19 de maio de 2017, 06:40

BRASILAo minimizar áudio, Temer torce para STF arquivar processo

Foto: AFP PHOTO / EVARISTO SA

Michel Temer

O presidente Michel Temer se reuniu nesta quinta-feira, 18, com pelo menos 14 dos seus 28 ministros e inúmeros parlamentares, além do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em diferentes audiências, ao longo de todo o dia, no Palácio do Planalto. A Presidência tenta vender a tese de que a gravação divulgada da conversa de Temer com o empresário da JBS, Joesley Batista, “não compromete” o presidente e não apresentou “nenhuma conduta inadequada” dele e que “a montanha pariu um rato”. Depois do pronunciamento, em que avisou que não irá renunciar, Temer ouviu opiniões e tentou reverter a sangria de seu governo em relação à base aliada. Conseguiu segurar o ministro Bruno Araújo, das Cidades, que é do PSDB, mas seus esforços não foram suficientes para segurar Roberto Freire, do PPS. A partir de agora, de acordo com um dos interlocutores, será preciso acalmar os mercados, reagrupar a base aliada que, em parte, reconhece ter sido esfacelada, e torcer para que o Supremo Tribunal Federal arquive o seu processo, “o mais rápido possível”. Temer e seus auxiliares tentaram minimizar até mesmo o trecho divulgado da conversa de Joesley, no qual o empresário diz que comprou juízes e procuradores. Entre os interlocutores do presidente há quem acredite que esse ponto é “muito delicado” e poderá ser avaliado com “prevaricação”, crime que poderia endossar seu afastamento do cargo. Os maiores defensores do presidente insistem que essa divulgação “colocou o País em uma crise sem fim que nunca existiu”. Para os auxiliares do presidente, “o STF tem de esclarecer todos estes pontos, o mais rápido possível e arquivar este processo”. O presidente reiterou a todos com os quais falava que “não existe essa coisa de comprar silêncio” (do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha), como foi divulgado inicialmente. No Planalto, agora, a avaliação é de que a hora é de aguardar a repercussão efetiva no Congresso, assim como as manifestações das ruas. Mas o Planalto já exibia as cartas de apoio de partidos da base aliada como o PR e o PP. A avaliação é de que, até agora, o PSDB permanece com o governo, assim como o PMDB, embora o PSB esteja fora da base aliada. O PPS afirma estar em posição de “independência”, mesmo perdendo ministros, como foi o caso de Roberto Freire. Pelo menos dois ministros que estiveram com o presidente Temer reconheceram que a conversa com Joesley “não foi boa”, mas dizem que “também não tem crime”. Ministros reconhecem, no entanto, o fato de Temer ter recebido Joesley, um já empresário comprometido e sob investigação, no Palácio do Jaburu, sua residência oficial, “não é nada bom”. Por isso, auxiliares do presidente e o governo, como um todo, aguardam o que virá pela frente. As manifestações que têm ocorrido no País, embora não sejam desprezíveis, são consideradas menores do que se esperava. So que não há uma previsão sobre o que poderá acontecer daqui para a frente. Nesse quadro total de incertezas, em que o presidente sabe que poderá ser afastado do cargo, embora avise que não vá renunciar, Temer conta com o apoio do seu aliado, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Este é o responsável pela autorização ou não da abertura de impeachment do presidente da República. Mas, ao mesmo tempo, poderá ser o seu sucessor, em caso de saída de Temer do governo. Maia esteve com Temer pelo menos duas vezes. Mais conteúdo sobre: PSDB Michel Temer Rodrigo Maia Palácio do Jaburu Palácio do Planalto PPS Joesley Batista Bruno Araújo Roberto Freire Supremo Tribunal Federal STF PMDB PSB
Encontrou algum erro? Entre em contato

Estadão

Comentários