11 de junho de 2019, 16:42

EXCLUSIVA Leo Prates não nega mudança para a pasta da Saúde: “nada definido”

Foto: Divulgação

Secretário municipal de Promoção Social e Combate à Pobreza (Sempre), Leo Prates (DEM)

Em meio aos rumores de que o hoje secretário municipal de Promoção Social e Combate à Pobreza (Sempre), Leo Prates (DEM) pode ocupar a pasta da Saúde no lugar de Luiz Galvão, Prates não nega a possibilidade. Adotando o tom de cautela, ele afirmou a este Política Livre que ainda não existe “nada definido”. Contudo, o que se fala nos corredores do Palácio Thomé de Souza é de que a queda de Galvão é certa e já teria, inclusive nome para o lugar de Prates na Sempre: a atual coordenadora das Prefeituras Bairro e braço direito do vice-prefeito e secretário de Infraestrutura Bruno Reis, Ana Paula. Prates tem sido apontado como “plano B” de Neto para a sucessão em 2020, caso o vice-prefeito Bruno Reis (DEM) não consiga se viabilizar e a mudança fortalecer seu nome junto ao eleitorado. O nome de Prates para o lugar de Galvão chegou até mesmo a ser ventilado na ocasião da reforma administrativa realizada pelo prefeito ACM Neto (DEM) em fevereiro.

7 de junho de 2019, 12:48

EXCLUSIVA Em reunião com federais, Rui anuncia divisão de cargos regionais e municipais e se diz indiferente a inclusão de Estado em reforma

Foto: Divulgação/Arquivo

Governador Rui Costa se reuniu ontem com deputados federais e estaduais

O governador Rui Costa (PT) disse a deputados federais que para ele é indiferente a inclusão de Estados e municípios na reforma da Previdência, porque o governo do Estado conseguiu a aprovação pela Assembleia Legislativa de cerca de 75% das medidas necessárias a uma mudança sustentável no sistema previdenciário do Estado, no ano passado.

Pelos cálculos do governador, a única medida que faltou, entre as aprovadas, foi a definição da idade mínima, que ele poderia implementar depois de aprovada a reforma da Previdência no Congresso. A informação foi dada por Rui durante encontro na tarde de ontem com a bancada federal para discutir o assunto e a partilha de cargos estaduais entre os deputados.

No encontro, ele se divertiu com o que alguns aliados definiram como “obsessão” do prefeito ACM Neto e de líderes de seu partido, o DEM, para que Estados e municípios sejam retirados da reforma aprovada no Congresso com o único objetivo de obrigar Rui a se expor e ter que encaminhar uma reforma da Previdência à Assembleia. “Já fiz isso, com coragem, e fui bem sucedido”, disse o governador, segundo relato de um deputado federal.

O governador também teria dito que o comportamento do Democratas baianos mostra que seus dirigentes, Neto incluso, não se preocupam com o país quando está em jogo supostamente constranger adversários. Rui também revelou que a partir de agora os cargos municipais e os regionais serão divididos entre os deputados federais e os estaduais da base do governo.

A bancada federal dividirá os federais, enquanto a estadual os municipais. A medida, segundo ele, é necessária para compensar os deputados de partidos que não conseguem emplacar cargos na administração federal, desde a ascensão de Michel Temer (MDB) à Presidência, dificuldade que se tornou maior com a eleição de Jair Bolsonaro (PSL).

A restrição só não atingiu partidos que estão também na base do governo federal, como o PP e o PR, mas eles também serão contemplados, para evitar discriminações.

7 de junho de 2019, 09:37

EXCLUSIVA Azi diz que Rui Costa precisa “sair do armário” com relação a reforma da Previdência

Foto: Divulgação/Arquivo

Paulo Azi

O deputado federal Paulo Azi, presidente estadual do DEM, ironizou o fato de o governador Rui Costa (PT) ter subscrito uma carta com outros governadores do Nordeste defendendo a inclusão de Estados e municípios na reforma da Previdência a ser votada pelo Congresso. “O governador precisa sair do armário”, afirmou Azi a este Política Livre, acrescentando que, enquanto em Brasília Rui faz discurso a favor da reforma da previdência estadual, na Bahia ele se cala, principalmente diante do medo da reação do funcionalismo. Segundo Azi, a proposta, no entanto, não passará no Congresso, onde os deputados federais não querem arcar sozinhos com o ônus de aprovar as mudanças, transferindo para os governos a responsabilidade pela aprovação em seus respectivos Estados. Hoje, segundo o deputado, os governadores já discutem no Congresso uma outra etapa, posterior a essa, em torno da tese sobre se as reformas nos Estados e municípios serão aprovadas por meio de lei complementar ou ordinária em suas respectivas Casas legislativas, porque muitos não teriam maioria ampla para aprovar a medida via PEC (Proposta de Emenda Constitucional).

7 de junho de 2019, 09:09

EXCLUSIVA Talita Oliveira pode deixar PSL e abrigar-se em partido da base de Rui

Foto: Divulgação

Deputada Talita Oliveira

A deputada Talita Oliveira (PSL), após guerra declarada com a presidente da sigla na Bahia, deputada federal Dayane Pimentel, que chegou a tomar a presidência do PSL Mulher das suas mãos, estuda migrar para novo ninho partidário. Em Brasília, informações dão conta de que ela estaria negociando com o deputado federal Tito sua ida para o Avante, legenda liderada pelo deputado Sargento Isidório, aliado de primeira hora do governador Rui Costa (PT). Essa seria uma estratégia para blindar-se de um possível pedido de expulsão por parte da direção do PSL local. Talita já teria, inclusive, sentado à mesa com o presidente nacional do PSL, Luciano Bivar que a teria tranquilizado sobre qualquer possibilidade neste sentido por não haver motivos para a decisão, mas, ainda assim, a deputada não teria mais clima para permanecer no seu atual abrigo partidário. Contudo, a oposição ferrenha que a deputada faz ao governador Rui Costa (PT) pode ser fator de entrave para que o martelo seja batido em prol do ingresso no Avante. Há quem diga, entretanto, que Talita pode ser aceita e liberada para adotar uma posição de independência na Assembleia Legislativa da Bahia.

6 de junho de 2019, 19:21

EXCLUSIVA Otto apóia tese de Neto e do DEM para tirar Estados da reforma da Previdência

Foto: Divulgação/Arquivo

Senador Otto Alencar apóia que Estados e municípios façam sua própria reforma

O senador Otto Alencar (PSD) parece ter fechado com a opinião do DEM e do prefeito ACM Neto, seu presidente nacional, quanto à necessidade de Estados e municípios aprovarem suas próprias reformas previdenciárias. A O Antagonista, Otto também disse não ver motivos para a matéria não ser votada ainda no primeiro semestre por causa dos festejos juninos. “Não tem por que não trabalhar dia de semana. Os festejos costumam ser no fim de semana”, afirmou Otto, que é líder do PSD no Senado. Para ele, se o relator da reforma da Previdência, Samuel Moreira, mantiver, em seu texto, estados e municípios na proposta, o plenário da Câmara tende a derrubar esse ponto. “E acho que é o certo. Apesar da pressão dos governadores, cada um deveria fazer a sua própria reforma, porque as realidades são muito diferentes”, declarou. Neto e o DEM desejam que Estados e municípios façam sua própria reforma, porque acreditam que isso forçaria o governador Rui Costa (PT), que defende a reforma as mudanças em privado, passe a fazê-lo publicamente.

6 de junho de 2019, 14:47

EXCLUSIVA Em campos opostos, Targino e Geilson se unem em Feira com vistas em 2020

Foto: Divulgação

Carlos Geilson e Targino Machado (DEM)

Hoje em campos opostos, o deputado estadual Targino Machado (DEM) e o ex-deputado estadual Carlos Geilson, sem partido, selaram união com vistas nas eleições de 2020 em Feira de Santana. Para a imprensa local, Geilson, ignorando a candidatura do deputado federal Zé Neto pelo PT, partido do seu novo aliado o governador Rui Costa, afirmou que foi um “encontro de velhos amigos que estão juntos e desejam a liberdade de Feira de Santana”. Mais enfático, Targino já afirma que a dupla é como “o cravo e a ferradura”. “É um projeto só. Um só objetivo, o bem de Feira de Santana. Caminharemos juntos em defesa das reformas que a cidade espera de nós”, disse ao site Bahia na Política. Geilson já havia declarado que Zé Neto caminharia sozinho, levando em conta que lançou seu projeto de forma precipitada e sem consenso, unidade com os “aliados”. Já Targino, se auto-declara abertamente um dos principais adversários do atual prefeito, Colbert Martins (MDB), que buscará a reeleição.

6 de junho de 2019, 08:20

EXCLUSIVA Conversas entre DEM e PCdoB?, por Raul Monteiro*

Foto: Reprodução/Facebook

Davidson Magalhães, do PCdoB, e Léo Prates, do DEM, almoçaram ontem em Salvador

Um encontro ontem entre o deputado federal Davidson Magalhães, do PCdoB, e o secretário de Combate à Pobreza de Salvador, Léo Prates, devidamente publicizado pelo segundo em suas redes sociais, mostrou que, se é verdade que as primeiras conversas com vistas à sucessão municipal de 2020 começam a se delinear, elas estão longe de serem pautadas por limites partidários e muito menos ideológicos. Pelo que se comenta na Praça Municipal, terreno onde hoje reina absoluto o líder político de Prates, o prefeito ACM Neto, presidente nacional do DEM, o comentário era de que o secretário atendeu a um convite do líder comunista para o almoço.

A bem da verdade, o encontro ocorre duas semanas depois de terem circulado informações de que Prates busca um outro partido, de onde poderia se preparar para eventualmente disputar a Prefeitura ou mesmo integrar uma chapa definida pelo hoje prefeito na condição de candidato a vice. Como se sabe, Neto tem hoje um candidato a prefeito que se chama Bruno Reis (DEM), por acaso, seu vice, mas naturalmente não pode focar apenas em seu nome para a disputa, devendo construir uma alternativa que seja para qualquer eventualidade e, pelas indicações fornecidas até agora, ela pode responder pelo nome do seu secretário de Combate à Pobreza.

Até aí a conversa gira em torno do que seriam os planos pensados para o seu grupo político pelo prefeito de Salvador. Fora dele, no âmbito de partidos como o PCdoB, a leitura e a conversa obedecem a outros parâmetros. No caso específico dos comunistas baianos, eles estão vendo o PT firmar posição no sentido de lançar candidatura própria à Prefeitura e o PSB se armar para capturar o presidente do Esporte Clube Bahia, Guilherme Bellintani, por acaso um quadro que surgiu para a vida pública pelas mãos do atual prefeito, de quem foi primeiro secretário de Turismo e depois de Educação.

O movimento do PCdoB na direção de Prates, portanto, por mais que não signifique nada do ponto de vista concreto a dia de hoje, indica pelo menos que o partido não quer ficar para trás no jogo que se arma para a disputa do ano que vem, buscando inserir-se como um outro player no processo, provavelmente com um nível de abertura e penetração que suas candidatas naturais à Prefeitura, as deputadas Alice Portugal e Olívia Santana, não garantem. Apesar de marcharem desde sempre em campos opostos na Bahia, o partido e o DEM de Prates e Neto não andam tão distantes no campo nacional.

São conhecidas as articulações de que os comunistas participaram, por exemplo, para eleger o deputado carioca Rodrigo Maia (DEM) à presidência da Câmara dos Deputados, assim como da boa relação que o próprio Prates construiu com os vereadores do partido na época em que foi presidente da Câmara Municipal. Não deve ter sido por acaso que a vereadora do PCdoB Aladilce Souza aproveitou o post de Prates para questionar, em tom de brincadeira, se ele estava de partida para o PCdoB. Voltando ao secretário, embora saiba que a primazia para a disputa municipal no seu grupo seja de Bruno, não deixa de exibir credenciais de que circula com desenvoltura fora da caixinha em que o DEM é o líder.

* Artigo do editor Raul Monteiro publicado na edição de hoje da Tribuna.

Raul Monteiro*

4 de junho de 2019, 10:49

EXCLUSIVA Petistas acham que Neto tenta usar brecha na Previdência para “expor” Rui Costa

Foto: Reprodução/Facebook/Arquivo

ACM Neto é prefeito de Salvador e presidente nacional do DEM

Petistas vêem na defesa que o prefeito ACM Neto, na qualidade de presidente do DEM, vem fazendo de que o Congresso obrigue os governadores e prefeitos que querem aderir à reforma da Previdência a formalizarem a decisão uma tentativa de expor o governador Rui Costa, que já falou internamente sobre a necessidade de promover mudanças na previdência estadual, mas teria que enfrentar o debate público com o funcionalismo e seus sindicatos sobre a sua necessidade na Bahia. Segundo a Folha de S. Paulo, Neto já avisou que vai trabalhar ativamente para convencer parlamentares a encamparem seu entendimento. A maioria do DEM já teria aderido à tese de que governadores e prefeitos devem, no mínimo, enviar projeto de lei às Assembleias ou Câmaras Municipais explicitando a adesão às novas regras de aposentadoria que devem ser aprovadas pelo Congresso.

30 de maio de 2019, 16:57

EXCLUSIVA Depois de happy hour “frustrante”, deputados irão a Wagner pedir para convocar Conselho Político

Foto: Agência Senado/Arquivo

Senador Jaques Wagner é esperança de deputados para "amolecer" coração do governador

Ressabiados com a indiferença de Rui Costa (PT) com relação à nomeação dos cargos dos 2° e 3° escalões, deputados pensam em relembrar ao senador Jaques Wagner (PT) que ele prometeu sugerir ao governador a convocação do Conselho Político para tratar do tema e da sucessão nos municípios. Na época, Wagner, preocupado com o clima de insatisfação que vinha sentido na base, disse que esperaria Rui retornar da viagem à China para propor o encontro e marcá-lo. Mas já vão lá quase 20 dias, reclama um parlamentar. Depois de um happy hour ontem com os deputados estaduais, no qual, para surpresa da maioria, não tocou no assunto, o governador pensa agora em fazer um evento nos mesmos moldes com a bancada federal, mas já há parlamentar pensando que pode perder tempo se for só para tomar um drink e não ouvir nada da boca do governador com relação às nomeações.

30 de maio de 2019, 12:38

EXCLUSIVA Carballal faz alerta: “candidato de Neto em 2020 não poderá se associar a Bolsonaro”

Foto: Divulgação

Vereador Henrique Carballal

O vereador Henrique Carballal (PV) disse hoje a este Política Livre que o político que se apresentar como candidato do prefeito ACM Neto (DEM) à sucessão municipal em 2020 e fizer acenos à direita estará fadado ao insucesso. Sem querer se referir a nomes, Carballal declarou que o governo municipal atual é “um governo de disputa política”, em que se abrigam correntes que vão da extrema direita e da direita à esquerda. Em sua avaliação, no entanto, a face mais visível da administração é a de esquerda, porque o prefeito soube implementar várias políticas tradicionalmente de esquerda, a exemplo da reforma tributária, que afetou principalmente os mais ricos e a classe média alta, o emprego do orçamento dirigido às classes mais pobres e mesmo a pauta política e administrativa. “Como, representando a continuidade de um governo assim, o candidato do prefeito poderá fazer acenos à direita?. Ele vai poder defender cortes nas verbas da Educação ou a política internacional do governo federal?”, questiona o vereador, referindo-se diretamente à pauta do governo de Jair Bolsonaro, do PSL, partido que se abrigou na administração municipal depois da eleição do presidente. “Tudo de ruim do governo Bolsonaro vai cair no colo do candidato que fizer a opção pela direita”, vaticina.

30 de maio de 2019, 10:12

EXCLUSIVA Em happy hour, deputados confirmam que Rui Costa não fará nomeações tão cedo

Foto: Manu Dias/Arquivo/GovBa

Governador Rui Costa não fez gracinha para deputados, além de lhes servir quitutes e bebidas em happy hour

O happy hour promovido ontem pelo governador Rui Costa (PT) com os deputados estaduais governistas a fim de distensionar a relação com os partidos de sua base na Assembleia Legislativa frustrou os parlamentares. Eles esperavam ouvir de Rui algum sinal de que destravaria a nomeação dos cargos de 2° escalão que ainda faltam preencher, bem como as indicações para os postos regionais e municipais nas áreas de saúde, educação, do Detran e da Adab.

Em contrapartida, no entanto, só receberam do anfitrião atenção e bebidas e quitutes para degustar nas cerca de duas horas em que permaneceram com ele. A maioria chegou às 19h e deixou o Palácio de Ondina às 21h, a tempo de correr para a Arena Fonte Nova e assistir à partida do Bahia contra o São Paulo. “É só a isso que teremos direito?”, questionou um deputado a outro, referindo-se a uma empadinha que um dos garçons do Palácio lhe ofereceu.

Ele aludia ao fato de o governador não ter trocado palavra sobre as nomeações, evitando o tema mesmo ante os mais ousados, que tentaram lhe questionar sobre a razão da demora. Momentos antes, em seu chamado “Papo Correria”, um programa de TV que o governador comanda na internet no qual divulga algumas informações políticas e administrativas e é considerado uma verdadeira tortura por assessores obrigados a assisti-lo pelos deputados, Rui avisara que não pretendia fazer tão cedo as nomeações.

O governador fez a declaração, acrescentando que nenhum órgão está sem direção. “Todos estão trabalhando. A troca é uma opção do governador. Eventuais substituições serão feitas”, declarou no programa.

30 de maio de 2019, 09:11

EXCLUSIVA O que Bolsonaro faz para impedir o toma lá dá cá?, por Raul Monteiro*

Foto: Dida Sampaio/Agência Estado/Arquivo

Presidente Jair Bolsonaro promoveu reunião com o objetivo de formalizar um "pacto" em defesa do país

Depois da reunião dos presidentes dos três Poderes, na última terça-feira, em torno de um pacto pelo país, o clima parece efetivamente ter melhorado entre eles. Pelo menos até a próxima crise que, se seguir o script a que o país se acostumou nestes cinco meses de novo governo, pode ser produzida pelo presidente Jair Bolsonaro, seus filhos, seus ministros ou seu próprio partido, o PSL, que, como se viu até aqui, dispensam oposição. De toda forma, o apelo feito pelo presidente em torno de um entendimento não deixa de ser um avanço em relação a toda a confusão, a maior parte desnecessária, a que o país já assistiu de camarote enquanto a economia se deteriora a cada dia.

Por outro lado, de nada adiantará o café da manhã de terça, se cada um dos representantes máximos do Executivo, do Legislativo e do Judiciário não cumprirem seu papel, embora, até aqui, o maior déficit de ação possa recair claramente sobre os ombros da Presidência da República. Afinal, enquanto não se assumir como dono das reformas ou seu mais genuíno portador e defendê-las abertamente, afastando-se do populismo com que tem se comportado, de nada adiantará Bolsonaro se queixar de que a culpa é dos outros, especialmente do Congresso, ainda que se saiba que o Poder está longe de ser integrado por anjos altruístas e desinteressados.

Com efeito, Bolsonaro joga com alguma inteligência, qualidade com que seus principais críticos não o distinguem, ao buscar atiçar a sociedade contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal como forma de desviar o foco de sua própria inação. Para falar a verdade, os dois Poderes têm feito muito pouco, historicamente, para aliviar o sofrimento do povo brasileiro, demonstrando, sempre que podem, estar mais interessados em salvar a própria pele e os interesses e privilégios de seus integrantes do que defender aqueles da maioria da sociedade.

A sacada do presidente é ter percebido a tempo que, com o declínio do petismo como força a que deva se opor ou enfrentar, ele precisava encontrar novos algozes a que combater, na falta da apresentação de uma agenda construtiva de que o país tanto necessita e cujo papel dele seria exatamente capitanear e implementar sem tanta demora. Demonizar uma classe política profundamente desgastada e um STF que perdeu o respeito da sociedade, colocando na conta da exigência de cargos e espaços no governo em troca de apoio na Câmara e no Senado o impasse para governar, pode até funcionar por algum tempo, mas não vai durar o período do seu mandato.

Afinal, se não deseja mesmo se submeter ao toma lá dá cá que insinua repudiar como traço da velha política que professa combater por que até agora, em cinco meses de gestão, o presidente não apresentou à sociedade e ao próprio Congresso um fornido programa de privatizações capaz de diminuir o Estado brasileiro e reduzir, desta forma, o espaço que possa servir como base de troca do governo com deputados e senadores? Com certeza, se soubesse o que fazer e tivesse natural disposição para tanto, Bolsonaro não geraria tanto barulho por nada enquanto o país patina, sem perspectiva, numa crise que, embora não tenha criado, ele tem a obrigação de combater.

* Artigo do editor Raul Monteiro publicado na edição de hoje da Tribuna.

Raul Monteiro*

29 de maio de 2019, 12:03

EXCLUSIVA Com voto em Moro, Otto Alencar irrita petistas, que o acusam de só pensar em 2022

Foto: Divulgação/Arquivo

Otto Alencar, que votou no Senado e orientou bancada do PSD na Câmara a votar a favor do Coaf com Sérgio Moro

Irritados com os votos do senadores Angelo Coronel e Otto Alencar pela manutenção do Coaf com o ministro Sérgio Moro (Justiça), petistas fazem a avaliação de que o presidente estadual do PSD no Estado joga para a platéia, pensando na sucessão estadual de 2022, quando pode se candidatar ao governo. “Como a população não reflete e acha que estar com Moro é estar com o bem, Otto quer ficar com esta imagem”, disse um deputado petista a este Política Livre, lembrando que seu correligionário Coronel o seguiu, deixando apenas o senador petista Jaques Wagner com a missão de votar contra a medida. Além de ter votado pela manutenção do Coaf com Moro, Otto recomendou a toda a bancada federal do PSD da Bahia que ficasse com o ministro da Justiça, o que pegou desprevenidos parlamentares como José Nunes, que pretendia votar pela ida do Coaf para a pasta da Economia.

28 de maio de 2019, 16:40

EXCLUSIVA Bacelar começa andanças por bairros de Salvador de olho em 2020

Foto: Divulgação/Arquivo

Deputado lança "Bacelar nos bairros" e começa andanças por Salvador

Um dos campeões de votos na última eleição em Salvador, o deputado federal Bacelar (Podemos) deu partida a um projeto para fortalecer seu nome na cidade com vistas às eleições à Prefeitura, no ano que vem. Sob o nome de “Bacelar nos bairros”, a programação inclui visitas e conversas com lideranças populares e um discurso que assessores do parlamentar acham que tem funcionado: Ele tem dito que grandes obras a cidade já tem e que agora é a vez das intervenções nos bairros, principalmente nos mais pobres. Também acrescenta que quer dar oportunidade às lideranças de governarem pela primeira vez, junto com ele, a cidade.

28 de maio de 2019, 10:27

EXCLUSIVA No zap: Questionado sobre apoio a Bruno, Léo diz que está com Neto e cita o próprio nome e o de Geraldo Jr. para 2020

Foto: Valdemiro Lopes/CMS/Arquivo

Deputado licenciado Leo Prates

Corre os bastidores municipais uma troca de mensagens numa rede de WhatsApp em que o deputado licenciado Leo Prates (DEM), secretário municipal de Combate à Pobreza e autointitulado plano B à sucessão municipal de 2020, reage à afirmação de um colega sobre seu compromisso com a candidatura a prefeito do vice Bruno Reis (DEM), observando que está ACM Neto (DEM). Na mesma conversa, ele coloca o seu nome e o do presidente da Câmara Municipal de Salvador, Geraldo Jr. (SD), como eventuais indicados do prefeito de Salvador à disputa majoritária municipal do próximo ano. Ante o comentário de um integrante do grupo segundo o qual ele (Leo Prates) “tá com Bruno e não vai abrir mão com toda a razão do mundo. Vc é leal e sabemos disso!”, o secretário responde com a imagem de um coração e acrescenta: “Estou c ACM Neto”. Em seguida, um vereador provoca, dirigindo-se a Leo: “logo estará com quem Neto indicar”, ouvindo como resposta do secretário: “Q pode ser eu ou @Geraldinho, inclusive”. Um terceiro participante então intervém, meio que a título de colocar panos quentes na conversa: “Que bom que o grupo agora tem várias excelentes opções de gente com muito voto na capital para Neto escolher: Geraldo, João Toma (sic), Marcel, Alan Sanches, Davi Rios…” A troca de mensagens ocorreu na segunda quinzena de maio.