22 de fevereiro de 2018, 11:53

BRASIL Plenário do STF julga no dia 22 de março auxílio-moradia a juízes

Foto: Divulgação

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, pautou para o dia 22 de março o julgamento das ações que tratam de auxílio-moradia de juízes. Entre as ações estão as que o ministro Luiz Fux julgou liminarmente em 2014, estendendo o auxílio-moradia, no valor de R$ 4.378, a todos os juízes do Brasil. Depois disso, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) aprovou resolução que regulamentou a concessão de auxílio-moradia aos membros do Ministério Público da União e dos Estados.Desde que Fux liberou as ações para julgamento, magistrados têm se manifestado pela manutenção do auxílio. Na semana passada, o corregedor nacional de Justiça, João Otávio de Noronha, defendeu o pagamento a juízes que possuem imóveis nas cidades em que trabalham. Segundo ele, o benefício é tratado como “verba de natureza indenizatória” em “qualquer lugar do mundo” e no setor privado, o que o torna isento do Imposto de Renda.Reportagem publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo revelou que o Fisco deixa de arrecadar R$ 360 milhões ao ano em razão do tratamento tributário dado ao auxílio-moradia. Na prática, o benefício funciona como uma complementação salarial para magistrados que possuem imóvel próprio.

Estadão

22 de fevereiro de 2018, 11:42

ECONOMIA Consumidor acredita que inflação será de 5,4% nos próximos 12 meses

A expectativa mediana dos consumidores brasileiros – em fevereiro deste ano – para a inflação nos próximos 12 meses ficou em 5,9%. A taxa é a mesma da pesquisa anterior, quando foi atingido o menor nível desde setembro de 2007 (5,2%). Na comparação com fevereiro de 2017, houve recuo de 1,9 ponto percentual porque naquela ocasião a inflação esperada era de 7,8%. Os dados foram divulgados hoje (22), no Rio de Janeiro, pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Segundo a FGV, a expectativa dos consumidores mantém-se na faixa dos 5%, mesmo com a inflação oficial do país tendo ficado em 2,95% em 2017 e a expectativa do mercado para 2018 ser hoje inferior a 4%. “Os consumidores seguem o comportamento de superestimar a inflação oficial e, neste contexto, a tendência é que a expectativa para a inflação continue no patamar dos 5% nos próximos meses”, diz nota da FGV.

Vitor Abdala, Agência Brasil

22 de fevereiro de 2018, 11:24

BRASIL Temer participa de reunião do Conselho Militar de Defesa em Brasília

O Conselho Militar de Defesa está reunido nesta manhã (22), no Ministério da Defesa, com a presença do presidente Michel Temer. O encontro ocorre dias após o presidente decretar intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro. Na reunião serão discutidos assuntos como o orçamento das Forças Armadas em 2018, projetos estratégicos, base industrial de defesa e nova governança para o programa espacial brasileiro, de acordo com o Ministério da Defesa. Também será apresentado um balanço das ações de Defesa em 2017 e perspectivas para este ano. Essa é a primeira vez que um presidente da República faz visita oficial ao Ministério da Defesa e participa de uma reunião do Conselho. Geralmente, reuniões com o presidente ocorrem no Palácio do Planalto.O Conselho Militar de Defesa faz assessoramento direto à presidência com relação a normas gerais relacionadas à organização, preparo e emprego das Forças Armadas. A presidência é do ministro da Defesa, Raul Jungmann. Participam da reunião o ministro do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, Sérgio Etchegoyen; o Comandante do Exército, General Eduardo Dias Villas Boas; o Comandante da Marinha, Almirante de Esquadra Eduardo Leal Ferreira; o Comandante da Aeronáutica, Tenente Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato; e o Secretário-Geral do Ministério da Defesa, general do Exército Joaquim Silva e Luna.

Agência Brasil

22 de fevereiro de 2018, 11:13

ECONOMIA Pesquisa diz que empresários estão confiantes quanto à economia

O empresário brasileiro continua confiante em relação à economia e à própria empresa, avaliou hoje (22) a Confederação Nacional da Indústria (CNI). O Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei) registrou leve variação entre janeiro e fevereiro deste ano de 59 para 58,8 pontos. Os números revelam que a confiança do empresário é a segunda maior desde abril de 2011 (59,5 pontos), ficando atrás apenas do índice verificado em janeiro deste ano. Os indicadores da pesquisa variam de zero a cem pontos. Quando estão acima de 50 pontos mostram que os empresários estão confiantes. O Icei de fevereiro está 4,7 pontos acima da média histórica de 54,1 pontos e 5,7 pontos superior ao registrado em fevereiro de 2017. A confiança é maior nas grandes empresas, segmento em que o índice alcançou 60,4 pontos. Nas médias empresas, o indicador foi de 58,3 pontos e, nas pequenas, de 55,9. Segundo a CNI, os dois componentes do Icei caminharam em sentidos opostos em fevereiro. Enquanto o Índice de Condições Atuais aumentou 0,1 ponto para 53,2, o índice de Expectativas recuou 0,4 ponto, para 61,6. Os indicadores mostram que os empresários percebem melhora em suas condições de negócios e, mesmo com o leve recuo em relação às expectativas, seguem otimistas.

Kelly Oliveira, Agência Brasil

22 de fevereiro de 2018, 11:10

BRASIL Luislinda Valois desiste de viagem à Suíça após repercussão negativa

Foto: Divulgação

A ex-ministra dos Direitos Humanos Luislinda Valois enviou nesta quarta-feira (21) à Casa Civil uma carta onde desistiu da viagem que faria para Suíça, no sábado (24). Valois foi designada pelo presidente Michel Temer (MDB) para representar o país na 37ª Sessão do Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas, em Genebra, mesmo tendo sido exonerada do cargo na segunda-feira (19).Os custos seriam todos pagos pelos cofres públicos. De acordo com a Folha de S. Paulo, Temer atendeu a pedido de Luislinda que, mesmo depois de ter sido exonerada, argumentou que deveria participar da viagem porque já estava em tratativas avançadas para a reunião. Com a repercussão negativa de sua presença no encontro durante esta quarta-feira (21), ela acabou recuando e abrindo mão do compromisso.Agora, o Ministério dos Direitos Humanos ainda não definiu se ainda enviará alguém para o encontro oficial.

22 de fevereiro de 2018, 10:53

BAHIA Professor da USP acredita que clarão foi causado por rocha interplanetária

O professor do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (USP), Enos Picazzio, afirmou ao portal Metro1 que o clarão registrado em várias cidades da Bahia e parte de Sergipe foi causado por uma rocha interplanetária. O especialista disse que o evento é bastante comum e de difícil previsão. “Em termos genéricos, esses casos são bem comuns. É um objeto que está fora da terra, cai aqui dentro, em uma velocidade elevada, e o atrito com a atmosfera aquece o material. Isso causa uma luminosidade, um rastro. Se o objeto for grande, é mais intenso. Grandes objetos causam um barulho, uma explosão”, descreveu. Apesar de o fenômeno não ser raro, o professor alerta para os riscos. “Digamos que não tem como alertar, não dá para dizer ‘toma cuidado, vai cair uma pedra’. É imprevisível, mas existem relatos de danos de queda de meteoritos. Animais mortos, pessoas atingidas. Ferimentos graves. É raro atingir alguém, já que a maior parte do nosso planeta é de água. Tem que estar com azar”, brincou. Informações do Metro1.

22 de fevereiro de 2018, 10:52

BAHIA Rui inaugura conjunto de passarelas da região da Rodoviária de Salvador

Foto: Manu Dias/GOVBA

Governador Rui Costa

O conjunto de passarelas mais emblemático da capital baiana, que liga o Terminal Rodoviário, o Shopping da Bahia, o Centro Empresarial Iguatemi, a Estação Rodoviária do Metrô e a calçada da Avenida Antônio Carlos Magalhães está de cara nova. A famosa “Passarela do Iguatemi” foi reinaugurada pelo governador Rui Costa no início da manhã desta quinta-feira (22), após ser completamente reconstruída. O investimento total da obra foi de R$ 30 milhões. “Todos estão lembrados como era essa passarela. Agora, com uma área maior de circulação livre, as pessoas vão poder atravessar com conforto, escada rolante e rampa, conforme indica a legislação referente à acessibilidade”, afirma Rui. Sobre a segurança nas passarelas que fazem parte do sistema metroviário, o governador destacou a parceria entre o Estado e shoppings da cidade. “As imagens de câmeras instaladas nas estações do metrô e no entorno serão monitoradas por um sistema sofisticado, que possui, inclusive, a função de reconhecimento facial. Um projeto piloto será implantado até o final de maio, no aeroporto, metrô, nos acessos aos shoppings e na Fonte Nova”, revelou Rui Costa. Com iluminação feita com lâmpadas em LED, toda a extensão da passarela inaugurada nesta terça é monitorada por 33 câmeras interligadas ao Centro de Controle Operacional da CCR Metrô Bahia e Sala de Supervisão Operacional da Estação, além de rondas com Equipes de Segurança. O novo equipamento é o maior do Sistema Metroviário da capital, com 8,8 metros de largura total, quatro vezes mais larga que a antiga, 800 metros de extensão e 1.200 toneladas, podendo suportar um fluxo de 45 mil pedestres por dia. Só o metrô gera a circulação de 25 mil pessoas diariamente. Três rampas acessíveis, três escadas fixas e rolantes e um elevador com acesso direto ao Terminal Rodoviário, garantem a acessibilidade de Portadores de Necessidades Especiais (PNE). Com guarda-corpos e instalação de rota podotátil ao longo de todo o trajeto, as passarelas estão em acordo com as normas técnicas exigidas. “Essa é a passarela onde toda a Bahia se encontra, todos os baianos que vêm do interior se encontram aqui e agora eles vão se encontrar com segurança, qualidade, condições de caminhar tranquilamente, além de um sistema de acessibilidade”, declarou a secretária de Desenvolvimento Urbano, Jusmari Oliveira. Um tramo da passarela ainda permanecerá com estrutura provisória. É o que liga o ponto de ônibus localizado na “via exclusiva de ônibus” aos demais. A execução desse trecho depende de acordo entre o Governo do Estado e a Prefeitura de Salvador, referente ao Terminal de Integração do futuro BRT.

22 de fevereiro de 2018, 10:39

BAHIA Coronel diz que não quer ser um ‘peso morto’ na chapa de Rui

Foto: Divulgação

Presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Ângelo Coronel

O presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) e pré-candidato ao Senado, Angelo Coronel (PSD), afirmou hoje, que não quer ser um candidato na chapa do governador Rui Costa ‘sendo um peso morto’. “Hoje o PSD tem 85 prefeitos, mais 110 de outras agremiações. Eu estou tentando fazer meu trabalho calado para ser nome viável”, disse Coronel.O presidente da Casa afirmou também não ter nenhum problema com a senadora Lídice da Mata (PSB). “Deveremos ter uma reunião no próximo mês com o nome homologado para a chapa. Lídice é uma boa pessoa, uma grande senadora. Não temos nenhum problema com o nome de Lídice, mas o PSD está lutando pela vaga dela. Eu não gosto de me envolver no time dos outros. Vamos ver qual o partido tem maior densidade eleitoral e vai contribuir para a chapa”, declarou.

22 de fevereiro de 2018, 10:33

BAHIA Rui diz que Negromonte terá “oportunidade de apresentar sua defesa”

O governador Rui Costa (PT) afirmou nesta quinta-feira, 22, que o ex-deputado federal indicado para o Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia (TCM-BA) no governo Jaques Wagner, Mário Negromonte, terá “a oportunidade de apresentar sua defesa e provar sua inocência”. O conselheiro foi afastado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). Durante entrega de passarela do metrô em Salvador, Rui evitou polemizar e disse que não comentaria, pois não conhece o processo. “Ele vai ter a oportunidade de apresentar sua defesa e de provar sua inocência. Não conheço o processo, não quero fazer ilações. Eu sou muito cauteloso, cuidadoso nas minhas declarações. Só gosto de dar declarações sobre aquilo que conheço, sobre aquilo que tenho o mínimo de informações”, afirmou o governador.

22 de fevereiro de 2018, 10:31

EXCLUSIVA Liberal defendendo diminuição do Estado no Brasil é boa novidade

Foto: Dida Sampaio/Agência Estado/Arquivo

Enciumado com Michel Temer, Rodrigo Maia saiu-se com uma pérola, ao propor diminuir o número de ministérios

Algo que preste saiu da boca do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ontem, depois de um encontro com o presidente Michel Temer (PMDB). Enciumado com a intervenção federal em seu Estado com que Temer pensa em acrescer alguns pontinhos positivos em sua imagem de mordomo de casa de terror, Maia deixou o encontro revelando que não pode concordar com qualquer proposta de aumento de impostos, segundo ele apresentada pelo presidente como forma de compensar o recuo na apresentação da proposta de reforma da Previdência. Em seguida, Maia defendeu o que parece nunca ter saído de sua boca antes: a redução do número de ministérios. Se fosse para valer, a idéia, como alternativa para conter o crescente deficit fiscal que o descarte da reforma da Previdência só vai potencializar, era, de fato, para ser aplaudida em praça pública. Afinal, não é sempre que se vê político defendendo a diminuição do Estado no país, mesmo que a liderança em questão perfile entre as que pertencem a legendas de confissão liberal, como o DEM, tão interessado quantos todos os demais partidos em ter espaço para indicar apaniguados na máquina pública e, se possível, fazer negócios. Com certeza, não há saída possível, senão reduzir o tamanho do Estado, cortar gastos e acabar com privilégios, algo normalmente de que a maioria dos políticos não gostam de ouvir falar nem de longe. O pior é que não só eles, como também juízes, desembargadores, promotores, auditores…

22 de fevereiro de 2018, 10:28

SALVADOR Limpurb retira mais de 2 mil toneladas de resíduos na Orla

Apenas nos dois primeiros meses deste ano, a Empresa de Limpeza Urbana de Salvador (Limpurb) coletou 2.005 mil toneladas de resíduos nas praias da capital baiana, entre São Tomé de Paripe e Ipitanga, num trecho que se estende por 25 quilômetros. De janeiro até dezembro de 2017, o órgão recolheu 14.029 toneladas de lixo na Orla. As praias onde se registra maior volume de sujeira, segundo levantamento do órgão municipal, são Porto da Barra, Farol da Barra, Piatã, Itapuã, Ribeira, Boa Viagem, Cantagalo, São Tomé de Paripe e Tubarão. Na estação mais quente do ano, há um aumento de 14,6% na quantidade de resíduos coletados nas praias. Neste fim de semana, será realizada a última atividade da Operação Praia Limpa, percorrendo as praias do Farol da Barra (sábado, 24 ) e Ribeira (domingo, 25). A operação já passou por praias como São Tomé de Paripe, Tubarão, Cantagalo, Ipitanga, Piatã, Itapuã, Paciência e Porto da Barra, com o objetivo de conscientizar os frequentadores e comerciantes sobre a melhor forma de fazer o descarte de resíduos, incentivar a manutenção da limpeza das praias e alertar para os riscos ambientais e da saúde da população com o acúmulo de resíduos na areia e no mar. Os resíduos mais comuns encontrados nas praias são sacos plásticos, copos descartáveis, pontas de cigarro, palito de picolé e coco. Já entre os serviços estão rastelagem com vassoura metálica na areia, catação, manutenção, esvaziamento das lixeiras, além da utilização de um trator para transportar os sacos de lixo e de uma cessadeira para fazer a peneiragem da areia. Estão disponíveis na Orla mais de 800 lixeiras para acondicionamento de resíduos, porém, mensalmente, são empenhados, em média, R$ 15 mil somente com a substituição desses recipientes, por conta dos atos de vandalismo. No dia a dia, cerca de 160 agentes trabalham no gerenciamento do serviço de limpeza, de domingo a domingo em três turnos. De acordo com o presidente do órgão, Kaio Moraes, a limpeza na orla é feita cuidadosamente durante todo o ano, e no verão é intensificada com mais 120 agentes, por conta do grande fluxo de frequentadores. “Reforçamos o número dos agentes e a frequência da limpeza para garantir que as praias estejam limpas e possam receber baianos e turistas. Mas, a limpeza vai além da coleta de resíduos: pintamos as balaustradas, meios-fios e retiramos as pichações”, explica o titular.

22 de fevereiro de 2018, 10:17

BRASIL Lava Jato suspeita que corrupção elevou tarifa de pedágio em até quatro vezes

Foto: Divulgação

48.ª fase deflagrada nesta quinta aponta que superfaturamento de obras e contratos fictícios elevaram valores pagos por usuários de rodovias do Anel da Integração, para gerar propinas, entre outras coisas

A Operação Integração, 48.ª fase da Lava Jato, deflagrada nesta quinta-feira, 22, suspeita que o superfaturamento no valor de obras realizadas e os contratos fictícios lançados na contabilidade pelas concessionárias de rodovias federais do Anel da Integração serviam para gerar recursos para pagamentos de propinas a agentes públicos do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) do Paraná e da Casa Civil do governo do Estado do Paraná. E o pior: podem ter elevado em até quatro vezes o valor das tarifas de pedágio para o usuário. “Perícias técnicas realizadas pelo Ministério Público Federal demonstram que há superfaturamento nos valores das obras das concessionárias constantes na proposta comercial. Conforme o laudo técnico, que utilizou como parâmetro a tabela SINAPI, da Caixa Econômica Federal, em alguns itens das planilhas o sobrepreço chegou a 89% em relação ao valor de mercado”, informou a força-tarefa da Lava Jato, por meio de sua assessoria de imprensa. “A ‘gordura’ era usada para pagamentos indevidos.” Primeira Lava Jato deflagrada em 2018, a Integração cumpre 7 mandados de prisão temporária e 50 de buscas e apreensão no Paraná, São Paulo, Santa Catarina e Rio de Janeiro. O esquema seria similar ao descoberto na Petrobrás, envolvendo concessionárias de rodovias federais. A concessionária Econorte, do Grupo Triunfo, é uma das principais investigadas. Ela usou os operadores de propina do escândalo Petrobrás Rodrigo Tacla Duran e Adir Assad supostamente para pagar propinas a agentes públicos, segundo a força-tarefa. “O MPF sustenta que esses pagamentos fazem parte de um gigantesco esquema de fraudes realizadas pelos administradores da concessionária em conluio com agentes públicos. Em fiscalização da Receita Federal que abrangeu somente os últimos três anos, houve desconsideração de R$ 56 milhões gastos pela subsidiária da concessionária em serviços fictícios.” Os procuradores da força-tarefa da Lava Jato, em Curitiba, em conjunto com os procuradores Lyana Helena Joppert Kalluf, Henrique Hahn Martins de Menezes, Raphael Otavio Bueno Santos e Henrique Gentil, que foram designados para atuarem nesta investigação, descobriram saques em espécie, pagamentos a empresas de fachadas entre outros. Segundo as apurações, “mesmo existindo uma determinação do Tribunal de Contas da União (TCU) e um estudo técnico recomendando a redução da tarifa em 18%, a empresa investigada foi favorecida por dois termos aditivos e um termo de ajuste que aumentaram a tarifa paga pelo usuário em mais de 25%”. “Para justificar o aumento, o DER/PR alegava necessidade de reequilíbrio econômico-financeiro dos contratos.” O diretor do DER paranaense, Nelson Leal, foi preso na manhã desta quinta-feira.

Estadão

22 de fevereiro de 2018, 10:05

BAHIA Conselheiro da OAB condena auxílio-moradia para magistrados

O conselheiro federal da OAB pela Bahia, Fabrício Castro, ratifica a posição contrária da Ordem ao auxílio-moradia dos magistrados. Para ele, o beneficio é ilegal e não tem base constitucional.”A Constituição Federal prevê o subsídio para os juízes, desembargadores e ministros do Poder Judiciário. O auxílio-moradia é um penduricalho que precisa acabar”, afirma Castro.O conselheiro federal admite que os magistrados e servidores da Justiça devam ser bem remunerados, mas sem ferir a Constituição.”Vivemos numa república, onde todos devem ser iguais perante a lei. E o Poder Judiciário deve dar o exemplo disso para a sociedade”, assinala Fabrício Castro.

22 de fevereiro de 2018, 09:57

BRASIL Banco do Brasil tem lucro líquido de R$ 11,1 bilhões em 2017

Foto: Divulgação

O lucro líquido sem ajuste ficou em 11,01 bilhões, com expansão de 37,1%.

O Banco do Brasil registrou lucro líquido ajustado (resultado sem itens extraordinários) de R$ 11,1 bilhões em 2017, valor 54,2% maior que o verificado em 2016. O lucro líquido sem ajuste ficou em 11,01 bilhões, com expansão de 37,1%. Segundo o banco, o resultado teve impacto, principalmente, do aumento das rendas de tarifas, da redução das despesas de provisão (recursos reservados para o caso de inadimplência) e das despesas administrativas. As receitas do banco com tarifas cresceram 9% em 2017 (R$ 25,794 bilhões), comparado ao ano anterior (R$ 23,794). De acordo com o relatório de análise de desempenho do banco, esse crescimento foi resultado “dos esforços de aumento do relacionamento com os clientes e da qualificação das contas correntes com maior uso de produtos e serviços”. O banco destacou as tarifas relacionadas à administração de fundos (26,5%), reflexo da elevação dos recursos administrados que passaram de R$ 730,9 bilhões em dezembro de 2016 para R$ 864,5 bilhões no final do ano passado, com alta de 18,3% em 12 meses. No quarto trimestre de 2017, o lucro líquido ajustado foi de R$ 3,2 bilhões, o que mostra desempenho 82,5% superior ao do mesmo trimestre do ano anterior – R$ 1,7 bilhão – e o maior resultado trimestral desde 2012. “Esse crescimento foi motivado pela expansão dos negócios, controle de despesas administrativas e, principalmente, pela redução das despesas com provisões, em razão da melhoria da qualidade da carteira”.

Kelly Oliveira, Agência Brasil

22 de fevereiro de 2018, 09:54

EXCLUSIVA Persio Arida, a novidade inaproveitada, por Raul Monteiro*

Foto: Nilton Fukuda/Arquivo/Estadão

Economista Persio Arida

O decreto do presidente Michel Temer intervindo na segurança pública no Rio de Janeiro, com toda a pirotecnia eleitoreira envolvida, como a ele se referiu o ex-presidente condenado Lula, conseguiu de fato dragar todas as atenções na semana, jogando para escanteio talvez a decisão mais importante surgida entre os pré-candidatos à Presidência: a escolha, por parte do pé de chumbo Geraldo Alckmin, do PSDB, aquele que se esforça mas não sobe em nenhuma pesquisa, do economista Pérsio Arida para coordenador de seu programa econômico de governo.

Foi até agora o tratamento mais sério dado por um postulante à Presidência ao problema mais sério que o país enfrenta, relativo à sua economia, em crise desde antes da campanha que reconduziu a ex-presidente Dilma Rouseff ao Palácio do Planalto. Arida é ninguém menos que um dos mais brilhantes economistas do país, cujo currículo traz, entre tantos feitos, o de ter sido um dos idealizadores do Plano Real, programa de estabilização da moeda que por isso pode ser considerado também o mais importante programa social do país, que Lula e sua turma trataram deliberdamente de encobrir com os bolsas-famílias da vida.

A entrevista que ele concedeu em seguida ao Estadão confirmando ter aceito o convite mostrou para que lado quem avalia com responsabilidade a economia do país pode pensar. “Temos que aprofundar as reformas e buscar uma solução estrutural para o grave problema fiscal que enfrentamos”, disse, na oportunidade, o economista, abordando ainda a questão importantíssima do crescimento econômico. Para ele, como qualquer cidadão sensato, o crescimento não vem com intervencionismo, muito menos inclusão social pode vir com populismo, modelo em voga no país.

“A verdadeira agenda do crescimento é criar as condições para a economia funcionar melhor. (Os caminhos para isso) são aumentar a segurança jurídica, privatizar, fazer uma boa reforma tributária, abrir a economia, assegurar a concorrência, evitar artificialismos e controles de preços”, disse Arida. Infelizmente, o receituário econômico claro e necessário ao país despois da loucura intervencionista da última presidente, aquela que pretendia, sozinha junto com seu brilhante ministro Guido Mantega, criar a nova matriz econômica para o Brasil, não mereceu o debate adequado.

Afinal, dão mais Ibope o decreto de intervenção no Rio, visto por petistas e congêneres como uma intervenção militar e não uma intervenção federal, além da virtual prisão do ex-presidente Lula, do que efetivamente o início de uma discussão sobre o que fazer com o país depois de uma crise que, apesar de indicadores aparentemente favoráveis, não dá mostras de ceder. Uma pena que Arida tenha amarrado seu jegue logo em Alckmin, que trouxe alguma racionalidade ao debate sobre a sucessão com a iniciativa, mas não consegue empolgar ninguém. Será que não é por isso mesmo?

* Artigo do editor Raul Monteiro publicado hoje pela Tribuna.

Raul Monteiro*