14 de novembro de 2017, 18:58

SALVADORCâmara aprova empréstimo de R$ 75 mi para ACM Neto

Foto: Antônio Queiros/CMS

Vereadores aprovam projeto que autoriza a Prefeitura a contratar operação de crédito interna junto à Caixa

A Câmara Municipal de Salvador aprovou, na noite desta terça-feira (14), o Projeto de Lei nº 520/17, que autoriza o Poder Executivo a contratar operação de crédito interna junto à Caixa Econômica Federal no valor de até de até R$ 75 milhões, junto à Caixa Econômica Federal, sendo R$ 63 milhões para conclusão do Hospital Municipal e R$ 12 milhões para requalificação de ruas no Centro Histórico. O Projeto de Lei foi aprovado com 29 votos a favor e nove contra. Os vereadores que votaram contra o projeto argumentaram que faltou debate público e planilhas mostrando a necessidade do crédito, lembrando que vários imóveis do Município foram desafetados justamente para a construção do hospital. Segundo o vereador José Trindade (PSL), líder da oposição, faltavam apenas R$13 milhões para a conclusão da obra. “O que será feito com os outros R$50 milhões?”, questionou. Além da bancada da oposição, posicionaram-se contrários ao empréstimo os vereadores independentes Edvaldo Brito (PSD) e Hilton Coelho (PSOL), que manifestaram preocupação com a gestão tributária responsável. Marta Rodrigues (PT) protestou contra o fato do projeto “não ter sido sequer submetido aos conselhos da Cidade e de Saúde”. Votaram contra o projeto, ainda, os vereadores Sílvio Humberto (PSB), Hélio Ferreira (PCdoB), Carlos Muniz, Sidninho e Toinho Carolino, do Podemos. O líder da bancada do governo, Henrique Carballal (PV), e o vereador Joceval Rodrigues (PPS) rebateram os argumentos da oposição e garantiram que o Município recuperou, na gestão do prefeito ACM Neto, sua capacidade de endividamento. Localizado em Cajazeiras, o Hospital Municipal terá 200 leitos, sendo 30 de UTI, e capacidade para 60 mil atendimentos mensais. Já o projeto de requalificação contemplará o Terreiro de Jesus, praças no Pelourinho e as praças Municipal, Castro Alves, Cairu, Inglaterra e Marechal Deodoro. Além disso, há intervenções que buscam a valorização do potencial cultural, turístico e do patrimônio edificado, do ordenamento do comércio formal e informal, de maneira a facilitar a circulação de pedestres na praça e a preservação do patrimônio.

Comentários