21 de junho de 2018, 16:47

BAHIA Heber destaca em moção 95ª Assembléia da Convenção Batista Baiana

Há 135 anos atuando na Bahia e hoje com igrejas e congregações em todos os 417 municípios baianos, a Convenção Batista Baiana (CBBa), realiza, no Centro de Convenções de Ilhéus, de 26 a 29 deste mês, sua 95ª Assembléia Anual, para eleger nova diretoria e aprovar planos de ação para os próximos anos. “Trata-se de um encontro da maior importância para a denominação, que muito tem contribuído para o desenvolvimento do Estado através da atuação nas áreas social e educacional, além da orientação espiritual, ética e moral dos baianos”, afirma o deputado estadual Heber Santana, que através de moção de congratulação fez registrar o evento em ata dos trabalhos da Assembléia Legislativa da Bahia (Alba). Heber participará da cerimônia de abertura da assembléia. O deputado registrou também os 60 anos de fundação da Igreja Batista Lindinópolis, que serão celebrados no dia 25 de junho. Organizada em 5 de agosto de 1958, a IB Lindinópolis (Linda Cidade), teve como primeiro líder o pastor Abílio Pereira Gomes, e hoje é liderada pelo pastor Pedro de Jesus Chagas. Heber destacou a importância do encontro, que terá intensa programação da qual fazem parte as assembleias da Ordem dos Pastores Batistas da Bahia (OPBBA); da União Feminina Missionária Batista da Bahia (UFMBBA); da Associação dos Diáconos Batistas do Campo Baiano (ADBCB), e da Associação dos Educadores Cristãos Batistas da Bahia (AECBBA), além de seminários de capacitação e congresso infantil. Heber Santana lembrou que a história dos batistas baianos e brasileiros começou em 1882, com a chegada de pastores missionários dos Estados Unidos, mesmo ano em que foi organizada a Primeira Igreja Batista, em Salvador, expandindo-se nos anos seguintes para todos Estados do Brasil. Unidos em torno da Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada, e para a pregação do Evangelho, os batistas ampliaram seu raio de ação, com a organização centenas de igrejas, ampliando a ação social e educacional.

21 de junho de 2018, 16:32

BRASIL Cármen vai arquivar investigação sobre áudio de Joesley que cita ministros do STF

Foto: Estadão

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, abriu a sessão desta quinta-feira, 21, informando que a investigação aberta para apurar menções feitas pelo empresário Joesley Batista e o executivo Ricardo Saud a integrantes da Suprema Corte não encontrou indício de participação de ministros em “qualquer ato ilícito”. A investigação será arquivada, segundo Cármen, após o diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro, apresentar o relatório conclusivo do inquérito. “Não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros deste Supremo Tribunal Federal envolvidos ou citados em qualquer ato ilícito”, afirmou a ministra. Segundo a presidente da Corte, não pode pender sobre o STF “a mais leve dúvida” sobre a conduta dos que compõem o tribunal. “Esta Corte, que tem o compromisso da guarda da Constituição, Constituição que tem como seu princípio a moralidade pública”, disse. Em dezembro do ano passado, o Estado revelou que um relatório preliminar da Polícia Federal descartou a ocorrência de crimes envolvendo as citações a ministros do STF feitas Joesley e Saud, no áudio gravado por eles e entregue ao Ministério Público Federal (MPF). Nas mais de quatro horas de conversas gravadas, os interlocutores falam sobre “dissolver o Supremo” da mesma forma que, nas palavras de Joesley Batista, a Odebrecht “moeu” o Legislativo. No áudio, eles citam o nome de três ministros – Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Cármen Lúcia, mas não havia menção ou atribuição a algum tipo de crime. Em setembro, Cármen exigiu que a Polícia Federal e a Procuradoria-Geral da República (PGR) fizessem uma “investigação imediata”. A determinação ocorreu após o então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que deixou o cargo em 18 de setembro, determinar a abertura de investigação para apurar o caso. À época, Janot citou as suspeitas sobre ministros do STF. A presidente do Supremo chegou a gravar um pronunciamento em vídeo no qual disse que a “dignidade institucional” do STF e a “honorabilidade de seus integrantes” foram agredidas “de maneira inédita na história do País”. “Impõe-se, pois, com transparência absoluta, urgência, prioridade e presteza a apuração clara, profunda e definitiva das alegações, em respeito ao direito dos cidadãos brasileiros a um Judiciário honrado”, afirmou Cármen à época.

Estadão

21 de junho de 2018, 16:18

BRASIL Trabalhador só pagará custos de processo se perder em ação iniciada pós-reforma

O plenário do Tribunal Superior do Trabalho (TST) aprovou o parecer produzido por uma comissão de ministros que prevê que a Justiça só vai considerar as regras para o andamento dos processos previstas pela reforma trabalhista, que entrou em vigor no dia 11 de novembro de 2017, para ações iniciadas depois dessa data. A proposta aprovada cita que a maioria das alterações previstas pela reforma de como os juízes devem proceder e como o processo deve tramitar não se aplica aos processos iniciados antes de 11 de novembro do ano passado. Entre as mudanças mencionadas, estão aquelas que preveem responsabilidade por dano processual e reveem multa por litigância de má-fé e por falso testemunho. O mesmo entendimento é usado para a condenação ao pagamento de honorários advocatícios de sucumbência (valor que o perdedor da causa paga ao advogado). Essa regra só passa a valer para as ações propostas após 11 de novembro de 2017. Isso significa que empregados derrotados na Justiça do Trabalho só terão de pagar as custas do processo judicial se as ações começaram a tramitar depois de novembro/2017. Com a decisão tomada, passa a valer a instrução normativa proposta pelos ministros. O documento é usado como referência pelas outras instâncias da Justiça do Trabalho, mas não tem poder vinculante – ou seja, outras instâncias não precisam seguir à risca esse entendimento. Sobre o direito material – regras da relação trabalhista entre empregado e patrão -, a instrução do TST não faz qualquer menção e os ministros sugerem que seja criada jurisprudência na Justiça a partir de casos concretos analisados sob a nova lei.

Estadão

21 de junho de 2018, 16:02

BRASIL Vitória do populismo resultaria em Brasil ‘venezuelano’, diz Alckmin

Foto: Agência Brasil

O pré-candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin

O pré-candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, disse nesta quinta-feira, 21, que as eleições de outubro serão um “divisor de águas” para a história do País e que uma vitória do “populismo” poderia resultar num Brasil “venezuelano”. Ele falou por mais de uma hora a empresários na Federação das Indústrias do Rio (Firjan). A entidade vem recebendo os candidatos a presidente. No almoço-palestra, Alckmin afirmou que a equipe econômica que o assessora, formada por nomes como Edmar Bacha e José Roberto Mendonça de Barros, trabalha para desenhar formas de “dobrar a renda do brasileiro”, por meio, por exemplo, de investimentos na área de educação e no sentido da dinamização da economia do País. Para cerca de 100 pessoas, o tucano defendeu as reformas previdenciária, tributária e fiscal, entre outras medidas que deverão ser prioritárias num eventual governo seu. Ele lembrou que a campanha eleitoral será curta. Declarou que, se eleito, terá de agir nos primeiros seis meses de governo para aprovar as reformas, valendo-se da legitimidade da escolha nas urnas. O ex-governador de São Paulo, instado pela plateia a falar sobre segurança pública, defendeu a criação de uma “guarda nacional de caráter permanente” e um maior engajamento dos municípios para o combate ao crime. Quanto a seu posicionamento com relação à possibilidade de descriminalização das drogas, ele disse que “não tem comprovação de que a legalização poderia trazer benefício maior”, e que é preciso acompanhar o impacto da legalização em países como o Uruguai. Sobre o peso do papel estatal no crescimento do País, disse que “o Estado não deve ser empresário”, e sim focar em seu papel de “planejador, regulador e fiscalizador”.

Estadão

21 de junho de 2018, 15:43

SALVADOR CCZ orienta moradores e vacina animais domésticos em Jaguaribe

O Centro de Controle Zoonoses (CCZ), vinculado à Secretaria Municipal de Saúde (SMS), promoveu nesta quinta-feira (21) ações preventivas no condomínio Veredas do Sol, no bairro de Jaguaribe, para orientar os moradores sobre os cuidados que devem ser tomados para evitar a transmissão da raiva via morcegos infectados. Na ocasião, os agentes de endemias ainda visitaram cerca de 200 imóveis, fazendo reforço de vacinação antirrábica em cães e gatos domésticos. A iniciativa acontece após a região de Patamares e adjacências registrarem dois casos de raiva em morcegos, neste mês. Contudo, o veterinário e chefe do Setor de Vigilância Contra a Raiva do CCZ, Aroldo Carneiro, alerta que não há razão para desespero. “Não é motivo nenhum para a população ficar preocupada. O último caso de raiva humana foi em 2004 e a prevalência da doença nos morcegos é baixa, entre 1% a 5%”, explicou. Morcegos que forem encontrados mortos ou debilitados na rua jamais devem ser manipulados. Em casos de ocorrências do tipo, basta contatar o CCZ, através dos telefones 3611-7331/3611-7310, ou pelo Fala Salvador (156), que uma equipe especializada se deslocará até o local para recolher o animal, antes de encaminhá-lo para o laboratório. “Os morcegos são importantes na manutenção do equilíbrio ecológico, no controle de pragas, além de dispersarem sementes. Pela lei, por ser um animal silvestre, é proibido matá-los”, acrescentou Aroldo. Ele lembra ainda que a raiva é transmitida pela mordedura ou arranhadura do animal infectado e não pelo ar.

21 de junho de 2018, 15:28

BRASIL Gleisi: absolvição no STF ‘representa muito’ para o PT e para julgamento de Lula

Foto: Estadão

A presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR)

A presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), afirmou nesta quinta-feira, 21, que sua absolvição na Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) “recoloca as coisas no devido lugar” em relação às delações premiadas na Operação Lava Jato. Em entrevista coletiva em Curitiba, a senadora afirmou que o caso “representa muito” para o PT e para o julgamento do pedido de liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na próximo dia 26, no mesmo colegiado. “Não só no caso do ex-presidente Lula, eu acho que em todos os casos que se baseiam em acusações apenas com delações”, disse a petista. “A decisão do Supremo recoloca as coisas no devido lugar, as delações são indícios, mas não são suficientes para condenar uma pessoa.” Ela reforçou que o partido espera que o ex-presidente possa sair da cadeia após análise do Supremo. Comentando a possibilidade de a Procuradoria-Geral da República (PGR) recorrer da absolvição, Gleisi disse ser pouco provável que o Supremo queira julgar seu caso novamente. Sobre outros processos que a citam, ela afirmou estar com a mesma “tranquilidade e firmeza” da denúncia julgada nesta semana. A presidente do PT disse que gostaria de cobrar do Ministério Público Federal um ressarcimento pelos danos à sua imagem que teriam sido causados durante o processo contra ela no STF. A dirigente petista afirmou, porém, que só poderia cobrar judicialmente do Estado brasileiro e não quer que o povo brasileiro pague a conta. “Eu vou pensar muito nisso porque qualquer ação que se tome vai recair sobre o povo brasileiro, e eu não quero que o povo pague por isso.” A senadora reforçou sua intenção em ser candidata a deputada federal pelo Paraná para reforçar a bancada petista na Câmara a partir do ano que vem. Em relação ao seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, absolvido no mesmo processo, Gleisi disse que ele está aposentado e não pretende voltar à vida pública.

Estadão

21 de junho de 2018, 15:13

BRASIL Em visita a abrigo, Temer diz que fechar fronteira seria inapropriado

Foto: Estadão

O presidente visitou um abrigo que recebe venezuelanos em RR

Em visita hoje (21) a Roraima, o presidente Michel Temer reafirmou a posição de que não é possível fechar a fronteira entre Brasil e Venezuela para evitar a entrada de imigrantes. Segundo Temer, seria “inapropriado” esse tipo de atitude. Em abril, a governadora do estado, Suely Campos, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que determinasse o fechamento temporário da fronteira. Na ocasião, Temer criticou a proposta. “Não temos como fechar a fronteira, isso seria inapropriado. Estamos todos de acordo que não há como fechar a fronteira, mas também não há como abandonar a necessidade de Boa Vista, Roraima e de todo o Estado”, disse Temer hoje ao responder à pergunta de jornalistas na capital Boa Vista. Na cidade, Temer visitou o abrigo Nova Canaã, que recebe imigrantes venezuelanos. O presidente disse aos jornalistas que recebeu os pedidos da governadora Suely Campos sobre recursos e medidas para enfrentar a situação da entrada permanente dos imigrantes e afirmou vai examiná-los com “muita atenção”. Ele lembrou que o governo federal já destinou recursos e adota medidas para a região. “Estou com o pedido da governadora com vários temas que são importantes. Aqui já encaminhamos vários recursos para acolher os venezuelanos e para Roraima”, disse. Em abril, o governo deu início a um processo de de distribuição de imigrantes venezuelanos concentrados em Roraima para outras unidades da federação. O chamado processo de interiorização foi uma estratégia adotada para proporcionar melhores condições aos imigrantes venezuelanos que querem viver e trabalhar no Brasil.

Agência Brasil

21 de junho de 2018, 14:58

BRASIL PF prende ex-diretor da Petroquisa na 52ª fase da Lava Jato

Foto: Marcello Casal jr/Agência Brasil

Indícios reunidos pelos investigadores demonstram que a Odebrecht era favorecida na obtenção de contratos

O ex-diretor de Novos Negócios da Petroquisa, Djalma Rodrigues de Souza, foi preso hoje (21), em caráter preventivo. Souza é um dos alvos dos 11 mandados judiciais cumpridos por policiais federais durante a 52ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada esta manhã para ampliar as investigações de suspeitas de crimes praticados contra as subsidiárias da estatal petrolífera, alvo do desvio de bilhões de reais, segundo o MPF. Procurado pela Agência Brasil, o advogado Gentil Ferreira Neto confirmou que seu cliente foi detido na cidade do Rio de Janeiro, onde Souza reside. Alegando ainda não ter tido acesso aos autos, o advogado optou por não comentar a prisão preventiva. Em nota, o Ministério Público Federal (MPF) informou que a operação deflagrada hoje, apelidada de Greenwich, está relacionada ao aprofundamento das investigações de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro e que envolvem o ex-diretor da Petroquisa e seus parentes. Denunciado anteriormente pela força-tarefa da Lava Jato, Souza, já tinha sido citado em um mandado de prisão, durante a 46ª fase da Lava Jato, mas não chegou a ser preso na ocasião. Segundo a PF, além da prisão preventiva de Souza, foram cumpridos nove mandados de busca e apreensão nas cidades do Rio de Janeiro, Recife e de Timbaúba (PE). O alvo de um mandado de prisão temporária cujo nome não foi confirmado se comprometeu com se apresentar à Polícia Federal (PF) em São Paulo. Os dois suspeitos detidos serão escoltados à superintendência da PF em Curitiba, onde ficarão à disposição da 13ª Vara da Justiça Federal.

Agência Brasil

21 de junho de 2018, 14:46

BRASIL Normas processuais previstas na reforma só valem para contrato novo, diz TST

O plenário do Tribunal Superior do Trabalho (TST) aprovou o parecer produzido por uma comissão de ministros que prevê que as normas processuais previstas na reforma trabalhista não atingem “situações pretéritas iniciadas ou consolidas sob a égide da lei revogada”. Ou seja, para o plenário do Tribunal, os procedimentos previstos pela reforma valem apenas para os novos contratos firmados após 11 de novembro de 2017. Sobre o chamado “direito material” – que é a aplicação das regras no mercado de trabalho – a proposta aprovada prevê que deverá ser construída jurisprudência a partir de casos concretos. A proposta aprovada cita que a maioria das alterações processuais prevista na reforma não se aplica aos processos iniciados antes de 11 de novembro do ano passado, quando a mudança entrou em vigor. Entre as mudanças mencionadas, estão aquelas que preveem responsabilidade por dano processual e reveem multa por litigância de má-fé e por falso testemunho. O mesmo entendimento é usado para a condenação ao pagamento de honorários advocatícios sucumbenciais que, com a aprovação, passam a valer apenas às ações propostas após 11 de novembro de 2017. Com a decisão tomada, passa a valer a instrução normativa proposta pelos ministros. O documento é usado como referência pelas outras instâncias da Justiça do Trabalho, mas não tem poder vinculante – ou seja, outras instâncias não precisam seguir à risca esse entendimento. Sobre o direito material – regras da relação trabalhista entre empregado e patrão -, a instrução do TST não faz qualquer menção e os ministros sugerem que seja criada jurisprudência na Justiça a partir de casos concretos analisados sob a nova lei.

Estadão

21 de junho de 2018, 14:30

BAHIA Centro de Comercialização Regional de Produtos Agrícolas é inaugurado em Irecê

Foto: Mateus Pereira/GOVBA

Centro contou com recursos de R$ 5,7 milhões, sendo R$ 4,5 milhões em investimentos do governo estadual

A agricultura da região Centro-Norte da Bahia recebeu mais um reforço, com a construção do Centro de Comercialização Regional de Produtos Agrícolas – o Mercado do Produtor de Irecê –, inaugurado pelo Governo do Estado, nesta quinta-feira (21), no município. A implantação do Centro, que possui seis mil metros quadrados de área construída, contou com recursos de R$ 5,7 milhões, sendo R$ 4,5 milhões em investimentos do governo estadual. A estrutura conta com galpões para boxes e comercialização de pedras, além de reservatório elevado, praça com sanitários, lanchonetes, restaurante e uma sala de administração. Presente no evento de entrega, o governador Rui Costa explicou como será o funcionamento do centro. “O Governo do Estado entregou o mercado com uma infraestrutura moderna, além de ter realizado urbanização e pavimentação do entorno. Agora, a estrutura será administrada pelos próprios produtores, trazendo associações e cooperativas. Portanto, é um centro que terá autonomia funcional”, afirmou o governador. Ainda no campo da agricultura, foi entregue um caminhão tipo caçamba, com capacidade para suportar carga de cinco toneladas. O veículo servirá ao Consórcio de Desenvolvimento Sustentável do Território de Irecê.

21 de junho de 2018, 14:24

BRASIL TCU calcula desvios de R$ 600 milhões no Rodoanel Norte, diz Lava Jato

As irregularidades no Trecho Norte do Rodoanel de São Paulo podem ter provocado um desvio de aproximadamente R$ 600 milhões, segundo cálculos apontados pelo Tribunal de Contas da União (TCU). A informação foi dada pela procuradora da República Anamara Osório, da força-tarefa da Operação Lava Jato que deflagrou nesta quinta-feira, 21, a Operação Pedra no Caminho, e prendeu 15 suspeitos, entre eles o ex-diretor da Dersa e ex-secretário de Logística e Transportes do Governo Geraldo Alckmin, Laurence Casagrande. “Como a obra do Rodoanel Norte consiste em 6 lotes, foram vários aditivos de todos lotes”, explicou Anamara. “O que o Tribunal de Contas CU apurou foi que as irregularidades consistiram em mais ou menos R$ 600 milhões. De 2013 até 2017.” A procuradora destacou que os técnicos do TCU fizeram fiscalização em campo. “A fiscalização do TCU foi além das planilhas contratuais, dos contratos, dos aditivos, do projeto básico. A fiscalização do TCU foi a campo. Entrou na Dersa.” Anamara é taxativa. “Existe com certeza indícios fortes de irregularidades no lote 2 que é o lote da construtora OAS.” As obras contaram com recursos da União, do Governo do Estado de São Paulo e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e foram fiscalizadas pela Dersa, estatal responsável por obras rodoviárias de São Paulo. São alvos dos mandados ex-diretores da Dersa, executivos das Construtoras OAS e Mendes Junior, de empresas envolvidas na obra e gestores dos contratos com irregularidades.

Estadão

21 de junho de 2018, 14:10

ECONOMIA Cresce chance de teto de gasto e regra de ouro serem descumpridos, diz IFI

Aumentaram as chances de o próximo governo, a ser eleito no pleito de outubro, ver o teto constitucional para os gastos públicos ser rompido e a regra de ouro, descumprida, afirmou nesta quinta-feira o diretor-executivo da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado Federal, Felipe Salto. Nas contas do especialista, há uma margem de apenas R$ 9 bilhões para serem ajustados em nome das duas regras no orçamento do próximo ano, disse em palestra no Rio. Em março, os cálculos apontavam que essa margem poderia ficar em R$ 19 bilhões, como divulgou a IFI à época. O cálculo considera que o funcionamento dos ministérios demanda em torno de R$ 80 bilhões, dentro de R$ 89 bilhões dos gastos discricionários que poderiam de fato ser cortados. Como o funcionamento mínimo dos ministérios (gastos com luz, insumos básicos, etc.) na prática é difícil de cortar, restam os R$ 9 bilhões. O desafio do próximo governo será ainda maior, pois os gastos com o subsídio ao diesel, que este ano não entram no teto de gastos por serem crédito extraordinário, teriam de ficar dentro do limite caso sejam repetidos em 2019. Salto citou na palestra que o efeito líquido do subsídio ao diesel no resultado primário ficará entre R$ 7 bilhões e R$ 7,5 bilhões este ano. “Resta saber o que o presidente vai fazer diante da iminente rompimento do teto”, afirmou Salto, na palestra durante seminário sobre política fiscal, promovido pelo Banco Mundial e pela EPGE, a escola de economia e finanças da Fundação Getulio Vargas (FGV) no Rio.

Estadão

21 de junho de 2018, 14:00

BAHIA Liga Bahiana contra o Câncer vai receber mais recursos do Ministério da Saúde

Foto: Divulgação

Humberto Luciano, deputado José Rocha e o ministro Gilberto Occhi

O ministro da Saúde, Gilberto Occhi garantiu que vai elevar os recursos destinados à Liga Bahiana Contra o Câncer(LBCC), instituição mantenedora do Hospital Aristides Maltez, durante audiência com o líder do PR, deputado José Rocha e o superintendente da LBCC, Humberto Luciano Souza, na noite de quarta(20), em Brasília. A expectativa é de que o valor adicional alcance até R$ 18 milhões. O ministro disse que em breve vai autorizar a liberação de parte dos recursos adicionais e o que restante vai depender da disponibilidade orçamentária do ministério. “O ministro demonstrou sensibilidade com nossa demanda e também reconhecimento pelo trabalho louvável da Liga Bahiana e do Hospital Aristides Maltez”, destacou José Rocha. Durante a audiência também ficou acertada visita do ministro às dependências do hospital no próximo dia 06 de julho.

21 de junho de 2018, 13:46

EXCLUSIVA Otto enfrenta PSB e diz que Davidson tem mais legitimidade para suplente de Wagner

Foto: Ag. Senado/Arquivo

Senador Otto Alencar

O senador Otto Alencar, presidente estadual do PSD, disse hoje a este Política Livre que o PCdoB tem mais legitimidade para pleitear a primeira suplência do candidato ao Senado Jaques Wagner (PT) do que o PSB da senadora Lídice da Mata. “Todos que estiveram desde o início apoiando a candidatura de Rui Costa, lá em 2014, têm mais legitimidade para disputar qualquer espaço na chapa do governador hoje”, afirmou Otto, referindo-se, indiretamente, ao fato de a senadora Lídice da Mata (PSB) ter concorrido ao governo, naquela eleição, contra Rui, num momento em que ele tinha traço nas intenções de voto e, portanto, supostamente precisava do apoio de todos os aliados do petismo para disputar a sucessão estadual. O PCdoB se opõe à indicação do deputado federal Bebeto (PSB) para a suplência de Wagner, forçando a mão para que o indicado seja o deputado federal comunista Davidson Magalhães, porque tem certeza de que o ex-governador pode vir a se afastar do mandato – para assumir uma secretaria estadual ou mesmo um ministério -, o que permitiria ao suplente tomar posse como senador. Do grupo de forças aliadas de Rui Costa, além dele próprio e de seu partido, a sigla mais próxima de Otto e do seu PSD é o PCdoB. O partido trabalhou pesado por sua eleição ao Senado em 2014, recebendo como gratidão o apoio que deu à deputada federal comunista Alice Portugal para a disputa da Prefeitura de Salvador, em 2016, mesmo contra a vontade do governador. Otto virou alvo do PSB de Lídice por ter bancado a indicação do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Angelo Coronel (PSD), para a segunda vaga ao Senado na chapa de Rui Costa.

21 de junho de 2018, 13:38

BRASIL Pelo Twitter, governo defende ações para acolher imigrantes

O Palácio do Planalto divulgou um vídeo no Twitter defendendo as medidas do governo federal para acolher imigrantes, principalmente os venezuelanos, que chegam ao Brasil. Ao longo do dia de hoje (21), o presidente Michel Temer inspeciona, em Boa Vista, um abrigo, o posto de identificação e recepção dos imigrantes que chegam à cidade fronteiriça de Pacaraima e o posto de triagem da Polícia Federal. No vídeo, uma narradora diz que os venezuelanos vieram ao Brasil fugindo da fome e da crise para tentar sobreviver. E acrescenta que há brasileiros que criticam a atitude do governo de ajudar os imigrantes, argumentando que se trata de uma questão humanitária e de sobrevivência e, por isso, o governo não poderia deixar de prestar atendimento. “Milhares já chegaram e, é claro, o governo não podia simplesmente dar as costas para essa questão humanitária. Mas muita gente reclamou, ‘tanto brasileiro passando necessidade e o governo priorizando os venezuelanos’. Gente, não é uma questão de preferência, é questão de sobrevivência. O governo está acolhendo esses seres humanos que não têm outra escolha. Ou eles migram para outro país ou eles vão morrer”, diz a narradora. “O que você faria?”, questiona. Na peça há um pedido para que os brasileiros se coloquem no lugar dos venezuelanos. “E se fosse o contrário? Brasileiros no desespero precisando entrar em outro país e sendo barrados?”. O vídeo informa que o governo tomou as medidas necessárias para preparar a região de fronteira para receber os imigrantes. Nos últimos meses, Roraima passou a receber venezuelanos diariamente devido à crise econômica e política pela qual passa o país.

Agência Brasil