24 de maio de 2019, 19:30

ECONOMIA Dólar tem maior queda semanal desde janeiro, mas segue acima de R$ 4

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O real foi a moeda de país emergente que mais se fortaleceu ante o dólar nesta sexta-feira, 24

O real foi a moeda de país emergente que mais se fortaleceu ante o dólar nesta sexta-feira, 24, pondo fim a dias conturbados no mercado de câmbio brasileiro. A sessão foi marcada por enfraquecimento geral da moeda americana no exterior, tanto ante divisas de emergentes como de países desenvolvidos, com a expectativa de que avancem as negociações comerciais entre Estados Unidos e China. Na semana, o dólar acumulou queda de 2,07%, o maior recuo em cinco dias desde o final de janeiro. Operadores destacam que o ambiente político mais ameno e o mercado externo mais calmo contribuíram para a queda do risco Brasil e o fortalecimento do real. O dólar à vista fechou a sexta-feira em baixa de 0,80%, a R$ 4,0152, a menor cotação em 10 dias. No mercado de ações, o índice Bovespa teve seu terceiro pregão consecutivo de baixa, mas nem por isso encerrou a semana com resultado negativo. O principal índice de ações da Bolsa chegou a subir mais de 1% pela manhã, mas perdeu fôlego à tarde e fechou em baixa de 0,30%, aos 93.627,80 pontos. No acumulado da semana, o Ibovespa marcou ganho de 4,04% – o segundo melhor do ano -, obtido graças ao bom desempenho das ações na segunda-feira (+2,17%) e na terça (+2,76%). Nesses dois pregões, prevaleceu a melhora da percepção do cenário político, com os sinais de maior comprometimento dos parlamentares com a pauta de votações e a tramitação da reforma da Previdência. Apesar do dia mais calmo nesta sexta-feira, profissionais de câmbio destacam que o patamar de R$ 4,00 se transformou em um nível de resistência para a baixa do dólar. A moeda só cairia de forma consistente abaixo deste nível se houver notícias positivas concretas sobre a tramitação da reforma da Previdência no Congresso. Caso isso ocorra, pode testar o intervalo de R$ 3,90/3,95. Os estrategistas em Nova York do banco americano Citi acreditam que já há uma boa quantidade de más notícias incorporadas no câmbio. Mas a expectativa ainda é de volatilidade alta na moeda americana no mercado doméstico durante a tramitação da reforma da Previdência na comissão especial. Eles acreditam que o texto seja aprovado em junho na comissão e até o final do ano receba o aval final do Congresso. O gestor da Gauss Capital Carlos Menezes destaca que o aumento dos ruídos políticos em Brasília a partir de meados do mês levou muitos fundos e investidores estrangeiros a aumentarem a busca por proteção no dólar e em posições defensivas no mercado futuro. Nos últimos dias, o clima mais ameno em Brasília e o avanço de algumas medidas, como aprovação da Medida Provisória (MP) 870, que reorganiza os ministérios, provocaram o desmonte destas posições por fundos e estrangeiros. Acabou pesando no pregão desta sexta-feira, ainda que levemente, a cautela antes das manifestações pró-governo programadas para domingo, além do feriado nos Estados Unidos na segunda-feira, fator que reduz a liquidez nos mercados emergentes. “O Congresso mostrou maior engajamento e as votações foram positivas para o governo. Com isso, houve queda do dólar e dos juros futuros e a semana acabou bem positiva para a Bolsa”, disse Bruno Madruga, responsável pela área de renda variável da Monte Bravo Investimentos. Madruga atribuiu a leve baixa de hoje à ausência de fatos novos e a uma precaução pontual antes das manifestações de domingo, “porque não se sabe o que vai acontecer”. Para Luiz Roberto Monteiro, analista da mesa institucional da Renascença Corretora, a alta do Ibovespa nesta semana não chega a justificar uma melhora de perspectiva para o índice. Ele lembra que o referencial ainda acumula queda de 2,83% em maio, com forte saída de recursos externos da B3. “É bom ver o Ibovespa subir 4% na semana, mas o problema é que ele chega próximo desse patamar e trava, não define para qual lado irá. O mercado já subiu em cima de expectativas, mas agora quer ver fatos concretos para atrair recursos e ir além”, disse o profissional. Na análise por ações, a queda do Ibovespa no dia foi determinada pelo setor financeiro, tendo como destaque Itaú Unibanco PN (-1,49%) e Bradesco PN (-0,98%). A melhora do humor no mercado internacional, com menor aversão ao risco por conta da tensão comercial, favoreceu ações ligadas a commodities. Petrobrás PN subiu 0,97% e Vale ON subiu 1%. Do lado das altas, chamaram a atenção as ações de consumo, que avançaram com a expectativa de redução de juros neste ano. O ICON, índice da B3 que acompanha papéis de consumo cíclico e não-cíclico, teve alta de 0,05% no dia.

Estadão Conteúdo

24 de maio de 2019, 19:01

ECONOMIA Para FMI, ajuste fiscal depende de idade mínima e redução de benefícios de servidores

Foto: Yuri Gripas/Reuters

Sede do FMI

O Fundo Monetário Internacional (FMI) apontou, em documento sobre as condições econômicas do Brasil, que a reforma da Previdência é essencial para o País cumprir o teto de gastos federais a partir de 2020. “A ambiciosa proposta de reforma em consideração no Congresso estabilizará os gastos com pensões na próxima década e tornará o sistema mais equitativo”, apontou o FMI. “Para entregar os necessários ajustes fiscais, o Congresso deve preservar o sugerido aumento da idade de aposentadoria e redução de elevados benefícios, particularmente de funcionários do serviço público”. O FMI também aponta que uma reforma robusta da Previdência e medidas adicionais na área fiscal são necessárias para colocar a dívida pública em trajetória sustentável, o que elevará a confiança de investidores. O Fundo ressalta que é bem-vinda a agenda de reformas do governo, que também inclui privatizações, abertura comercial e redução da intervenção do Estado no mercado de crédito. Estas reformas são essenciais para reforçar o potencial do crescimento do País. O Fundo Monetário Internacional também destaca que a política monetária adotada pelo Banco Central apoia apropriadamente o nível de atividade.

Estadão Conteúdo

24 de maio de 2019, 16:45

ECONOMIA País cria 129 mil vagas de trabalho, melhor resultado para abril desde 2013

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Criação de empregos com carteira assinada atingiu, em abril, o maior nível para o mês em seis anos

Beneficiada pelos serviços e pela indústria, a criação de empregos com carteira assinada atingiu, em abril, o maior nível para o mês em seis anos. Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, 129.601 postos formais de trabalho foram criados no último mês. O indicador mede a diferença entre contratações e demissões. A última vez em que a criação de empregos tinha superado esse nível foi em abril de 2013, quando as admissões superaram as dispensas em 196.913. A criação de empregos totaliza 313.835 de janeiro a abril e 477.896 nos últimos 12 meses. Na divisão por ramos de atividade, todos os oito setores pesquisados criaram empregos formais em abril. O campeão foi o setor de serviços, com a abertura de 66.290 postos, seguido pela indústria de transformação (20.470 postos). Em terceiro lugar, vem a construção civil (14.067 postos). O nível de emprego aumentou na agropecuária (13.907 postos); no comércio (12.291 postos), na administração pública (1.241 postos); nos serviços industriais de utilidade pública, categoria que engloba energia e saneamento (867 postos) e extrativismo mineral (454 postos). Tradicionalmente, a geração de emprego é alta em abril, por causa do início das safras e do aquecimento da indústria e dos serviços.

Agência Brasil

24 de maio de 2019, 10:59

ECONOMIA Prévia da inflação oficial é de 0,35% em maio

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial do país, registrou 0,35% em maio deste ano. O resultado é inferior ao de abril (0,72%), mas superior ao de maio de 2018 (0,14%). Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, essa é a maior variação do IPCA-15 para um mês de maio desde 2016 (0,86%). O IPCA-15 acumula 2,27% no ano e 4,93% em 12 meses, acima dos 4,71% observados nos 12 meses imediatamente anteriores, informou o IBGE. Os principais responsáveis pela inflação de 0,35% da prévia de maio foram os transportes, com taxa de 0,65%, saúde e cuidados pessoais, com alta de preços de 1,01% no período. A inflação da saúde e cuidados pessoais foi influenciada por altas de 2,03% no preço dos remédios, de 0,8% nos planos de saúde e de 2,61% nos artigos de higiene pessoal. Já entre os transportes, os principais itens que influenciaram a inflação foram gasolina (3,29%) e etanol (4%), além dos ônibus urbanos (0,54%). Os alimentos e os gastos com educação não tiveram variação de preços, enquanto comunicação e artigos de residência anotaram deflação (queda de preços), de 0,04% e de 0,36%, respectivamente. Os demais grupos de despesa tiveram as seguintes taxas de inflação: habitação (0,55%), vestuário (0,38%) e despesas pessoais (0,16%).

Agência Brasil

24 de maio de 2019, 06:59

ECONOMIA R$ 68,9 bi em programas de subsídios serão revistos

Foto: Estadão

Estratégia da equipe econômica é reduzir incentivos de oito programas em um terço até o fim de 2022

Oito programas e ações financiados via subsídios federais entrarão na mira do pente-fino que será feito ainda este ano pelo governo federal, incluindo a Zona Franca de Manaus. A reavaliação dessas políticas, que custaram R$ 68,9 bilhões em 2018, será conduzida pelo Comitê de Monitoramento e Avaliação dos Subsídios (CMAS) e ajudará na estratégia da equipe econômica de reduzir as renúncias em um terço até o fim de 2022. A reversão de benefícios tributários é considerada uma aliada importante da equipe econômica no ajuste fiscal, pois ajudaria na recomposição das receitas. Hoje os incentivos representam 20,9% da arrecadação administrada pela Receita Federal e 4,3% do PIB. Tentativas de reduzir essas renúncias, porém, costumam enfrentar fortes resistências no Congresso Nacional, geralmente sensível ao lobby de setores interessados em receber subsídio da União. O governo precisa do aval dos parlamentares para rever boa parte desses benefícios. O secretário de Avaliação de Políticas Públicas, Planejamento, Energia e Loterias, Alexandre Manoel, explica que o objetivo não é acabar com todos os subsídios, mas adequar aqueles que não trazem o retorno esperado ao País. “Com ajuste, podemos corrigir o que não está trazendo retorno, e ainda tem o ganho fiscal”, afirma. Todo ano haverá uma nova lista de programas a serem avaliados. A partir do ano que vem, a definição dos alvos seguirá critérios que constarão no Plano Plurianual (PPA) 2020-2023, que será encaminhado no fim de agosto ao Congresso Nacional e formalizará a meta do governo de reduzir as renúncias. O Tribunal de Contas da União (TCU), que tem acompanhado a elaboração do PPA, também vai monitorar o cronograma de reavaliação dos subsídios.

Estadão

23 de maio de 2019, 13:15

ECONOMIA Petrobras questiona distribuidoras sobre preço do gás de botijão

A Petrobras questionou nesta quinta-feira (23) dados do Sindigás (sindicato que representa as distribuidoras de gás de botijão) sobre preços do gás de cozinha vendido no país, negando que venda o produto para uso residencial a valores acima das cotações internacionais. A polêmica evidencia divergências sobre a melhor referência de preços do GLP (gás liquefeito de petróleo, o gás de cozinha) para o mercado brasileiro. Enquanto a Petrobras precifica o produto pelo mercado europeu, ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis) e distribuidoras usam o americano. Na quarta (22), o Sindigás havia afirmado que a empresa vem vendendo o gás destinado a botijões de 13 quilos a valores superiores aos internacionais desde novembro, quando realizou reajuste de 8,5% no preço do produto. Em nota enviada à reportagem nesta quinta, a Petrobras afirma que “o preço atualmente praticado na venda de GLP [gás liquefeito de petróleo, o gás de cozinha] para uso residencial não está acima de seu preço de paridade de importação”. Segundo a empresa, sua política de preços considera a média das cotações no mercado europeu, acrescida de margem de 5%. Além disso, diz a nota, o conceito de paridade de importação inclui o frete e custos de internação do produto. “O frete marítimo, no caso do GLP, corresponde a uma parcela relevante do PPI [preço de paridade de importação]”, afirma o texto enviado à reportagem. O Sindigás diz que usa dados da ANP. De fato, na segunda semana de maio, a agência considerava a paridade de importação em R$ 20,75 em Suape, principal porto de entrada do combustível. Entre fevereiro e o início de maio, a Petrobras vendeu o gás para botijões de 13 quilos a R$ 25,33 por quilo. A partir do dia 5 de maio, o preço foi reajustado para R$ 26,20.

Folhapress

23 de maio de 2019, 11:56

ECONOMIA Arrecadação federal sobe para R$ 139 bi em abril, a melhor desde 2014

Após ficar praticamente estável em março, a arrecadação federal teve aumento real de 1,28% em abril e somou R$ 139,03 bilhões, o melhor resultado desde 2014, quando totalizou R$ 140,5 bilhões, informou a Receita Federal nesta quinta-feira (23). No acumulado do ano, a alta é de 1,14%, para R$ 524,4 bilhões, enquanto em 12 meses o avanço é de 2,32%, a R$ 1,484 trilhão. A melhora é atribuída a alguns fatores, como o crescimento de 11,34% no valor em dólar das importações e ao aumento de 6,33% da massa salarial nominal (sem correção inflacionária). Outros itens, porém, decepcionaram. Em abril, a produção industrial registrou recuo de 6,14%. A venda de bens caiu 3,4% e a de serviços teve queda de 2,3%. Segundo a Receita, houve alta de 7,25% da arrecadação do Imposto de Renda pago por empresas e da CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido). No acumulado do ano, o recolhimento de ambos cresce 11,7%. O desempenho econômico aquém do esperado tem frustrado as expectativas de receita do governo e provocou, em março, um contingenciamento de R$ 29,8 bilhões que atingiu diversos órgãos do Executivo. Na última quarta (22), o governo revisou novamente as projeções econômicas, mas decidiu usar reservas para não ter de anunciar novo bloqueio de recursos.

Estadão

22 de maio de 2019, 18:00

ECONOMIA Metas fiscais para governos locais e estatais são revisadas

As metas fiscais para estados, municípios e estatais federais foram revisadas, disse hoje (22), o secretário Especial de Fazenda, Waldery Rodrigues. O superávit primário para os governos locais caiu praticamente pela metade, enquanto o resultado das estatais melhorou. A meta de superávit primário para estados e municípios passou de R$ 10,5 bilhões para R$ 5,9 bilhões. Além da desaceleração da economia, que reduz a arrecadação, a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de permitir que Minas Gerais não pague dívidas garantidas pela União provocou a redução da estimativa. “Somente a decisão do Supremo teve impacto de R$ 2,1 bilhões na meta de superávit. Esse foi o principal fator”, explicou Rodrigues. A deterioração do resultado dos governos locais foi compensada pela melhoria no resultado das empresas estatais federais. A meta para as empresas passou de déficit de R$ 3,5 bilhões para superávit de R$ 881 milhões. O secretário especial de Fazenda explicou que o desempenho melhor que o esperado das estatais justificou a revisão para cima da estimativa. A meta para o governo federal foi mantida em déficit de R$ 139 bilhões. Os resultados primários consideram o superávit ou déficit dos entes públicos sem o pagamento dos juros da dívida pública. As revisões não alteraram a meta para o setor público consolidado, que engloba União, estados, municípios e estatais. Os quatro níveis de governo deverão encerrar o ano com déficit primário de R$ 132,2 bilhões, contra R$ 132 bilhões da meta anterior. O resultado do setor público é calculado pelo Banco Central, com base na variação do endividamento de cada ente público.

Agência Brasil

21 de maio de 2019, 18:45

ECONOMIA Caixa vai fazer mutirão para renegociar dívidas de 3 milhões de clientes

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, anunciou nesta terça-feira, 21, que o banco fará um grande programa de recuperação de crédito para tentar resolver dívidas de 3 milhões de clientes. A expectativa da instituição é recuperar pelo menos R$ 1 bilhão em créditos que já estavam fora do balanço, lançados como prejuízo. “Vamos dar descontos de 40% a 90% nessas dívidas. São débitos de 300 mil empresas e 2,7 milhões de pessoas físicas. E 90% dessas dívidas são inferiores a R$ 2 mil”, disse o presidente da Caixa ao chegar para reunião no Ministério da Economia. O presidente da Caixa disse também que o banco irá abrir uma nova linha de crédito imobiliário que irá cobrar juros baseado no IPCA (taxa de inflação) mais uma taxa. Atualmente, as linhas de habitação do banco cobram juros com base na taxa referencial TR – atualmente zerada – mais uma taxa. Segundo ele, a nova linha terá R$ 10 bilhões podendo financiar até 46 mil imóveis. “Essa modificação tornará mais fácil securitizar essa carteira. O mercado compra uma linha de IPCA, mas não compra uma linha de TR”, explicou Guimarães. De acordo com ele, essa nova linha terá funding com recursos da poupança e o banco fará um hedge em seu balanço para absorver eventuais flutuações do IPCA ao longo das operações que normalmente têm prazos de até 30 anos. “O potencial de 46 mil imóveis significa atender até 400 mil pessoas”.

Estadão Conteúdo

21 de maio de 2019, 07:11

ECONOMIA Campanha da reforma da Previdência custará R$ 37 milhões

Foto: Tiago Queiroz / Estadão

As peças publicitárias estão sendo produzidas pela agência de publicidade Artplan, sob o slogan "Nova Previdência

O governo Jair Bolsonaro (PSL) vai gastar R$ 37 milhões na nova campanha da reforma da Previdência. As peças publicitárias estão sendo produzidas pela agência de publicidade Artplan, sob o slogan “Nova Previdência. Pode perguntar”. Nesta segunda-feira (20), o presidente lançou, em evento no Palácio do Planalto, o modelo da nova campanha, que tem como objetivo esclarecer dúvidas da população sobre as alterações nas regras de aposentadoria. Na cerimônia, a equipe do presidente apresentou a comunicação governamental como informativa e sem caráter ideológico. Em discurso, Fábio Wajngarten, chefe da Secom (Secretaria de Comunicação Social), citou todos os dirigentes de redes de televisão presentes no evento e afirmou que todas as mídias são importantes, inclusive as redes sociais. “Só venceremos os desafios dessa reforma, valorizando a boa comunicação, ética, responsável e transparente”. A campanha começa a ser veiculada, nesta segunda-feira (20), e deve durar até meados de julho de 2019.

Folha de S. Paulo

20 de maio de 2019, 17:45

ECONOMIA Governo está aberto a mudanças na reforma da Previdência, diz relator

O governo está aberto a alterações da reforma da Previdência Social, desde que preserve a economia mínima de R$ 1 trilhão em dez anos, disse hoje (20) o relator da proposta na comissão especial da Câmara, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP). Ele, no entanto, não quis adiantar nenhuma mudança. “Há uma convergência de ideias. O governo está aberto a aceitar mudanças no projeto. Isso é importante”, declarou o deputado. “Ainda não há alterações. Há temas polêmicos. Há alguns com grande maioria entendendo que deva se alterar, mas ainda é cedo para adiantar. Vamos resolver isso. Tudo no seu tempo.” Depois de reunir-se com o ministro da Economia, Paulo Guedes, Moreira disse que não pode adiantar nenhuma mudança na proposta por ainda estar recebendo emendas. Ele acrescentou que precisa conversar com os líderes do partido, antes de decidir que pontos alterar no texto que veio da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados. “Eu, para dar ‘funcionabilidade’ à minha atribuição, preciso ouvir. Vim ouvir, conversar, debater uma série de pontos. Não tem nada conclusivo. O relatório ainda não está pronto. Ainda têm emendas entrando. Preciso analisar as emendas dos deputados, ouvir as lideranças, inclusive as de oposição”, explicou. Acompanhado de Paulo Guedes na portaria do ministério da Economia, o relator voltou a desmentir que o Congresso pretenda apresentar um texto alternativo. Ele reiterou que todas as mudanças ocorrerão por meio de emendas ao texto em tramitação na Câmara. “Eu vou fazer um relatório. Se tecnicamente o chamarem de substitutivo, qual é o problema? O importante é que é em cima de um texto que o governo apresentou. Na reforma do [ex-presidente Michel] Temer, o [deputado] Arthur Maia [PPS-BA] apresentou um substitutivo, porque é sempre assim. Quando há alterações, e nós vamos fazer alterações conversando com o governo, com líderes partidários”, argumentou.

Agência Brasil

20 de maio de 2019, 15:15

ECONOMIA Firjan diz que reforma vai estimular R$ 1,4 trilhão em investimentos

A Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) divulgou hoje (20) projeção em que prevê que R$ 1,4 trilhão em investimentos poderão ser materializados caso a reforma da Previdência seja aprovada no Congresso Nacional. O estudo foi apresentado diante do presidente Jair Bolsonaro, que foi homenageado com a Medalha do Mérito Industrial. Segundo a Firjan, R$ 655 bilhões em investimentos públicos e R$ 729 bilhões em investimentos privados poderiam ocorrer com a mudança na situação das contas públicas e da confiança do setor privado. O presidente da Firjan, Eduardo Eugênio Gouveia Vieira, disse que, além da melhora do déficit público, a reforma vai promover a retomada da confiança e estimular a atividade econômica, além de uma potencial de redução dos juros e da inflação. “O Brasil define pelos próximos dois ou três meses seu destino nas próximas duas ou três décadas”, disse o presidente da federação, que estimou que poderiam ser destinados R$ 770 bilhões para a habitação, R$ 221 bilhões para o saneamento, R$ 95 bilhões para segurança, R$ 130 bilhões na saúde, R$ 33 bilhões na educação e R$ 135 bilhões para a finalização de obras que se encontram paralisadas.

Agência Brasil

20 de maio de 2019, 14:15

ECONOMIA Expectativa para relação déficit primário/PIB em 2019 sobe a 1 39% no Focus do BC

O Relatório de Mercado Focus trouxe nesta segunda-feira, 20, revisão nas projeções para o resultado primário do governo em 2019. A relação entre o déficit primário e o Produto Interno Bruto (PIB) este ano passou de 1,37% para 1,39%. No caso de 2020 permaneceu em 0,90%. Há um mês, os porcentuais estavam em 1,35% e 0,90%, respectivamente. Já a relação entre déficit nominal e PIB em 2019 passou de 6,33% para 6,30%, conforme as projeções dos economistas do mercado financeiro. Para 2020, passou de 5,95% para 5,99%. Há quatro semanas, estas relações estavam em 6,11% e 6,00%, nesta ordem. O resultado primário reflete o saldo entre receitas e despesas do governo, antes do pagamento dos juros da dívida pública. Já o resultado nominal reflete o saldo já após as despesas com juros.

Estadão Conteúdo

20 de maio de 2019, 13:05

ECONOMIA Mercado financeiro reduz projeção de crescimento pela 12ª vez

O mercado financeiro continua a reduzir a estimativa de crescimento da economia este ano. Pela 12ª vez seguida, caiu a projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país. Desta vez, a estimativa foi reduzida de 1,45% para 1,24% este ano. Para 2020, a projeção foi mantida em 2,50%, assim como para 2021 e 2022. Os números são do boletim Focus, publicação semanal elaborada com base em perspectivas de instituições financeiras sobre os principais indicadores econômicos. O boletim é divulgado às segundas-feiras, pelo Banco Central (BC). A estimativa de inflação, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), subiu de 4,04% para 4,07 este ano. Para 2020, a previsão segue em 4%. Para 2021 e 2022, também não houve alteração: 3,75%. A meta de inflação deste ano, definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), é de 4,25%, com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%. A estimativa para 2020 está no centro da meta: 4%. Essa meta tem intervalo de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Para 2021, o centro da meta é 3,75%, também com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual. O CMN ainda não definiu a meta de inflação para 2022. Para controlar a inflação, o BC usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic. Para o mercado financeiro, a Selic deve permanecer no seu mínimo histórico de 6,50% ao ano até o fim de 2019. Para o fim de 2020, a projeção passou de 7,50% para 7,25% ao ano. Para o fim de 2020, a previsão foi mantida em 8% ao ano e em 2021, a expectativa caiu de 8% para 7,50% ao ano. A Selic, que serve de referência para os demais juros da economia, é a taxa média cobrada nas negociações com títulos emitidos pelo Tesouro Nacional, registradas diariamente no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic). A manutenção da Selic este ano, como prevê o mercado financeiro, indica que o Copom considera as alterações anteriores nos juros básicos suficientes para chegar à meta de inflação. Ao reduzir os juros básicos, a tendência é diminuir os custos do crédito e incentivar a produção e o consumo. Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de ficar acima da meta de inflação. Quando o Copom aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Agência Brasil

20 de maio de 2019, 13:00

ECONOMIA Reforma da Previdência fortalecerá previsibilidade da economia

“Temos expectativa que a aprovação da Reforma da Previdência fortalecerá a previsibilidade e a certeza sobre o futuro da economia brasileira” disse a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, após o encerramento do Fórum Econômico de Astana. Segundo ela, a Reforma da Previdência vai desencadear um movimento de solidez e das finanças do Brasil. O Fórum Econômico de Astana, ocorrido na cidade de Nur Surtan, capital do Cazaquistão, nos dias 16 e 17 de maio, reuniu 5.500 delegados de 74 países. Eles sugeriram que os países da Ásia Central podem dar prosseguimento às diretrizes do Fórum de Davos (Suíça), em favor do crescimento da economia mundial. O fórum anual é considerado um evento econômico chave na Europa e na Ásia. O tema do fórum deste ano foi “Inspirando o crescimento: pessoas, cidades, economias”. O Fórum Econômico de Astana também enfatizou a necessidade de que todas as nações do mundo, especialmente as da Ásia, busquem cumprir as sugestões formuladas pela Agenda 2030 das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável. “O mais importante é que precisamos de um crescimento inclusivo e sustentável que melhore as perspectivas das mulheres, jovens, pobres e aqueles que vivem nas áreas rurais e que aumentem as expectativas das gerações futuras”, disse Christine Lagarde, dirigindo-se aos participantes do fórum. “Se a Ásia Central pode aproveitar o poder da tecnologia financeira, como fizeram as economias emergentes em outras regiões, os ganhos potenciais para os pobres, mulheres e jovens serão significativos”, acrescentou a diretora-gerente do FMI. Desevolvimento Sustentável Cazaquistão e sua capital Nur Sultan, enquanto cooperam com outras nações e cidades, também precisam estabelecer sua própria abordagem para o desenvolvimento, disse Alexander Petrov, ministro assistente da Comissão Econômica da Eurásia e gerente de projetos de Transformação Digital para a região da Ásia Central. “A principal tarefa da liderança do Cazaquistão e da cidade de Nur Sultan é criar seu próprio ecossistema. Não podemos copiar a experiência de alguém. Precisamos desenvolver o nosso próprio programa. Para isso, é muito importante manter as pessoas capazes de incorporar as tarefas tecnológicas mais ousadas. É importante que eles não partam para Cingapura ou para os Estados Unidos, mas fiquem em seus respectivos lugares para desenvolver seu próprio ecossistema “, disse Petrov. Delegados de vários países também observaram que o Fórum Econômico de Astana, o Fórum de Davos e outros fóruns similares oferecem uma boa oportunidade para facilitar a cooperação internacional no combate aos desafios globais. “Até 2030, 5,1 bilhões de pessoas, ou 60% da população global, estarão morando nas cidades. Pressões ambientais serão sem precedentes. Hoje, apenas 10% dos residentes urbanos têm condições adequadas, de acordo com as recomendações da Organização Mundial da Saúde ”, disse o Presidente do Conselho de Administração do Boston Consulting Group, Hans-Paul Bürkner, que participou do Fórum Econômico de Astana.

Agência Brasil