13 de agosto de 2019, 11:30

SALVADORApoios recebidos por Gilmar Santiago e Ademário Costa acirram disputa por presidência do PT de Salvador

Foto: Divulgação

Gilmar Santiago e Ademário Costa

A disputa pela presidência municipal do PT se acirrou nesta segunda-feira (12), com dois dos principais candidatos recebendo apoios de lideranças de peso do partido. Após o assessor do deputado federal Jorge Solla, Ademário Costa, ter se unido a Iracema Moura e Hamilton Menezes, o atual presidente, Gilmar Santiago, da corrente interna Democracia Socialista, divulgou a aliança com o senador Jaques Wagner e seu assessor Éden Valadares, que por sua vez está no páreo pelo comando do diretório estadual. Diante disso, ambas as candidaturas se fortalecem, tornando mais imprevisível o resultado da votação marcada para 8 de setembro.

“Eu e a vereadora Marta [Rodrigues, candidata a vice] agradecemos a confiança do senador Jaques Wagner, que considero ser, junto com Rui Costa, as duas principais lideranças do partido no estado. Nossas correntes estão desde o primeiro momento defendendo a candidatura de Éden, que para nós significa dar uma reoxigenada no PT na Bahia, para que sigamos dando continuidade a esse projeto iniciado por Jaques Wagner”, disse Gilmar Santiago ao Política Livre.

“É um apoio importante, que demonstra confiança na gestão que fizemos nos últimos dois anos. Foi uma boa largada. Temos apoio de parlamentares. É uma infinidade de lideranças que sabe da responsabilidade desse momento histórico que vivemos em que almejamos dirigir a capital. Queremos ter um partido forte, que possa dialogar com a sociedade”, acrescentou.

Tanto Gilmar quanto Ademário defendem uma candidatura do PT à prefeitura de Salvador no ano que vem. Além disso, discutem a vantagem de uma liderança negra encabeçar a chapa — estratégia também debatida por outras legendas.

Gilmar Santiago disse ver com naturalidade os apoios recebidos por Ademário Costa e demonstrou confiança na densidade de sua candidatura. “Acreditamos que a nossa chapa é bastante competitiva, e não temos dúvida que vamos dialogar com as lideranças”, afirmou.

Entre seus apoiadores internos estão os deputados federais Nelson Pelegrino, Afonso Florence, Waldenor Pereira, Joseildo Ramos, os estaduais Robinson Almeida, Maria del Carmen, Zé Raimundo e Osni Cardoso, a prefeita de Lauro de Freitas, Moema Gramacho, e o ex-deputado Luiz Alberto.

Já o acordo feito por Ademário com Iracema e Hamilton prevê um revezamento: em caso de vitória, Ademário, da corrente Avante, irá presidir o partido em Salvador nos anos de 2020 e 2021; e a Iracema, da Esquerda Popular Socialista (EPS) e dirigente do MSTS, comandará em 2022 e 2023. Hamilton, da Construindo um Novo Brasil (CNB), retirou sua candidatura e seu grupo político fará parte da gestão.

Comentários