22 de abril de 2018, 12:19

MUNDO Trump: estamos muito longe de conclusão sobre a Coreia do Norte

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acaba de escrever em sua conta no Twitter: “Estamos muito longe da conclusão sobre a Coreia do Norte, talvez as coisas aconteçam, e talvez não – só o tempo dirá …”. Posteriormente, ele disse que o trabalho que está realizando agora deveria ter sido feito “há muito tempo”. Na sexta-feira, a Coreia do Norte disse que iria suspender os testes de mísseis nucleares e de longo alcance, a partir deste sábado, bem como que planejava fechar os locais em que essas atividades eram realizadas. Pyongyang informou que, com essa decisão, o governo poderia focar em questões internas para melhorar sua economia.

Estadão Conteúdo

22 de abril de 2018, 11:34

MUNDO Governo sírio ataca para evacuar membros do Estado Islâmico

Forças do governo sírio usaram aviões de guerra, helicópteros e artilharia no domingo para atacar os distritos da capital detidos pelo Estado Islâmico, em uma tentativa de impor a efetivação de um acordo de evacuação alcançado com os militantes no início da semana. Os militantes concordaram em desistir de seu último local de domínio, no sul de Damasco, na sexta-feira, mas ainda não começaram a se render às forças do governo e se mudar para áreas controladas em outras partes do país. Moradores de Damasco relataram ter ouvido estrondos altos durante a noite e domingo de manhã. O presidente Bashar Assad acelerou sua campanha militar para retomar todos enclaves remanescentes na capital e áreas adjacentes. As áreas detidas pelo Estado Islâmico no sul de Damasco são os últimos redutos.

Estadão Conteúdo

22 de abril de 2018, 10:49

MUNDO Paraguai elege hoje novo presidente

Os 4,2 milhões de eleitores do Paraguai vão às urnas hoje (22) para eleger o presidente do país que, nos últimos cinco anos, cresceu em média 6%. O desempenho econômico é expressivo, comparado ao dos demais países da região. Dos dez candidatos, o governista Mario Abdo Benitez é o favorito, com 56% das intenções de voto, segundo as últimas pesquisas de opinião. O jovem senador, de 46 anos, fez campanha com o slogan “Marito de la Gente (Mariozinho do Povo)”. Ele representa a ala conservadora do Partido Colorado, que domina o Paraguai há sete décadas. Seu pai foi secretário privado do ex-ditador Alfredo Stroessner – o homem que governou o país durante 35 anos, até ser derrubado em um golpe de Estado e morrer no exílio em Brasília, em 2006. O segundo colocado nas pesquisas, Efraim Alegre, do tradicional Partido Liberal Radical Autêntico, se aliou à Frente Guasú de esquerda – a mesma que elegeu Fernando Lugo presidente em 2008. Lugo, que acabou sendo destituído em 2012, foi o único presidente não Colorado desde 1947. Tanto Mario Abdo Benitez quando Efraim Alegre tem propostas de governo parecidas e conservadoras. Os dois são contra a legalização do aborto, prometem combater a corrupção e reduzir a desigualdade, responsável pela pobreza que afeta 29% dos paraguaios. Benitez conta com o apoio da maioria dos 350 mil brasiguaios – como são chamados os brasileiros que emigraram para o Paraguai.

Agência Brasil

21 de abril de 2018, 12:52

MUNDO Países comemoram suspensão de testes nucleares pela Coreia do Norte

A Coreia do Sul, a China, os EUA e o Reino Unido foram algumas das potências mundiais que celebraram a decisão da Coreia do Norte de fechar seu centro de testes nucleares. A suspensão dos testes e a interrupção de lançamentos de mísseis balísticos intercontinentais foram anunciadas ontem (20) pelo líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un. O anúncio foi veiculado pela agência de notícias oficial norte-coreana KCNA. Neste sábado (21), o governo da Coreia do Sul classificou o anúncio de um “progresso significativo” para desnuclearização da Coreia do Norte. Em um comunicado enviado pelo gabinete presidencial sul-coreano, Seul considerou que “a decisão da Coreia do Norte é significativa para a desnuclearização da península coreana” e disse, além disso, que “ajudará a criar um ambiente muito positivo para o sucesso das próximas cúpulas intercoreana e entre o Norte e Estados Unidos”. O governo chinês, por meio de um comunicado publicado pelo Ministério das Relações Exteriores, destacou que a “China acredita que a decisão da Coreia do Norte ajudará a melhorar a situação na Península”, por isso “dá boas-vindas” a este movimento. O Ministério de Relações Exteriores britânico divulgou um comunicado neste sábado no qual considerou o anúncio da Coreia do Norte como “um passo positivo”. O texto acrescenta que o Reino Unido segue “comprometido a trabalhar com seus parceiros internacionais” para atingir o objetivo “de uma desnuclearização completa, verificável e irreversível” da península da Coreia e fazer isso “através de meios pacíficos”. Já a Rússia qualificou de um “passo importante” para a distensão na península coreana, segundo informou o Ministério de Relações Exteriores em comunicado. Moscou disse esperar que a situação se desenvolva “de forma positiva” e “em consonância com o ‘roteiro ‘ proposto pela Rússia e a China”. A chancelaria lembrou que esse documento prevê a suspensão das atividades militares na região e o estabelecimento dos contatos diretos entre Pyongyang, Seul e Washington. Por outro lado, Moscou pediu aos EUA e à Coreia do Sul que respondam com reciprocidade e tomem medidas “adequadas” para conseguir resultados mutuamente aceitáveis nas próximas cúpulas bilaterais.

Agência Brasil

21 de abril de 2018, 11:17

MUNDO Pelo Twitter, Trump defende Cohen e cita caça às bruxas da “mídia desonesta”

Foto: Reprodução

O presidente dos EUA, Donald Trump

O presidente dos EUA, Donald Trump, acusou neste sábado o New York Times e a repórter Maggie Haberman de tentarem destruir seu advogado Michael Cohen e o relacionamento entre eles, na “esperança de que ele pule fora do governo”, mas, segundo Trump, isso não irá acontecer. “…Eles utilizam fontes inexistentes e um perdedor bêbado/drogado que odeia Michael, que é uma boa pessoa com uma família maravilhosa. Michael é um empresário por conta própria/advogado de quem sempre gostei e respeitei. A maioria das pessoas ‘cairia fora’ se o Governo o colocasse em problemas, mesmo que isso signifique mentir ou inventar histórias. Desculpe eu não vejo Michael fazendo isso apesar da horrível caça às bruxas e da mídia desonesta!”, escreveu Trump em sua conta no Twitter. Neste mês, o FBI invadiu a casa, o escritório e o quarto de hotel de Cohen para, segundo os promotores, investigar os negócios pessoais de Cohen por fraude, mas não disseram qual crime eles acreditam que ele possa ter cometido. Fonte: Associated Press.

Estadão Conteúdo

18 de abril de 2018, 09:18

MUNDO Cuba elege 1º presidente após 60 anos de governo dos irmãos Castro

A Assembleia Nacional de Cuba se reúne nesta quarta-feira (18) para escolher o próximo presidente da pequena ilha caribenha que, nas últimas seis décadas, foi governada pelos irmãos Castro: Fidel, que morreu aos 90 anos, e Raúl, que prometeu se aposentar aos 86. O novo líder será o primeiro, desde a Revolução Cubana, com outro sobrenome e representando uma geração mais jovem do que aquela que pegou em armas para derrubar a ditadura de Fulgencio Batista (1952-1959) e desafiar os Estados Unidos (EUA), estabelecendo um regime socialista a 150 quilômetros de sua costa.O novo presidente de Cuba assume em um momento delicado. A Venezuela, que fornece petróleo e sustentava o regime cubano, hoje enfrenta grave crise econômica, marcada pela hiperinflação, o desabastecimento e o isolamento internacional. Com a mudança de governo em 2017, os Estados Unidos voltaram atrás no processo de reaproximação – primeiro passo para o fim do bloqueio econômico, comercial e financeiro que continua impondo à ilha. O presidente Donald Trump, (eleito também com o voto dos cubanos que imigraram para os EUA e que exigem a derrubada do comunismo na ilha) voltou a limitar as viagens e os investimentos dos norte-americanos no país caribenho. Raúl Castro diz que foi eleito presidente para “defender, manter e continuar aperfeiçoando o socialismo cubano – e não para destruí-lo”.

Agência Brasil

17 de abril de 2018, 21:53

MUNDO Morre aos 92 anos a ex-primeira-dama dos EUA Barbara Bush

Foto: Estadão

A ex-primeira-dama dos Estados Unidos, Barbara Bush

A ex-primeira-dama dos Estados Unidos, Barbara Bush, de 92 anos, morreu na noite desta terça-feira. A informação foi confirmada por um porta-voz da família. Barbara Bush foi a segunda primeira-dama dos EUA que também era mãe de um ex-presidente. A outra era Abigail Adams, esposa de John Adams e mãe de John Quincy Adams. A maneira humilde e direta de Barbara a tornaram mais popular às vezes do que seu marido, que governou os Estados Unidos de 1989 a 1993. Ela trouxe um estilo familiar para Washington, muitas vezes parecendo ser sua marca registrada. Barbara também não exibia quase nenhuma vaidade, expondo seus cabelos e rugas. Ela se casou com George H.W. Bush em 1945. Eles tiveram seis filhos.

Estadão Conteúdo

16 de abril de 2018, 20:56

MUNDO Quatorze jornalistas morreram em seis meses na América Latina

Foto: Luis Eduardo Noriega/EFE

Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, participa da reunião da SIP em Medellín Foto: EFE/LUIS EDUARDO NORIEGA A.

Em seu informe semestral publicado após reunião em Medellín, na Colômbia, a Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP na sigla em espanhol), alertou para um cenário preocupante para o exercício do jornalismo no Brasil e na América Latina. Nos últimos seis meses, segundo a entidade, 14 jornalistas morreram no exercício da profissão na região – dois deles no Brasil: o radialista Jefferson Pureza Lopes, da Rádio Beira Rio, de Goiás, e Ueliton Bayer Brizon, morto em Rondônia. Além disso, houve aumento no número de repressão, ameaças e perseguição digital aos comunicadores latino-americanos. Segundo a SIP, a morte recente de três jornalistas equatorianos por uma dissidência das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) é uma oportunidade de reflexão para empresas e profissionais. “Qual o nosso papel na defesa das liberdades fundamentais de expressão e imprensa?”, questionou a entidade em nota. “Sistematicamente temos nos pronunciado de maneira enérgica contra assassinatos e desaparições de jornalistas”. Além dos três equatorianos vítimas das Farc e dos dois brasileiros, a SIP registrou nos últimos seis meses a morte de quatro jornalistas mexicanos e de dois guatemaltecos. Houve uma morte em Honduras, assim como em El Salvador e na Colômbia. A SIP alerta que donos de jornais e jornalistas têm sido vítimas constantes de intimidações e acusações no continente. Às vezes, as agressões chegam a ser físicas. Na Venezuela, nove jornais saíram de circulação nos últimos seis meses em virtude da falta de papel-jornal, cujo monopólio é controlado pelo governo. Outras 46 emissoras de rádio e três canais de TV saíram do ar por problemas econômicos decorrentes da crise que atinge o país. Na Bolívia, uma lei que obriga meios de comunicação a veicular gratuitamente propaganda do governo representou uma queda de 30% no faturamento das empresas jornalísticas. No caso do Brasil, a entidade relata que houve também 25 casos de agressão a jornalistas, sete de ameaças e dois de vandalismo contra empresas. Apesar da queda no número de agressões a jornalistas (efeito da diminuição de protestos contra o governo), há principalmente na internet campanhas de difamações contra o trabalho jornalístico por parte de grupos que se dizem apolíticos.

Estadão Conteúdo

16 de abril de 2018, 14:45

MUNDO Empresas estão voltando aos EUA e isso significa emprego, diz Trump

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que após a reforma tributária realizada por seu governo, as empresas comeram a voltar ao país. “E isso significa mais empregos”, destacou durante evento destinado a pequenas empresas na Flórida. Segundo Trump, a economia americana está se fortalecendo e a taxa de desemprego para imigrantes e mulheres está no menor nível já registrado. “Podemos ter o maior “boom” econômico já visto”, ressaltou. Durante uma mesa redonda, um dos participantes agradeceu Trump, em espanhol, pelo seu trabalho. Trump, após ouvir os comentários comentou, com bom humor, que não iria responder às colocações porque não havia entendido nada.

Estadão Conteúdo

16 de abril de 2018, 13:06

MUNDO Com ex-presidente preso, Peru cria ‘Comissión Lava Jato’

O procurador-geral da Nação do Peru, Pablo Sánchez Velarde, diz abertamente ter sofrido críticas e acusações de grupos políticos depois de o Ministério Público levar para cadeia um ex-presidente peruano, agir para o pedido de prisão de outro ex-ocupante do Palácio do Governo e ainda investigar dois outros ex-chefes do Executivo. “Eles sabem que nós vamos investigá-los.””Temos um grupo de 30 procuradores e estamos indo muito bem na investigação vinculada à Lava Jato. Não se sente a pressão política, mas há forte opinião contra nosso trabalho no mundo político. Dizem que estamos investigando mal e fazendo perseguição”, disse o procurador ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado.O trabalho dos procuradores, liderado por Sánchez Velarde, gerou impacto político nunca visto no Peru. A investigação que envolve a maior empreiteira brasileira já levou para a cadeia o ex-presidente Ollanta Humala acusado de receber US$ 3 milhões de caixa dois da Odebrecht. Há, ainda, pedido de prisão para Alejandro Toledo que teria ficado com outros US$ 20 milhões pela construção da rodovia Interoceânica, que liga o Brasil ao Peru, mas está foragido nos Estados Unidos.Outros dois ex-presidentes – Alan García e Pedro Pablo Kuczynski – são investigados, sendo que o último renunciou no mês passado em meio à apuração das autoridades de que ele teria recebido dinheiro da Odebrecht quando ainda era ministro de Toledo, entre 2005 e 2006.

Estadão

16 de abril de 2018, 06:50

MUNDO Comey diz que Rússia pode ter informações comprometedoras contra Trump

O ex-diretor do FBI James Comey classificou o presidente dos EUA Donald Trump, de “moralmente inadequado” para o cargo que ocupa e disse ser possível que a Rússia tenha informações comprometedoras contra o líder americano.”Nosso presidente deve personificar respeito e aderir aos valores que estão no cerne deste país”, disse Comey em entrevista exclusiva à ABC News, divulgada na noite de ontem.Ao ser perguntado se Moscou poderia “ter algo” comprometedor contra Trump, Comey respondeu: “Acho que é possível”.Comey, que liderou uma investigação sobre possíveis laços entre a Rússia e a campanha presidencial de Trump até ser demitido, em maio do ano passado, reconheceu ser “espantoso” pensar que o Kremlin possa ter informações prejudiciais sobre um presidente americano. No caso de Trump, porém, ele afirmou não poder descartar a possibilidade de que o presidente foi comprometido.Horas antes de a entrevista ir ao ar, Trump chamou Comey de “escorregadio” em sua conta no Twitter e disse que ele foi “o pior diretor da história do FBI, de longe”.Comey está para lançar um livro com sua versão sobre os fatos em torno de sua demissão e da investigação sobre a suposta interferência da Rússia na eleição presidencial americana de 2016.

Estadao

15 de abril de 2018, 11:17

MUNDO Após ataques aéreos, Assad lança nova ofensiva contra rebeldes na Síria

As Forças Armadas da Síria lançaram neste domingo ataques aéreos contra rebeldes e atingiram o que, segundo equipes de resgate, eram residências de civis, em uma mostra da capacidade do regime do presidente Bashar al-Assad de travar a luta interna mesmo após um ataque com mísseis contra o país.Os Estados Unidos, o Reino Unido e a França lançaram um ataque com mísseis no sábado (noite de sexta-feira em Brasília) que destruiu boa parte da capacidade síria de produzir armas químicas, de acordo com o Departamento de Defesa americano. Assad continuou, porém, com suas forças militares convencionais intactas. Os três países afirmaram que o que ocorreu foi uma retaliação contra o suposto ataque químico em Douma, perto de Damasco, em 7 de abril, mas não tinham a intenção de derrubar Assad nem de mudar o rumo da guerra interna.Menos de 36 horas após o ataque ocidental, a guerra civil seguiu como se nada tivesse acontecido. As forças de Assad avançavam em áreas fora do controle do regime, a norte da capital.Os aviões sírios realizaram ao menos 28 ataques nas proximidades de Homs e Hama, inclusive em áreas civis, afirmou o grupo de socorro Capacetes Brancos neste domingo. No sábado, o regime tomou o controle total de Douma.Líderes árabes devem se reunir neste domingo na Arábia Saudita e tratar da Síria. Assad não participará, após ser expulso da Liga Árabe em 2011.

Estadão

15 de abril de 2018, 08:31

MUNDO França pede que Rússia colabore para garantir solução política na Síria

A França pediu que a Rússia se una a um esforço por uma solução política na Síria, após o ataque conjunto de Estados Unidos, Reino Unido e da própria França contra locais que, segundo a coalizão, eram usados para a fabricação de armas químicas.O ministro das Relações Exteriores francês, Jean-Yves Le Drian, afirmou em entrevista publicada neste domingo no Journal du Dimanche que “nós devemos unir esforços para promover um processo político na Síria, que permita a superação da crise”.A França continua a dialogar regularmente com a Rússia, mesmo diante do aumento das tensões entre o país e potências do Ocidente. O presidente francês, Emmanuel Macron, conversou na sexta-feira com o presidente russo, Vladimir Putin, horas antes do ataque com mísseis das potências.Os EUA e seus aliados culpam o governo sírio por um ataque com armas químicas contra uma área controlada por rebeldes mais cedo neste mês que matou mais de 40 pessoas. O governo sírio e a Rússia negam as alegações.

Estadão

14 de abril de 2018, 12:01

MUNDO “Missão cumprida”, diz Trump sobre ataque à Síria

Foto: Reprodução

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou hoje (14) que está orgulhoso da ação militar norte-americana empreendida ontem (13) contra a Síria. Em sua conta no Twitter, Trump disse que “a missão foi cumprida” e o “resultado não poderia ser melhor”.Ele também agradeceu ao apoio militar do Reino Unido e da França e elogiou a “sabedoria e força” dos aliados. A declaração de Trump segue a avaliação feita pelo chefe do Estado Maior norte-americano, em entrevista coletiva à imprensa, na manhã de hoje. Para o general Kenneth F. MacKenzie Jr, a ação militar foi bem-sucedida e efetiva.Na noite de ontem (13), foram disparados mísseis contra alvos sírios, onde, segundo o governo norte-americano estaria sendo desenvolvido um programa de uso de armas químicas. Os Estados Unidos justificam o ataque como uma resposta internacional ao uso este tipo de arma.O Pentágono ainda não divulgou quais seriam as provas que baseiam a convicção de que o governo sírio estaria usando armas química. Ainda hoje, o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) se reunirá para discutir a ofensiva contra a Síria. A reunião foi solicitada pela Rússia.

Agência Brasil

14 de abril de 2018, 10:35

MUNDO Tribunal do Peru repete rito brasileiro

Um tribunal superior julga o ex-presidente investigado por suposto esquema de corrupção com uma empreiteira, e a sessão para analisar o pedido de habeas corpus tem placar empatado. Com grande expectativa pela decisão que pode até mudar a jurisprudência da Corte, a sessão precisa ser interrompida porque um ministro está na Europa em atividades relacionadas a uma instituição de ensino do Direito. Parece até que estamos falando de Brasília, mas tudo isso acontece a mais de 3 mil quilômetros da Praça dos Três Poderes.Na última terça-feira, a máxima instância da Justiça do Peru, o Tribunal Constitucional, começou a julgar o habeas corpus da prisão preventiva do ex-presidente Ollanta Humala, acusado de receber propina de empreiteiras brasileiras. A sessão, porém, teve de ser interrompida porque o plenário se dividiu: três votaram a favor da permanência do ex-presidente preso há nove meses e três declararam voto pela saída de Humala da prisão. Sem a presença do sétimo ministro, os demais magistrados debateram por mais de quatro horas para tentar chegar a uma maioria. O esforço, porém, não mudou o placar e o plenário concordou em esperar o retorno de Eloy Espinosa-Saldaña que está na Espanha em atividades acadêmicas na Universidade de Valladolid e só retorna ao país em 25 de abril.A situação tem uma série elementos coincidentes com o recente julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) de ação do ex-presidente petista Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Lava Jato. Em Brasília, ministros julgaram um habeas corpus e a decisão foi por 6 a 5 para negar o pedido. Em Lima, o HC é sobre uma prisão preventiva em curso, e a decisão também terá apenas um voto de diferença.Uma das sessões anteriores à decisão do STF também teve um dos magistrados – o ministro Gilmar Mendes – ausente por viagem à Europa para tratar de atividades acadêmicas. Enquanto Espinosa-Saldaña está em Valladolid, no norte espanhol, Mendes foi Lisboa, em Portugal.Da Espanha, o ministro peruano reclamou da interrupção da votação e disse que, antes de viajar, entregou um envelope com o voto por escrito do caso Hulanta para o presidente da Corte, Óscar Urviola. O magistrado, porém, preferiu ignorar o voto porque o relatório apreciado pelos colegas no plenário teve algumas mudanças em relação ao texto original avaliado pelo ministro que está na Espanha.

Estadão