22 de fevereiro de 2017, 06:40

BRASIL Projeto libera a aplicação de recursos de emendas

Foto: Ailton de Freitas

Gleisi Hoffmann

O Senado deve discutir nas próximas semanas um projeto que autoriza prefeitos e governadores a gastar recursos de emendas parlamentares como quiserem, inclusive com o pagamento de salários de servidores. Atualmente, essas emendas são destinadas, obrigatoriamente, a investimentos ou convênios, como obras nas áreas de saúde, educação e infraestrutura. De autoria da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 61/2015 – a “proposta do cheque em branco” – propõe que senadores e deputados possam direcionar recursos da União diretamente ao Fundo de Participação dos Estados (FPE) ou ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Hoje, o dinheiro de emendas não é enviado diretamente a cidades ou Estados, mas aos ministérios. O prefeito ou o governador que quiser receber recursos tem de apresentar um projeto a uma determinada pasta, que é a responsável por estabelecer as diretrizes para a execução da obra. Todo o processo é fiscalizado pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Leia mais no Estadão.

Estadão

22 de fevereiro de 2017, 06:35

BRASIL Procurador diz que campanha de Pimentel ‘não se pautou por higidez e lisura’

Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Governador Fernando Pimentel (PT)

A Procuradoria Regional Eleitoral de Minas deu parecer pela procedência de representação por captação ou gasto ilícito na campanha do governador Fernando Pimentel (PT) e de seu vice, Antônio Eustáqui Andrade Ferreira, em 2014. A manifestação, enviada ao Tribunal Regional Eleitoral mineiro, é subscrita pelo procurador regional eleitoral Patrick Salgado Martins. “Verifica-se que a campanha dos representados (Pimentel e Eustáquio) não se pautou pelos valores da lisura, transparência e higidez”, afirma o procurador. “Ao revés, foi realizada ao alvedrio e conveniência dos candidatos, gerando desequilíbrio de condições na concorrência e, em última análise, desigualdade no pleito.” A representação foi ajuizada pela Coligação Todos por Minas e pelo Diretório Estadual do PSDB que destacam o fato de o Tribunal Eleitoral haver desaprovado, por maioria, as contas de Pimentel e de seu vice, aplicando a multa de R$ 50,8 milhões ’em razão de extrapolação do limite de gastos de campanha’. Além de erros formais, segundo a representação, a prestação de contas do petista infringiu o disposto no artigo 30-A da Lei das Eleições, tendo em vista o excedente de R$ 10 milhões apurado entre o limite de gastos declarado pelos candidatos, quando do registro de candidatura (R$ 42 milhões) e aquele verificado como gastos efetivos de campanha (R$ 52 milhões). No parecer, o procurador regional eleitoral assinala que a Coligação Todos Por Minas e o Diretório do PSDB informam. “A tese da defesa alegando que a movimentação de recursos financeiros para a eleição de Pimentel fora empreendida de forma conjunta, tanto pela conta candidato quanto pela conta comitê, numa orquestrada contabilidade, não se sustenta, pois o comitê financeiro gerencia não apenas as contas dos candidatos majoritários, mas todas as contas dos demais candidatos do partido.” “As próprias circunstâncias do evento demonstram ser inegável o prévio conhecimento e participação dos candidatos na estruturação do esquema de gastos”, observa o procurador. Segundo ele, em uma campanha daquele porte, que movimentou cerca de R$ 52 milhões, ‘é evidente que (os representados) tiveram o devido assessoramento contábil e jurídico, até porque esse é exigido para a prestação de contas’. “Pois bem, sendo a prestação de contas, notadamente o limite de gastos, um assunto de interesse direto dos candidatos a governador e vice, pessoas, diga-se de passagem, já acostumadas aos procedimentos eleitorais, não parece razoável presumir que estes não teriam a preocupação em acompanhá-lo, permanecendo alheios à situação”, segue o procurador. “Ao revés, a presunção opera-se aqui no sentido da ciência da conduta ilícita, tanto pelas disposições legais mencionadas quanto pelas circunstâncias do caso concreto que revelam ser impossível o desconhecimento do fato.” “É por essa razão que o candidato, tendo recebido vultosos recursos para a realização da campanha, em vez de realizar os gastos diretamente preferiu transferi-los ao Comitê correndo ainda assim o risco de ultrapassar o limite de gastos, nos termos já expostos”, anota o procurador. “Essa forma de gastos violou, portanto, a higidez, a transparência e a regularidade da campanha, afetando a igualdade que deve imperar no processo eleitoral, conforme suficientemente exposto. De fato, a movimentação de recursos de campanha, bem como seu registro, foi engendrada para disfarçar irregularidades e dificultar a responsabilização dos representados”.

Estadão

22 de fevereiro de 2017, 06:30

BRASIL Manchetes do Dia

- A Tarde: Barra- Ondina em ritmo de festa

- Correio*: Carnaval pipoca na Barra

- Tribuna da Bahia: 25 mil policiais nos circuitos da folia

- Estadão: Aprovado em sabatina, Moraes diz não dever favor

- Folha de S. Paulo: Trump expande a remoção expressa de imigrante ilegal

- O Globo: ‘Luz barata’ de Dilma custará R$ 62 bi para o consumidor

21 de fevereiro de 2017, 23:14

BAHIA Bancada do PSL se afasta de Nilo para negociar espaço próprio no governo

Um almoço hoje no restaurante Barbacoa marcou o distanciamento político dos deputados do PSL do presidente da agremiação e ex-presidente da Assembleia Legislativa, Marcelo Nilo. Para o encontro, marcado sob o pretexto de discutir os rumos da legenda, Nilo sequer foi convidado. A idéia dos deputados é rediscutir com o governador Rui Costa (PT) a participação do grupo na administração sob o argumento de que não se sentem representados com as indicações do PSL à secretaria estadual da Administração Penitenciária e à Embasa, que dizem ter sido feitas exclusivamente por Nilo. Não por acaso, o almoço foi articulado pelo deputado Alan Castro, que, junto com o colega de bancada Manassés, foi dos primeiros a pular para a candidatura de Angelo Coronel (PSD) à presidência da Assembleia, iniciando uma debandada que acabou resultando na desistência de Nilo em disputar a reeleição. “O partido continua forte na Assembleia e os deputados estão cada vez mais unidos”, disse Manassés em release dirigido à imprensa por sua assessoria hoje à noite. Além dos dois, participaram do encontro os deputados Jurandir Oliveira, Reinaldo Braga, Euclides Fernandes e Nelson Leal. O deputado Paulo Câmara não compareceu por estar doente. Nos momentos que antecederam sua desistência em concorrer à reeleição, Nilo acabou se desentendendo pessoalmente com Braga e Leal, depois de descobrir que, apesar de assegurarem até o último momento que estavam com ele, os dois já haviam negociado apoio à eleição de Coronel.

21 de fevereiro de 2017, 22:27

BRASIL Comissão aprova Alexandre de Moraes para Supremo após 12h

Foto: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO

Alexandre de Moraes durante sabatina no Senado

Após quase 12 horas de sabatina, a Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou em votação secreta nesta terça-feira, 21, o advogado Alexandre de Moraes para o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal. Foram 19 votos pela indicação de Alexandre de Moraes, escolhido pelo presidente Michel Temer. Sete senadores votaram contra. Agora, o nome de Alexandre de Moraes será submetido ao crivo do Plenário do Senado. São necessários 41 votos para que o escolhido de Temer siga para a Corte máxima da Justiça.

21 de fevereiro de 2017, 22:04

ECONOMIA Mansueto: PIB deve voltar a crescer no 1º ou no 2º trimestre

O secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto Almeida, afirmou nesta terça-feira, 21, que o PIB deve voltar a crescer na comparação trimestral já neste primeiro trimestre ou no segundo. Para o ano, ele reforçou a projeção do governo, de crescimento de 1%, mas ressaltou que, diante das divergências que existem no mercado, o a equipe econômica revisará a estimativa “no momento adequado”.O secretário disse que, mesmo com o consumo em baixa e a ociosidade da indústria, a retomada será puxada tanto pelo aumento da demanda doméstica quanto pelos investimentos. “Mas será gradual”, reforçou, lembrando que, diferentemente de crises anteriores, como em 2009, dessa vez há um excesso de endividamento, que torna a retomada mais lenta. “Embora a retomada seja gradual, ela ocorrerá em bases sustentáveis, em razão das reformas estruturais do governo”, acrescentou.Mansueto disse ainda que espera um “amplo ciclo” de investimentos em infraestrutura, em referência ao programa de concessões que o governo prepara. “Isso não aconteceu antes porque o governo anterior queria controlar a taxa de retorno, por exemplo, ou porque o projeto de concessão só era viável se grande parte do financiamento fosse público, o que era inviável. Agora não”, explicou.O secretário lembrou que o BNDES limitou em 50% a participação do financiamento público nos projetos e afirmou que as taxas de juros oferecem condições perfeitas para a retomada do investimento.

AE

21 de fevereiro de 2017, 21:46

BRASIL STF decide não compartilhar com Moro menções a Sarney

Foto: Agência Senado

Por 4 votos a 1, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta terça-feira, 21, que as menções ao ex-presidente José Sarney (PMDB-AP) feitas pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado em delação premiada devem ficar na Suprema Corte, não devendo ser compartilhadas com o juiz federal Sérgio Moro.Foi a primeira vez que o ministro Edson Fachin foi voto vencido em processos da Lava Jato desde que assumiu a relatoria dos casos relacionados à investigação.Em seu acordo de colaboração premiada, Machado afirmou que, durante o período em que comandou a Transpetro, foram repassados à cúpula do PMDB pouco mais de R$ 100 milhões de propina paga por empresas contratadas – do total, R$ 18,5 milhões teriam ido para Sarney, sendo R$ 2,25 milhões em doações oficiais entre 2010 e 2012 (R$ 1,25 milhão da Camargo Corrêa e R$ 1 milhão da Queiroz Galvão).“Compartilhar informações não significa desmembrar (as investigações) ou atribuir competência”, disse Fachin, ao votar favoravelmente à troca de dados com a primeira instância.Os ministros Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Celso de Mello, no entanto, votaram em sentido contrário.Para Celso de Mello, a remessa de cópias a Moro poderia permitir que o juiz federal iniciasse investigações penais sobre os mesmos fatos que já estão sendo investigados sob supervisão do STF.“No fundo, a determinação de compartilhamento de tais subsídios informativos, com respectivo encaminhamento a um outro órgão judiciário situado no primeiro grau de jurisdição, a mim me parece que se mostra um comportamento ainda prematuro em termos de investigação criminal”, observou Celso de Mello.Lewandowski concordou com Mello. “Nesse primeiro momento, é possível que possa haver prejuízo para as investigações o desenvolvimento de distintos inquéritos em várias instâncias. Nesse momento, nós temos vários senadores (sob investigação) e o agravante implicado (Sarney) em uma mesma delação, e é de todo conveniente pelo menos por ora que se mantenha essa questão no STF”, disse Lewandowski.

Estadão Conteúdo

21 de fevereiro de 2017, 21:30

BRASIL Alice comemora aprovação de projeto que facilita acesso ao exame ginecológico no SUS

Foto: Divulgação

O Plenário da Câmara aprovou, nesta terça-feira (21), o substitutivo da deputada Carmen Zanotto (PPS-SC), em nome da Comissão de Seguridade Social e Família, para o PL 2565/15, da deputada Josi Nunes (PMDB-TO). O texto sugere que os procedimentos de prevenção ao câncer de colo de útero passem a ser responsabilidade das redes de proteção social e de atenção básica à saúde, prevendo inclusive buscas para identificar mulheres que não tenham acesso aos exames por barreiras sociais, geográficas ou culturais. A pauta foi incluída em sessão extra da Câmara dos Deputados após articulação da líder do PCdoB, Alice Portugal. A parlamentar foi ainda relatora da matéria no Plenário e defendeu sua aprovação.”O câncer de colo de útero é um câncer curável, mas mata milhares de mulheres ao redor do mundo. Se nós tivermos um diagnóstico precoce, nós teremos a possibilidade de salvar milhares de vidas, pois o substitutivo prevê uma busca ativa das mulheres na busca do preventivo e do pré-natal”, aponta a parlamentar.A aprovação da matéria corrobora com as indicações feitas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) no início deste mês. De acordo com a entidade, é essencial que os países invistam em vacinação contra o papilomavírus humano (HPV) e em serviços de prevenção e diagnóstico.De acordo com dados divulgados pela OMS, o câncer do colo de útero mata mais de 250 mil mulheres por ano no mundo, sendo que 85% desses óbitos acontecem em países de média e baixa renda. No Brasil, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o câncer de colo de útero é o de maior incidência em mulheres de 15 a 29 anos. O projeto agora segue para deliberação no Senado Federal.

21 de fevereiro de 2017, 21:14

BRASIL Senado avaliará PEC que libera verba diretamente a Estados e municípios

O plenário do Senado deve discutir nas próximas semanas um projeto que dá uma espécie de “cheque em branco” a prefeitos e governadores para gastar os recursos provenientes das emendas parlamentares como quiserem, inclusive com o pagamento de salários de servidores.De autoria da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), a Proposta de Emenda à Constituição 61, de 2015, propõe que senadores e deputados possam direcionar recursos da União diretamente ao Fundo de Participação dos Estados (FPE) ou ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM).Atualmente, essas emendas são destinadas obrigatoriamente a investimentos ou convênios, como obras de infraestrutura, saúde e educação. O dinheiro não é enviado diretamente a cidades ou Estados, mas sim aos ministérios. O prefeito ou o governador que quiser se habilitar a esses recursos tem de apresentar um projeto a uma determinada pasta, que vai estabelecer as diretrizes para a execução das obras. Todo o processo é fiscalizado pelo Tribunal de Contas da União (TCU).Se a proposta for aprovada, o parlamentar fica liberado para destinar o recurso diretamente aos fundos, não excluindo o destino atual para investimentos e convênios.Ao justificar a proposta, Gleisi afirma que o projeto se torna imprescindível em um momento de crise econômica, porque simplifica o processo de alocação de recursos para Estados e municípios, desburocratizando essas transferências e dando autonomia para que os entes federativos possam aplicar o dinheiro como julgarem mais necessário. Relatora da proposta na Comissão de Constituição e Justiça, a senadora Marta Suplicy (PMDB-SP) também apontou a PEC como positiva. Para as senadoras, o projeto não vai interferir no processo de fiscalização da aplicação dos recursos, porque tanto o FPM quanto o FPE são bastante fiscalizados.

Estadão Conteúdo

21 de fevereiro de 2017, 21:00

BRASIL Moraes: ninguém pode ser condenado tão somente com base em uma delação

Indicado ao Supremo Tribunal Federal pelo presidente Michel Temer, Alexandre de Moraes afirmou que não se pode condenar uma pessoa somente com base no depoimento de um delator premiado. Ele disse que a colaboração pode servir para motivar o início de uma investigação e até o recebimento de uma denúncia criminal, mas jamais para considerar alguém culpado. Moraes destacou que a Operação Lava Jato já teve algumas delações que ajudaram nas condenações em primeira instância. Ele citou que houve um grande erro Judiciário na cidade italiana de Nápoles, em que se comprovou um erro Judiciário quando um repórter chegou a ser preso com base em uma delação que, posteriormente, se mostrou que não era verdadeira.

Estadão Conteúdo

21 de fevereiro de 2017, 20:34

BRASIL Maia prevê aprovação da Reforma da Previdência em abril

Foto: Divulgação

O relator da reforma da Previdência, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), voltou a fazer previsões bem menos otimistas que o Palácio do Planalto para a tramitação da matéria na Câmara dos Deputados. Segundo o parlamentar, a previsão é apresentar o relatório entre 16 e 20 de março e, a partir daí, ter cerca de um mês para debates na comissão especial que analisa o texto. Isso jogaria a votação da proposta no colegiado para meados de abril, e só então o texto chegaria ao plenário da Casa.Oliveira Maia não fez estimativas para a tramitação no plenário, mas lembrou que é preciso primeiro votar a urgência da matéria e depois, vencer pontos que podem obstruir a pauta, como medidas provisórias. Hoje, o deputado Pauderney Avelino (DEM-AM) disse que apostava em uma aprovação no plenário da Câmara apenas no mês de maio.As estimativas dos parlamentares têm sido em geral menos otimistas do que as do governo, que deseja ver a reforma aprovada na Câmara e no Senado ainda no primeiro semestre. Hoje, o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy, afirmou que a previsão era que o texto fosse ao plenário da Câmara no mês de abril.A declaração do ministro foi feita após uma reunião do presidente Michel Temer com 43 deputados da base aliada (incluindo Pauderney e Oliveira Maia) para “alinhar” o comportamento dos governistas. Mesmo assim, os discursos seguem dissonantes sobre a expectativa para o período de tramitação.O relator disse ainda que a regra de transição é “o tema mais questionado de toda a reforma”. Mais cedo, Oliveira Maia defendeu mudanças nesse ponto do texto para um novo modelo, mais proporcional. Hoje, a proposta do governo é instituir um “pedágio” de 50% do tempo restante para a aposentadoria (segundo as regras atuais) para homens acima de 50 anos e mulheres acima de 45 anos. Os demais teriam de respeitar a idade mínima de 65 anos.

Estadão Conteúdo

21 de fevereiro de 2017, 20:16

BAHIA Governo convoca novos delegados e escrivães para Polícia Civil

Foto: Ag. A Tarde

O Governador Rui Costa anunciou, por meio de suas redes sociais, a nomeação de 14 novos delegados e 15 escrivães na Polícia Civil baiana, aprovados no concurso Saeb/PC número 001/2013. Com esta convocação, o total de nomeados deste certame chegará a 676, ultrapassando o número de vagas previsto originalmente no Edital (600). O impacto econômico total na folha de pagamento do Estado será de R$ 54 milhões anuais. O Diário Oficial do Estado desta quarta-feira (22) publica a relação dos candidatos convocados, os locais e horários em que devem se apresentar, além da relação dos documentos exigidos. Confira em anexo o Edital de Convocação na íntegra. O concurso para a Polícia Civil do Estado foi iniciado em 2013, mas sofreu atrasos por causa de recursos judiciais impetrados por candidatos. Depois de passar por todas as etapas do concurso e pelo curso de formação da Polícia Civil, a nomeação dos aprovados também sofreu retardamento em função de o Estado ter ficado legalmente impedido de nomear novos servidores públicos por ter extrapolado o limite prudencial, determinado pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Nestes casos, quando os gastos com o pagamente de pessoal ultrapassam o limite imposto pela LRF, a legislação só permite que o Estado nomeie novos servidores para as áreas segurança, saúde e educação, em casos de substituição de funcionários por falecimento, aposentadoria, exoneração, demissão e dispensa.Desde o terceiro quadrimestre de 2015, quando o limite prudencial com gastos de pessoal foi extrapolado, o Estado passou a realizar nomeações conforme surgiam vagas disponíveis, de acordo com uma das hipóteses estabelecidas por lei (falecimento, aposentadoria, exoneração). O Governo fez uma consulta à Procuradoria Geral do Estado (PGE) e o Tribunal de Contas do Estado (TCE) no intuito de saber qual o período da vacância devia ser considerado para a nomeação de servidores em substituição, e assim, realizou nomeações de forma gradativa, conforme as vagas surgiam, com base na referência do TCE. Os convocados devem comparecer, no dia 6 de março, à sede da Polícia Civil, situada na Praça 13 de maio, no bairro da Piedade. Delegados devem se apresentar no turno matutino (8h30 às 12h) e escrivães no vespertino (14h às18h). Na oportunidade precisam apresentar documentação exigida no Edital de Convocação.

21 de fevereiro de 2017, 20:04

BRASIL Recursos do Fundeb estarão disponíveis nesta quarta

Foto: Reprodução

A parcela da complementação da União ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) relativa a fevereiro estará disponível a partir desta quarta-feira, 22, nas contas correntes de estados e municípios beneficiários. Do total de R$ 918,97 milhões repassado pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), autarquia vinculada ao Ministério da Educação, R$ 91,89 milhões referem-se à complementação para o pagamento do piso do magistério. Pelas complementações da União e ao piso, estado e municípios da Bahia receberão R$ 196.152.614,28.Conforme a lei que instituiu o Fundeb, a União repassa a complementação aos estados e respectivos municípios que não alcançam com a própria arrecadação o valor mínimo nacional por aluno estabelecido a cada ano. Em 2017, esse valor é de R$ 2.875,03. Os estados que recebem a complementação são Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco e Piauí.

21 de fevereiro de 2017, 19:59

BAHIA Governo aprova Funpen na Assembleia à unanimidade depois de acordo

A Assembleia Legislativa aprovou agora à noite à unanimidade o projeto que institui no Estado o Fundo Penitenciário (Funpen), depois de um acordo de lideranças que dispensou as formalidades e a tramitação tradicional da proposta pelas comissões. O presidente da Assembleia, deputado Angelo Coronel (PSD), que costurou a aprovação da matéria entre governo e oposição, disse que a votação, por acordo, dava uma demonstração da parceria da Assembleia com o governo no sentido resolver o problema da segurança, que considera “um calo no país”. A iniciativa da Assembleia de votar a matéria por acordo foi elogiada tanto pelo líder do governo, Zé Neto (PT), quanto pelo líder da minoria, Leur Jr. (PMDB), o qual destacou a disposição da oposição de colaborar com iniciativas do governo que visem beneficiar o Estado. Com o Fundo, o governo poderá captar de imediato, assim que a lei for sancionada pelo governador Rui Costa (PT), R$ 44 milhões, oriundos do governo federal, para aplicação na área de segurança na Bahia, disse o líder Zé Neto. O projeto foi relatado do plenário pelo deputado estadual Marco Prisco (PPS), que rejeitou, no entanto, emendas do deputado estadual Carlos Geilson (PSDB). O parlamentar questionou a ausência de informações no projeto sobre a forma como o Funpen será gerido pelo governo. O projeto é o primeiro do Executivo aprovado sob a nova gestão de Angelo Coronel na presidência da Assembleia.

21 de fevereiro de 2017, 19:48

BRASIL ‘O sr. não tem vergonha’?, diz Magno Malta a Alexandre Moraes

O senador Magno Malta (PR/ES) perguntou ao ministro licenciado da Justiça Alexandre de Moraes se ele ‘não tem vergonha’ de ter feito lobby para ser aprovado ministro do Supremo Tribunal Federal. “O sr. que está servindo um governo, o sr. não tem vergonha de ter feito um lobby de gabinete em gabinete (no Senado)? É hipocrisia demais”, provocou Malta.A arguição do senador capixaba ocorreu mais de sete horas depois de iniciada a sabatina de Moraes na Comissão de Constituição e Justiça do Senado.Moraes ouviu as indagações de Magno Malta. O senador lembrou que o candidato de Temer era filiado ao PSDB até dias atrás, quando foi indicado para o Supremo.”Vou fazer dezesseis anos aqui (no Senado) e todos os ministros (do Supremo) que aqui foram indicados foram no meu gabinete. Alguns acompanhados pelos seus respectivos senadores, e muitos estão sentados aqui”, disse o senador.”Se isso é lobby, o indivíduo foi lá levar o seu currículo que é o que menos interessa. Porque o indivíduo, quando chega na condição de ser indicado para um tribunal superior, é porque currículo ele tem”, seguiu Magno Malta. “Eu quero saber o posicionamento do indivíduo, eu quero que ele fale, que ele faça reverberar para a sociedade as suas crenças para que nós possamos saber quem está indo para o Supremo.” “Alguns chegam aqui e vendem a mãe. Porque mentem tanto e, quando põe a toga, chega lá no Supremo é completamente diferente. Ah, mas o sr. é ligado a um partido político. Nisso aí Temer errou, ter indicado você, sinceramente. Ele poderia ter aprendido com Lula.”Com ironias, o senador citou o ministro Dias Toffoli, que chegou à Corte máxima por indicação do ex-presidente petista. “Lula indicou um rapaz que ninguém sabia quem era, o PT não o conhecia jovem, nem o Brasil. Eles não sabiam. Ele (Lula) indicou assim, para mostrar que não é igual os outros, indicou um rapaz chamado Toffoli, você o conhece? Ele não era do PT, ele não tinha ficha assinada no PT, ele não trabalhou na liderança do PT na Câmara, ele não foi advogado do PT, ele não foi da Advocacia-Geral da União.”‘Ah, brincadeira tem hora. A gente fica perdendo tempo com hipocrisia. Eu quero relembrar a Nação, exatamente porque há uma amnésia coletiva.”