22 de junho de 2017, 15:15

BRASIL Supremo reinicia julgamento sobre validade das delações da JBS

O Supremo Tribunal Federal (STF) retomou hoje (22) à tarde o julgamento sobre a validade dos termos do acordo de delação premiada da JBS. Na sessão, nove ministros também devem votar sobre a manutenção dos processos oriundos da investigação sob a relatoria do ministro Edson Fachin, além da possibilidade de revisão da decisão do ministro que homologou a delação. Ontem (21), no primeiro dia de julgamento, somente dois ministros proferiram seus votos. Alexandre de Moraes acompanhou o entendimento do relator. Para os ministros, na fase de homologação, cabe ao Judiciário verificar somente a legalidade do acordo, sem interferência nos benefícios da delação e nas declarações dos investigados ao Ministério Público. Devem votar na sessão desta tarde os ministros Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux, Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio, Celso de Mello e a presidente, Cármen Lúcia.

Agência Brasil

22 de junho de 2017, 15:00

BRASIL Planalto exonera mais uma indicação de senador que votou contra reforma

Foto: Agência Senado

O senador Hélio José (PMDB-DF)

O Palácio do Planalto mostrou nesta quinta-feira, 22, disposição em continuar a retaliação ao senador Hélio José (PMDB-DF) por votar contra a reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) e depois dar declarações pedindo a renúncia do presidente Michel Temer. Nesta quinta, o Diário Oficial da União traz a exoneração de Aline Rezende Peixoto do cargo em comissão da Superintendência do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). De acordo com fontes do Planalto, a indicação era da cota do senador peemedebista. Com o cargo de Aline, já são três os indicados de Hélio José a perderem o cargo. Os outros dois, que já haviam sido exonerados, foram Vicente Ferreira, que deixou a Diretoria Planejamento e Avaliação da Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco), e Nilo Gonsalves, que perdeu o cargo de superintendente do Patrimônio da União no Distrito Federal (SPU-DF). O senador não foi encontrado pela reportagem para comentar a continuidade da retaliação. Na quarta-feira, ao ser informado pelo Broadcast Político (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado) que o governo estava fazendo um mapeamento para seguir a punição ao infiel, Hélio José disse que considerava a medida “um absurdo” e que mostra que o governo “perdeu o juízo”. “Se eles estão garimpando mais alguém para mandar embora, que tenha ligação comigo, isso é uma falta de respeito”, disse na quarta.

22 de junho de 2017, 14:45

BRASIL Associação do MP do Mato Grosso repudia críticas de Gilmar Mendes

A Associação Mato-grossense do Ministério Público, entidade de classe de promotores e procuradores de Justiça, divulgou nota em repúdio aos comentários feitos pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, durante evento ocorrido em Brasília na terça-feira, 20. Gilmar afirmou que houve “festival de abusos” nas investigações conduzidas pelo Ministério Público do Estado. Na nota divulgada na quarta-feira, 21, a entidade afirma que “a forma e o conteúdo das afirmações foram inteiramente inadequados para ocupante de cargo na magistratura, onde o modelo de conduta esperado por todos é o da serenidade, prudência, moderação, confiabilidade e certeza do que diz; nunca o da especulação, da falácia, do boato infundado e do insulto caviloso”. As declarações foram dadas pelo ministro na abertura do 7º Seminário Internacional de Direito Administrativo e Administração Pública. Gilmar criticou o que chamou de abusos ocorridos em investigações criminais no País e citou como exemplo um suposto excesso do uso de interceptações telefônicas no Ministério Público de Mato Grosso. “Neste final de semana estive no Mato Grosso e de lá vem com a notícia de que há um festival de abusos feito no âmbito de investigação e essas notícias infelizmente se repetem Brasil afora, feita pelo Ministério Público, a chamada barriga de aluguel – o uso de de interceptação telefônica pra atingir adversários políticos ou até pessoas nas relações privadas. Isso por falta de controle, temos de fazer esse tipo de discussão”, disse o ministro na ocasião.

Estadão

22 de junho de 2017, 14:30

BAHIA Em Paratinga, Rui entrega obras e autoriza convênio do Bahia Produtiva

Foto: Mateus Pereira/GOVBA

O governador Rui Costa entregou, nesta sexta-feira (22), um conjunto de melhorias aos moradores de Paratinga, município do oeste baiano. Primeiro, o governador inaugurou o asfaltamento das avenidas Manoel Novaes e José Duarte Porto, além de celebrar a requalificação de diversas ruas da sede municipal. Em seguida, realizou a inauguração da Unidade Básica de Saúde (UBS), de porte II, no bairro Barro Vermelho, disponibilizando atendimento médico e odontológico de qualidade e mais próximo para a população. “Estamos entregando obras muito importantes aqui. Fiquei feliz em saber que, com a inauguração desta unidade básica de saúde, e mais quatro que serão entregues posteriormente, o município chegará a 90% de cobertura de atenção básica. Sem contar com as outras ações realizados hoje, nas áreas de infraestrutura e agricultura, que, certamente, melhoram a qualidade de vida da população”, afirmou o governador. Durante a visita, Rui Costa também autorizou a Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR) a celebrar um convênio no âmbito do Programa Bahia Produtiva. O investimento total é de R$ 999. O projeto selecionado foi da Associação de Desenvolvimento Comunitário de Paratinga. No total, 50 famílias serão beneficiadas diretamente. De acordo com o titular da SDR, Jerônimo Rodrigues, a associação beneficiada pelo Bahia Produtiva trabalha com a cadeia do leite e, com o apoio do Governo, deve expandir a produção. “A ideia deles é construir um laticínio, que terá toda a infraestrutura, equipamentos e assistência técnica necessária para um funcionamento que atenda a região, garanta aumento da renda dos envolvidos e movimente a economia do município”, destacou. Ainda foram entregues 969 certificados de Cadastro Estadual Florestal de Imóveis Rurais (Cefir). De posse do documento, o proprietário rural valoriza seu imóvel, regulariza a parte ambiental, evita penalidades e viabiliza o acesso ao crédito para investir na produção. O Cefir ajuda o Governo a organizar ações de proteção às florestas e à água, permitindo ainda mais investimento no campo. O proprietário fica livre de penalidades decorrentes por falta de licença para atividades passíveis de licenciamento, supressão de vegetação ou utilização de recursos hídricos sem autorização, entre outras, desde que os compromissos assumidos sejam cumpridos.

22 de junho de 2017, 14:15

BRASIL Loures pegou carona com Kassab, em jatinho da FAB, para buscar R$ 500 mil da JBS

Foto: Divulgação

O ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR)

O ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) usou um jatinho da Força Aérea Brasileira (FAB) para pegar a mala estufada de propina viva da JBS. No dia 27 de abril, o homem da mala – da estrita confiança do presidente da República, Michel Temer, – deslocou-se de Brasília para São Paulo, onde no dia seguinte recebeu 10 mil notas de R$ 50 somando R$ 500 mil em dinheiro da empresa. As informações constam de relatório da Polícia Federal na Operação Patmos, desdobramento da Lava Jato que mira Loures e o presidente. O voo partiu da capital federal às 19 horas. O homem da mala pegou carona do ministro Gilberto Kassab (Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações/ PSD-SP), que consta nos registros da FAB como o requisitante da aeronave. Outros cinco passageiros teriam embarcado na companhia de Kassab e do homem da mala, mas a identidade dessas pessoas não aparece no documento da Força Aérea Brasileira. A aeronave pousou no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, às 20h55, de 27 de abril. Loures estava sob monitoramento de ação controlada da PF, autorizada pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal. Os agentes o filmaram em diversos deslocamentos pela capital paulista. A cena crucial da investigação mostra o homem da mala saltitante pela Rua Pamplona, nos Jardins, carregando a propina que havia acabado de receber das mãos do executivo Ricardo Saud, diretor de Relações Institucionais da J&F, controladora da JBS. O monitoramento da PF flagrou Rocha Loures, ainda no dia 27, preocupado em não perder a viagem de qualquer maneira. Mesmo com a possibilidade de tomar voo da FAB, o homem da mala solicitou a Alessandra, apontada pelos investigadores como sua assessora na Câmara, que providenciasse a compra – com dinheiro público – uma passagem comercial para São Paulo.

Estadão Conteúdo

22 de junho de 2017, 14:00

BAHIA Democrata diz que obras de mobilidade do estado é que são “piratas”

O deputado Pablo Barrozo (DEM)

O deputado Pablo Barrozo (DEM) rebateu as declarações do deputado Afonso Florence (PT) de que o prefeito ACM Neto costuma “piratear” as obras do estado e atrapalhar a integração com dos ônibus com o metrô. Aliado de Neto, o democrata afirmou que “quem pirateia obras na cidade é o governador Rui Costa”. “As obras bancadas com recursos federais eles anunciam na propaganda como deles, como o caso do metrô e das intervenções viárias em avenidas, como a Orlando Gomes. O prefeito ACM Neto, ao contrário, fez investimentos importantes com recursos próprios, sem ajuda do estado ou da União, como a ligação viária entre Cajazeiras e a BR-324, duplicação da Baixa do Fiscal e requalificação da Ladeira do Cacau”, citou”. Sobre a polêmica em torno da integração, Pablo Barrozo afirmou que o modelo defendido pelo governador Rui Costa vai obrigar a população a pagar duas vezes para usar o transporte público. “O prefeito ACM Neto quer a integração plena. Assim, o cidadão pode pegar o ônibus, soltar numa estação do metrô e, sem pagar nada a mais, utilizar o trem. O estado, por sua vez, quer contratar linhas de ônibus para operar apenas nas proximidades das estações do metrô. Dessa forma, quem mora longe de uma estação, vai ter que pagar pelo ônibus comum, entrar no transporte do estado e pagar outra passagem para acessar o metrô”.

Leia também: Florence diz que Neto ‘pirateava obras e agora quer atrapalhar’

22 de junho de 2017, 13:45

ECONOMIA Diretor do Banco Central diz que economia vai se recuperar gradualmente

A economia brasileira deve se recuperar gradualmente, afirmou hoje (22) o diretor de Política Econômica do Banco Central (BC), Carlos Viana de Carvalho. O BC manteve a estimativa para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, em 0,5% em 2017, no Relatório de Inflação, divulgado de manhã. “Riscos sempre há, mas temos esse diagnóstico de que a estabilização ocorreu e que as perspectivas são de recuperação gradual”, disse o diretor ao apresentar o relatório. No documento, o BC destaca que as reformas propostas pelo governo, da Previdência e trabalhista, são necessárias para a recuperação da economia. “A manutenção, por tempo prolongado, de níveis de incerteza elevados sobre a evolução do processo de reformas e ajustes na economia pode ter impacto negativo sobre a atividade”. Viana também afirmou que mudanças no ritmo de cortes na taxa básica de juros, a Selic, dependem da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e de expectativas para a inflação. No relatório, o BC lembrou que, na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), responsável por definir a Selic, o colegiado entendeu que “uma redução moderada do ritmo de flexibilização monetária [redução da taxa] em relação ao ritmo adotado naquela ocasião deveria se mostrar adequada em sua próxima reunião, em julho”. “Em nenhum momento, nós nos comprometemos com decisões futuras. É condicional”, disse o diretor. Ele acrescentou que o Copom mostra os fatores que podem indicar a “direção que parece mais provável”, mas não há nada pré-definido.

Agência Brasil

22 de junho de 2017, 13:30

BRASIL Programa de TV do PSB pede renúncia de Temer

Em programa partidário que vai ao ar na noite desta quinta-feira, 22, o PSB diz que a sigla “tem lado” e pede a renúncia do presidente Michel Temer. Embora a cúpula da legenda tenha rompido com o governo, o Ministério de Minas e Energia ainda segue nas mãos do deputado licenciado Fernando Coelho Filho (PE), um dos líderes da ala governista do partido. Nos 10 minutos de propaganda, o PSB prega a realização de eleições diretas para presidente da República “para impedir que interferências do poder econômico continuem valendo mais que a vontade da população”. “Defendemos a renúncia do presidente Michel Temer, que perdeu as condições éticas para liderar o País”, diz a apresentadora. O partido optou por homenagear seu ex-presidente de honra, o escritor Ariano Suassuna, mostrar representantes da juventude e as líderes mulheres do partido, como as senadoras Lúcia Vânia (GO) e Lídice da Mata (BA). Coube à parlamentar baiana reiterar que a sigla fechou questão contra a aprovação das reformas previdenciária e trabalhista. Lídice afirma que, no que depender do PSB, as propostas do governo não serão aprovadas pelo Congresso Nacional. “As reformas trabalhista e previdenciária do governo Temer tiram direitos históricos dos trabalhadores e pioram ainda mais as condições de vida e trabalho da mulher”, declara. O PSB vive um impasse interno. Embora a direção da legenda tenha aprovado o voto contrário às reformas, metade da bancada na Câmara vem se posicionando à favor das matérias de interesse do governo. Nesta semana, o deputado Júlio Delgado (PSB-MG) defendeu o encaminhamento contrário a uma orientação do governo no plenário mas, num debate acalorado, teve de ouvir do deputado Laerte Bessa (PR-DF) que o partido faz oposição ao governo, porém continua no Ministério de Minas e Energia.

Estadão

22 de junho de 2017, 13:15

BRASIL Dois ex-ministros do STF e STJ atuam para evitar acordo extrajudicial envolvendo poupadores

Os ex-ministros Eros Grau ,do Supremo Tribunal Federal, e César Asfor Rocha, do Superior Tribunal de Justiça, atuam fortemente nos bastidores para que o STF e o STJ decidam pela extinção das ações de milhões de poupadores que já tiveram reconhecido o direito a receber indenização dos bancos por causa da correção errada da poupança. Escritórios de advocacia podem perdem honorários milionários se o caso terminar em acordo extrajudicial, como vem se negociado, e não por vias judiciais. O acordo, intermediado pela AGU, tem de um lado a Frente Brasileira pelos Poupadores (Febrapo) e, de outro, os bancos públicos. O acordo está em estágio bastante avançado e vem sendo intermediado pela AGU. De um lado está a Frente Brasileira pelos Poupadores (Febrapo). Do outro lado, os bancos públicos. O ministério da Fazenda já deu aval ao entendimento extrajudicial, que deve injetar mais de 10 bilhões de reais na economia brasileira e, ainda de quebra, colaborar para reduzir a quantidade de processo que tramita em todo Judiciário.

Estadão

22 de junho de 2017, 13:00

BRASIL Governo cria ferramenta para consulta sobre gestão de pessoas do Executivo

O Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão lançou hoje (22) o Painel Estatístico de Pessoal (PEP), portal eletrônico que reúne em um único de acesso as informações estatísticas sobre gestão de pessoas do Poder Executivo Federal. Segundo o secretário de Gestão de Pessoas, Augusto Akira Chiba, o sistema automatizado simplifica o acesso e a visualização de dados, além de permitir consultas personalizadas. “O painel dá maior transparência porque, muitas vezes, as informações estão no boletim, só que o usuário não consegue extrair e tratar os dados. É um ‘faça você mesmo’, com uma ferramenta para fazer os cruzamentos que quiser”, disse. Atualmente, as informações sobre gestão de pessoas do Executivo estão disponíveis no Boletim Estatístico de Pessoal, que são tabelas atualizadas a cada três meses. A ideia é transformar dados em informações de apoio para gestores públicos, cidadãos e imprensa. Segundo o ministério, a nova ferramenta fornecerá uma ampla base de informações que serão atualizadas mensalmente, com opções de consulta e uso de gráficos, mapas e planilhas, facilitando o agrupamento e o cruzamento dos dados. Por meio do portal, também será possível fazer análises associativas sobre despesas de pessoal, quantitativos de servidores, remunerações, concursos, cargos e funções e aposentadorias. O painel concentra as informações estatísticas a partir de janeiro de 2017 e está disponível no endereço pep.planejamento.gov.br [https://pep.planejamento.gov.br/].

Andreia Verdélio, Agência Brasil

22 de junho de 2017, 12:40

ECONOMIA CNI: Confiança do empresário cai no mês de junho

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) caiu para 51,9 pontos em junho, uma redução de 1,8 ponto na comparação com maio. O indicador cai pela primeira vez após quatro meses de estabilidade, de acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI). Na análise da entidade, o país ainda enfrenta dificuldades para superar a crise. “Como ainda mantém-se acima da linha divisória de 50 pontos, o ICEI revela que os empresários permanecem confiantes, mas a confiança se reduziu entre maio e junho”, diz o estudo divulgado hoje (22). Os indicadores da pesquisa variam em uma escala que vai de zero a 100 pontos. De acordo com o estudo, quando o índice fica acima de 50 pontos, os empresários estão confiantes. A CNI observa, no entanto, que o índice de junho é insuficiente para estimular o investimento industrial. Embora esteja 6,2 pontos acima do registrado em junho do ano passado, a confiança do empresário continua abaixo da média histórica de 54 pontos. “Com a queda de junho, a confiança fica ainda mais distante do nível necessário para a recuperação da economia”, afirma o economista da CNI Marcelo Azevedo, em nota divulgada pela entidade. A confiança é maior nas grandes empresas, segmento em que o ICEI alcançou 54,1 pontos. Nas pequenas empresas, o indicador ficou em 48,8 pontos, abaixo da linha divisória dos 50 pontos, que separa o otimismo do pessimismo. A indústria extrativa foi o segmento que apresentou a maior queda em relação a maio, passou de 57,6 para 52,7. O indicador de expectativas caiu de 57,4 pontos em maio para 54,9 pontos em junho, o que mostra a redução do otimismo dos empresários em relação à situação da economia brasileira e das empresas nos próximos seis meses. Já o indicador que revela a percepção dos industriais sobre a situação atual das empresas e da economia ficou estável, em 46 pontos, indicando, de acordo com o estudo, que o empresário ainda percebe piora do ambiente corrente de negócios. A pesquisa foi feita entre 1º e 12 de junho, com 2.958 empresas. Dessas, 1.173 são pequenas, 1.112 são médias e 673 são de grande porte. O ICEI antecipa tendências de produção e de investimento.

Mariana Tokarnia, Agência Brasil

22 de junho de 2017, 12:20

BRASIL Temer pede a noruegueses que façam parte de “momento próspero” brasileiro

Em reunião hoje (22) com investidores noruegueses, o presidente Michel Temer pediu a eles que façam parte “desse momento próspero” pelo qual passa o Brasil. Na tentativa de despertar o interesse dos investidores, Temer citou as reformas trabalhistas e previdenciária, em tramitação no Legislativo brasileiro, e as privatizações e concessões que estão sendo feitas no setor de infraestrutura brasileiro. Temer disse, aos investidores, que o novo modelo de privatizações e de concessões que está sendo aplicado no Brasil representa oportunidades de investimentos que, em conjunto com as reformas trabalhista e previdenciária, resultará na melhora do ambiente de negócio e da produtividade. “Queremos que o investidor norueguês faça parte desse momento próspero que estamos vivendo no Brasil. Estou certo e esperançoso de que mais investimentos virão em vários setores, não apenas em energia. No [âmbito] comercial, temos de aumentar as trocas com a Noruega”, disse o presidente ao discursar no evento organizado em Oslo pela Associação dos Armadores da Noruega. Temer destacou os benefícios de se investir no Brasil. “Temos hoje quase 206 milhões de habitantes e uma grande fonte de oportunidades. Nossa matriz energética é limpa, nossa agricultura é competitiva e sustentável, e abrigamos parque industrial extremamente diversificado.” No discurso, o presidente brasileiro citou os principais pontos da reforma trabalhista e apresentou alguns dados econômicos, como o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) e a queda da taxa básica de juros, na tentativa de apresentar um cenário atrativo para investimentos. “Vocês encontrarão um país com fundamentos sólidos e oportunidade de investimentos muito seguros”, disse Temer. “O país continuará a avançar com as reformas trabalhista e previdenciária”, acrescentou. Temer defendeu que a aproximação entre Brasil e Noruega seja feita também por meio dos blocos dos quais participam os dois países, no caso, a Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA) – grupo integrado por Noruega, Islândia, Liechtenstein e Suíça – e o Mercosul. Nas reuniões previstas para amanhã com o Rei Harald V, com a primeira-ministra, Erna Solberg, e com o presidente do Parlamento, Olemic Thommessen, um dos principais temas a serem abordados é a questão ambiental. A Noruega é o principal país financiador do Fundo Amazônia, com repasses de R$ 2,8 bilhões. Atualmente, há 89 projetos no âmbito do Fundo Amazônia em áreas como combate ao desmatamento, regularização fundiária e gestão territorial e ambiental de terras indígenas. O Fundo é administrado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Além disso, a Noruega é o oitavo maior investidor estrangeiro no Brasil, com presença no setor de energia.

Pedro Peduzzi, Agência Brasil

22 de junho de 2017, 12:08

BAHIA Florence diz que Neto ‘pirateava obras e agora quer atrapalhar’

Foto: Divulgação

O deputado federal Afonso Florence (PT) comentou nesta quinta-feira, 22, a polêmica envolvendo a integração metrô-ônibus em Salvador. O petista disse que o democrata costumava “piratear” as obras do governo do Estado em Salvador, mas que agora a jogada é tentar “atrapalhar” os projetos de Rui. “Em vez de se preocupar com a regulação, ele não faz a parte dele e tenta culpar a regulação do Estado. Acho que ele está assustado com o volume de obras. ACM está pressionado por isso, pela delação da Odebrecht, das obras da Barra… Decidiu parar de piratear e agora quer atrapalhar”, disse Florence em entrevista à Rádio Metrópole. O petista afirmou, ainda, que Neto fez “escolhas erradas”, e criticou o democrata pelas linhas de ônibus que deixaram de circular no CAB. “O metrô subsidiar o sistema de ônibus está errado. Integrar oferecendo tarifa mais barata, está certo. O prefeito tirou as linhas de ônibus do CAB. Rui já anunciou ônibus. O ideal seria não concorrer”, avaliou.

22 de junho de 2017, 12:07

BRASIL Plano Nacional de Educação completa três anos com apenas 20% das metas cumpridas

Após três anos de vigência do Plano Nacional de Educação (PNE), apenas seis das 30 metas e estratégias que deveriam ter sido cumpridas até 2017 foram alcançadas total ou parcialmente. O número representa 20% do total, o que significa que quatro em cada cinco metas não foram atingidas. O balanço é do Observatório do PNE (OPNE), uma plataforma formada por 24 organizações parceiras, coordenada pelo movimento Todos Pela Educação. O PNE é uma lei federal, sancionada em 2014, que prevê metas para melhorar a qualidade do ensino brasileiro em um prazo de dez anos, desde a educação infantil até a pós-graduação. As estratégias preveem aumento do investimento, melhorias em infraestrutura e valorização do professor. O texto estabelece 20 metas para serem cumpridas até 2024, das quais oito têm prazos intermediários, que já venceram. A lei também aponta 254 estratégias relacionadas a cada uma das metas e 14 artigos que definem ações a serem realizadas no país. Na avaliação da presidente executiva do Todos Pela Educação, Priscila Cruz, o principal entrave para o cumprimento do PNE é a falta de um plano estratégico que estabeleça uma ordem de execução das metas. Para ela, os governos federal, estaduais e municipais deveriam ter traçado uma estratégia de execução para definir o que deve ser feito primeiro. “O plano não coloca as metas e as estratégias em uma ordem para que a gente consiga fazer com que ele seja realmente executado e cumprido. Algumas metas são gargalos para outras, é preciso definir quais deveriam ser cumpridas antes para que outras avancem e quais metas vão impedir que as demais sejam cumpridas”, aponta. Para a pedagoga Anna Helena Altenfelder, superintendente do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec), o balanço dos três anos do PNE é preocupante. “Ainda mais se levarmos em consideração que as metas são articuladas e o sucesso de uma depende da execução da outra. Temos que pensar no plano como um todo”, diz. O MEC diz que está trabalhando na implantação de políticas estruturantes e na melhoria da gestão dos programas para alcançar melhores resultados. Uma das principais ações é implantação da Base Nacional Curricular Comum (BNCC) que deverá promover a melhoria das aprendizagens em todas as etapas da educação básica. As ações envolvem também investimento na melhoria das escolas, na formação dos professores, na educação infantil, além da garantia da alfabetização e da mudança da estrutura curricular do Ensino Médio.

Agência Brasil

22 de junho de 2017, 12:03

ECONOMIA Confiança do empresário industrial cai em junho, revela CNI

A confiança do empresário industrial caiu em junho, segundo pesquisa divulgada nesta quinta-feira, 22, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) de junho ficou em 51,9 pontos, o que representa um recuo de 1,8 ponto na comparação com maio, após quatro meses de relativa estabilidade. Na avaliação da entidade, essa queda indica que o País ainda enfrenta dificuldades para superar a crise. A CNI destaca que, como o índice permanece acima da linha de 50 pontos, o ICEI ainda revela que os empresários estão confiantes, mas essa confiança se reduziu entre maio e junho. Pela metodologia da pesquisa, valores abaixo de 50 pontos indicam falta de confiança. Na comparação com junho de 2016, o ICEI apresenta crescimento de 6,2 pontos. Mesmo assim, ainda está abaixo da média histórica de 54 pontos, “em nível aquém do necessário para estimular o investimento industrial”, destaca a CNI. “Com a queda de junho, a confiança fica ainda mais distante do nível necessário para a recuperação da economia”, afirma o economista da CNI, Marcelo Azevedo.Segundo a pesquisa, essa queda da confiança do empresário industrial deve-se exclusivamente a mudanças nas expectativas dos empresários para os próximos seis meses. O indicador de expectativas caiu de 57,4 pontos em maio para 54,9 pontos em junho. O indicador que revela a percepção dos industriais sobre a situação atual das empresas e da economia ficou estável, em 46 pontos. Na análise do índice por segmento, a pesquisa revela que a confiança é maior nas grandes empresas, com o ICEI alcançando 54 1 pontos. Nas pequenas empresas, o indicador ficou em 48,4 pontos, abaixo da linha divisória de 50 pontos, que separa o otimismo do pessimismo. A pesquisa da CNI foi feita entre 1º e 12 de junho, com 2.958 empresas.

Estadão