28 de julho de 2018, 09:11

MUNDO EUA devolvem aos pais todas as crianças brasileiras isoladas

Foto: Eric Gray/AP Photo

Natalia Oliveira e a filha Sara ficaram 58 dias separadas

Todas as crianças brasileiras separadas dos pais na fronteira sul dos EUA foram reunidas com seus parentes, segundo o Ministério das Relações Exteriores. Mas centenas de famílias de imigrantes ilegais de vários países continuavam nesta sexta-feira, 27, sem saber o que ocorrerá com elas, um dia após expirar o prazo dado pela Justiça para o governo Trump reunir pais e filhos. Washington afirma ter reunido mais de 1.800 crianças, mas 711 continuavam em abrigos. A Justiça americana havia determinado que o governo reunisse 2.551 crianças às suas famílias até quinta-feira. O governo republicano, que disse considerar elegíveis para reunião somente 1.600 famílias, informou à Justiça ter entregue 1.442 a seus pais. Outras 378 foram soltas em “circunstâncias apropriadas”. Organizações de apoio a imigrantes e escritórios de advocacia criticaram o governo por criar um emaranhado legal e burocrático para tornar difícil a reunião das famílias e criar um cenário no qual algumas podem nunca mais ver seus filhos. Das 711 crianças em abrigos americanos, 431 tiveram os pais deportados. ONGs pressionam o governo a apresentar um plano para completar essas reuniões enviando as crianças de volta para seus países, em sua maioria na América Central. Algumas organizações, porém, já deram início à investigação para tentar encontrar esses pais, como a União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU). “Será um trabalho de detetive muito difícil”, afirmou um dos advogados da ACLU Lee Gelernt. A organização Kids in Need of Defense enviou equipes para Honduras e Guatemala para facilitar o processo. A brasileira Natália Oliveira foi uma das mães que respirou aliviada esta semana. Depois de passar quase dois meses separada da filha Sara, de apenas 5 anos, as duas finalmente puderam se encontrar no domingo. Natália atravessou a fronteira americana, foi presa e levada para um centro familiar no dia 14 de maio. As duas ficaram retidas juntas até o dia 26. “Daí, de uma maneira muito sigilosa, eles vieram e pegaram minha filha”, relatou Natália em entrevista ao Estado, acrescentando que a deixaram sem nenhuma informação. “Disseram que me levariam para um lugar onde minha filha não poderia ficar junto comigo”. Desde que foram separadas, a menina ficou em um abrigo para menores em Chicago, enquanto Natália foi transferida entre várias prisões pelo Texas. No domingo, finalmente, a brasileira pode abraçar Sara do lado de fora do centro de detenção em Pearsall, no Texas. Natália só conseguiu falar com a filha por telefone 15 dias depois de as duas terem sido separadas. A filha pedia por favor para que a mãe fosse buscá-la. “Eles não vão levar você embora de novo, né?”, perguntou a menina ao se reencontrar com mãe no domingo. O contato entre elas só passou a ser regular nos últimos 15 dias de detenção. Elas ficaram 58 dias separadas. Sem saber onde estava a filha, Natália pediu ajuda à família no Brasil que acionou o Consulado no Texas e este localizou a menina em Chicago. Mesmo assim, a reunião só foi possível após um longo trâmite burocrático. “Eu pedia informações e eles me forneciam papéis com orientações que não eram verdadeiras”. Mãe e filha estão agora com parentes em Boston e Natália vai iniciar seu processo para tentar se regularizar nos EUA. “Ainda estou muito eufórica por ter me reencontrado com minha filha. Vou esperar colocar as coisas no lugar e avaliar quais são agora as minhas opções”, contou, acrescentando que não perdeu a esperança de fazer a vida nos EUA. As famílias de imigrantes começaram a ser separadas em abril sob a política de tolerância zero de Donald Trump. A medida foi suspensa em junho por ordem do juiz federal Dana Sabraw, de San Diego, que determinou o prazo para as reuniões. Durante a crise, o Brasil chegou a ter 51 crianças separadas dos pais. Em junho, o presidente Michel Temer declarou que poderia enviar um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para trazer as crianças brasileiras de volta.

Estadão Conteúdo

27 de julho de 2018, 20:51

MUNDO Polícia prende vigilante acusado de matar brasileira na Nicarágua

Foto: Jorge Cabreira/Reuters

Missa em homenagem a estudante de medicina brasileira Raynéia Gabrielle Lima, morta na NIcarágua

A Polícia Nacional da Nicarágua comunicou nesta sexta-feira, 27, que prendeu o vigilante particular Pierson Gutiérrez Solís, de 42 anos, acusado de ser o autor dos disparos que mataram a estudante de medicina brasileira Raynéia Gabrielle Lima, de 30 anos. O comissário César Cuadra leu a nota de imprensa da polícia na emissora governista Canal 4, revelando que o detido foi apreendido com uma arma de fogo tipo carabina M4, mas não forneceu detalhes sobre o momento do assassinato. Colegas de Raynéia e opositores afirmam que ela foi morta por paramilitares que fazem a segurança da região Lomas de Montserrat, onde vivem alguns políticos nicaraguenses. A nota da polícia termina dizendo que “o processo de investigação, o detido e as evidências serão enviados às autoridades competentes”. Até o momento, o paradeiro do carro de placa M 170-620, que Raynéia dirigia quando foi morta, é desconhecido. Além disso, o namorado da estudante, aparentemente a única testemunha do crime, não foi localizado. É possível que ele esteja escondido justamente por ter sido a única testemunha presencial do caso. A morte de Raynéia ocorreu por volta das 11 horas da noite da segunda-feira 23, quando ela voltava para casa após sair do plantão médico. Em Lomas de Montserrat, paramilitares vigiavam a casa de Francisco López, tesoureiro da Frente Sandinista de Libertação Nacional (FLSN) e ex-gerente do Albanisa. Segundo vizinhos, uma série de tiros foi ouvida na noite em que a estudante foi morta. No entanto, as autoridades policiais falam de um único disparo de arma de fogo.

Estadão Conteúdo

26 de julho de 2018, 17:24

MUNDO Brics defende crescimento da economia e condena terrorismo

Foto: Cesar Itiberê / PR

Presidente da República, Michel Temer posa para foto de família dos Chefes de Estado e Governo do BRICS

Os chefes de Estado dos países-membros do Brics – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – afirmaram, em declaração conjunta, que se comprometem com o fortalecimento das relações internacionais para o desenvolvimento econômico com foco no bem-estar da população. Eles alertaram para o crescente protecionismo comercial e condenaram ações terroristas e de violação de direitos humanos em áreas de conflito. Os líderes do Brics, entre eles o presidente Michel Temer, estão reunidos na 10ª Cúpula do bloco, a ser realizada até amanhã (27) em Joanesburgo, na África do Sul. O tema da cúpula é colaboração para crescimento econômico inclusivo e prosperidade compartilhada na quarta revolução industrial. No documento apresentado nesta quinta-feira (26), os chefes de Estado destacaram que o encontro deste ano ocorre por ocasião do centenário de nascimento de Nelson Mandela, e reconheceram a contribuição do ex-presidente sul-africano a serviço da humanidade, da democracia e da promoção da cultura de paz no mundo. Eles reafirmaram o compromisso com princípios do multilateralismo, do respeito mútuo entre as nações, com a democracia e com a legislação internacional e apoiaram o papel central da Organização das Nações Unidas (ONU) na manutenção da paz mundial, da segurança e na proteção dos direitos humanos. Mas, ressaltaram a necessidade de reformar a organização, incluindo o Conselho de Segurança, de forma que se torne mais representativa e eficiente. Os líderes também reiteraram o compromisso com a agenda de objetivos do desenvolvimento sustentável e na adoção de medidas para cumprir o Acordo de Paris e ampliar a capacidade dos países para suavizar as consequências das mudanças climáticas.

Agência Brasil

24 de julho de 2018, 17:00

MUNDO Brasileira é morta a tiros na Nicarágua; Brasil pede explicações

Foto: Estadão/Reprodução

Nicarágua vive uma onda de protestos desde o dia 18 de abril

A estudante universitária brasileira Raynéia Gabrielle Lima, de 30 anos, foi morta a tiros na noite da segunda-feira 23 em Manágua, capital da Nicarágua, segundo a Embaixada do Brasil no país caribenho. Em nota, o Ministério das Relações Exteriores disse que busca esclarecimentos sobre a morte da estudante e condenou “o uso desproporcional e letal da força” no país. A Nicarágua vive uma onda de protestos desde o dia 18 de abril, quando a população rejeitou uma proposta de reforma da previdência que depois foi abandonada pelo governo. Raynéia era estudante de medicina na Universidade Americana de Manágua (UAM). Ela estava perto de terminar o curso e já fazia residência, informou ao Estado seu pai, Ridevando Pereira. De acordo com informações da embaixada brasileira na capital da Nicarágua, a estudante voltava de carro de um plantão no Hospital Militar Escola Dr. Alejandro Dávila Bolaños e já estava perto de casa, na região da Universidade Autônoma, quando foi atacada e morreu. Mais cedo, em relato publicado no Twitter, a Coordinadora Universitaria, uma agremiação de estudantes de oito universidades nicaraguenses, disse que Raynéia voltava para casa na noite de segunda quando seu veículo foi alvejado perto do Colégio Americano por paramilitares que ocupam a Universidade Nacional Autônoma na capital nicaraguense. O pai da estudante contou que soube da morte da filha por meio de uma ligação da embaixada brasileira. Segundo ele, a família tem poucas informações e está se atualizando pelas redes sociais e pela imprensa. “Estamos em contato com a embaixada para saber alguma coisa”, disse. Raynéia terminaria a residência em fevereiro de 2019. A jovem morava sozinha na Nicarágua há cinco anos. As autoridades do País já notificaram o governo de Daniel Ortega sobre o caso e pediram explicações. A embaixadora nicaraguense em Brasília também deve ser convocada pelo governo, segundo uma diplomata brasileira em Manágua ouvida pela reportagem – até o momento as autoridades da Nicarágua não se pronunciaram. Segundo informações da embaixada brasileira, o reconhecimento do corpo já foi realizado e os resultados da autópsia são esperados para os próximos 15 dias. Ainda não há prazo para que o corpo da estudante seja liberado pelas autoridades e possa ser trazido para o Brasil. A Comissão Interamericana dos Direitos Humanos (CIDH) e o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos acusam o presidente Daniel Ortega de causar graves violações dos direitos humanos, “assassinatos, execuções extrajudiciais, maus-tratos, possíveis atos de tortura e detenções arbitrárias”. O governo nega as acusações. O país vive a crise sociopolítica mais sangrenta desde a década de 80, quando Ortega também era líder.

Estadão Conteúdo

24 de julho de 2018, 12:52

MUNDO Congresso peruano aprova destituição de cúpula do judiciário do país

O Congresso do Peru aprovou nesta sexta-feira (20), por unanimidade, a destituição dos integrantes do Conselho Nacional da Magistratura (CNM). Os sete conselheiros do órgão estão envolvidos em um escândalo de corrupção envolvendo os mais altos níveis do judiciário peruano revelado após a divulgação das suas conversas telefônicas. O CNM tem funções similares ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) no Brasil, como a de melhorar a gestão e fiscalizar o Judiciário. Em sessão plenária extraordinária do Parlamento, convocada pelo presidente peruano, Martín Vizcarra, a remoção dos conselheiros foi aprovada pelos votos dos 118 legisladores presentes. Os afetados são Hebert Marcelo Cubas, Baltazar Morales, Maritza Aragón, Orlando Velásquez, Ivan Noguera, Guido Águila e Julio Gutiérrez Pebe. Os congressistas debateram durante duas horas o relatório da comissão de Justiça que recomendou sua destituição por causa séria, segundo o artigo 157 da Constituição. Nas ruas, manifestantes protestavam contra a corrupção na frente do Palácio de Justiça, em Lima.

* Com informações do G1

21 de julho de 2018, 13:09

MUNDO Mortes de imigrantes no Mediterrâneo chegam a quase 1,5 mil neste ano

As mortes de imigrantes e refugiados tentando ingressar na Europa pelo Mar Mediterrâneo chegaram a 1.490 neste ano, até o último dia 18, informou a Organização Internacional para as Migrações das Nações Unidas (OIM-ONU). O número é menor comparado a igual período de 2017, quando morreram 2.382 pessoas. A organização também registrou redução na entrada de imigrantes na Europa. Em 2018, até 18 de julho, foram 51.782. Em 2017, foram 110.189 imigrantes e em 2016, no mesmo período, 244.722. Apesar da redução, no mês de junho, a rota pelo Mediterrâneo central que une a Itália com o norte da África registrou o maior número de mortes dos últimos quatro anos. Em junho de 2018, 564 imigrantes desapareceram nas águas dessa rota entre o Norte da África e a Sicília. Em 2017, foram 529 mortes em junho. Em 2016, 388 casos. Neste mês, até o dia 18, foram registradas 153 mortes. As chegadas pela Espanha (18.653) superam a entrada pela Itália (17.838), neste ano. A entrada pela Itália caiu mais de 80% em comparação com o mesmo período do ano anterior (93.359). O número de imigrantes irregulares (3.136) que chegaram à Itália pelo mar em junho deste ano foi o mais baixo registrado pelas autoridades italianas desde 2014. A Itália adotou uma política para dificultar a chegada de imigrantes. O país decidiu fechar os portos às embarcações das organizações não governamentais (ONGs) que salvam vida de imigrantes no mar.

Agência Brasil

16 de julho de 2018, 07:30

MUNDO Ex-coronel de regime militar chileno é preso na Argentina

Policiais federais da Argentina prenderam na tarde de hoje (15), em Mar del Plata, um cidadão chileno que, segundo a corporação, é um dos foragidos mais procurados pelas autoridades de seu país, acusado por homicídios. De acordo com a imprensa argentina e chilena, trata-se de Sergio Francisco Jara Arancibia, coronel durante a ditadura militar de Augusto Pinochet, uma das mais violentas da América Latina. Estimativas oficiais apontam que, entre 1973 e 1990, mais de 3 mil opositores ao regime foram mortos e dezenas de milhares presos e torturados. Até hoje, milhares de famílias reclamam informações sobre desaparecidos políticos. No ano passado, a Corte Suprema do Chile condenou Arancibia a prisão pelos assassinatos de um médico e de um servidor público que se opunham ao regime militar. Desde então, o ex-general está foragido. De acordo com as autoridades argentinas, o chileno foi detido com base em um mandado de captura internacional e será extraditado para o Chile.

Agência Brasil

15 de julho de 2018, 12:45

MUNDO Israel e Hamas acertam trégua em Gaza após embates mais intensos desde 2014

Israel e Gaza chegaram a uma difícil trégua neste domingo após travarem ao longo do fim de semana os embates mais intensos desde a guerra de 2014, refletindo pressão sobre o governo do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, para encontrar um caminho para o fim da campanha de ataques do Hamas ao longo da fronteira. As Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês) alvejaram dezenas de alvos do Hamas na Faixa de Gaza durante uma campanha de ataques aéreos no sábado que Netanyahu classificou como “o mais duro golpe” ao grupo que controle o território palestino desde a guerra por terra quatro anos atrás. Entre os alvos estavam quartéis-generais de batalhões do Hamas na área norte da Faixa de Gaza, uma série de túneis militares e um edifício abandonado usado como centro de treinamento para combate urbano, de acordo com as IDF. Os ataques aéreos foram realizados após um soldado israelense ser ferido por uma granada durante protestos na fronteira entre Gaza e Israel na última sexta-feira, quando, além disso, manifestantes palestinos lançaram mais de 200 foguetes e morteiros no lado israelense na madrugada de sexta-feira para sábado. “Nossa política é clara: Quem quer que nos machuque será acertado com grande força”, disse Netanyahu em uma reunião de gabinete neste domingo. “Não estamos preparados para aceitar qualquer ataque contra nós e responderemos apropriadamente.” Dois palestinos foram mortos por um ataque aéreo de Israel e três israelenses foram feridos por projéteis de Gaza.

Estadão

15 de julho de 2018, 12:30

MUNDO Alemanha vai receber 50 dos 450 imigrantes resgatados de pesqueiro pela Itália

A Alemanha se comprometeu neste domingo a receber 50 dos 450 imigrantes resgatados pela Itália de um barco pesqueiro no Mar Mediterrâneo que foi parar no centro de um imbróglio entre a Itália e Malta. A informação foi divulgada por Steffen Seibert, porta-voz da chanceler Angela Merkel, em sua conta no Twitter. “O entendimento com a Itália, neste caso para acolher 50 pessoas sucedeu com vistas aos diálogos em curso sobre uma cooperação bilateral mais intensiva em questões de asilo”, acrescentou Seibert. Ontem, França e Malta já haviam concordado em receber 100 imigrantes desse grupo. A manifestação em Berlim foi comemorada pelo primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte. “No momento há, portanto, 150 pessoas – num total de 450 migrantes que viriam direto para a Itália e que estão atualmente a bordo dos navios da Frontex (agência de controle de fronteiras da União Europeia) e da Guarda de Finanças (órgão policial italiano) – que serão igualmente distribuídos em outros países europeus”, escreveu em sua página no Facebook. “Esta é a solidariedade e a responsabilidade que sempre pedimos à Europa e que agora, após os resultados obtidos no último Conselho Europeu, começam a tornar-se realidade”, disse Conte. Ao comentar ontem o entendimento com os governos francês e maltês, o premiê italiano revelou que havia passado o dia inteiro telefonando e escrevendo para “todos os 27 líderes europeus” buscando quem se apresentasse voluntariamente para receber os estrangeiros resgatados no Mediterrâneo.

Estadão

14 de julho de 2018, 12:12

MUNDO Manifestantes anti-Trump chegam a parque onde está boneco inflável gigante

Manifestantes contrários à presença do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na Escócia chegaram a um parque na capital do país, Edimburgo, onde sobrevoa um boneco inflável gigante com o mandatário norte-americano retratado como um bebê. O boneco tem cerca de seis metros de altura e se tornou um símbolo dos protestos contra a primeira visita oficial de Trump ao Reino Unido. Muitos dos manifestantes também carregam placas com imagens do boneco de Trump, assim como a frase “Dump Trump”, que significa “Despeje Trump”. Um dos manifestanes, vestido com os trajes do super-herói Homem-Aranha, carregava uma placa lembrando Trump que “grandes poderes trazem grandes responsabilidades” – a frase é emblemática no primeiro filme da trilogia do Homem-Aranha da produtora Sony, protagonizada pelo ator Tobey Maguire. A marcha anti-Trump levou duas horas para atravessar a cidade neste sábado, divertindo turistas e motoristas, que buzinavam em apoio.

Estadão

12 de julho de 2018, 07:57

MUNDO Deputado contesta visita de Bachelet a Lula alegando que não se “apóia corrupto”

Foto: Reprodução/Arquivo

Ex-presidente Michele Bachelet, do Chile, tem plano de visitar Lula contestado no Parlamento de seu país

A Folha informa que o anúncio de que a ex-presidente do Chile Michelle Bachelet pretende visitar Lula na prisão causou debates acalorados no Parlamento do país. Deputados de partidos adversários ameaçaram negar a ela permissão para viajar – os ex-mandatários precisam da autorização durante seis meses depois de deixarem o cargo. “Eu chamo a ex-presidenta a ser prudente e consequente: não se apoia corruptos de nenhuma parte do mundo”, disse o deputado Patrício Melero. Já o deputado socialista Marcelo Diaz disse que Bachelet não precisa pedir permissão a ninguém para realizar suas atividades. Ex-embaixador na Argentina, ele lembrou que Sebastian Piñera, depois do primeiro mandato como presidente (2010-2014), chegou a ir a um encontro de oposição a Cristina Kirchner naquele país. “Eu espero que isso [a visita a Lula] ocorra”, afirmou Diaz, segundo o jornal.

10 de julho de 2018, 09:34

MUNDO Resgate de garotos e do técnico em caverna é encerrado com sucesso na Tailândia

Foto: Divulgação

Todos os 12 garotos e o técnico de futebol deles foram resgatados

Todos os 12 garotos e o técnico de futebol deles foram resgatados de uma caverna inundada no extremo norte da Tailândia de acordo com agentes da Marinha do país. Com isso, foi encerrada operação que durou mais de duas semanas para salvar o grupo. As autoridades locais disseram que quatro garotos e o técnico foram resgatados nesta terça-feira, após os demais terem sido retirados nos dois dias anteriores, todos em segurança. A Marinha tailandesa informou que ainda espera por um médico e por três mergulhadores envolvidos na operação. Os oito primeiros resgatados estavam com “bom ânimo” e possuem um sistema imunológico forte, de acordo com uma fonte médica. Ainda assim, os médicos mostram cautela sobre o estado deles por causa do risco de infecções e os meninos estão isolados no hospital. A difícil situação chamou a atenção na Tailândia e em grande parte do mundo, desde a notícia da desaparição e as primeiras imagens em vídeo do grupo, quando foram achados dez dias depois por dois mergulhadores britânicos. Eles estavam presos na caverna Tham Luan Nang Non, que sofreu inundações pelas chuvas de monção durante uma visita ao local, após um treinamento dos garotos ocorrido em 23 de junho.

Estadão

8 de julho de 2018, 11:41

MUNDO Pelo Twitter, Trump ressalta ajuda dos EUA em resgate de meninos na Tailândia

Foto: Joshua Roberts/Reuters

O presidente dos EUA, Donald Trump

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se manifestou há pouco via Twitter sobre a participação do país na missão de resgate de 12 meninos e um professor presos em uma caverna no norte da Tailândia. “Os EUA estão trabalhando de forma muito próxima com o governo da Tailândia para ajudar no resgate de todas as crianças para fora da caverna com segurança. Pessoas muito corajosas e talentosas!”, escreveu Trump em seu Twitter.

Estadão Conteúdo

8 de julho de 2018, 09:32

MUNDO Equipes farão intervalo após resgatar 4 meninos de caverna tailandesa

Foto: Royal Thai Navy/Reprodução Estadão

Segundo as autoridades locais, 18 mergulhadores fazem parte da equipe de resgate das crianças presas na caverna

Quatro dos 12 meninos que estavam presos há duas semanas em uma caverna inundada na Tailânida já foram regatados, segundo agência Reuters. Autoridades no norte da província de Chiang Rai começaram neste domingo,8, a perigosa missão de resgatar os 12 meninos e seu treinador. “Seis crianças saíram”, disse Tossathep Boonthong, chefe do departamento de saúde de Chiang Rai e parte da equipe de resgate. Segundo o governador interino da província de Chiang Rai, Narongsak Osottanakorn, 18 mergulhadores participam do resgate – cinco membros da Marinha tailandesa e treze estrangeiros. Cada criança será acompanhada por até dois mergulhadores. Sem previsão de quanto tempo irá durar a operação, o governador informou que os profissionais devem levar onze horas apenas para a retirada da primeira criança e que o resgate completo do grupo poderá continuar por dias. “Hoje é o dia D”, disse Osottanakorn. “Nós não podemos esperar mais”. Segundo os responsáveis pelo resgate, toda a operação poderá durar pelo menos dois ou três dias. Antes do início oficial das operações de resgate, as autoridades ordenaram que os veículos de imprensa deixassem as proximidades da caverna. No local, 13 ambulâncias e dois helicópteros com médicos e membros da assistência sanitária aguardam a saída do grupo para um eventual tratamento de emergência e deslocamento para hospitais da região. Especialistas alertam que um resgate pela água nestas condições deveria ser o último recurso, visto que nenhuma das crianças teve treinamento em mergulho e estão fora das condições físicas. No entanto, o governador diz que a melhora no tempo abriu uma janela de oportunidade que poderá se fechar caso as chuvas torrenciais retornem à região, dificultando a drenagem da água da caverna e limitando as chances de acesso às crianças. Osottanakorn afirmou também que os familiares das crianças foram alertados dos riscos da operação de resgate. “As crianças estão fortes física e mentalmente”, disse Osottanakorn. “Elas estão prontas”. O caminho de 1,7 quilômetros até a câmara onde estão as crianças e o técnico é escuro e repleto de passagens estreitas e submersas. A correnteza no local é forte e os níveis de oxigênio são baixos. A trajetória é tão difícil que um ex-mergulhador da Marinha da Tailândia morreu durante uma tentativa de resgate. As doze crianças, com idades entre 11 e 16 anos, fazem parte de um time de futebol juvenil. Os jovens desapareceram no dia 23 de junho, quando estavam explorando uma caverna. Eles estavam acompanhados do técnico, de 25 anos. Todos ficaram presos no local após uma enchente inundar parcialmente a saída da caverna. O grupo foi localizado na última segunda-feira, 2.

Estadão Conteúdo

8 de julho de 2018, 08:50

MUNDO Advogados de Lula assumem defesa de ex-presidente do Equador

Foto: Estadão

O ex-presidente do Equador Rafael Correa

Geoffrey Robertson, advogado do ex-presidente Lula na ONU, e Valeska Teixeira Martins, que integra a defesa do petista no Brasil, vão representar o ex-presidente do Equador Rafael Correa. Na última terça-feira (3), a Justiça equatoriana decretou a prisão preventiva dele. Portunhol Correa é acusado de ter ordenado o sequestro do ex-deputado Fernando Balda, em 2012, na Colômbia. Os advogados estão na Bélgica, onde o político mora há mais de um ano. De acordo com a coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo, eles defenderão a tese de que, assim como Lula, ele é vítima de lawfare — uso de instrumentos jurídicos para fins de perseguição política. O pedido de prisão foi expedido porque Correa não cumpriu a determinação de se apresentar quinzenalmente a uma corte do Equador. Ele chegou a pedir autorização para marcar presença no consulado equatoriano em Bruxelas.