15 de abril de 2019, 22:00

MUNDO Presidente francês promete reconstruir Catedral de Notre-Dame após incêndio

Foto: Julien de Rosa/EFE

A Catedral de Notre-Dame consumida pelo fogo

A Catedral de Notre-Dame, joia arquitetônica medieval e um dos pontos turísticos mais conhecidos de Paris, foi gravemente desfigurada nesta segunda-feira, 15, por um incêndio. Cerca de 400 bombeiros impediram o colapso total da igreja, que começou a ser construída no século 12 e sobreviveu a guerras, a revoluções, à ação do tempo e ao ingresso de 13 milhões de turistas por ano. Uma investigação preliminar indica que o fogo começou de maneira acidental na catedral mais visitada do mundo. Diante das chamas, os parisienses se reuniram nas margens do Rio Sena e sobre pontes para assistir, incrédulos, às chamas consumirem a catedral. Parte deles entoou a Ave Maria. Muitos choravam, enquanto o fogo se espalhava pelo prédio, que começou a ser construído em 1163 e foi concluído em 1345. O presidente francês, Emmanuel Macron disse: “Parte de nós queimou com a catedral”. O fogo começou às 18h50 (13h50 horário de Brasília) pouco antes de um discurso que Macron planejava fazer sobre os protestos dos “coletes amarelos”, que há meses desafiam seu impopular governo com protestos semanais. Ele seguiu para a catedral para acompanhar os trabalhos dos bombeiros. “Notre-Dame de Paris, presa das chamas, dor de toda uma nação”, escreveu o chefe de Estado no Twitter. Mais tarde, ele prometeu reconstruir a catedral juntamente com os franceses. “É o nosso destino”, disse. Segundo o chefe do Corpo de Bombeiros de Paris, Jean-Claude Gallet, o fogo começou no sótão da catedral, perto do pináculo de 45 metros de altura, que rapidamente foi destruído pelas chamas. Ao menos 400 bombeiros trabalharam no combate às chamas, cuja parte mais intensa levou mais de três horas. Segundo Gallet, as duas torres frontais da catedral foram salvas, mas dois terços do telhado foram destruídos. Obras de arte que ficavam no interior da igreja foram resgatadas pelos bombeiros. Algumas estátuas tinham sido retiradas há apenas algumas semanas para limpeza. O Ministério Público investiga as causas do incêndio. Uma investigação completa, no entanto, levará tempo. As primeiras questões levantadas sobre as causas do incêndio apontam para a falta de prevenção em uma edificação tão antiga e importante turisticamente, assim como para a falta de investimento em restauração. Notre-Dame recebia cerca de 30 mil turistas por dia e 13 milhões por ano. A busca por culpados deve também ser demorada, em uma França já dividida politicamente. Com a popularidade em baixa, Macron tem tido dificuldade para lidar com os “coletes amarelos”, que denunciam um suposto elitismo urbano que não atende as necessidades da população mais rural e conservadora. Leia mais no Estadão.

Estadão Conteúdo

15 de abril de 2019, 17:30

MUNDO ‘Não restará nada’ em Notre-Dame após incêndio, diz porta-voz da catedral

Foto: Michel Euler/AP

Torre central de Notre-Dame desaba com incêndio

Diante das chamas que consomem a catedral de Notre-Dame em Paris, um porta-voz da igreja afirmou nesta segunda-feira que “não restará nada” da sua estrutura interior feita de madeira. Em poucos minutos, as chamas consumiram todo o telhado e a torre do monumento, levando-os abaixo. “Está tudo queimando, não restará nada da estrutura, que data do século XIX de um lado e do XIII do outro”, lamentou André Finot. Segundo Emmanuel Grégoire, vice-prefeito de Paris, uma missão especial foi iniciada para tentar salvar as obras de arte no local. Dentro da igreja, há um acervo de importância artística inestimável, incluindo um órgão do século XVII ainda em funcionamento. Há também pinturas e gravuras que relatam a história da catedral e da cidade de Paris. Dezesseis estátuas de bronze haviam sido removidas na semana passada por conta das reformas do edifício que estão em curso. Segundo o corpo de bombeiros, o incêndio provavelmente está ligado às obras. A procuradoria francesa já abriu uma investigação para determinar o que iniciou o fogo. De acordo com o porta-voz de Notre Dame, o incêndio foi declarado às 18h50 do horário local (13h50 de Brasília), praticamente na mesma hora em que acaba o horário de visitação (18h45). No ano passado, a Igreja Católica na França lançara um apelo urgente pela mobilização de fundos para salvar a igreja, que estava começando a desmoronar. A catedral gótica, rodeada pelas águas do Rio Sena, recebe em média 12 milhões de visitantes ao ano, mais até do que a Torre Eiffel. O edifício foi construído ao longo de 200 anos entre 1163, durante o reinado de Luis VII, e 1345, tendo completado 850 anos em 2013. A catedral é também famosa por ser o cenário do romance “Nossa Senhora de Paris, do escritor Victor Hugo.

Estadão Conteúdo

15 de abril de 2019, 15:28

MUNDO Incêndio atinge a Catedral de Notre Dame, em Paris

Foto: Pierre Galey / AFP

Incêndio atingiu a catedral de Notre Dame, nesta segunda-feira, 15

Um incêndio atingiu a Catedral de Notre Dame, no centro de Paris, na França, na tarde de segunda-feira, 15, segundo informações do Corpo de Bombeiros da cidade. Ainda de acordo com fontes dos bombeiros, o fogo pode estar relacionado a obras de renovação que estavam feitos no edifício, que data de 1163. A Polícia de Paris, no entanto, diz que é cedo para identificar as causas do incêndio e assegura que ainda não há registro de vítimas das chamas. A catedral passa por um processo de restauração em sua torre estimado em US$ 6,8 milhões (R$ 26,8 milhões). O fogo teria começado na base da torre, de onde podem ser vistas chamas e fumaça preta. As chamas se projetam, além de seus dois sinos torres, segundo testemunhas. A Prefeitura de Paris isolou o local e está montando um grande efetivo para combater as chamas. A catedral é um dos principais pontos turísticos da cidade. As chamas atingem principalmente a nave principal da categral gótica. Incrédulos, pedestres pararam ao longo do Rio Sena, que margeia a catedral, para assistir ao incêndio. “Um terrível incêndio está em curso na Catedral de Notre Dame. Os bombeiros estão combatendo as chamas”, disse a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, em sua conta no Twitter. “Estamos em contato com a Diocese de Paris e peço que a população respeite o perímetro de segurança.” O presidente francês, Emmanuel Macron, cancelou um discurso que faria nesta tarde sobre a crise dos “coletes amarelos” – manifestantes contrários a seu governo que há meses tomam as ruas do país em protestos – em virtude do incidente. Repercussão do incêndio da catedral gótica. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi um dos primeiros líderes mundiais a comentar o incêndio na histórica igreja parisiense. “Horrível de ver”, disse o republicano, que recomendou que os bombeiros usem aviões para combater as chamas.

Estadão

15 de abril de 2019, 07:35

MUNDO Venezuela corta sinal de canal de televisão da Alemanha

O canal de televisão alemão da Deutsche Welle (DW), em espanhol, teve seu sinal cortado neste fim de semana na Venezuela, por ordem da entidade reguladora do governo do presidente Nicolás Maduro. O motivo para o bloqueio da transmissão não foi informado pelas autoridades. O diretor-geral da DW, Peter Limbourg, exigiu do governo venezuelano que restaure o sinal do canal. A Conatel é a instância que regula e exerce o controle sobre as telecomunicações na Venezuela. Limbourg destacou a atenção dada pela cobertura jornalística da DW à Venezuela, especialmente com o programa diário sobre a situação no país. “Vamos fazer tudo o que pudermos para manter nossos telespectadores informados”, disse o diretor do canal. O Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Imprensa da Venezuela rejeitou no Twitter a decisão da Conatel e destacou o trabalho que a DW vem desempenhando, com múltiplos espaços, para informar sobre a crise venezuelana.

Agência Brasil

14 de abril de 2019, 19:17

MUNDO Venezuela bloqueia sinal de emissora alemã

As autoridades da Venezuela determinaram o bloqueio do sinal da emissora alemã Deutsche Welle em espanhol, confirmou neste domingo o próprio meio de comunicação. A Comissão Nacional de Telecomunicações (Conatel) “eliminou o sinal da Deutsche Welle (DW) em espanhol da rede de cabo desse país”, afirma a televisão alemã em nota. Diretor-geral do canal, Peter Limbourg pediu que o governo venezuelano possa “restabelecer o sinal do canal”. Limbourg, citado no comunicado, destacou a atenção que tem tido a cobertura jornalística da DW na Venezuela, sobretudo com o programa diário sobre a atualidade do país latino-americano. O Conatel não emitiu nenhum comunicado oficial sobre o bloqueio do sinal da Deutsche Welle. Outros meios estrangeiros já haviam sido barrados nos últimos anos na Venezuela, como a emissora americana CNN em espanhol. A Alemanha está entre os mais de 50 países que reconhecem como presidente interino o líder oposicionista Juan Guaidó, que se declarou presidente encarregado em 23 de janeiro, argumentando que a reeleição de Maduro em maio passado para novo mandato de seis anos foi fraudulenta. Em 6 de março, o governo venezuelano determinou a expulsão do embaixador da Alemanha em Caracas, Daniel Kriener, por supostos “atos recorrentes de ingerência em assuntos internos”.

Estadão Conteúdo

14 de abril de 2019, 12:26

MUNDO Alemanha é pressionada por FMI a adotar medidas de estímulo à economia

Com a desaceleração da economia global e sinais de que serão necessárias medidas de incentivo, economistas têm pressionado a Alemanha e outros países que têm condições de prover estímulos mas não estão adotando medidas neste sentido até o momento. Políticas de estímulo à economia estiveram no centro das discussões dos encontros do Fundo Monetário Internacional (FMI), em Washington, Estados Unidos, neste fim de semana. Em seu relatório anual sobre políticas fiscais globais, o FMI destacou a Alemanha, a Coreia do Sul e a Austrália como países onde estímulos fiscais poderiam fazer sentido. No início deste mês, o FMI pediu à Suíça que aumentasse os gastos públicos. O FMI, apoiado pelos EUA, tem pressionado os alemães e outros países com superávits orçamentários a cortar impostos ou aumentar os gastos a fim de sustentar o crescimento. Países com excedentes orçamentários “certamente deveriam fazer uso disso para investir e participar do desenvolvimento econômico e do crescimento”, disse a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde. “Mas não foi feito o suficiente nessa área”, acrescentou. O secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, afirmou concordar com a posição do FMI em relação a países superavitários, como a Alemanha. Os EUA estão, no momento, com grandes déficits. A ideia por trás do estímulo é que, quando as economias estão fracas, os governos substituem a falta de demanda privada por meio de gastos ou cortes de impostos. Em tempos de intenso estresse, como a crise financeira global de uma década atrás, os economistas concordam que os governos devem fazer todo o possível para impulsionar o crescimento.

14 de abril de 2019, 11:15

MUNDO Facebook, Instagram e WhastApp têm falhas de conexão nos EUA, Europa e Filipinas

Milhares de usuários das redes sociais Facebook, Instagram e WhatsApp, incluindo o Facebook Messenger, estão enfrentando dificuldades para carregar suas páginas na manhã deste domingo. As interrupções de sinal foram reportadas principalmente por clientes do nordeste dos Estados Unidos, da Europa e das Filipinas. Downdetector.com, um site que monitora interrupções de sinal na internet, aponta que o Facebook está com problemas de conexão desde as 6h30 pelo horário oriental (7h30 pelo horário de Brasília) na maior parte do mundo. Há pouco, no Brasil, as redes sociais podiam acessadas normalmente. Não está claro até o momento o que está causando a perda de sinal e por quanto tempo as plataformas ficarão fora do ar. Procurado pela reportagem da Associated Press, o Facebook ainda não prestou esclarecimentos sobre o ocorrido. As hashtags #FacebookDown, #instagramdown e #whatsappdown estão entre as mais mencionadas globalmente por usuários do Twitter. O Facebook adquiriu o Instagram em 2012 e o WhastApp em 2014. Mais de 1,52 bilhão de usuários acessam diariamente o Facebook no mundo, segundo informações do site da rede social.

Agência Brasil

14 de abril de 2019, 10:15

MUNDO Papa Francisco pede a estudantes que deixem o vício do celular

Durante discurso para estudantes do instituto público Ennio Quirino Visconti, escola secundária clássica de Roma, o papa Francisco pediu aos jovens, neste sábado (13), no Vaticano, que se “libertem da dependência” do telefone celular, que é “como uma droga.” “Libertai-vos da dependência do celular! Por favor!”, clamou Francisco. Ele explicou “que os telefones celulares são um grande progresso de grande ajuda, e é preciso usá-los, mas quem se transforma em escravo do telefone perde a sua liberdade”. O papa lembrou que “o telefone celular é uma droga” que “pode reduzir a comunicação a simples contatos”. “A vida é comunicar e não somente simples contatos”, disse Francisco, que também pediu aos estudantes que lutem contra o assédio escolar, que é como “uma guerra”, e confessou que lhe dói saber que, em muitos colégios, existe este fenômeno. Por ocasião da visita da escola ao Vaticano, o pontífice aludiu a um ensinamento de Santo Agostinho, doutor da Igreja Católica, em latim: “in interiore homine habitat veritas” – “A verdade vive no interior do homem”.

Agência Brasil

14 de abril de 2019, 09:00

MUNDO EUA veem Maduro mais fraco por recorrer a milícias

O governo americano quer fechar o cerco às milícias leais ao presidente Nicolás Maduro na nova fase de ações contra o regime chavista. Para a Casa Branca e senadores do Partido Republicano, o recente pedido do líder venezuelano para que esses grupos civis armados, conhecidos como “coletivos”, reprimam manifestações é um sinal de que as Forças Armadas já não estão tão dispostas a empregar a violência contra a população civil. Segundo a ONG venezuelana de direitos humanos Provea, desde o começo do ano morreram 50 pessoas em manifestações contra o governo na Venezuela. Destes, 14 foram mortos por grupos civis armados – 38% do total. Um levantamento similar feito pelo Observatório Venezuelano de Violência nos protestos de 2014 mostra que de 43 mortes em protestos, 8 foram cometidas por civis armados – 18% do total. No começo do mês, ao anunciar o racionamento de energia elétrica depois de dois apagões em março, Maduro pediu aos coletivos que “se mobilizassem para defender cada bairro, cada rua e cada bloco” dos protestos liderados pelo opositor Juan Guaidó. Dias depois, um despacho atribuído ao ministro da Defesa, Vladimir Padrino, a seus comandados endossou a orientação do líder bolivariano, mas apresentou uma sutil e importante divergência. Ele alertou contra “o uso de violência de grupos que se autointitulam coletivos chavistas”. “Nenhuma associação que provoca violência pode se autodenominar coletivos”, diz o texto, difundido em redes sociais. No ano passado, o general Padrino deu declarações similares, tentando desvincular as Forças Armadas desses grupos.

Estadão Conteúdo

13 de abril de 2019, 12:09

MUNDO EUA: comitê dá novo prazo para Trump apresentar declarações de imposto de renda

O presidente do Comitê de Meios e Recursos da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, o democrata Richard Neal (Massachusetts), definiu o prazo até 23 de abril para que o presidente dos EUA, Donald Trump, apresente suas declarações de imposto de renda. Neal classificou como “inequívoca” a lei que determina a entrega dos documentos após o governo ter perdido o prazo inicial nesta semana, em 10 de abril. O secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, afirmou que estava conversando com o Departamento de Justiça sobre a legislação e sobre a legitimidade de Neal em solicitar as declarações do mandatário norte-americano. Conforme a legislação tributária, o presidente do comitê, no caso Richard Neal, pode solicitar as declarações de qualquer contribuinte e o Tesouro “deve fornecer” o material. Fonte: Dow Jones Newswires.

12 de abril de 2019, 08:00

MUNDO Eleição na Índia mobiliza 130 milhões na sua 1ª fase

As eleições gerais da Índia começaram na quinta-feira, 10, em mais de 50 distritos eleitorais, uma maratona na maior democracia do mundo, para a qual quase 900 milhões de eleitores foram chamados. O processo ocorrerá em sete fases por seis semanas e os resultados serão anunciados em 23 de maio. Na primeira etapa, cerca de 130 milhões de eleitores em 20 Estados decidiriam ontem os nomes de 91 dos 543 assentos da Lok Sabha, a Câmara Baixa do Parlamento indiano, segundo a Comissão Eleitoral da Índia.

Estadão Conteúdo

11 de abril de 2019, 13:45

MUNDO Organização Internacional do Trabalho comemora 100 anos de existência

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) comemora hoje (11) 100 anos de existência com uma série de eventos denominada “A volta ao mundo em 24 horas”, com apresentações de música, teatro, palestras, debates e homenagens ao redor do globo. As atrações começaram em Suva, capital das Ilhas Fiji, com danças e músicas típicas, e terminarão em Lima, capital peruana. A série de eventos, em 24 países, está sendo transmitida ao vivo pela plataforma web da OIT. Em Pretoria, na África do Sul, por exemplo, foi feita uma homenagem a Nelson Mandela com apresentações culturais, além de palestra e debate com o presidente do país, Cyril Ramaphosa. Além de Suva e Lima, eventos acontecerão em cidades como Bangkok (Tailândia), Nova Delhi (Índia), Adis Abeba (Etiópia), Abidjan (Costa do Marfim), Moscou (Rússia), Paris (França), Washington e Nova York (Estados Unidos), Buenos Aires (Argentina), Genebra (Suíça), entre outras. As comemorações de hoje coincidem com o aniversário da sessão plenária da Conferência da Paz de Paris, realizada em 11 de abril de 1919, onde se adotou a Constituição da OIT, que passou a fazer parte do Tratado de Versalhes, assinado em 28 de junho do mesmo ano, e que pôs fim à Primeira Guerra Mundial. A OIT, uma das agências mais antigas das Nações Unidas, fará este ano numerosos eventos comemorativos em todo o mundo. De acordo com a agência, é fundamental exaltar as conquistas e o papel que o organismo exerce na vida das pessoas. Em janeiro desse ano, como parte das comemorações, foi lançado o informe da Comissão Mundial sobre o Futuro do Trabalho. O documento, que começou a ser preparado em 2016, traz uma reflexão sobre a maneira de se conquistar trabalho decente e sustentável para todos os cidadãos do planeta.

Estadão Conteúdo

10 de abril de 2019, 21:52

MUNDO Queremos Maduro fora e “todas opções estão sobre a mesa”, diz Pence

O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, afirmou ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas que o governo americano está determinado a retirar do poder o presidente Nicolás Maduro, da Venezuela. Pence disse que isso pode ocorrer preferencialmente pela dia diplomática ou econômica mas “todas as opções estão sobre a mesa” e a Rússia e outros países de fora da região não deveriam intervir. O embaixador venezuelano Samuel Moncada afirmou que seu país está sob ameaça de guerra pelo governo de Donald Trump e que está sendo lançada a semente para uma “invasão”. “Nós precisamos parar esta guerra de Donald Trump”, advertiu Moncada ao Conselho de Segurança. Pence disse que Trump já deixou claro que a Rússia precisa sair da Venezuela. Ele disse que o pouso de aeronaves russas no país para levar seguranças ou assessores é algo “simplesmente inaceitável”. Pence disse que não há um “cronograma para a restauração da liberdade” na Venezuela. Fonte: Associated Press.

Estadão Conteúdo

10 de abril de 2019, 13:00

MUNDO Netanyahu obtém vitória nas eleições em Israel

Com mais de 99% dos 4 milhões de votos apurados em Israel, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, obteve a vitória com 26,27%, enquanto em segundo lugar ficou o general Benny Gantz, ex-ministro da Defesa, que conquistou 25,95%. Nestas releições, 64,6% dos 6,3 milhões de eleitores participaram. A vitória de Netanyahu o coloca como um recordista no cargo, ocupando-o pela quinta vez. A conquista se deve à coalizão dos partidos religiosos e conservadores com o Likud (partido político de Israel, que congrega o centro-direita e a direita conservadora). “Agradeço aos cidadãos de Israel por sua confiança”, disse nas redes sociais. O principal opositor do Partido Azul e Branco (cores da bandeira de Israel), de centro, liderado por Gantz, também se considera vitorioso devido à pequena margem de diferença entre ambos. Os eleitores foram às urnas para escolher os parlamentares do Knesset (Parlamento), que tem 120 lugares. Nos últimos dias da campanha, Netanyahu se comprometeu a anexar partes da Faixa de Gaza ocupada. A iniciativa encerra a perspectiva de paz com os palestinos.

Agência Brasil

10 de abril de 2019, 07:09

MUNDO Com 97% das urnas apuradas, Netanyahu tem reeleição praticamente assegurada

O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, está muito próximo de conquistar um quinto mandato. Na manhã desta quarta-feira, 10, o premiê estava muito próximo de uma vitória eleitoral que garantiria 65 dos 120 assentos do Parlamento do país para sua coalizão. Com 97% dos votos apurados, o partido de Netanyahu, o Likud, elegia 35 parlamentares, mesmo número do principal rival, o Azul e Branco, do general Benny Gantz. Apesar do empate, o atual premiê conta com o apoio de partidos de direita e ultraortodoxos que lhe dão mais 30 assentos. Se a vitória se confirmar, Netanyahu será conduzido à chefia do governo de Israel pela quinta vez desde 2009, o que o fará o líder mais longevo do país. Na noite de segunda, ainda com resultados parciais, o premiê se disse vitorioso no pleito. “É uma noite de tremenda vitória”, afirmou.

Estadão Conteúdo