14 de janeiro de 2019, 16:36

SALVADOR Suíca defende a educação como transformadora do social durante formatura em Pernambués

“Educação é um dos caminhos transformadores do social. É com ela que formamos cidadãos, é com ela que construímos a cidadania. Os governos precisam fazer essa leitura, mesmo não sendo investimentos que aparecem como as obras, são investimentos fundamentais para o desenvolvimento da sociedade”. A citação é do vereador e vice-líder da oposição em Salvador, Luiz Carlos Suíca (PT), que esteve no último sábado (12) na formatura do ensino médio no Colégio Estadual Ministro Aliomar Baleeiro. Suíca destaca que é sempre gratificante ver jovens concluindo mais uma etapa da vida com determinação e vontade de crescer. “Eu sou um exemplo disso, perdi minha mãe com dois anos de idade e queria que meus pais tivessem condições de incentivar os estudos. Me dediquei devido à necessidade, e hoje agradeço a minha companheira, ao SindilimpBa e todos que me ajudaram a me formar em História”, salienta o edil petista durante seu programa diário na TV Baiana. Ele ainda salienta a importância do conhecimento e destaca a força de vontade das pessoas em dar continuidade aos estudos. “É muito difícil se formar hoje em dia, devido ao trabalho que se torna prioridade para muitas famílias do país. Mesmo no caso de conclusão do ensino médio, as pessoas ainda têm de dividir os estudos com o trabalho. Trabalhar de dia e estudar durante a noite. Ouvi depoimentos emocionantes em Pernambués, inclusive um de uma mulher que tem dois filhos, sendo uma especial, mas estava lá e concluiu o ensino. E eu quero que ela continue tendo forças para entrar na universidade, para trabalhar e ajudar suas filhas, dando esse exemplo”, completa.

14 de janeiro de 2019, 16:18

BRASIL Ministro diz que há consenso para Brasil permanecer no Acordo de Paris

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse hoje (14) que há um consenso no governo para que o Brasil permaneça no Acordo de Paris, que estabelece metas entre os signatários para redução da emissão de gases causadores do efeito estufa. Durante a campanha e depois de eleito, o presidente Jair Bolsonaro criticou por diversas vezes o acordo e sinalizou que o Brasil poderia abandoná-lo. Salles disse que, “por hora”, o Brasil permanece comprometido com a agenda. Entretanto, segundo o ministro, a implementação ocorrerá de forma a evitar prejuízos aos empresários brasileiros. “Há pontos importantes no acordo que a gente quer valorizar, como aqueles que podem trazer recursos financeiros para o país”, disse após participar de um almoço promovido pelo Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP). Segundo o ministro, há pontos mais sensíveis que dizem respeito a transformação de princípios, valores ou ideias na legislação nacional. “Restrição a gerenciamento do território, políticas públicas, nós vamos olhar com muito cuidado, porque o Brasil tem autonomia, como todo país, e deve conseguir tomar conta do território de acordo com seus interesses e prioridades”, disse.

Agência Brasil

14 de janeiro de 2019, 16:03

MUNDO Casa Reclusione di Oristano, o novo endereço de Battisti

Foto: Reprodução

Reprodução de imagem de satélite do Google Maps

Cesare Battisti chegou ao presídio de Oristano, na região da Sardenha, onde irá cumprir sua pena de prisão perpétua, às 17h25 do horário local. Segundo informações do jornal Corriere Della Sera, a prisão de Oristano foi aberta em 2012 e abriga 266 detentos, quase todos condenados por crimes comuns. Do total, 85% estão submetidos ao regime de segurança máxima. Nunca houve casos de fuga. Preso na Bolívia neste sábado, 12, o italiano iria, inicialmente, à prisão de Rebibbia, na zona urbana de Roma, mas, por questões de segurança, o governo da Itália decidiu levar Battisti para Oristano. O jatinho da Itália, que partiu no início da noite do domingo, 13, de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, pousou no Aeroporto de Ciampino, em Roma. Battisti e sua escolta era aguardados pelos ministros Matteo Salvini, do Interior; e Alfonso Bonafede, da Justiça. Battisti foi sentenciado na Itália por quatro assassinatos nos anos 1970. Durante muitos anos ele ficou no Brasil, na condição de refugiado por ato do ex-presidente Lula. Em dezembro, o ministro Luiz Fux, do Supremo, mandou prender Battisti. Ele fugiu para a Bolívia, onde foi capturado sábado, 12.

Estadão

14 de janeiro de 2019, 15:51

SALVADOR Unidade acolherá filhos de ambulantes durante Lavagem do Bonfim

Os filhos de ambulantes, de catadores de latinhas e crianças que estejam em situação de violação de direitos contarão com um espaço de acolhimento durante a Lavagem do Bonfim, que ocorre nesta quinta-feira (17), na Cidade Baixa. O acolhimento será realizado das 7h às 18h, na Escola Municipal Constança Medeiros, situada na Rua Alvares de Azevedo, nº 101, no Bonfim. A capacidade é de 60 crianças e adolescentes (de 0 a 17 anos). A unidade dispõe de psicólogos, assistentes sociais e educadores para dar o suporte necessário aos pequenos, que também terão acesso a atividades recreativas e a três refeições: café da manhã, almoço e lanche. Segundo Cristina Argiles, titular da Secretaria Municipal de Política para as Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ), o serviço permite que os ambulantes trabalhem tranquilamente, enquanto deixam seus filhos resguardados em um ambiente seguro. No local, serão oferecidos alimentação, recreação, psicólogos, assistentes sociais e todo o amparo necessário que garante o direito das crianças e adolescentes. “Tiramos as crianças e adolescentes das ruas, excluímos da vulnerabilidade, do trabalho infantil, do risco de exploração sexual e garantimos os seus direitos. Com isso, os pais podem trabalhar mais tranquilos e garantir a renda do período”, afirma. Para ter acesso ao espaço, é necessário apresentar os seguintes documentos: RG, CPF, certidão de nascimento da criança e comprovante de residência. Além da demanda espontânea, o local receberá crianças encaminhadas pelas equipes da abordagem social e pelo Conselho Tutelar.

14 de janeiro de 2019, 15:23

BRASIL Salles prioriza cidades em gestão no Meio Ambiente e critica burocracia

Foto: Estadão

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou nesta segunda-feira, 14, que a prioridade da pasta será a questão urbana. Ele criticou ainda a burocracia nos processos do órgão. Em uma palestra de cerca de 40 minutos a empresários do setor imobiliário no Secovi-SP, Salles defendeu que nos últimos 20 anos houve uma preocupação com o meio ambiente em relação às matas e florestas, em detrimento do debate de temas urbanos. “Deixamos muito a desejar na questão urbana. Este é o item número um da pauta de trabalho dos próximos anos”, comentou. Em relação aos servidores da pasta, Salles disse que será necessário diminuir a burocracia do órgão e aperfeiçoar critérios técnicos. “Temos de treinar a nossa turma a usar mais Excel”, brincou. Salles também defendeu um “reequilíbrio” da política nacional de resíduos sólidos que, segundo ele, tem objetivos “absolutamente inaplicáveis”. “É preciso ter um senso de realismo, falar a verdade”, disse. O ministro defendeu ainda o aumento da parceria com o setor produtivo para a pasta. Em um dos exemplos, ele citou a concessão de parques nacionais à iniciativa privada. Citando a viagem que fez na semana passada à Foz do Iguaçu (PR), onde visitou o Parque Nacional Iguaçu, Salles disse que no local era um “exemplo” de como os parques podem ser geridos. “Nós queremos aumentar a quantidade de parques concessionados e acelerar, portanto, este trabalho de concessão de parques. Nós queremos mostrar o potencial do ecoturismo no Brasil”, afirmou. Salles ressaltou, no entanto, que não há um cronograma dentro da pasta para firmar estas parcerias.

Agência Brasil

14 de janeiro de 2019, 15:17

BRASIL Ceará convocará militares da reserva para reforçar segurança

O governo do Ceará planeja convocar até 1,2 mil policiais e bombeiros militares da reserva para reforçar o patrulhamento nas ruas e, assim, enfrentar a onda de ataques criminosos no estado, que chegou hoje (14) ao 13º dia. A convocação dos militares da reserva é parte das medidas aprovadas pela Assembleia Legislativa e sancionadas, ontem (13), pelo governador Camilo Santana. Além da convocação emergencial de militares reformados nos últimos cinco anos, aprovados nos exames de saúde e físicos, as novas leis de enfrentamento à violência e ao crime organizado permitem que o governo estadual amplie de 48 horas para 84 horas a quantidade máxima de horas extras que policiais, bombeiros e agentes penitenciários são autorizados a fazer mensalmente. As medidas, já em vigor, também possibilitam ao Poder Executivo cearense assinar convênios com a União e com outras unidades da federação para a cessão de policiais; estabelece regras de restrição ao uso do entorno dos presídios para prevenir fugas e garantir mais segurança, e autoriza o governo a pagar por informações que resultem na prisão de bandidos ou evitem ataques criminosos. Segundo a Secretaria estadual da Segurança Pública e Defesa Social, 358 suspeitos de participar dos ataques a prédios públicos, ônibus e obras de infraestrutura foram presos ou apreendidos até esta manhã. Desde o começo dos ataques, no último dia 2, as forças de segurança pública também vêm apreendendo armas e explosivos. Só na tarde do último sábado (12), cerca de cinco toneladas de explosivos foram encontradas em um depósito clandestino. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) também confirmou, hoje (14), que enviará mais policiais rodoviários para o estado a fim de reforçar as ações da superintendência cearense. A quantidade de agentes e a data que eles chegarão ainda estão sendo definidas, segundo a assessoria do órgão subordinado ao Ministério da Justiça. Será o segundo grupo de policiais rodoviários federais deslocado para se somar ao efetivo local.

Agência Brasil

14 de janeiro de 2019, 15:03

BRASIL Promotores ouvem João de Deus pela segunda vez

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil via AP

Mais de 300 mulheres fizeram denúncias ao MP de Goiás contra João de Deus

Promotores de Goiás interrogam pela segunda vez, nesta segunda, 14, o médium João de Deus, réu por violação sexual e estupro de vulnerável, além de investigado por centenas de acusações de abusos contra mulheres e porte ilegal de armas. Ele é ouvido dentro do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, onde está detido preventivamente desde 16 de dezembro. No fim de dezembro, o Ministério Público de Goiás apresentou denúncia acusando o médium de praticar os crimes contra quatro vítimas durante atendimento em 2018. O processo corre em segredo de Justiça, mas de acordo com reportagem do Estado, a denúncia contém o depoimento de 19 das 79 mulheres ouvidas pela promotoria de Abadiânia. O documento descreve dois crimes de violação sexual mediante fraude, praticados durante atendimento coletivo, e dois delitos de estupro de vulnerável, praticados durante atendimentos individuais. Em seu primeiro depoimento, na data da prisão, João de Deus negou as acusações de abuso sexual.

Estadão

14 de janeiro de 2019, 14:49

SALVADOR Cortejo da Lavagem do Bonfim contará com 42 entidades

Ao completar 265 anos e com o tema “Jesus, o amado Senhor do Bonfim, é a nossa paz”, a tradicional Lavagem do Bonfim, realizada nesta quinta-feira (11), contará com 42 entidades cadastradas junto à Empresa Salvador Turismo (Saltur) que vão integrar o desfile entre a Igreja da Conceição da Praia, no Comércio, até a Colina Sagrada, no Bonfim. Entre as entidades estão bloquinhos carnavalescos, fanfarras, DJ’s, microtrios e representantes de associações. O desfile será realizado após a cerimônia inter-religiosa, que será iniciada às 8h, na Basílica de Nossa Senhora da Conceição da Praia. A celebração será conduzida pelo padre José Ribamar e representantes de diversos segmentos religiosos vão se unir em oração pela paz. Prevista para as 9h30, a saída das entidades acontecerá por ordem de chegada. O ponto de concentração e partida será na Avenida Contorno. Dentre as entidades tradicionais como o Ilê Aiyê e Filhos de Gandhy, desfilam também na Lavagem do Bonfim bloquinhos formados por grupos de pessoas que queriam acompanhar o cortejo de uma forma mais animada. É o caso de 50 amigos que, por muitos anos, se encontravam no bairro do Comércio para acompanhar a lavagem. Decidiram então formar o “Bloquinho da Fé” que, pelo primeiro ano, participará do desfile para celebrar a alegria e a amizade durante o circuito. Um dos responsáveis pela criação, o despachante aduaneiro Denilson Pereira, 38 anos, conta que todos estão ansiosos e estão trabalhando para ser um dia bem divertido. “Contratamos uma fanfarra e fizemos até uma camisa com o nome do bloco para ficar bem organizado. É uma experiência nova para todos nós. Estamos muito animados!”, declara. Pelo terceiro ano consecutivo o DJ Márcio Barboza, 37 anos, levará para a lavagem o “Andarilho da Folia”, um veículo modelo Toller que foi transformado em um nanotrio. Durante o percurso, o DJ vai tocar músicas dos anos 1980 e 1990 para exaltar a ancestralidade do povo baiano. “Sentia falta de um DJ em uma festa de largo e tive a ideia de participar da Lavagem do Bonfim. É uma energia inexplicável estar nesta festa. Ver pessoas de todas as idades dançando e sendo feliz, não tem preço”, afirma.

14 de janeiro de 2019, 14:34

BRASIL Gleisi diz que PT não apoiará reeleição de Maia por causa do PSL

Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann (PR), afirmou nesta segunda-feira, 14, que o seu partido não cogita apoiar a reeleição do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), devido à aliança dele com o PSL, partido de Jair Bolsonaro. “Queremos construir um bloco e uma articulação com os partidos da centro-esquerda. Essa é a nossa prioridade e, obviamente, estamos abertos a conversar com todos que primam pelo respeito ao Parlamento e às forças políticas”, disse. Segundo a senadora, que assume mandato na Câmara a partir de fevereiro, esse grupo poderia ser formado inicialmente pelo PT, pelo PSB e pelo PSOL. O PSB, entretanto, já articula um bloco com o PDT e o PCdoB. “O PSB vai ter uma conversa com o PDT e o PCdoB nesta semana, mas o partido não sinalizou ainda se vai adiante ou não. A ideia é buscar uma composição com todos porque, assim como nós, eles não querem estar em uma composição com o PSL, ou seja, isso é uma baliza nossa. Não estaremos nesse bloco com o PSL”, afirmou Gleisi. No início do mês, o presidente do PSL, o deputado eleito Luciano Bivar (PE), declarou que a sigla apoiará formalmente Rodrigo Maia e fará parte de sua chapa eleitoral. Isso fez com que o PSB desistisse de apoiar o demista. O PDT, por outro lado, declarou no fim de semana que pode apoiar Maia, movimento que enfraquece a oposição. Gleisi e outras lideranças petistas estão realizando reuniões internas desde domingo, 13, para discutir a estratégia em relação ao comando da Casa e à participação da sigla em postos-chave. Os encontros também servirão para a sigla fazer uma avaliação dos primeiros dias do novo governo. De acordo com a senadora, o PT só deverá anunciar uma posição sobre a disputa na Câmara no fim do mês. A eleição para a presidência da Casa ocorrerá no dia 1º de fevereiro, mesma data em que os deputados tomarão posse.

Estadão Conteúdo

14 de janeiro de 2019, 14:18

BRASIL MP-RJ não tem dúvidas de que morte de Marielle está ligado a milícias

O procurador-geral de Justiça do estado do Rio de Janeiro, Eduardo Gussem, disse hoje (14) não ter dúvidas de que o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e seu motorista Anderson Gomes está relacionado a grupos de milicianos. Gussem discursou ao ser reconduzido ao cargo para mais dois anos de mandato à frente do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro. “Não tenho dúvidas em afirmar que o caso Marielle e Anderson Gomes está relacionado a essas organizações criminosas”, disse ele. O assassinato completa hoje dez meses e segue em investigação sigilosa na Polícia Civil e no próprio Ministério Público estadual. Gussen afirmou que as milícias representam “uma forma perversa de plantar o terror e o medo na sociedade” e destacou que, quando confrontadas pelo aparato estatal, elas reagem “com severos ataques a bens públicos e ameaças a autoridades”. O procurador-geral de Justiça lembrou ainda o ataque a tiros sofrido ontem pela delegada e deputada estadual Martha Rocha (PDT), que não se feriu com os disparos contra seu carro, mas teve o motorista baleado. A parlamentar relatou ter sofrido ameaças de milicianos . “Espero que o lamentável episódio ocorrido ontem com a deputada estadual Martha Rocha não seja mais um capítulo dessa triste e grave história”, disse.

Agência Brasil

14 de janeiro de 2019, 14:03

BRASIL General Franklimberg volta à presidência da Funai

Foto: Isaac Amorim/MJSP

Franklimberg Ribeiro de Freitas

O general Franklimberg Ribeiro de Freitas voltará a ser presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai). A escolha foi feita por Damares Alves, ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, ao qual a Funai está vinculada. Franklimberg esteve na semana passada com Damares Alves, em Brasília. A informação foi confirmada ao ‘Estado’ por meio de assessores da ministra. Franklimberg deixou o cargo da Funai em 19 de abril do ano passado. Na ocasião, ele vinha sofrendo uma forte pressão da bancada ruralista, que já havia pedido sua saída diretamente ao ex-presidente Michel Temer. Freitas admitiu ao ‘Estado’ que, naquele momento, vinha enfrentando uma forte pressão e que não lhe restava outro caminho. Uma das principais influencias sobre o órgão vinha do então deputado André Moura (PSC-CE). Cerca de 40 deputados e senadores da bancada ruralista chegaram a apresentar uma carta ao ex-presidente Temer, solicitando a demissão do servidor, sob o argumento de que o atual presidente da Funai não tem colaborado com o setor.

Estadão

14 de janeiro de 2019, 13:49

BRASIL ‘Agora sei que vou para a prisão’, diz Battisti ao desembarcar na Itália

Foto: Alberto Pizzoli/AFP

Cesare Battisti desembarca em Roma, preso

Cesar Battisti desembarcou na Itália aparentando tranquilidade e como se não estivesse sendo levado para a prisão depois de 40 anos como fugitivo, de acordo com a imprensa do país. O ‘La Repubblica’ reproduziu as primeiras palavras de Battisti em solo italiano: “Agora sei que vou para a prisão”. Ele foi preso no sábado na Bolívia e desembarcou em Roma nesta segunda, 14. De acordo com o jornal italiano, Battisti também aparentou serenidade durante o voo, “sem sinais de desespero apesar de esperar pela prisão perpétua”. Falou sobre a vida e também sobre a fuga do Brasil para a Bolívia depois que o ministro do Supermo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux suspendeu a liminar que impedia a prisão de Battisti no País. Battisti dormiu durante boa parte do voo até a Itália. Battisti vai ficar num presídio na periferia de Roma, com forte esquema de segurança, de acordo com o ministro da Justiça Alfonso Bonafede. O jornal Corriere della Serra informou que ele deve ficar sozinho na cela, em uma área de segurança reservada para terroristas, e deve passar por seis meses de isolamento diurno. Após a prisão, o governo brasileiro deslocou um avião da Polícia Federal à Bolívia para trazer Battisti ao Brasil e, em seguida, extraditá-lo para a Itália, conforme promessa de campanha do presidente Jair Bolsonaro. O governo italiano, no entanto, já havia decidido levar Battisti diretamente ao país. Em uma nota conjunta divulgada no início da noite de ontem, os ministérios das Relações Exteriores e da Justiça brasileiros afirmaram que o importante era que o italiano respondesse por seus crimes. Battisti deixou seu país depois de ser condenado por quatro assassinatos cometidos entre 1977 e 1979. Na Itália, foi primeiramente condenado por participação em bando armado e ocultação de armas a 12 anos e 10 meses de prisão em 1981. Mais de uma década depois, em 1993, teve a prisão perpétua decretada pela Justiça de Milão, em razão de quatro homicídios hediondos contra um guarda carcerário, um agente de polícia, um militante neofascista e um joalheiro. Após idas e vindas por França e México entre 1981 e 2004, chegou ao Brasil e foi preso em 2007. No último dia de seu segundo mandato, no entanto, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva concedeu asilo político para o italiano e impediu sua extradição.

Estadão

14 de janeiro de 2019, 13:34

SALVADOR Indignado, Geraldinho diz que interesses privados não se sobreporão a públicos sobre empreendimento no Candeal

Foto: Divulgação/Arquivo

Geraldo Jr. é presidente da Câmara Municipal de Salvador

O presidente da Câmara Municipal de Salvador, Geraldo Jr. (SD), cobrou hoje da Prefeitura um posicionamento mais firme contra as obras da empresa Villas Construtora Ltda, proprietária do Loteamento Reserva Cidade Jardim. Apesar de ter chamado de acertada a decisão da Secretaria de Municipal de Desenvolvimento Urbano (Sedur), comandada por Sérgio Guanabara, que emitiu notificação suspendendo imediatamente o empreendimento, a empreiteira iniciou a terraplanagem no local de forma irregular, sem alvará de construção, autorização para supressão de vegetação e licença ambiental e, além disso, mudou o acesso ao empreendimento que originalmente seria pelo Candeal, passando a ser pelo Cidade Jardim, sem nenhuma consulta e autorização dos órgãos de fiscalização, o que deixou Geraldinho, como é mais conhecido, indignado. “Além do embargo da obra, essa empresa deveria receber uma bela multa para respeitar as leis”, disse Geraldinho, que imediatamente ao tomar conhecimento do crime ambiental e do projeto desordenado, iniciou tratativas pela suspensão das atividades no local. Segundo ele, não faz o menor sentido uma empresa vir, não se sabe de onde, “começar o desmatamento sem autorização dos órgãos públicos, sem compromisso nenhum com o meio ambiente, mobilidade urbana e acessibilidade na região. Um empreendimento com 12 edifícios começa a ser feito no Candeal, sem estudo de impactos de vizinhança, sem tratar questões importantes como as ambientais, de infraestrutura, trânsito e transporte. E ainda mudam o planejamento como querem, a bel-prazer, sem consulta, sem respeito às leis, normas vigentes e, principalmente, à população do Cidade Jardim. Estamos do lado do povo!”.

14 de janeiro de 2019, 13:29

BRASIL Bolsonaro almoça no Ministério da Defesa

O presidente Jair Bolsonaro participou hoje (14) de um almoço oferecido pelo ministro da Defesa, Fernando Azevedo, na sede do ministério, em Brasília. Azevedo passou parte do dia em reunião com os comandantes das Forças Armadas e do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA). Amanhã, haverá a cerimônia de transmissão de cargo das chefias do EMCFA e da Secretaria-Geral do Ministério da Defesa. O tenente-brigadeiro do Ar Raul Botelho assumirá o EMCFA no lugar do almirante de Esquadra Ademir Sobrinho. Na Secretaria-Geral, o almirante de Esquadra Almir Garnier Santos substituirá o tenente-brigadeiro do Ar Carlos Augusto Amaral Oliveira. Além das autoridades que assumem e deixam os seus cargos, também participaram do almoço desta segunda-feira os ministros Sérgio Moro, da Justiça e Segurança Pública; Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional; e Ernesto Araújo, das Relações Exteriores. E também os comandantes das Forças Armadas, almirante Ilques Barbosa, da Marinha; general Edson Leal Pujol, do Exército; e brigadeiro Antonio Carlos Moretti.

Agência Brasil

14 de janeiro de 2019, 13:10

BRASIL Grupo de militares da reserva faz manifestação para pedir emprego a Bolsonaro

Um grupo de cerca de 50 militares da reserva das Forças Armadas faz um protesto nesta segunda-feira, dia 14, em frente ao Ministério da Defesa, em Brasília, para pedir emprego ao presidente Jair Bolsonaro, que almoça no local. Vestidos de preto, eles seguram faixas com suas reivindicações. Em uma delas pedem que Bolsonaro “ajude” seus soldados a serviço da pátria. Em gritos de guerra, entoam o lema do governo “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”. Em outra faixa, destacam que a Lei 13.500 de 2017 garante a permanência nos quadros das Forças Armadas até 2020. “Cumpra-se a lei”, diz o cartaz. Também reclamam que cerca de 600 reservistas qualificados foram “descartamos em plena crise na segurança pública” no ano passado, durante o governo do ex-presidente Michel Temer. “Eles nos qualificaram, nos tornaram técnico e nos mandaram embora. Estamos nos oferecendo para trabalhar”, disse o tenente José Fernandes Uchôa, representante dos militares da reserva que ingressaram na Força Nacional. Outra alegação, entoada nos gritos de guerra, é que o grupo estaria em risco e sem respaldo do Estado, porque atuou na segurança dos Estados, entre eles o Rio de Janeiro, que passou por intervenção federal.

Agência Brasil