17 de maio de 2018, 10:18

EXCLUSIVAJantar que deveria aproximar pode ter afastado vereadores de José Ronaldo

Foto: Divulgação/Face

José Ronaldo

Um jantar promovido na última terça-feira com o objetivo de aproximar o pré-candidato do DEM ao governo, José Ronaldo, dos vereadores de Salvador, incentivando-os a trabalharem seu nome nos bairros da capital baiana, pode ter saído pela culatra. Pelo menos três deles ouvidos pelo Política Livre após o encontro disseram ter saído sem esperança de que o pré-candidato do DEM possa empolgar o eleitorado, se continuar fazendo discursos sem conteúdo político, voltado a cobranças de que o apresentem à população.

Exatamente por este motivo, alguns vereadores alegam que ficam com muita dificuldade de levar Ronaldo às suas bases. “Não dá para ir a um jantar ouvir o cara dizer que teve três mil votos em Salvador numa campanha para deputado federal que ele não sabe de onde vieram porque não conhece ninguém nem tem relações com a cidade”, disse um edil ao Política Livre, assegurando que a melhor parte do encontro foi, além do jantar propriamente dito, a oportunidade de se divertir com os colegas.

Um outro relatou que deixou o evento, realizado na casa do vereador Leonardo Prates (DEM), presidente da Câmara Municipal de Salvador, desolado. Em seu primeiro encontro com José Ronaldo, o achou, segundo relatou, “pouco simpático, ruim de discurso e sem empolgação”. Para ele, se o candidato do DEM não sofrer um “retrofit” completo, fica difícil andar com ele pelos bairros da cidade. “Posso me queimar mais (com a população) do que espero, se pegar na mão dele em meu bairro sem levar nada”, admitiu.

Ele acredita ser necessário montar uma estratégia específica para tornar a chegada de Ronaldo nos bairros mais palatável. Ele teria que comparecer com uma pauta já definida, a qual seria atendida pela Prefeitura e atribuída ao candidato. “Assim, quem sabe, dá para melhorar o clima para ele nos bairros. Caso contrário, vai ser difícil”, pondera, afirmando que o candidato perdeu a oportunidade de, no primeiro encontro com a base do prefeito na Câmara, mostrar aos vereadores porque merece ser candidato.

“O cara deveria chegar falando porque ele foi escolhido por Neto para ser candidato, que tem condições de enfrentar o PT, que a situação da cidade vai mudar com ele no governo, mas nada disso”, afirmou um terceiro, observando que vai procurar o prefeito para uma conversa, na qual pretende dizer que, se a campanha de Ronaldo for um fracasso e a eleição dos deputados forem afetadas por isso, ACM Neto enfrentará dificuldades para fazer seu sucessor em Salvador, em 2022. Ele calcula que 14 vereadores, dos 31 que integram a base, compareceram ao jantar.

Comentários