21 de março de 2019, 17:37

BRASIL Defesa de Temer entra com pedido de habeas corpus no TRF-2

Foto: Estadão

A defesa do ex-presidente Michel Temer (MDB)

A defesa do ex-presidente Michel Temer (MDB) ingressou com pedido de habeas corpus no Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2). O recurso foi distribuído para o desembargador federal Ivan Athié. Segundo o tribunal, o magistrado ficará encarregado de analisar a questão por prevenção, já que se trata de caso conexo com a Operação Pripyat, que é de relatoria dele. A Pripyat foi deflagrada em julho de 2016 no Rio de Janeiro e Porto Alegre, e tem como alvo o ex-presidente da Eletronuclear Othon Luiz Pinheiro da Silva. Até agora, só os advogados de Temer entraram com pedido de habeas corpus no tribunal em relação à operação deflagrada hoje.

Estadão

21 de março de 2019, 17:35

BRASIL Coaf revela tentativa de depósito de R$ 20 mi na conta de empresa do Coronel Lima

Foto: Agência O Globo

O coronel João Baptista Lima Filho, amigo do ex-presidente Michel Temer

Uma prisão na Operação Skala, da Polícia Federal, e uma devassa na Operação Patmos não impediram o coronel João Baptista Lima Filho, amigo do ex-presidente Michel Temer, de tentar movimentar altas cifras em dinheiro vivo, segundo constatou o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). O órgão, agora vinculado ao Ministério da Justiça, apontou que uma pessoa não identificada realizou uma tentativa frustrada de depositar R$ 20 milhões em dinheiro vivo na conta da empresa de Lima, a Argeplan. Coronel Lima foi preso nesta quinta, 21, ao lado do ex-presidente e outros investigados por propinas em obras da Eletronuclear para a Usina de Angra 3. Ele já é denunciado no inquérito dos Portos, em que é apontado como suposto intermediário de propinas do ex-presidente. Aliado de Temer desde os anos 1980, nesta investigação ele está sob suspeita de intermediar supostas propinas de R$ 1 milhão da Engevix. Lima já havia sido alvo de buscas e apreensões na Operação Patmos (maio de 2017), embasada na delação da JBS, e preso na Skala (março de 2018), que mirava o círculo de amizades do ex-presidente emedebista. Desde que entrou na mira da PF, em maio de 2017, Coronel Lima tem se esquivado de prestar depoimentos sob a alegação de que está doente, e que teve um AVC. Segundo os investigadores, no entanto, ele não afirmou à Receita Federal ser portador de qualquer doença grave. “Isso leva a crer que o Coronel Lima não apresenta doença grave que possa, de alguma forma, interferir na decretação da prisão preventiva”. Segundo o Ministério Público Federal, além de tudo, ele continua a lavar dinheiro. “Prova de que Coronel Lima continua atuando na lavagem de capitais em prol da organização criminosa é a informação do COAF sobre a tentativa de depósito de R$ 20.000.000,00 (vinte milhões de reais) em espécie, em 23/10/2018, na conta bancária da Argeplan, que apenas não se concretizou diante da negativa da instituição bancária”. O Coaf recebeu as informações de uma agência bancária na rua Heitor Penteado, na Vila Madalena, mesmo bairro onde fica sediada a Argeplan. O banco informou ao Conselho que a conta da empresa de Coronel Lima foi aberta naquela agência e é ‘de conhecimento público que este sócio é acusado de ser suposto intermediador no recebimento de recursos de origem duvidosa’. No dia 23 de outubro de 2018, entre o primeiro e o segundo turnos das eleições, o banco reporta, ‘de boa fé’, ao Coaf que houve uma ‘tentativa de depósito em espécie no valor de R$ 20 milhões’. “O depósito foi recusado na agência, sendo que na abordagem foi solicitado ao portador a comprovação da origem dos valores para recebimento e reativação da conta, em atendimento à legislação de PLD vigente. O portador, que não se identificou, se retirou da agência e não obteve êxito na realização do depósito”, diz. Segundo a força-tarefa da Operação Lava Jato no Rio, há, ‘portanto, demonstração concreta da necessidade de decretação da prisão preventiva de João Baptista Lima Filho para assegurar a ordem pública e impedir a continuidade dos atos criminosos que já se perpetuam há 40 anos (e continuaram a acontecer mesmo após a decretação de sua prisão temporária)’. A Procuradoria da República no Rio afirma que Coronel Lima ‘é a pessoa de confiança de Michel Temer desde a década de 80’. “Juntos construíram uma vida de cometimento de ilícitos em prejuízo ao Erário. Não por outra razão, Coronel Lima é uma figura de destaque na organização criminosa, sendo o responsável por administrar as empresas Argeplan e PDA. Dentre outras, ambas as empresas foram constituídas em nome de Lima e outros para encobrir as negociatas ilícitas realizadas por Michel Temer, bem como para realizar os atos de lavagem de dinheiro”. “Vê-se que por quase 40 anos a parceria criminosa atua de forma estável, perpetuando-se por décadas. Há demonstração concreta de que Michel Temer acumulou um “crédito” de propina para receber no presente e no futuro, durante anos, pois os seus atos que beneficiaram o setor empresarial permitiram a barganha de uma “poupança de propina” com resgate quase que vitalício”, diz o Ministério Público Federal. Segundo a Lava Jato, o ‘modus operandi utilizado pela organização criminosa para acertar o recebimento da propina ao longo de décadas, ultrapassando o período do exercício do cargo público (no caso, o de Deputado Federal e, depois, o de vice e de Presidente da República), é fundamento bastante para demonstrar a necessidade da prisão preventiva para interromper os delitos que permanecem ocorrendo’. “E mais: investigações, denúncias e uma prisão temporária (de João Baptista Lima Filho) foram absolutamente insuficientes para barrar a atuação do grupo criminoso. Tal objetivo apenas poderá ser atingido mediante a prisão preventiva dos integrantes do núcleo sólido”, argumentam os procuradores.

Estadão Conteúdo

21 de março de 2019, 17:29

BAHIA Deputado Jacó reclama do “silêncio da elite” em relação ao desvio de recursos na saúde municipal

Foto: Divulgação

O deputado Jacó (PT)

Um dos membros titulares da Comissão de Saúde e Saneamento da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), o deputado Jacó (PT) disse nesta quinta-feira (21) que existe um “silêncio” e uma “hipocrisia” por parte da elite baiana – moradores dos bairros nobres – em relação à periferia e ao desvio de recursos na saúde municipal. Jacó se refere ao esquema criminoso de fraudes, superfaturamento e desvio de recursos na gestão de UPAs e multicentros em empresas vinculadas à Secretaria Municipal de Saúde, revelado na Operação Kepler, deflagrada esta semana pela Polícia Federal. “Cadê os paladinos da moralidade que foram pro Farol da Barra esbravejar contra a corrupção? Não ouvi uma panela bater”, disse Jacó (PT). Segundo os dados mais recentes do Ministério da Saúde (fevereiro 2019), a cobertura da atenção básica em Salvador, quarta maior capital do País, com cerca de 3 milhões de habitantes, atinge apenas 38,36%.

21 de março de 2019, 17:22

BAHIA Estado possui 34 obras suspensas ou paralisadas, diz TCE

Foto: Divulgação

O presidente do TCE-BA, Gildásio Penedo Filho

No Estado da Bahia existem 34 obras, executadas com recursos da administração estadual ou com verbas da União, que estão com seu andamento suspenso ou paralisado, segundo levantamento realizado pelos órgãos e entidades da administração estadual a partir de solicitação do Tribunal de Contas do Estado da Bahia (TCE/BA). Tais obras representam contratos que, somados, atingem a um total de R$ 307,5 milhões e os principais motivos de paralisação ou suspensão da execução dos serviços foram questões técnicas que vieram a ser conhecidas somente após a licitação, descumprimento de especificações técnicas ou prazos e problemas relacionados à contratada, a exemplo de recuperação judicial ou dissolução societária. O presidente do TCE/BA, conselheiro Gildásio Penedo Filho, ressaltou que o propósito do levantamento é buscar soluções para a retomada dessas obras “de forma a contribuir para o desenvolvimento do país e para o melhor uso dos recursos públicos e o aprimoramento da oferta de bens e serviços para a população”. Na Bahia, o levantamento abrangeu obras iniciadas a partir de 2009, paralisadas há mais de 90 dias e cujo montante seja superior a R$ 1,5 milhão. Por meio de ofícios dirigidos aos secretários e dirigentes máximos dos órgãos e entidades do Estado, o TCE/BA solicitou o preenchimento de um formulário padrão com informações específicas sobre as obras paralisadas, com o objetivo inicial de traçar um perfil das situações existentes. A ação, em termos nacionais, foi uma iniciativa do ministro José Antonio Dias Toffoli que, ao assumir a Presidência do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em setembro de 2018, convidou a Associação dos Membros dos Tribunais de Contas (Atricon) e o Tribunal de Contas da União (TCU) para um esforço conjunto no sentido de diagnosticar a situação das grandes obras paralisadas no Brasil. A partir daí, o CNJ e a Atricon passaram a coordenar um comitê de esforço conjunto, que reúne os Tribunais de Contas da União (TCU), dos estados (TCEs) e dos municípios (TCMs), além dos órgãos da Justiça de todo o país. Com os dados prestados pelos jurisdicionados, o TCE/BA complementou e detalhou as informações recebidas com aquelas disponíveis em seus relatórios de auditoria e nas suas diversas bases de dados. Concluído o trabalho, ele agora será encaminhado à Atricon. O próximo passo do trabalho consiste na interlocução do CNJ e da Atricon com representantes dos órgãos envolvidos, como Ministério Público, Tribunais de Contas, Tribunais de Justiça, procuradorias de governos estaduais e das prefeituras municipais competentes, com vistas a buscar possíveis soluções para a retomada dos empreendimentos.

21 de março de 2019, 17:14

BAHIA Deputado Negromonte Júnior pede explicações a ministro sobre funcionamento do hospital de Paulo Afonso

Foto: Divulgação

O deputado federal, Mário Negromonte Júnior (PP)

Na tarde dessa quarta-feira (20) o deputado federal, Mário Negromonte Júnior (PP), deu um ultimato no Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, para esclarecer o anuncio na redução do funcionamento do hospital de Paulo Afonso. O chamamento ao ministro foi feito pelo deputado na Comissão de Minas e Energia com o requerimento (13/2019), onde solicita esclarecimentos sobre as seguidas alterações de posicionamento da atual gestão da CHESF, responsável pela administração do hospital, Hospital Nair Alves de Souza, que está localizado no município de Paulo Afonso e que atende uma população de cerca de 1,2 milhões de 4 estados (BA, AL, PE e SE). “Esse foi o hospital onde nasci e nós fomos tomados de surpresa pelo diretor, Adriano Soares, falando em nome do governo federal e Chesf dizendo que vão diminuir as atividades do Nair Alves e que até poderia ser fechado. Nós não vamos aceitar, como filho de Paulo Afonso, não posso permitir. Por tudo isso, que fiz esse requerimento ao ministro para que ele venha nos explicar se ele está de acordo com tal decisão”, destacou Negromonte Júnior.

21 de março de 2019, 17:07

SALVADOR Presidente da Câmara convida secretários para apresentarem projetos do Executivo

Foto: Antônio Queirós/CMS

O presidente da Câmara Municipal de Salvador, vereador Geraldo Júnior (SD)

Para auxiliar os vereadores a conhecerem melhor os projetos do Executivo Municipal que tramitam na Casa, o presidente da Câmara de Salvador, vereador Geraldo Júnior (SD), fez novos convites a gestores municipais. Os secretários de Gestão, Tiago Dantas; de Combate à Pobreza, Leo Prates; e de Desenvolvimento Urbano, Sérgio Guanabara, apresentarão as matérias nesta segunda-feira (25), às 16h, no Salão Nobre da Casa. A reunião com o secretário de Mobilidade Urbana, Fábio Mota, foi transferida para terça-feira (26), às 15h30, também no Salão Nobre. O gestor da pasta vai esclarecer dúvidas sobre o Projeto de Lei nº 258/2018, que dispõe sobre a regulamentação dos aplicativos de transporte. Dantas, Prates e Guanabara apresentarão os projetos nº 63/2019, que dispõe sobre os aluguéis de imóveis particulares; e o 64/2019, que dispõe sobre a reforma administrativa do município. A secretária da Reparação, Ivete Sacramento, também foi convidada e vai apresentar as ações da pasta no dia 2 de abril, às 15h30.

21 de março de 2019, 16:58

BRASIL PT cobra ‘fatos consistentes’ para a prisão de Temer

Foto: Estadão

A presidente nacional do partido, Gleisi Hoffmann

O Partido dos Trabalhadores, cobrou, nesta quinta, 21, ‘fatos consistentes’ para a decretação da prisão do ex-presidente Michel Temer (MDB). A legenda diz esperar que cautelar seja decretada ‘não apenas por especulações e delações sem provas, como ocorreu no processo do ex-presidente Lula’. A nota é assinada pela presidente nacional do partido, Gleisi Hoffmann, e pelos líderes do PT na Câmara, Paulo Pimenta, e no Senado, Humberto Costa. O PT diz que Temer ‘assumiu a presidência em um golpe deplorável’. “Sua agenda no governo levou ao aumento da desigualdade e da miséria, no entanto é somente dentro da lei que se poderá fazer a verdadeira Justiça e punir quem cometeu crimes contra a população. Caso contrário, estaremos diante de mais um dos espetáculos pirotécnicos que a Lava Jato pratica sistematicamente, com objetivos políticos e seletivos”. “O que fica evidente é que, cumpridos os objetivos do golpe do impeachment de 2016 e da proibição ilegal a Lula de concorrer as eleições de 2018, seus principais artífices estão sendo descartados pelos que realmente movimentaram os cordéis: o sistema financeiro, os representantes dos interesses estrangeiros no país, com o apoio da mídia conservadora”, afirma o partido. Segundo Gleisi e os parlamentares, ‘isso serve para a própria Lava Jato e seu comandante, Sergio Moro, que travam hoje uma encarniçada luta pelo poder contra o Congresso, o Supremo Tribunal Federal e a cúpula da PGR’.

Estadão

21 de março de 2019, 16:52

BRASIL Wagner critica prisão de Temer: ‘Precipitada’

Foto: João Mattos/Estadão

O senador Jaques Wagner (PT)

Senador pela Bahia e adversário político do ex-presidente Michel Temer, Jaques Wagner criticou a prisão do emedebista. Ele classificou o caso como uma “precipitação da Justiça”. Ainda de acordo com Wagner, Temer foi preso sem que tivesse prestado depoimento no inquérito em que é investigado. Wagner criticou também a “instabilidade” constante no país e citou o impeachment de Dilma e a prisão de Lula, que, na opinião dele, também foram efetivados sem que houvesse motivos concretos. “Não posso julgar o juiz, mas as pessoas estão se precipitando pela notícia. Qual o motivo de uma prisão preventiva? Só queria entender: ele (Temer) é uma ameaça? Ele vai surrupiar prova? Não sou eu que vou julgar, porque é do direito, cabe ao ex-presidente fazer o recurso”, sinalizou.

Estadão

21 de março de 2019, 16:36

BRASIL Contrainteligência foi usada por Temer e aliados para confundir Lava Jato, diz MP

Foto: Werther Santana/Estadão

Prisão do ex-presidente Michel Temer

A força-tarefa da Operação Lava Jato apontou ao juiz Marcelo Bretas, da 7.ª Vara Federal Criminal do Rio, um ‘braço de contrainteligência da organização criminosa liderada por Michel Temer e atuação pessoal dele contra as investigações’. O ex-presidente foi preso nesta quinta-feira, 21, na Operação Descontaminação, desdobramento da Lava Jato. “A organização criminosa comandada por Temer tinha constante e ativo direcionamento de esforços no sentido de monitorar, impedir (por meio de subtração de documentos) e confundir (pela produção de documentos) as investigações”, afirma a Lava Jato. A PF cumpre um total de oito mandados de prisão preventiva e dois de custódia temporária, 26 de busca e apreensão nos Estados do Rio de Janeiro, de São Paulo e do Paraná e no Distrito Federal. Bretas mandou prender por tempo indeterminado o coronel reformado da Polícia Miliar João Baptista Lima Filho – o coronel Lima -, de sua mulher de Maria Rita Fratezi, dos empresários Carlos Alberto Costa, Carlos Alberto Costa Filho, Vanderlei de Natale e Carlos Alberto Montenegro Gallo. O juiz ainda decretou as custódias temporárias de Rodrigo Castro Alves Neves e Carlos Jorge Zimmermann. Segundo o Ministério Público Federal, Temer e seus aliados praticaram atos para ‘dificultar o andamento das investigações’. Os procuradores citaram o ‘monitoramento do avanço das investigações, com um braço da organização criminosa cuidando de aspectos de contrainteligência, com a finalidade de que, conforme as investigações avancem, sejam produzidos documentos falsos com o intuito de despistar as últimas descobertas investigatórias, sejam destruídas provas e apagados rastros que levem ao desvendamento das ações criminosas, bem como sejam assediadas testemunhas e coinvestigados que pudessem vir a ser colaboradores da Justiça, inclusive com pagamento de propina’.

Estadão

21 de março de 2019, 16:21

BRASIL Defesa de Moreira estranha prisão vir de juiz ‘cuja competência não está firmada’

A defesa do ex-governador do Rio e ex-ministro Wellington Moreira Franco afirmou nesta quinta-feira, 21, em nota, que “causa estranheza” o decreto de prisão contra ele “vir de juiz de direito cuja competência não se encontra ainda firmada, em procedimento desconhecido até aqui”. Moreira Franco teve nesta quinta-feira, 21, mandado de prisão cumprido pela força-tarefa da Operação Lava Jato, assim como o ex-presidente Michel Temer. O mandado de prisão foi assinado pelo juiz da operação no Rio, Marcelo Bretas. O escritório Moraes Pitombo Advogados manifestou “inconformidade” com o decreto de prisão cautelar do ex-ministro. “Afinal, ele (Moreira Franco) encontra-se em lugar sabido, manifestou estar à disposição nas investigações em curso prestou depoimentos e se defendeu por escrito quando necessário”, diz o comunicado.

21 de março de 2019, 16:07

BRASIL Bretas determina que Temer e Moreira fiquem presos em unidade da PM em Niterói

Foto: Estadão

Michel Temer e Moreira Franco

O juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, acolheu os argumentos do Ministério Público Federal (MPF) e determinou que o ex-presidente Michel Temer (MDB) seja custodiado na Unidade Prisional da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, em Niterói, na região metropolitana. Bretas estendeu a mesma decisão a Moreira Franco, “por ter exercido o cargo de ex-ministro de Estado até o recente dia de 31/12/2018”, e a João Baptista Lima Filho, coronel reformado da Polícia Militar do Estado de São Paulo. No local, também está preso o ex-governador do Rio Luiz Fernando Pezão, do mesmo partido de Temer. Pezão está em uma cela especial por prerrogativa de cargo, mas, segundo a PM, sua rotina é igual à dos demais presos.

Estadão Conteúdo

21 de março de 2019, 15:55

BRASIL Propina de Angra 3 custeou parte da reforma de Maristela Temer, diz Procuradoria

Foto: Reprodução de TV

Maristela Temer, filha do ex-presidente Michel Temer

A propina oriunda do contrato de construção de Angra 3, segundo o Ministério Público Federal, custeou parte de reforma na casa de Maristela Temer, filha do ex-presidente Michel Temer. A Procuradoria afirma que o coronel Lima, amigo de Temer, além de administrar as obras, empregou na reforma vantagens indevidas recebidas pelo grupo criminoso, em típico ato de lavagem de dinheiro. Foi identificado o uso do e-mail da Argeplan, empresa de Lima, na transmissão de recibos de pagamentos de materiais e serviços, além da atuação de funcionários da empresa na reforma. Relatório policial indica que contratados da obra disseram que receberam a maior parte do pagamento em dinheiro vivo, em valores que podem ultrapassar R$ 1,5 milhão.

Folhapress

21 de março de 2019, 15:42

BRASIL Lava Jato quer Temer preso em quartel da PM; defesa quer PF

Foto: Estadão

O ex-presidente Michel Temer (MDB)

A força-tarefa da Operação Lava Jato pediu ao juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio, que o ex-presidente Michel Temer (MDB), fique preso na Unidade Prisional da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, em Niterói. A defesa solicitou ao magistrado que determine o recolhimento de Temer nas dependências da Superintendência da Polícia Federal no Rio. “O Peticionário é ex-Presidente da República e é inscrito na OAB/SP sob o nº 16.534, fazendo jus, por isso, nos termos do art. 295 do Código de Processo Penal1 e art. 7º, V, da Lei nº 8.906/19942 , a permanecer em ambiente separado de outros presos, em sala do estado maior, com instalações e comodidades condignas”, afirmam os advogados do ex-presidente. A Lava Jato apontou a Bretas ‘a necessidade de se proteger a dignidade e a segurança dos ex-presidentes, sobretudo antes da formação da sua culpa em um regular processo penal’. “Essa realidade de proteção da dignidade e segurança de um ex-presidente deve ser preservada no evento de uma prisão cautelar, como a que acontece na data de hoje, eis que não se trata de execução penal, mas sim medida cautelar levada a cabo antes da formação da culpa em relação a Michel Temer”, afirmou o Ministério Público Federal. “A condição de ex-presidente do preso impõe que esse MM. Juízo, enquanto não formada em definitivo a sua culpa, adote medidas condizentes com sua segurança e a dignidade do cargo que ocupou até 31/12 p.p. A dignidade e segurança de nossos ex-presidentes não é algo estranho ao nosso ordenamento.” O ex-presidente recebeu voz de prisão da Polícia Federal quando saía de sua residência logo no início da manhã, na rua Bennet, no Jardim Universidade, zona oeste da capital paulista. A PF fez buscas na casa de Temer e também em seu escritório, n Rua Pedroso Alvarenga, no Itaim. A PF cumpre um total de oito mandados de prisão preventiva e dois de custódia temporária, 26 de busca e apreensão nos Estados do Rio de Janeiro, de São Paulo e do Paraná e no Distrito Federal.

Estadão

21 de março de 2019, 15:30

BAHIA Valmir: “Lava Jato se vira contra quem deu suporte a esse mecanismo das delações sem provas”

“Lava Jato se vira contra quem deu suporte a esse mecanismo das delações sem provas. Mas lembro que Lúcio Funaro, operador do MDB, cuja delação motivou a prisão de Temer, relata a entrega de recursos a Eduardo Cunha. O objetivo era a compra de votos para concretizar o golpe contra a presidente Dilma”. A declaração é do deputado federal Valmir Assunção (PT-BA) que comentou a prisão do ex-presidente Michel Temer (MDB) e de mais cinco pessoas ligadas a ele, como o ex-ministro Moreira Franco e o coronel João Batista Lima Filho. Todos foram detidos pela força tarefa da Lava Jato. Assunção cita que Temer foi o promotor de diversos retrocessos no Brasil, como a reforma trabalhista e a emenda 95 que limita os investimentos sociais. “Bolsonaro, que despencou 15 pontos na avaliação de seu governo, quer terminar o que Temer iniciou após um golpe. Não podemos deixar que isso seja invisibilizado pela Lava Jato”. Valmir também tratou de falar sobre a pesquisa Ibope, onde aparece queda da aprovação a Bolsonaro em mais de 20 pontos percentuais entre os seguintes grupos: população de 45 a 54 anos (de 70% para 45%), moradores de cidades periféricas (de 63% para 42%) e entre os que completaram o ensino fundamental (de 69% a 49%). “Aprovação de Bolsonaro caiu 15 pontos. Nenhuma surpresa, considerando o conjunto de impropérios na gestão e a postura pública inadequada. Ele segue o mesmo caminho de Temer, que assumiu a presidência por meio de um golpe. De concreto, temos a explosão das desigualdades e da miséria iniciados por Temer e seguido por Bolsonaro”, completa o deputado federal baiano.

21 de março de 2019, 15:12

BRASIL Paulo Paim: ‘linha do combate à corrupção tem que ser mantida, doa a quem doer’

Foto: Divulgação

O senador Paulo Paim (PT-RS)

O senador Paulo Paim (PT-RS) disse nesta quinta-feira, 21, que recebeu “sem nenhuma surpresa” a notícia de prisão do ex-presidente Michel Temer (MDB) nesta manhã. Segundo o senador, “é um fato previsto por todos aqueles que estão na vida pública”. “Claro que não é bom para a imagem do Brasil perante os outros países e perante o mundo. Mas pau que bate em Francisco bate em Chico. Aqueles que provocaram essa situação estão sendo chamados a responder por seus atos. A linha do combate à corrupção tem que ser mantida, doe a quem doer. Mas tem que ser com enorme cuidado para que essas operações não cometam nenhuma injustiça”, afirmou. A prisão de Temer tem como base a delação do doleiro Lucio Funaro. No ano passado, Funaro entregou à Procuradoria-Geral da República (PGR) informações complementares do seu acordo de colaboração premiada. Entre os documentos apresentados estão planilhas que, segundo o delator, revelam o caminho de parte dos R$ 10 milhões repassados pela Odebrecht ao MDB na campanha de 2014.

Estadão Conteúdo