padronizados pelo Ministério da Saúde”, destaca o secretário.

22 de fevereiro de 2019, 14:03

EXCLUSIVA Pesquisa estimula cenário em que Otto pode sair a prefeito com Lázaro na vice

Foto: Divulgação/Arquivo

Senador Otto Alencar é nome lembrado para 2020 no governo, apesar de não ter aparecido na pesquisa

A pesquisa Paraná sobre a sucessão municipal de Salvador em 2020 está estimulando a discussão de cenários no campo do governador Rui Costa (PT), onde aparece o maior número de nomes bem posicionados na sondagem, que juntos cravam mais de 30% das intenções de votos. Um deles leva em conta uma eventual candidatura do senador Otto Alencar (PSD) à Prefeitura, apesar de ele não ter aparecido nos cenários espontâneo nem estimulado. Aliados dizem que o senador já sairia de cara com o apoio de partidos como o PCdoB e o PT e poderia buscar uma composição com o PR, que indicaria à vice o ex-deputado federal Irmão Lázaro, líder das intenções de voto na sondagem. Nome testado, além de experiente como gestor – já foi até governador da Bahia por um período pequeno de tempo -, Otto faria, nestes quesitos, segundo amigos, o contraponto ideal à figura do vice-prefeito Bruno Reis (DEM), candidato de ACM Neto à Prefeitura, que figura no levantamento empatado tecnicamente com os líderes Lázaro e Alice Portugal (PCdoB). A eventual eleição o tiraria também do campo de concorrentes, no grupo, à sucessão de Rui Costa em 2022.

22 de fevereiro de 2019, 13:48

BRASIL Mulher é morta após militares da Venezuela abrirem fogo perto da fronteira com o Brasil

Foto: Divulgação

Soldados da Guarda Nacional Bolivariana impedem a passagem de pessoas na fronteira da Venezuela com o Brasil

Soldados venezuelanos abriram fogo nesta sexta-feira, 22, contra um grupo de civis que tentavam manter aberta uma passagem na região da fronteira entre a Venezuela e o Brasil. Uma mulher foi morta e ao menos 12 foram feridos, segundo Emilio Gonzalez, prefeito de Gran Sabana, onde aconteceu o incidente. O ataque aconteceu na manhã desta sexta, quando uma escolta militar se aproximou de uma comunidade indígena de Kumarakapai. Os soldados abriram fogo com balas de borracha e gás lacrimogêneo quando os voluntários tentaram impedir que os veículos fechassem a passagem. Ao menos 12 pessoas ficaram feridas, com quatro em estado grave. A mulher, Zorayda Rodriguez, de 42 anos, foi morta, marcando a primeira fatalidade de uma operação internacional que tenta levar ajuda humanitária ao país, desafiando o governo de Nicolás Maduro. Segundo afirmou em publicação no Twitter o opositor Juan Guaidó, os feridos serão transferidos para um hospital no Brasil porque na Venezuela não há remédios para tratamento médico.”Eu pergunto às Forças Armadas, é constitucional que abram fogo contra indígenas desarmados?”, indagou Jorge Perez, um vereador que diz ter estado presente quando os soldados abriram fogo. “É constitucional matar indígenas?” Ao menos 30 vizinhos da região foram às ruas após a ação, sequestrando três soldados, segundo Carmen Elena Silva, de 48 anos, e George Bello, porta-voz da comunidade indígena. “A maior parte das pessoas apoia a entrada da ajuda humanitária e nós queremos a nossa fronteira aberta”, disse Carmen. “Isso é ajuda, não é guerra. Todos os dias morrem mais crianças”. Um porta-voz do Ministério das Comunicações da Venezuela afirmou que não poderia comentar sobre o caso. Os ativistas pertencem à aldeia Pemones, que se juntou à oposição para buscar a ajuda doada pelos Estados Unidos e por outros países fronteiriços.

Estadão

22 de fevereiro de 2019, 13:37

EXCLUSIVA Ex-vereadores demitidos também querem comer fígado de secretário de Esportes

Foto: Divulgação/Arquivo

Fachada da Câmara Municipal, que vive dias agitados

Não bastassem os atuais, ex-vereadores também estão na cola do secretário municipal de Esportes, Alberto Pimentel. Eles atribuem ao gestor o fato de terem sido demitidos na Câmara Municipal de Salvador recentemente.

Como Pimentel desalojou várias indicações de vereadores na secretaria, os edis acabaram tendo que pedir a exoneração de alguns ex que estavam lotados na Câmara para poder absorver seus auxiliares na Casa.

O resultado foi a ida à rua, até o momento, de pelo menos três ex-vereadores: Alemão, Antonio Mário e Leandro Guerrilha. Dizem que a macumba contra o secretário, que é evangélico, está comendo solta na Praça Municipal.

22 de fevereiro de 2019, 13:19

ECONOMIA Receita começa a receber declarações do Imposto de Renda em 7 de março

O subsecretário de arrecadação e cobrança da Receita Federal, Frederico Faber, disse nesta sexta-feira, 22, que o envio das declarações do Imposto de Renda de Pessoas Físicas (IRPF) só será iniciado no dia 7 de março devido ao Carnaval. Já os programas para o preenchimento das declarações estarão disponíveis para os contribuintes já no dia 25 de fevereiro às 8 horas. Com poucas novidades em relação ao ano passado, o Ministério da Economia publicou no Diário Oficial da União (DOU) na madrugada desta sexta as regras para declaração do Imposto de Renda 2019. De acordo com o texto, as declarações devem ser apresentadas pela internet entre os dias 7 de março e 30 de abril. “No ano passado, recebemos 29,7 milhões de declarações e a estimativa da Receita é de que sejam entregues 30,5 milhões de declarações em 2019. O número de envios por meio de aplicativos para tablets e smartphones deve crescer de 300 mil em 2018 para 700 mil a 800 mil neste ano”, destacou o subsecretário de gestão corporativa do Fisco, Marcelo de Melo Souza. O contribuinte que perder o prazo estará sujeito à multa de 1% sobre o valor total do imposto devido. A cobrança mínima pelo atraso foi fixada em R$ 165,74 e poderá atingir o valor máximo de até 20% do valor do imposto devido. A multa mínima por atraso será aplicada inclusive no caso das declarações que não tenham de pagar o imposto. A declaração do IR 2019 é obrigatória para pessoas físicas residentes no Brasil que receberam rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 no ano de 2018. Também devem declarar os contribuintes que receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte cuja soma foi superior a R$ 40 mil. “O nosso objetivo é informar o contribuinte sobre o processamento das declarações até o dia seguinte da entrega”, acrescentou Souza. Ou seja, o contribuinte saberá mais rapidamente se caiu na malha fina da Receita ou não.

Estadão Conteúdo

22 de fevereiro de 2019, 13:05

BRASIL Flávio Bolsonaro: ‘IstoÉ’ faz ‘ilação irresponsável’ ao vinculá-lo à milícia

Foto: Reprodução

O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ)

Em nota divulgada nesta sexta-feira, dia 22, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) “repudia” reportagem deste final de semana da revista IstoÉ que afirma que cheques de campanha do senador foram assinados por Valdeci de Oliveira Meliga, irmã dos milicianos Alan e Alex Rodrigues Oliveira, presos em operação conduzida pela polícia e o Ministério Público do Rio de Janeiro. Em nota assinada por sua assessoria de imprensa, Flávio acusa a revista de “fazer uma ilação irresponsável” ao vinculá-lo com “candidaturas irregulares e a milícia carioca”, em uma tentativa de “denegrir” sua imagem. A reportagem obteve dois cheques de Flávio assinados por Valdeci: um de R$ 3,5 mil e outro no valor de R$ 5 mil. Dona de uma empresa de eventos, a Me Liga Produções e Eventos, Val era uma das pessoas a quem o filho do presidente, Jair Bolsonaro, deu procuração, conforme documento enviado à Justiça Eleitoral, para cumprir a tarefa. Em nota, Flávio afirma que Val Meliga é tesoureira geral do PSL e tinha “como determinação legal a obrigação de assinar cheques do partido”, mas “jamais em nome do atual senador”. Além disso, o senador diz que “os supostos milicianos apontados pela revista são policiais militares”. A reportagem da IstoÉ também afirma que um dos cheques assinados por Val, no valor de R$ 5 mil, foi destinado à empresa Alê Soluções e Eventos Ltda, de propriedade de Alessandra Cristina Ferreira de Oliveira – que era funcionária do gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Estado (Alerj) e exerceu na campanha eleitoral a função de primeira tesoureira do PSL. Flávio rebate a revista e afirma que “não houve qualquer direcionamento ao PSL-RJ relacionado à escolha dos profissionais de assessoria contábil e jurídica”. E acrescenta que todas as “prestações de contas foram aprovadas, ratificando a legalidade e lisura durante o processo eleitoral”.

Estadão Conteúdo

22 de fevereiro de 2019, 12:48

BAHIA Rui entrega 13 quilômetros pavimentados de estrada em Mirangaba

Mais 13 quilômetros de estrada foram pavimentados pelo Governo do Estado e entregues à população, na manhã desta sexta-feira (22). A inauguração da obra, que contou com investimento de R$ 3,8 milhões, foi feita pelo governador Rui Costa, na cidade de Mirangaba. O trecho recuperado liga a sede do município ao distrito de Taquarendi.”Fico feliz em realizar essa entrega, porque esse tipo de obra vai além da segurança e do conforto na locomoção diária. A pavimentação de rodovias representa mais dignidade ao povo, a melhora no processo de escoamento agrícola e, portanto, o incremento da economia local”, afirmou o governador que, pela tarde, irá se reunir com gestores de 14 escolas estaduais do território de Jacobina. A via recebeu a pavimentação em tratamento superficial simples com capa selante. Realizada pela Secretaria de Infraestrutura do Estado (Seinfra), a obra beneficia cerca de 134 mil pessoas que transitam pelo local, habitantes de Mirangaba, Jacobina, Várzea Nova e Ourolândia. “Essa obra de hoje é mais um passo em direção à meta do Governo de alcançar quatro mil quilômetros de estradas feitas e recuperadas, nesta segunda gestão. Na primeira, conseguimos bater os cinco mil quilômetros que tínhamos como meta, e no ritmo que estamos vamos conseguir superar esse novo desafio também”, destacou o titular da Seinfra, Marcus Cavalcanti.

22 de fevereiro de 2019, 12:32

BRASIL Criminalização da homofobia não tem data para voltar à pauta do STF

Foto: Dida Sampaio / Estadão

Dias Toffoli

Ao ser questionado hoje (22), o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, disse não poder confirmar quando o julgamento sobre a criminalização da homofobia deve ser retomado na Corte, afirmando apenas que isso ocorrerá “provavelmente” neste semestre. A análise do tema foi suspensa ontem (21) no plenário do Supremo após tomar quatro sessões de julgamento. Até o momento, quatro ministros votaram a favor do enquadramento da homofobia, que é caracterizada por condutas de preconceito contra o público LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais), como crime de racismo. “Isso ainda vai ser definido, ainda vou estudar”, respondeu Toffoli, responsável pela elaboração da pauta, ao ser indagado sobre o retorno do tema ao plenário. “Tem vários casos que estavam em pauta que, em razão desse caso ter tomado quatro sessões, não puderam ser chamados, então eu tenho que readequar a pauta dentro de todo o semestre. Isso eu tenho que analisar com calma.” Desde a semana passada, o caso foi discutido na Ação a Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) nº 26 e no Mandado de Injunção nº 4.733, ações protocoladas pelo PPS e pela Associação Brasileiras de Gays, Lésbicas e Transgêneros (ABGLT) e das quais são relatores os ministros Celso de Mello e Edson Fachin. As entidades defendem que a minoria LGBT deve ser incluída no conceito de “raça social”, e os agressores, punidos na forma do crime de racismo, cuja conduta é inafiançável e imprescritível. A pena varia entre um a cinco anos de reclusão, de acordo com a conduta. Pelo atual ordenamento jurídico, a tipificação de crimes cabe ao Poder Legislativo, responsável pela criação das leis. O crime de homofobia não está tipificado na legislação penal brasileira. Até o momento, Celso de Mello, Edson Fachin, Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso votaram a favor da criminalização da homofobia pelo Judiciário, na forma do crime de racismo, diante da omissão do Congresso. Ainda devem votar os ministros Luiz Fux, Rosa Weber, Cármen Lúcia, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio e o próprio Toffoli.

Agência Brasil

22 de fevereiro de 2019, 12:20

SALVADOR Saltur disponibiliza embarcações para cobertura do Salvador Som & Mar

O Salvador Som & Mar, uma das inovações da folia de pré-Carnaval deste ano, será realizado neste sábado (23), das 12h às 16h. Para a cobertura do evento, a Saltur e o Grupo Trimar colocarão à disposição da imprensa uma embarcação com saída no Bahia Marina, às 13h20. Salientamos ainda que a equipe deverá conter apenas repórter e cinegrafista ou fotógrafo.

22 de fevereiro de 2019, 11:40

BRASIL Lewandowski arquiva uma das ações que contestam a extinção do Ministério do Trabalho

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu nesta quinta-feira, 21, arquivar uma ação apresentada pela Confederação Nacional das Profissões Liberais (CNPL) contra medida provisória que extinguiu o Ministério do Trabalho e reestruturou pastas do governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Segundo o ministro, a entidade não tem legitimidade para propor este tipo de ação ao STF. Dessa forma, o processo foi arquivado sem discussão de mérito. Em pouco mais de 50 dias de governo, o Supremo já foi acionado oito vezes em processos que contestam medidas do governo Bolsonaro, como a extinção do Ministério do Trabalho, o monitoramento de ONGs e a transferência para o Ministério da Agricultura da função de demarcação de terras indígenas. Apesar de ter arquivado o processo da CNPL, Lewandowski é autor de uma ação do PDT contra a extinção do Ministério do Trabalho que continua tramitando na Corte, para a qual o ministro pediu, no início do mês, informações a Procuradoria-Geral da República e a Advocacia-Geral da União (AGU).

Estadão

22 de fevereiro de 2019, 11:04

BRASIL Irmã de milicianos assinava cheques em nome de Flávio Bolsonaro, diz revista

Foto: Divulgação

Flávio Bolsonaro

Valdenice de Oliveira Meliga, irmã dos milicianos Alan e Alex Rodrigues Oliveira, presos na operação “Quarto Elemento” do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e do Ministério Público do Rio de Janeiro, assinou cheques de despesas da campanha em nome do então deputado estadual e atual senador, Flávio Bolsonaro (PSL), filho do presidente Jair Bolsonaro. A informação foi publicada em reportagem da revista IstoÉ na edição desta sexta-feira 22. A reportagem obteve dois cheques: um de R$ 3,5 mil e outro no valor de R$ 5 mil. Dona de uma empresa de eventos, a Me Liga Produções e Eventos, Valdenice era uma das pessoas a quem o filho do presidente deu procuração, conforme documento enviado à Justiça Eleitoral, para cumprir a tarefa. Valdenice é apontada pela IstoÉ como um dos elos de Flávio Bolsonaro com milícias do Rio de Janeiro, com o suposto uso de laranjas e expedientes na campanha para fazer retornar ao partido dinheiro do fundo partidário. De acordo com a reportagem, um dos cheques assinados por ela, no valor de R$ 5 mil, é destinado à empresa Alê Soluções e Eventos Ltda, que pertence a Alessandra Cristina Ferreira de Oliveira. O pagamento seria referente ao serviço de contabilidade das contas de Flávio Bolsonaro. Ocorre, porém, que Alessandra era também funcionária do gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Estado (Alerj), com um salário de R$ 5,1 mil. Estava vinculada ao escritório da liderança do PSL na Alerj, exercida por Flávio. E, na época da campanha eleitoral, exercia a função de primeira tesoureira do partido. Ainda conforme informações da Isto É, a primeira tesoureira do PSL, ou seja, a pessoa a quem cabia destinar os recursos, fez, por meio de sua empresa, a contabilidade de 42 campanhas eleitorais do PSL no Rio. Ou seja: cerca de um a cada cinco postulantes a um cargo político do PSL carioca deixou sua contabilidade aos serviços da companhia Alê Soluções, empresa de Alessandra, tesoureira do partido. Assim, a responsável por entregar e distribuir os recursos do partido tinha parte do recurso de volta para as contas de uma empresa de sua responsabilidade. Com preços abaixo da média do mercado, a companhia de Alessandra recebeu cerca de R$ 55 mil das campanhas. Além disso, a reportagem informa que Alessandra atuou em conjunto com o escritório Jorge L.A. Domingues Sociedade Individual de Advocacia, que tem como um dos sócios o advogado Gustavo Botto. Na prestação de contas à Justiça Eleitoral, Gustavo Botto também aparece como um dos administradores das contas de Flávio Bolsonaro. No combo que coloca Alessandra como contadora e Botto como advogado, estiveram 36 campanhas do PSL na última eleição. Seus serviços também variaram entre R$ 750 e R$ 5 mil. No total, renderam ao escritório R$ 38 mil. Candidatas do PSL ouvidas pela revista relatam que, ao final, praticamente os únicos gastos que efetivamente fizeram em suas respectivas campanhas foram com a empresa de Alessandra e o escritório de Botto. Outro aspecto considerado estranho, de acordo com a revista, é que a empresa Alê Soluções está localizada na Estrada dos Bandeirantes 11216, na Vargem Pequena, nos registros da Receita Federal, uma área de milícias. Para o Tribunal Regional Eleitoral, no entanto, o endereço anotado é Avenida das Américas número 18000 sala 220 D, no Recreio dos Bandeirantes – endereço da sede do PSL do Rio de Janeiro. Situação semelhante acontece com o escritório Jorge L.A. Domingues Sociedade Individual de Advocacia. Para a Receita, o endereço informado é uma casa em Vila Valqueire. Para a Justiça Eleitoral, foi novamente a sede do PSL do Rio. Por curiosidade, todos os endereços mencionados ficam em Jacarepaguá, onde também mora o ex-motorista de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, diz a IstoÉ. A revista apurou que, durante a campanha, a companhia Alê só trabalhou na contabilidade dos candidatos. Entre maio de 2007 e agosto do ano passado, a empresa emitiu 183 notas fiscais eletrônicas, conforme os registros do número das notas concedido ao TRE. Uma média de 16 notas por ano. Somente durante a eleição foram 46 notas em 4 meses. Notas sequenciais, o que indica o serviço exclusivo para as campanhas, diz a reportagem. Apenas no dia do primeiro turno da eleição, 7 de outubro, foram emitidas 18 notas fiscais entre as 21h31 e as 22h43. Uma média de uma nota fiscal a cada 4 minutos. Houve caso de notas fiscais emitidas em um tempo inferior a 2 minutos entre uma e outra. Procurada pela Isto É, Alessandra Oliveira disse não enxergar conflito ético no fato de ser ao mesmo tempo tesoureira do partido, funcionária de Flávio Bolsonaro e ter contratado sua empresa para fazer a contabilidade das campanhas. Gustavo Botto afirma que trabalhava de fato na sede do partido para, segundo ele, “facilitar a administração e resposta de eventuais comunicações processuais”, diz a revista. A assessoria de Flávio Bolsonaro ainda não se manifestou.

Estadão

22 de fevereiro de 2019, 10:40

ECONOMIA Desemprego cai em 18 estados e no Distrito Federal, diz IBGE

Foto: Divulgação

Maior queda foi observada no Amazonas: recuo de 15,7% para 13,9%

O desemprego, medido pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), caiu em 18 das 27 unidades da federação de 2017 para 2018, segundo dados divulgados hoje (22), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A maior queda foi observada no Amazonas: recuo de 15,7% para 13,9%. Na região Norte, houve queda no Acre (de 14,1% para 13,5%), Pará (de 11,8% para 11,1%) e Tocantins (de 11,7% para 10,6%). No Sul, foram registradas reduções no Rio Grande do Sul (de 8,4% para 8,1%), Santa Catarina (de 7,1% para 6,4%) e Paraná (de 9% para 8,8%). Houve recuo em todo o Centro-Oeste: Mato Grosso do Sul (de 8,5% para 7,6%), Mato Grosso (de 9% para 7,9%), Goiás (de 10,6% para 9,2%) e Distrito Federal (de 13,2% para 12,7%). No Sudeste, caíram as taxas de desemprego em São Paulo (de 13,4% para 13,3%), Minas Gerais (de 12,2% para 10,7%) e Espírito Santo (de 13,1% para 11,5%). Já no Nordeste, recuaram as taxas no Piauí (de 12,9% para 12,8%), Ceará (de 12,6% para 11,3%), Rio Grande do Norte (de 14,5% para 13,6%), Paraíba (de 11,4% para 11,1%) e Pernambuco (de 17,7% para 16,7%). Na Bahia, a taxa permaneceu em 17%. Em outros sete estados, as taxas não só cresceram de 2017 para 2018 como também foram as maiores da série histórica, iniciada em 2012: Rio de Janeiro ( passou de 14,9% em 2017 para 15% em 2018), Sergipe (de 14,3% para 16,6%), Alagoas (de 16,7% para 17%), Maranhão (de 14,3% para 14,4%), Roraima (de 9,9% para 12,3%) e Amapá (de 17,8% para 20,2%). O Amapá, além de ter a maior alta de 2017 para 2018, junto com Roraima, teve a maior taxa de desemprego do ano passado.

Agência Brasil

22 de fevereiro de 2019, 10:35

EXCLUSIVA Prevalência de candidatos do governo na liderança de pesquisa sobre 2020 anima ruisistas

Foto: Política Livre/Arquivo

Candidata na sucessão passada, Alice é uma das governistas que despontam na primeira pesquisa sobre 2020 em Salvador

O resultado da primeira pesquisa sobre a sucessão municipal de 2020 em Salvador, em que pelo menos três nomes governistas aparecem empatados com o líder Irmão Lázaro (PR), ele próprio hoje num partido da base do governador, animou imensamente o entorno político de Rui Costa (PT) em volta da idéia de que pode estar se abrindo para o governador a primeira grande janela de oportunidade para eleger o próximo prefeito de Salvador, um sonho quase “secular” do petismo. O que o grupo diz não saber ainda é como dotar o governador de “tesão” suficiente para encarar a empreitada, já que, para a maioria, Rui é um sujeito desprovido de grandes vocações políticas. Na sondagem da Paraná Pesquisas, divulgada ontem, Lázaro aparece com 12,3% das intenções de votos, empatado tecnicamente com Alice Portugal (PCdoB-11,8%), Lídice da Mata (PSB-10,4%) e Nelson Pelegrino (PT-8,5%). Vice-prefeito e candidato de ACM Neto (DEM) à sua sucessão, Bruno Reis surge embolado no grupo com 11,7%.