24 de julho de 2017, 09:24

ECONOMIA Baianos são os mais endividados no Nordeste

Foto: Divulgação

Homens com idade entre 41 e 50 anos, que ganham, no máximo, dois salários e que estão, em sua maioria, com apenas uma conta em atraso é o perfil do endividado conforme o estudo desenvolvido pela área de Decision Analytics da Serasa Experian. Ainda de acordo com o levantamento, a Bahia ocupa a primeira posição em número de devedores entre os estados do Nordeste e a quarta em comparação com outros estados do país.Só no estado 4.136.288 milhões de negativados. Ao todo, o Brasil tem hoje 61 milhões de endividados, volume recorde impulsionado pelo desemprego e o cenário de recessão, como explica o economista do Serasa Experian, Luiz Rabi. “Trata-se do maior número da série histórica desde 2012. Somente no mês de maio, cerca de 900 mil consumidores de todo país ingressaram no cadastro de inadimplência. Em maio do ano passado, eram 59,5 milhões de pessoas na lista”. Ainda que a maioria dos endividados esteja na faixa dos 41 a 50 anos (19,4%), o grupo dos jovens entre 18 e 25 anos (14,9%) também preocupa. As dívidas mais comuns são as de banco e cartão de crédito (30%), seguido de despesas fixas como água, energia (17,9%), varejo (13,7), serviços (10,1%) e financeiras (9%).

Correio*

24 de julho de 2017, 09:04

MUNDO Inundações deixam cerca de 50 pessoas mortas e quase 2 milhões afetadas na Índia

Pelo menos três pessoas morreram e outras 200 mil foram afetadas pelas inundações que castigam, há dois dias, o oeste da Índia, onde persistem fortes chuvas. “Até agora há três mortos e 10.000 evacuados, três distritos foram afetados”, indicou hoje à Agência EFE um porta-voz da Autoridade de Gestão de Desastres do estado indiano de Gujarat. O porta-voz detalhou que os serviços de emergências já resgataram 5.051 pessoas e que as operações de resgate continuam na região, onde se mobilizaram efetivos da força aérea indiana. O Departamento Meteorológico da Índia alertou hoje que algumas áreas do estado de Gujarat ainda sofrerão durante os próximos três dias de chuvas “fortes ou muito fortes”. Nas últimas seis semanas mais de 50 pessoas já morreram e quase dois milhões se viram afetadas pelas inundações e chuvas caídas no nordeste da Índia, especialmente no estado de Assam. O país asiático se encontra sob os efeitos das monções, época do ano marcada por intensas precipitações, que costumam se estender até setembro. Estes incidentes meteorológicos são habituais no sul da Ásia na época das monções, sobretudo entre julho e agosto, quando costumam deixar centenas de mortos e milhões de afetados na região.

Agência Brasil

24 de julho de 2017, 09:01

SALVADOR Travessia Salvador-Mar Grande está com serviço suspenso até às 11h30

Depois de registrar movimento intenso de passageiros embarcando no Terminal de Vera Cruz, na Ilha de Itaparica, a travessia Salvador-Mar Grande iniciou, às 7h30, uma parada forçada por conta da maré baixa. O serviço ficará suspenso até às 11h30 e desde a última sexta-feira que a travessia está sendo prejudicada pela maré baixa, que deixa o Terminal de Vera Cruz sem condições de operar devido à pouca profundidade do canal de navegação.A travessia havia iniciado as operações às 5h e operou até às 7h30 com oito embarcações. Quando retomar o atendimento aos usuários, a previsão é de que ocorra saídas extras, se houver concentração de passageiros nos terminais. Neste caso, os horários passam a ser de 15 em 15 minutos. Se o fluxo de usuários for normal, as saídas são de meia em meia hora. Hoje o último horário saindo de Mar Grande será às 18h30, e de Salvador às 19h.

24 de julho de 2017, 08:45

ECONOMIA IPC-S sobe 0,09% na 3ª medição de julho, informa a FGV

O Índice de Preços ao Consumidor – Semanal (IPC-S), calculado pela Fundação Getulio Vargas (FGV), registrou leve alta de 0,09% na terceira quadrissemana de julho, saindo de deflação de 0,05% na segunda leitura do mês.Cinco das oito classes de despesas analisadas apresentaram acréscimo nas taxas de variação nesta medição: Habitação (0,17% para 0,58%), Alimentação (-0,44% para -0,27%), Transportes (-0 55% para -0,47%), Comunicação (0,14% para 0,34%) e Saúde e Cuidados Pessoais (0,31% para 0,34%). O grupo Educação, Leitura e Recreação repetiu a taxa de variação registrada na última apuração, de 0,49%. Já os grupos Vestuário (0,34% para -0,14%) e Despesas Diversas (0,13% para 0,12%) apresentaram desaceleração no período.

Estadão

24 de julho de 2017, 08:34

MUNDO Atentado suicida em Kabul mata 24 pessoas e fere 42

Pelo menos 24 civis morreram e outros 42 ficaram feridos em um atentado suicida cometido hoje (24) com um veículo cheio de explosivos em uma rua próxima a uma área residencial onde vivem funcionários afegãos no oeste de Kabul. A explosão do veículo aconteceu em uma rua no Distrito Policial 3, no oeste da capital afegã, afirmou à Agência EFE o porta-voz do Ministério do Interior, Najib Danish. Ele anunciou que “todas as vítimas são civis”. Segundo Danish, no local da explosão três veículos e 15 lojas sofreram danos.

Agência Brasil

24 de julho de 2017, 08:20

EXCLUSIVA Joesley e o apoio do PT, PCdoB e PDT a Maduro, por Raul Monteiro

Foto: Estadão

Nada como a liberdade de expressão que enseja, a quem deseja, a prerrogativa de dizer o que pensa, acredita ou deseja, sujeitando-se ao escrutínio, também democrático, de quem se digna a ouvi-lo ou lê-lo. O artigo que o empresário Joesley Batista escreveu neste domingo na Folha de S. Paulo, a título de se defender das infâmias que acredita que o país lhe dirige, é um exemplo clássico da validade e importância do instituto da liberdade de expressão. No texto, Joesley diz o que quer – ou aprova o que seus ghost writers escreveram para ele – sujeitando-se, consequentemente, a que façam dele também o juízo que quiserem.

Felizmente, o empresário está no Brasil e não na Venezuela, um país dirigido há décadas por um grupelho político ditatorial que já passou por cima das garantias democráticas há muito tempo, transformando-se no sujeito da violência contra quem quer que se oponha a seus desmandos e truculência, motivo suficiente para que receba o repúdio de quantos defendam a liberdade e a democracia, caso em que não se enquadram, pelo visto, legendas como o PT, o PCdoB e até o PDT, as quais acabam de assinar um documento de apoio à ditadura de Nicolas Maduro, traindo, naturalmente, todo o seu pendor autoritário.

Do lado do PT a signatária do documento produzido pelo legendário Foro de São Paulo, concebido para promover a aliança e, consequentemente, a vitória das esquerdas na América Latina, foi uma senhora tão conhecida quanto insignificante chamada Gleisi Hoffman, aquela mesma que, na condição de senadora, liderou a ocupação, marmita à mão, da mesa diretora do Senado, em articulação anti-institucional com a CUT. O texto apoiado pelos partidos brasileiros não se limita a defender a elaboração de uma nova Constituição que amplia – exatamente, amplia! – os poderes de um dirigente tresloucado e perverso que se comunica com o fantasma de Hugo Chavez.

O documento exalta o “triunfo das forças revolucionárias na Venezuela” e diz que a “revolução bolivariana é alvo de ataque do imperialismo e de seus lacaios”. Macacos os mordam! Só a título de registro: Avançadinha, Gleisi fez questão de discursar manifestando “apoio e solidariedade” ao governo do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), seus aliados e ao “presidente” Nicolás Maduro “frente à violenta ofensiva da direita contra o governo da Venezuela”. É o fato de estar aqui e não lá que dá a Joesley o direito de se defender publicamente da conspurcada imagem que, em sua avaliação, injustamente lhe pregaram.

Mesmo que não consiga justificar o fato de estar livre e solto, não importa se nos EUA ou em São Paulo, depois de ter participado de um dos mais extensos esquemas criminosos de que se tem notícia, comprando benefícios, isenções e os financiamentos do BNDES que o transformaram, com farto dinheiro público, num dos mais poderosos empresários brasileiros. O fato de tanto ele quanto o procurador geral da República, Rodrigo Janot, vira e mexe, virem-se obrigados a justificar o mais generoso acordo de delação da história nacional que celebraram é apenas a prova de que suas explicações, repetidas, não conseguem cumprir o seu papel.

Raul Monteiro

24 de julho de 2017, 08:07

BRASIL MPF investiga “rota da propina” de Geddel

Foto: Dida Sampaio/ AE

Procuradores do Ministério Público Federal (MPF) no Distrito Federal tentam identificar o “caminho da propina” supostamente destinada ao ex-ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), preso em regime domiciliar em Salvador. O peemedebista é investigado pela suspeita de fazer parte do esquema que operava a liberação de recursos do FI-FGTS a empresas em troca de propina. De acordo com o Uol, as informações sobre como Geddel recebia e administrava dinheiro ilícito deverão embasar uma denúncia do MPF. As irregularidades são investigadas pela Operação Greenfield, desdobramento da Operação Lava Jato, segundo a qual é estimada liberação de R$ 1,2 bilhão em recursos como contrapartida a vantagens ilícitas. O empresário Lúcio Funaro, um dos principais operadores do esquema, disse à Polícia Federal que entregava malas de dinheiro para Geddel como parte do pagamento, inclusive, com repasse de R$ 20 milhões em espécie ao ex-ministro a título de propina por operações de crédito que ele teria ajudado a liberar.

24 de julho de 2017, 07:46

MUNDO FMI rebaixa crescimento econômico de América Latina e Caribe

O Fundo Monetário Internacional (FMI) rebaixou levemente o crescimento econômico da América Latina e Caribe para 2017 e 2018 e vinculou a recuperação da atividade econômica à saída de Brasil e Argentina da recessão.É o que indica a atualização que o FMI apresentou hoje (24), em Kuala Lumpur, do relatório Perspectivas da Economia Mundial, publicado em abril passado.”A América Latina continua lutando contra um crescimento menor comparado com o resto e rebaixamos as perspectivas para a região durante os dois próximos anos”, disse o diretor de Pesquisa do FMI, Maurice Obstfeld, durante a apresentação na Malásia transmitida ao vivo pela internet.O FMI calcula que América Latina e Caribe crescerão em conjunto 1% em 2017 e 1,9% em 2018, cálculo que é 0,1% inferior, em ambos os casos, ao previsto há três meses.O FMI eleva para 0,3% o crescimento econômico do Brasil este ano e rebaixa para 1,3% em 2018, em ambos os casos em comparação com as previsões de abril.

24 de julho de 2017, 07:32

MUNDO FMI rebaixa perspectivas de crescimento dos EUA

O Fundo Monetário Internacional (FMI) informou hoje, em Kuala Lumpur, que rebaixou as perspectivas de crescimento econômico dos Estados Unidos porque prevê que a política fiscal “não será tão expansiva” como se tinha pensado.A maior economia do mundo crescerá este ano 2,1% e no ano seguinte 2,1%, menos que 2,3% e 2,5% que os especialistas do FMI calcularam em abril.”O crescimento dos Estados Unidos deveria se manter acima da sua taxa de crescimento potencial a longo prazo durante os dois próximos anos, mas reduzimos as perspectivas”, disse o diretor de Investigação do FMI, Maurice Obstfeld, durante uma apresentação na Malásia transmitida ao vivo pela internet.Obstfeld afirmou que o rebaixamento foi aplicado porque “a política fiscal dos EUA parece menos provável que seja tão expansiva como acreditávamos em abril”.”As expectativas do mercado a respeito do estímulo fiscal também se moderaram”, sinaliza a atualização elaborada pelo organismo.

24 de julho de 2017, 07:14

SALVADOR Téo Senna pede providência sobre o Centro de Convenções

Foto: Divulgação

O vereador Téo Senna (PHS) acredita que o governo do estado deve se posicionar a respeito do Centro de Convenções da Bahia (CCB). Desde o desabamento ocorrido em setembro de 2016, ainda não houve nenhuma providência, causando problemas para o turismo e para a economia local.”Acredito que o governo do estado deve tomar alguma medida quanto a situação do Centro de Convenções, um equipamento importantíssimo para Salvador. Isto prejudicou muito o turismo e agravou o desemprego no setor. Como se não bastasse a situação complicada no nosso país devido aos treze anos de gestões irresponsáveis que resultaram neste cenário de crise, além dos índices altíssimos de criminalidade e violência, o turismo baiano vem sendo prejudicado pela omissão do governo do estado”, declarou Téo Senna. Em entrevista ao Correio 24 horas desta quinta-feira (20), o presidente da Federação Baiana de Hospedagem e Alimentação (FEBHA), Silvio Pessoa, se posicionou sobre a necessidade do CCB. “O que a gente precisa no momento não é de mais quartos de hotéis, mas sim que o governo do estado diga o que vai acontecer com o Centro de Convenções. Precisamos de incrementos que venham alavancar o turismo”, afirmou Pessoa.Téo Senna destacou ainda a atuação da prefeitura. “Diante deste cenário, a prefeitura vem fazendo grandes investimentos, a exemplo do programa Salvador 360º, que prevê o crescimento econômico e social do município”, pontuou. O programa vai investir 3 bilhões na modernização da infraestrutura da cidade e na requalificação do centro histórico. A iniciativa conta também com uma série de ações para simplificar a vida do cidadão, atrair empresas, gerar empregos e fortalecer a economia informal.

24 de julho de 2017, 07:10

BAHIA Regionalização da saúde vai ser marco da gestão, garante Rui Costa

Foto: Divulgação

Governador Rui Costa

“Quando decidi regionalizar a saúde e construir sete novas unidades, muitos pensaram: ‘esse vai se dar mal, porque não vai fazer’. Nós estamos provando que é possível. Estamos regionalizando e trazendo serviços de saúde para o interior da Bahia”. A afirmação do governador Rui Costa foi realizada em Jequié, no sudoeste da Bahia, no último sábado (22), quando ele inaugurou o Centro de Diagnóstico por Imagem do Hospital Geral Prado Valadares, autorizou a execução da conclusão da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) localizada no bairro Cansanção e visitou as obras da policlínica regional. “Quero ser lembrado como o governador que mais investiu em saúde, e a concretização da regionalização vai ser o principal marco desses quatro anos de gestão”, acrescentou Rui. Nos dois primeiros anos de Governo, a Bahia aplicou mais de R$ 9 bilhões em obras, serviços e recursos humanos na área da saúde, o que possibilitou a abertura de aproximadamente 630 leitos em todo o estado. Neste período, a capital baiana ganhou o Hospital Geral do Estado 2 (HGE 2), referência no atendimento a queimados e a urgência e emergência de trauma e o Hospital da Mulher, que é a maior unidade do Norte-Nordeste especializada no atendimento à saúde feminina. São mais de R$ 110 milhões investidos nas duas unidades, que acrescentam 297 novos leitos à rede estadual. Já no interior, o Governo do Estado inaugurou duas Unidades de Pronto Atendimento 24 horas (UPAs), uma em Feira de Santana e a outra em Vitória da Conquista. Cada unidade tem a capacidade de atender, diariamente, até 450 pacientes de baixa e média complexidade.

Tribuna da Bahia

24 de julho de 2017, 07:00

MUNDO Carro-bomba mata 24 e deixa 42 feridos no Afeganistão

Um carro-bomba explodiu depois de bater contra um micro-ônibus, matando 24 pessoas e deixando outras 42 feridas em um bairro no oeste de Cabul, no Afeganistão, na manhã desta segunda-feira. Na área, moram diversos políticos conhecidos. O micro-ônibus transportava funcionários do Ministério de Minas e Petróleo, indicou o porta-voz da polícia de Cabul, Basir Mujahed. Todos os mortos e feridos eram civis, afirmou. Em comunicado, o Ministério Afegão do Interior classificou o atentado como um “ataque criminal contra a humanidade”. Inicialmente, nenhum grupo reivindicou a autoria do ocorrido no local, que tem sido alvo de ataques do Talibã e do Estado Islâmico.

Agência Estado

24 de julho de 2017, 06:55

BRASIL Relator da reforma política, Vicente Cândido é ‘cartola’ da CBF

Foto: Divulgação

Deputado federal Vicente Cândido (PT-SP)

Em fevereiro do ano passado, os principais líderes sindicais do PT se reuniram em São Paulo para organizar a defesa política da presidente Dilma Rousseff e denunciar “o golpe” que, segundo eles, estaria sendo tramado por seu vice, Michel Temer. Apesar do clima exaltado, um dos oradores presentes, o deputado federal Vicente Cândido (PT-SP) causou espanto ao pedir a palavra para defender a legalização dos cassinos no Brasil. Após a fala, um silêncio constrangedor tomou conta do ambiente. O episódio ilustra bem o perfil do petista escolhido por Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, para assumir relatoria da reforma política. Há alguns dias, Cândido ganhou destaque no noticiário nacional após o Estado revelar que ele incluiu no projeto uma emenda que impediria a prisão de candidatos até oito meses antes das eleições. Ou seja: sob medida para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que se articula para disputar o Planalto em 2018. “Lula nem sabia (da emenda). Ficou sabendo pelo Estado. Não achei relevante”, disse o deputado. Integrante do Campo Majoritário petista, Cândido, porém, é classificado pelos colegas do Congresso como alguém “pragmático” e “bem relacionado” com o campo governista. Em parte, um estranho no ninho petista. “Ele foi escolhido relator devido ao trânsito que tem com os partidos conservadores”, disse o deputado Ivan Valente (PSOL-SP), que foi companheiro de Cândido nos tempos que era do PT. Diretor de Relações Internacionais da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), cargo pelo qual recebe um salário de R$ 35 mil mensais (que se somam aos R$ 33,7 mil do salário de parlamentar), Cândido é também um dos líderes da chamada “bancada da bola”. Até o ano passado o petista era sócio do presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, em um escritório de advocacia. O dado curioso é que a sociedade começou em 2007, quando Cândido se formou em direito. No mesmo ano ele foi nomeado vice-presidente regional do ABC na Federação Paulista de Futebol, então dirigida por Del Nero.

Estadão

24 de julho de 2017, 06:50

BRASIL Novo Código Penal pode rever delação e prisão preventiva

Foto: Divulgação

Comissão da Câmara discute mudanças na regra da colaboração premiada e prazo de até 180 dias para a prisão provisória, medidas consideradas pilares da Lava Jato

No debate sobre o novo Código de Processo Penal (CPP) na Câmara, deputados discutem mudanças nas regras de delação premiada, prisão preventiva e condução coercitiva, além da revogação do entendimento de que as penas podem começar a ser cumpridas após a condenação em segunda instância. As medidas, que em parte se tornaram pilares da Operação Lava Jato, costumam ser alvo de críticas dos parlamentares. O Ministério Público Federal atribui à colaboração premiada importância significativa para o sucesso da operação e considera que ações para rever os acordos têm por objetivo enfraquecer as investigações. Atualmente, o instrumento é regulado pela lei que trata de organizações criminosas, de 2013. Dos artigos que constam no atual código, a prisão preventiva não tem duração determinada e a condução coercitiva não prevê punição em caso de uso considerado abusivo. Pelo cronograma estabelecido pela comissão especial que discute o tema, o relator João Campos (PRB-GO) deve entregar o seu parecer ainda em agosto. Com isso, o projeto pode ser votado até outubro no plenário da Câmara. O texto final será resultado de outros cinco relatórios parciais já apresentados. A reforma no CPP, que é de 1941, teve início no Senado e foi aprovada em 2010. Na Câmara, ficou esquecida até o ano passado e foi desengavetada durante a presidência do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), alvo da Lava Jato. O peemedebista teve a prisão preventiva decretada em outubro de 2016 e está atualmente em Curitiba. Presidente da comissão que discute o CPP na Casa, o deputado Danilo Forte (PSB-CE) tem defendido alterações nos acordos de delações premiadas e na aplicação da condução coercitiva. Esses pontos estão em discussão, mas ainda não foram sistematizados em um relatório. Forte discorda do fato de uma pessoa presa poder fechar acordos de delação premiada e defende que hoje há um poder excessivo concentrado nas mãos dos procuradores. Para ele, o juiz deveria acompanhar toda a negociação entre o Ministério Público e o delator, e não apenas ter acesso ao acordo no final do processo. Aliado de Temer, ele faz críticas ao acordo fechado com os irmãos Joesley e Wesley Batista e diz que o perdão da pena concedido a eles pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, foi excessivo. Forte também considera que é preciso prever punições para quem desrespeitar as regras da condução coercitiva, que deve ser colocada em prática somente se uma pessoa se negar a prestar depoimento.

Estadão

24 de julho de 2017, 06:45

BRASIL Joesley afirma que ‘renasceu’ após delação

Foto: Ayrton Vignola

Empresário Joesley Batista, da JBS

O empresário Joesley Batista, da JBS, afirmou em artigo publicado ontem no jornal Folha de S.Paulo, que a multa de R$ 10,3 bilhões estipulada no acordo de leniência assinado pela empresa “pagará com sobra possíveis danos à sociedade brasileira” causados por suas revelações. Joesley se tornou delator após gravar conversa com o presidente Michel Temer em abril. Inicialmente, o Ministério Público Federal exigia R$ 11,1 bilhões para fechar o acordo, enquanto a empresa oferecia R$ 1 bilhão. A leniência permite à empresa se livrar de eventuais medidas judiciais, como ações por improbidade administrativa. O texto assinado por Joesley diz que 17 de maio, quando o teor da delação veio à tona, foi a data do seu “renascimento”. “Senti-me um novo ser humano.” O delator disse ainda que decidiu escrever o artigo para “acabar com mentiras e folclores”. O conteúdo da delação premiada da JBS, que traz relatos de ilícitos envolvendo quase dois mil políticos, acirrou a crise política no País e resultou, até agora, em uma denúncia contra o presidente Michel Temer por corrupção passiva. O peemedebista é investigado por suspeita de obstrução de Justiça e organização criminosa. No artigo, o empresário ainda diz que após a delação se refugiou em uma pequena cidade no interior dos Estados Unidos – que não revela qual –, “para proteger a integridade física” da sua família.

Estadão