Frase do dia

Felipão não teve culpa do que aconteceu. Se ele tiver com saúde em 2018, ele pode continuar. Não vejo por que mudar. Quanto mais mexer, pior fica.

Pelé, ex-jogador de futebol comentar

13 de julho de 2014, 21:23

BAHIA Aluno de Camaçari é exemplo e inspira a Folha de São Paulo, diz Caetano

Foto: Divulgação

Deputado federal Luiz Caetano (PT)

A Cidade do Saber, um dos maiores complexos de inclusão social do Norte/Nordeste, reconhecida pelo prêmio Top Social Nacional, implantado em Camaçari, inspirou a Folha de São Paulo para reproduzir a história de uma família camaçariense. O projeto idealizado pelo candidato a deputado federal Luiz Caetano (PT), quando prefeito do município, oferece gratuitamente oficinas de balé, karatê, dança entre outros cursos. A instituição, mantida pela administração municipal, e que dispõe de boa estrutura física e profissionais qualificados, já beneficiou mais de 250 mil alunos, desde 2007. O bailarino Danilo Henrique, de 12 anos, ex-aluno da Cidade do Saber, teve o potencial descoberto pelo Teatro Bolshoi do Brasil, durante uma seletiva na instituição e desde então integra a escola situada em Joinville, Santa Catarina. Outros alunos da Cidade do Saber que ganharam uma bolsa de estudo no Bolshoi e com menos condições que Danilo, residem numa casa mantida pela Prefeitura de Camaçari, no sentido de dar um suporte ainda maior para a concretização do sonho dos jovens bailarinos avançarem na carreira. “Este é um dos projetos que como deputado federal quero lutar em Brasília para implantar nas regiões da Bahia. Penso quantos talentos adormecidos temos no nosso Estado à espera de uma oportunidade, de ser visto e reconhecido no mundo inteiro. Sou de Central e como sertanejo sei da dificuldade de sair do interior e ter chances para fazer a vida acontecer. Ler a história de Danilo na edição da Folha de São Paulo de hoje só reforça a ideia de levar a Cidade do Saber para outras regiões da Bahia”, afirmou Caetano.

13 de julho de 2014, 19:18

BRASIL Pesquisa mostra que 98% dos turistas recomendariam Rio

Pela terceira vez no Brasil, o alemão Marcel Krahe, de 26 anos, passou a Copa toda no Rio. Produtor da emissora pública alemã ZDF, ele se concentrou no Centro Internacional de Transmissão Fifa. Para a primeira folga, justamente na semifinal entre Brasil e Alemanha, escolheu a Fan Fest, na Praia de Copacabana. Mesmo antes do massacre, Krahe já estava extasiado. “Gosto muito do Brasil, do modo de vida, das pessoas, do clima. Sabia que a Copa aqui seria bem organizada. É diferente da Copa da Alemanha, claro, mas foi uma oportunidade, como será a Olimpíada, de o Brasil mostrar que mudou, que é um país com menos pobreza e mais investimentos”, disse Krahe, que voltará para Bonn com “lembranças para a vida toda”. A sensação é compartilhada não só por turistas, mas por comerciantes, empregados de hotéis, de bares e restaurantes: o saldo da Copa no Rio é positivo. Pesquisa encomendada pela prefeitura mostra que 98% dos turistas recomendariam o destino a familiares e amigos. Estima-se que a cidade tenha recebido 500 mil estrangeiros e 450 mil visitantes de outros Estados. “Nunca mais teremos um mês assim. Foram 30 dias com 100% de ocupação. O réveillon e o carnaval são diferentes, são quatro ou cinco dias. A Copa foi muito boa para o nosso negócio, o bairro, o Rio, pois projetou a imagem do brasileiro como alguém que sabe acolher”, comemora a diretora-geral do Copacabana Palace, Andrea Natal.

Roberta Pennafort, Agência Estado

13 de julho de 2014, 17:42

BRASIL Petrobras perde US$ 145 milhões após saída de Roncador

Mesmo pressionada para ampliar a produção, a Petrobras paralisou a operação de uma plataforma sem adotar as medidas compensatórias exigidas pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP). Alegando riscos operacionais, a companhia desconectou em março a plataforma FPSO Brasil do campo de Roncador, na Bacia de Santos – o mais produtivo do País. A medida contrariou resolução que previa a “substituição imediata” da unidade. Nos dois meses seguintes à parada, a produção diária em Roncador caiu 23 mil barris em relação à média do mesmo período de 2013, com perdas em receitas que podem chegar a US$ 145 milhões. A resolução da ANP, aprovada pela diretoria no dia 19 de março, se baseou em relatório técnico feito em novembro. A análise previa a realização de vistoria na FPSO Brasil e a execução dos “reparos necessários” ou a troca “por uma unidade de produção equivalente”. Para a agência, estava “clara a necessidade de mais do que as quatro plataformas previstas para o campo de Roncador”. A inspeção foi realizada em janeiro e durou 16 dias, com a unidade paralisada. O procedimento indicou que, para reverter os problemas e garantir “continuidade operacional no longo prazo”, seria necessário executar “obras de grande porte incompatível com uma unidade em operação offshore”. A Petrobras, então, concluiu que a obra era “inviável técnica e economicamente” e que seria preciso “dar início imediato ao projeto original de remanejamento dos poços”. No dia 31 de março, a plataforma foi completamente desmobilizada. Para evitar sanções, a Petrobras entrou com recurso contra a resolução original, alegando riscos à segurança. Em junho, em nova reunião da diretoria, a agência acatou o recurso sem definir punições à estatal.

Antonio Pita, Agência Estado

13 de julho de 2014, 17:37

BAHIA Lídice defende federalização do Muncab

Foto: Divulgação

Senadora Lídice da Mata durante visita a museu

A senadora Lídice da Mata, candidata ao governo pela coligação “ Um Novo Caminho Para a Bahia”, que reúne o PSB, PSL e PPL, participou, neste ontem da abertura das exposições que remontam à Copa do Mundo, no Museu Nacional da Cultura Afro Brasileira (Muncab), sob a perspectiva das artes: “Arte e História da Cultura Afro Brasileira”, “Barbosa, um Goleiro no Imaginário Popular”, “Cabeças de Orixás” e “Pop Futebol Clube e Torcidas Organizadas” que estarão à mostra de terça a sábado, das 10h às 17h. A exposição também marca a reabertura do museu. O Muncab ocupa o antigo prédio do Tesouro, no Centro Histórico, e a entrada é franca. “Esta retomada é o resultado mais visível do convênio celebrado entre Ministério da Educação e Governo do Estado pela federalização do Muncab, que teve na articulação da senadora Lídice da Mata uma de suas principais responsáveis”, destacou o poeta Carlos Capinam, presidente da Amafro, instituição que atualmente responde pela manutenção do espaço. A transferência da gestão do Museu para a União é uma antiga reivindicação que tem como objetivo a formação de uma equipe permanente de manutenção de um projeto concebido para ser realizado em dois anos e que se estende há 12 anos sem custeio. Criado em 2002, o museu só abriu as portas em 2011. Por falta de verba, o Muncab não tem um horário de funcionamento regular, apenas em exposições e eventos esporádicos, como as que estão em cartaz.

13 de julho de 2014, 17:15

BRASIL Imbassahy acredita em novo prejuízo bilionário à Petrobras

Foto: George Gianni/Arquivo

Imbassahy é líder do PSDB na Câmara dos Deputados

Desde o mês de maio, o líder do PSDB na Câmara, Antônio Imbassahy, tenta obter informações sobre a venda de 50% dos ativos da Petrobras na África para o banco BTG Pactual, ocorrida em meados do ano passado. Imbassahy chegou a enviar requerimento ao Ministério de Minas e Energia (MME) pedindo esclarecimentos sobre o negócio que, ele acredita, pode ter gerado outro prejuízo bilionário para a Petrobras e os brasileiros, a exemplo da compra da refinaria de Pasadena. A iniciativa do líder, que desde o início do seu mandato vem denunciando irregularidades na administração da estatal, motivou o TCU a abrir processo para analisar a operação. Os ativos, segundo técnicos e especialistas, poderiam gerar um ganho de US$ 7 bilhões, mas esse valor foi reduzido para US$ 4,5 bilhões, depois para US$ 3,16 bilhões, e acabou sendo vendido por US$ 1,5 bilhão. Imbassahy acredita que para o banco o negócio foi tão vantajoso que em menos de oito meses a instituição começou a recuperar o que investiu, retirando US$ 150 milhões na forma de dividendos. O deputado decidiu pedir explicações a respeito do fato ao governo, depois de ter recebido várias informações de ex-funcionários da Petrobras e até mesmo de empresas de consultoria relatando sobre a possibilidade de o negócio ter representado prejuízo para a estatal. “Eu não tenho dúvidas de que tem algo de estranho nesse acordo. E não entendo a dificuldade do governo em responder aos meus pedidos de explicação, pois, vencido o prazo legal para resposta, o ministério, estranhamente, me pediu uma prorrogação de 30 dias para enviar as informações. Continuo aguardando”, disse Imbassahy.

13 de julho de 2014, 16:16

BRASIL Polícia usa bombas para repreender manifestação no RJ

Centenas de policiais reprimem com violência, na tarde deste domingo, 13, cerca de 250 manifestantes que tentam realizar um ato nas imediações da Praça Saens Peña, na Tijuca, na zona norte do Rio. O grupo está reunido a cerca de 2 quilômetros do estádio do Maracanã, onde será realizada a partida final da Copa do Mundo entre Alemanha e Argentina.

Vinte minutos após os manifestantes iniciarem caminhada pela Avenida Conde de Bonfim, policiais lançaram bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral contra um grupo que correu na direção de uma das ruas laterais, que poderiam permitir aproximação do estádio. O grupo de manifestantes está completamente cercado por policiais, que formam barreiras em toda a região, com a presença de PMs do Choque e da Cavalaria.

Pelo menos dez bombas já foram lançadas e um grupo de ativistas foi perseguido até dentro da estação de metrô da Saens Peña, que em seguida foi fechada. Manifestantes foram agredidos com golpes de cassetetes e o grupo se dispersou, tentando fugir. A Cavalaria partiu para cima de manifestantes e perto dali uma mulher corria desesperada, com a filha no colo, pedindo abrigo.

Policiais obrigam manifestantes a sentar no chão, inclusive uma senhora. Dezenas de pessoas correm em todas as direções e pedem socorro. A reportagem do Estadão presenciou pelo menos cinco pessoas detidas e dezenas foram agredidas com golpes de cassetetes e pontapés. O fotógrafo Samuel Tosta ficou ferido nas costas, atingido por estilhaços de uma bomba. De acordo com a advogado Caroline Bispo, um manifestante teve o braço quebrado e outro, um dente quebrado.

Antes do início da repressão, manifestantes gritavam: “Ei, polícia, liberdade já. Lutar não é crime. Vocês vão nos pagar”, em referência aos grupo de ativistas detido na véspera. Por volta de 15 horas, cerca de 20 minutos após o ato, teve início a repressão. Antes, porém, o grupo já estava fechado. A ordem do Comando da Polícia é não deixar o grupo se afastar da praça. Por volta de 15h30, a situação estava mais calma, mas ativistas continuavam sendo revistados.

Felipe Werneck, Agência Estado

13 de julho de 2014, 16:14

BRASIL Dilma está no Maracanã para entregar taça a campeões

A presidente Dilma Rousseff já se encontra no Estádio Jornalista Mário Filho, popularmente conhecido como Maracanã, onde acompanhará a grande final da Copa do Mundo entre as seleções da Argentina e Alemanha. O Palácio do Planalto cogitou a possibilidade de a presidente não entregar a taça ao capitão da seleção campeã para evitar a repetição das vaias que recebeu na abertura da Copa, no dia 12 de junho no Estádio do Itaquerão, em São Paulo, mudou de ideia e, hoje, poderá entregar a taça ao capitão argentino, o meia-atacante Lionel Messi ou ao capitão alemão, o lateral Philip Lahm. Apesar de ter voltado atrás e resolvido entregar a taça à seleção campeã, Dilma não compareceu hoje à cerimônia de encerramento da Copa do Mundo no Maracanã e causou algum mal-estar. Outros chefes de estado, como a chanceler alemã Angela Merkel, e os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e da África do Sul, Jacob Zuma, também já estão no Maracanã, palco da final. O evento também reúne personalidades do futebol mundial, como os brasileiros Pelé, Zico, Kaká e o inglês David Beckham.

Francisco Carlos de Assis e André Magnabosco, Agência Estado

13 de julho de 2014, 14:33

SALVADOR Tinoco comemora inauguração da passarela na Madeireira Brotas

Foto: Divulgação

Implantação do equipamento ligando o local à Avenida Tancredo Neves foi solicitada pelo vereador

O vereador Claudio Tinoco comemorou o anúncio da inauguração da passarela em frente à Madeireira Brotas, em Pernambués, que será entregue pelo prefeito ACM Neto nesta segunda-feira (14), às 10h30. A implantação do equipamento ligando o local à Avenida Tancredo Neves foi solicitada, no início de 2013, pelo vice-líder do Democratas na Câmara em apoio aos moradores de Pernambués e bairros adjacentes. “A construção dessa passarela é uma antiga reivindicação dos moradores de Pernambués, Saramandaia e região. A sua instalação vai acabar com um dos principais gargalos no trânsito da cidade, permitindo a desativação do semáforo no local por onde passam 6 mil veículos e 180 ônibus por hora, melhorando o trânsito de veículos entre a Paralela e a região do Iguatemi. Também vai oferecer mais segurança e conforto aos moradores da região que fazem a travessia naquele trecho”, explica Tinoco. As intervenções foram executadas pela Companhia de Desenvolvimento Urbano de Salvador (Desal) e recebeu o investimento de R$ 3,8 milhões. Em março de 2013, Tinoco entregou ao prefeito o ofício nº 03/2013 solicitando a construção da passarela devido aos altos índices de acidentes na região. “Em março de 2012, já tinha levado o pleito à Secretaria Municipal de Infraestrutura da época e a resposta foi de que seria necessária a definição do modal de transporte na Avenida Paralela. No ano passado, entreguei pessoalmente ao prefeito ACM Neto o ofício e confiamos na capacidade da prefeitura de encontrar uma alternativa de financiar a instalação da passarela”, declarou o edil, ressaltando ainda que em maio do ano passado participou de uma panfletagem com os moradores da região para chamar a atenção do poder público pela importância da rápida construção da passarela e acompanhou a obra nesses sete meses de execução.

13 de julho de 2014, 13:00

BRASIL Nós fizemos a Copa das Copas, diz Dilma

Foto: Fabio Pozzebom / ABr

Presidenta Dilma Rousseff

Quase 17 horas depois da última derrota da seleção brasileira para a holandesa, que deixou o País em quarto lugar no campeonato mundial de futebol da Fifa, a presidente Dilma Rousseff divulgou carta enviada aos jogadores da seleção brasileira na qual destaca que “nós, brasileiros, não levamos a Taça, mas fizemos a Copa das Copas”, acrescentando que, “sem vocês, isso jamais seria possível”. Na correspondência, endereçada aos “queridos jogadores e querida Comissão Técnica”, a presidente afirma que “vocês – e o futebol brasileiro – são maiores do que quaisquer resultados passageiros”. Tentando reverter um pouco do clima de decepção que tomou conta do País, depois da goleada de 7 a 1 para a Alemanha, na terça-feira passada, agravado pela derrota de ontem, por três a zero para a Holanda, Dilma Rousseff destacou ainda em sua carta aos jogadores que “o que permanecerá mais forte no coração do nosso povo serão os momentos de alegria que vocês nos proporcionaram nesta Copa e que, seguramente, irão nos garantir em Copas futuras”. E justificou: “principalmente porque todos nós, sem exceção, saberemos aproveitar as lições de agora para melhorar ainda mais o nosso futebol, dentro e fora dos estádios”. Para a presidente, “é assim que vamos ampliar a história de sucesso da nossa seleção”. Dilma encerra a carta agradecendo aos jogadores e à comissão técnica: “recebam nosso carinho e nosso sincero agradecimento”. Ao final de todas as partidas, a presidente Dilma vinha postando mensagens em seu twitter comentando os resultados. Ontem ela não se manifestou pessoalmente. Mas, o Palácio do Planalto parabenizou, na página do Facebook do Palácio do Planalto a seleção brasileira. “Valeu, Seleção! Estar entre as melhores não é para qualquer uma. Parabéns!”, informava a mensagem da Presidência da República. Na mesma rede, Planalto parabenizou também a Holanda pelo terceiro lugar na Copa do Mundo de 2014. Pouco antes da partida de ontem, a presidente Dilma Rousseff, tinha afirmado estar com fé na seleção.

Tânia Monteiro, Agência Estado

13 de julho de 2014, 12:45

BRASIL Polícia diz que manifestantes presos tinham materiais para usar como explosivos

Máscaras de gás, panfletos, garrafas com gasolina e materiais que poderiam ser usados como bombas e explosivos foram apresentados neste sábado (12) pela Polícia Civil do Rio de Janeiro entre os objetos apreendidos com os 19 ativistas presos neste sábado, suspeitos de participação em atos violentos praticados durante manifestações desde junho do ano passado. A operação cumpriu 26 mandados de prisão temporária expedidos pela 27ª Vara Federal da capital. Nove ativistas são considerados foragidos. Dois mandados eram de busca e apreensão de menores. Em entrevista coletiva, o chefe da Polícia Civil, Fernando Veloso, e os delegados Alessandro Thiels e Renata Araújo, da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática, informaram que mais duas pessoas foram presas em flagrante, uma por porte de maconha e outra por porte de arma, que também foi apreendida. O pai de um dos adolescentes assumiu a posse da arma, cujo registro estava vencido. Os presos ativistas detidos devem ser apresentados ainda hoje. Eles são acusados de formação de quadrilha armada e ficarão detidos preventivamente por cinco dias. De acordo com a polícia, a chefe da quadrilha seria a ativista Elisa Quadros Sanzi, a Sininho, presa em Porto Alegre. Organizações não governamentais e de direitos humanos, como a Justiça Global e Anistia Internacional, criticam as prisões, que consideram abusivas, e questionam a realização da operação a um dia da final da Copa do Mundo.

Agência Brasil

13 de julho de 2014, 12:30

BRASIL RJ: Polícia Rodoviária apreende 2 toneladas de maconha em caminhão

Agentes da Polícia Rodoviária Federal apreenderam, no final da noite de sábado (12), 2 toneladas de maconha prensada dentro de um caminhão de transporte de animais estacionado no pátio de um posto de gasolina na Rodovia Presidente Dutra, em Seropédica, região metropolitana do Rio. A droga estava escondida em um fundo falso do veículo, que transportava dois cavalos. Em um carro estacionado ao lado, que dava cobertura à quadrilha, a polícia prendeu um homem com uma pistola automática e munições. Os dois motoristas e a droga foram levados para a delegacia da Polícia Federal, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, onde foram autuados. Os dois serão levados para um presídio do estado, onde vão aguardar decisão da Justiça.

Douglas Corrêa, Agência Brasil

13 de julho de 2014, 12:15

MUNDO Primeiro-ministro japonês sofre revés em eleição

Foto: Divulgação

primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe

O partido governista do Japão sofreu um revés inesperado nas eleições regionais, de acordo com projeções da mídia local, expondo novas fraquezas políticas do primeiro-ministro, Shinzo Abe. Recentemente, ações do governante para aliviar restrições militares foram alvo de controvérsias no país. Segundo as projeções, o Partido Liberal Democrático (PLD) do primeiro-ministro foi derrotado na votação deste domingo para governador do oeste da província de Shiga, após uma campanha muito disputada, na qual os adversários trabalharam para capitalizar a recente queda de popularidade de Abe. Taizo Mikazuki, ex-membro do parlamento do Partido Democrata, de oposição, conquistou o cargo, pelos números das projeções. Aos 43 anos de idade, Mikazuki alcançou a vitória apesar da forte campanha do seu adversário do PLD. Em sua campanha, Mikazuki atacou o plano do primeiro-ministro de dar mais poderes às forças militares do país, bem como as tentativas de Abe de reiniciar reatores nucleares ociosos após o desastre de Fukushima em 2011. Tanto a emissora de televisão nacional, NHK, como o jornal Asahi Shimbun trouxeram pesquisas neste domingo à noite, no Japão, mostrando que Mikazuki venceu o pleito.

Agência Estado