28 de abril de 2017, 17:30

SALVADOR Câmara aprova projeto que institui o “Dia Municipal do Quadrilheiro Junino”

Foto: Divulgação

Projeto foi aprovado na última quarta-feira

A Câmara Municipal de Salvador aprovou na quarta-feira (26) o Projeto de Lei número 144/17, apresentado pelo líder do PV na Casa, o vereador Sabá, que institui o dia 27 de junho como o “Dia Municipal do Quadrilheiro Junino”. A iniciativa tem como principal objetivo promover e enriquecer a cultura junina, homenageando aqueles que fazem acontecer uma das mais tradicionais festas populares comemoradas na capital baiana e em todo nordeste brasileiro. Satisfeito com a sensibilidade dos colegas da Câmara, que aprovaram o projeto, Sabá classificou a aprovação como uma vitória não só dos quadrilheiros juninos, mas sim de toda população soteropolitana que, de certa forma, contribui para que essa tradição continue viva. “Esse é um desejo antigo dos quadrilheiros de Salvador, categoria que trabalha duro o ano inteiro para trazer alegria para todos nós, lembrando que essa é uma tradição que é festejada anualmente em praticamente todo norte e nordeste do país. Espero que a aprovação desse projeto, que contou com a sensibilidade dos colegas da Câmara Municipal, seja o pontapé inicial para a valorização desses profissionais. O Dia do Quadrilheiro Junino é uma conquista de todos os soteropolitanos”, disse o edil. “Nós não podemos esquecer desse profissional de imensa importância para nossa cultura. Arrisco a dizer que sem eles os festejos juninos seriam vistos de outra maneira. É importante ressaltar que muitos grupos de quadrilhas juninas já trabalham hoje em regime de profissionalismo. Posso até citar como exemplo a quadrilha Capelinha do Forró, da Capelinha de São Caetano, que já ganhou inúmeras premiações se apresentando na capital e interior da Bahia”, lembrou o vereador, completando que é importante que os pares da Casa Legislativa olhem para os profissionais do segmento em questão, que ajudam a elevar a cultura popular. Inúmeras cidades brasileiras, com destaque especial para as localizadas nas regiões norte e nordeste, resgatam essa tradição popular por intermédio de diversos grupos de quadrilhas juninas, que têm em sua formação mais de 50 integrantes. O quadrilheiro é o responsável por dar forma e vida a todo o processo de construção das quadrilhas que se apresentam nos festejos juninos. Um profissional que se dedica o ano inteiro para fomentar a cultura popular brasileira. “A luta para manter viva essa manifestação cultural perpassa pela dedicação de homens e mulheres que em meio às adversidades, priorizam por transmitir a alegria para centenas de pessoas mantendo os costumes regionais”, finalizou. Com a aprovação da Câmara Municipal, o projeto segue agora para a sanção do prefeito ACM Neto.

28 de abril de 2017, 17:29

BRASIL Planalto dá ultimato a Renan após críticas à reforma

Foto: Divulgação

essoas próximas ao presidente Michel Temer afirmam que ele está “indignado” com a postura do líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), contra as reformas trabalhista e previdenciária. Nesta sexta-feira, 28, o presidente do partido, Romero Jucá (PMDB-RR), deu um ultimato ao líder. A aliados, Jucá já avaliou que a permanência de Renan no cargo dependerá do seu “comportamento quando as reformas começarem a tramitar” na Casa.Por meio de nota, Jucá declarou que “qualquer decisão sobre a liderança do partido no Senado cabe à bancada de senadores” e que não conversou sobre o assunto com o presidente Temer. Renan, por sua vez, disse que “não está sabendo” de nenhum tipo de movimento contra ele, nem leu a nota do presidente da legenda. “Não sei se há movimento, se não há”, respondeu. Ele destacou que a semana foi “muito tranquila” e “agradável.Na quinta-feira, 27, Renan voltou a criticar a reforma trabalhista em discurso no plenário, que começará a tramitar no Senado a partir da próxima semana, após ser aprovada na madrugada de quinta-feira, 27, na Câmara. O líder da bancada defendeu que os senadores têm o dever de mudar o texto. Segundo ele, a proposta chega a “constranger” e “coagir” integrantes da base governista. “Não acredito que essa reforma saia da Câmara e chegue aqui, ao Senado Federal – reforma de ouvidos moucos -, sem consultar opiniões; reforma que só interessa à banca, ao sistema financeiro, rejeitada em peso e de cabo a rabo pela população; reforma tão malfeita, que chega a constranger e a coagir a base do próprio governo. Por isso ela vai e volta, de recuo em recuo” disse Renan.O líder da bancada atua nos bastidores para atrasar a tramitação da reforma e modificar o texto defendido pelo governo. A ideia seria fazer com que a proposta tenha que passar pelo maior número possível de comissões (pelo menos três), antes de seguir para o plenário. Já os governistas querem que o texto passe por apenas um colegiado, em caráter de urgência, podendo ser aprovado em até três semanas no plenário.Para o senador Eduardo Braga (PMDB-AM), o presidente do partido não deve interferir em assuntos da bancada. “Não é o presidente em exercício do PMDB que tem que falar sobre liderança da bancada. O presidente em exercício do PMDB está dando uma nota estapafúrdia”, reclamou. Jucá foi eleito vice-presidente do PMDB mas assumiu o comando da sigla após Temer ser nomeado presidente da República, no ano passado.Já o senador Airton Sandoval (PMDB-SP) avalia que Jucá deu um recado necessário a Renan. “O líder de uma bancada não pode assumir opiniões pessoais. Entendo que ele, para tomar qualquer decisão, assumir posições a favor ou contra do governo, não pode fazer isso em nome da bancada sem consultá-la. Renan está assumindo opiniões pessoais, atrapalhando o governo, e isso não pode continuar acontecendo”, disse.O senador Raimundo Lira (PMDB-PB) afirmou que desconhece algum movimento contra Renan na bancada ou interferência por parte de Temer. Ele reconheceu, entretanto, que Renan possui força para influenciar a tramitação da reforma trabalhista. “Acho que passar por três comissões seria um preciosismo e até uma forma de obstrução. Mas, se Renan permanecer com essa determinação, o que vai acabar acontecendo é o que ele está querendo”, considerou.

28 de abril de 2017, 17:27

BRASIL Lula diz que não será prejudicado caso Palocci faça delação

Foto: Dida Sampaio/AE

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou nesta sexta-feira, 28, que, se o ex-ministro da Fazenda Antônio Palocci fizer uma delação premiada no âmbito da Operação Lava Jato pode prejudicar muita gente, menos ele. “Tenho certeza absoluta que o Palocci não vai fazer delação. Se fizer, ele pode contar tudo que sabe e tenho certeza que pode prejudicar muita gente, menos eu”, afirmou Lula, em entrevista à Rádio Guaíba, de Porto Alegre (RS). O petista também afirmou que tem certeza de que será inocentado do processo em que é réu na Operação Lava Jato e sobre o qual prestará depoimento ao juiz federal Sérgio Moro no dia 10 de maio, em Curitiba. “Eu tenho convicção, tenho certeza de que sairei desse processo inocentado porque eu sou acusado de uma série de mentiras e inverdades contadas pelo Ministério Público e pela Polícia Federal.”O ex-presidente alegou ainda que está muito tranquilo com seu depoimento. Lula afirmou que dará a resposta às declarações do executivo José Adelmário Pinheiro Filho, o Léo Pinheiro, ex-presidente da construtora OAS, que afirmou em depoimento que o apartamento tríplex no Guarujá, no litoral de São Paulo, pertencia ao petista. “Se eu der a resposta eu vou avisar para eles o que vou dizer no depoimento”, afirmou. O ex-presidente disse acreditar que Léo Pinheiro ficou “constrangido” no depoimento e falou “coisas que eles pediram para ele falar”. O petista afirmou ainda que vai para Curitiba sem nenhum “ressentimento” com Pinheiro.

Estadão Conteúdo

28 de abril de 2017, 17:21

SALVADOR Canteiro de obras da piscina olímpica será iniciado em maio, afirma Geraldo Júnior

Foto: Divulgação

O secretário municipal de Trabalho, Esporte e Lazer, Geraldo Júnior, e o secretário municipal de Infraestrutura e Obras Públicas, Almir Melo, participaram de uma reunião com o fiscal do contrato da Piscina Olímpica, Coronel da Força Aérea Brasileira Gagliardi.A reunião aconteceu na Universidade da Força Aérea no Rio de Janeiro, para definição do GANTT, que é um documento criado pela empresa fabricante da piscina, que serve para definir responsáveis, ações e prazos. Estavam presentes também na reunião os representantes da empresa MYRTHA, fabricante da Piscina e do Ministério do Esporte.Para o titular da pasta, Geraldo Júnior, esse será um grande marco da gestão do Prefeito ACM Neto. “A ideia é trazer uma nova realidade para o esporte da nossa cidade, buscando incentivos e reconhecimento do valor dos atletas que são revelados aqui na Bahia para o cenário nacional”, explica o secretário.

28 de abril de 2017, 17:19

SALVADOR ​Prefeito se reúne com secretários e dirigentes de órgãos

Foto: Divulgação/Agecom

O prefeito ACM Neto comandou na tarde desta sexta-feira (28), no Hotel Fiesta, uma reunião de acompanhamento do planejamento estabelecido pela administração municipal, evento que contou com a participação de todos os secretários e dirigentes de órgãos. Durante o encontro, o prefeito e os secretários apresentaram um balanço das entregas feitas pela gestão e destacaram as principais obras que serão realizadas pelo município. “Mesmo com a crise econômica que se instalou no Brasil, nós, da Prefeitura, somos hoje referência no país pela eficiência, controle de gastos e obras em todos os bairros”, disse o prefeito.Aos secretários e dirigentes, o prefeito disse que vai intensificar o trabalho para continuar mudando o perfil de Salvador. “Temos de fazer ainda mais muito do que no primeiro mandato porque nosso compromisso é fazer de Salvador a melhor cidade do Brasil para seus cidadãos e para os investidores”, disse Neto. Além das reuniões rotineiras com os secretários e dirigentes, a Prefeitura também faz o acompanhamento semanal de todos os projetos em execução no município, através da interação entre a Casa Civil e as demais secretarias e órgãos da administração.​​

28 de abril de 2017, 17:15

MUNDO Imprensa internacional destaca Brasil; BBC vê 1ª greve geral em mais de 2 décadas

A imprensa internacional deu destaque à greve geral realizada no Brasil nesta sexta-feira, 28. Diversos veículos de comunicação de fora do País mencionaram as paralisações de diversas categorias e protestos em várias cidades brasileiras contra as reformas trabalhista e da Previdência do governo do presidente Michel Temer. A agência de notícias Associated Press repercutiu as informações sobre a falta de transporte público pelo Brasil, “à medida que manifestantes fecharam estradas e entraram em confronto com a polícia”. Segundo a AP, o governo do presidente Michel Temer argumenta que a flexibilização das leis trabalhistas “darão vida a uma economia moribunda” e alertou que o sistema previdenciário “irá falir sem mudanças”. “A economia brasileira passa por uma grande recessão e muitos brasileiros estão frustrados com o governo Temer, que argumenta que as alterações irão beneficiar os cidadãos no longo prazo. Mas com tantos brasileiros desempregados, muitos sentem que não podem suportar qualquer corte em seus benefícios”, segundo a reportagem. As informações da agência foram replicadas pelos jornais New York Times e Washington Post. O Wall Street Journal afirmou que a greve “praticamente paralisou” o trânsito em São Paulo e que os manifestantes querem impedir o governo de cortar o “generoso sistema previdenciário” do País. “Nos últimos dois anos, o Brasil passou pela sua pior recessão, que acabou com a sua receita fiscal, o que tornam as mudanças ainda mais urgentes, segundo alguns economistas”, destacou o jornal. O agência britânica BBC repercutiu que esta “é a primeira greve geral no País em mais de duas décadas”. “As pesquisas sugerem que o presidente Michel é muito impopular, mas até hoje, ele ainda não havia enfrentado uma demonstração disso em massa como nesta greve”, segundo a publicação.A BBC ainda trouxe a informação de que o projeto da reforma trabalhista está progredindo no Congresso “ao mesmo tempo em que o País passa por um escândalo de corrupção que não termina, ligado a muitos políticos importantes, o que aumenta o descontentamento do povo”. “Independente do resultado dos protestos, Temer ainda parece relativamente forte no Congresso. Essa é a marca de sua administração: um presidente que tem rejeição nas ruas, mas consegue fazer as coisas andarem no Congresso”, destacou a BBC.

Agência Estado

28 de abril de 2017, 17:00

BRASIL Juízes e policiais federais fazem ato em apoio à Lava Jato

Foto: Divulgação

Juízes e policiais federais fizeram ato nesta sexta-feira (28), no prédio da Justiça Federal

Juízes e policiais federais fizeram ato nesta sexta-feira (28), no prédio da Justiça Federal, contra a Lei do Abuso de Autoridade e as tentativas de enfraquecimento da Operação Lava Jato. Eles também criticaram a forma como está tramitando o projeto da reforma da Previdência Social, proposto pelo governo federal. “A Lei de Abuso de Autoridade criminaliza as atuações do juiz, da Polícia Federal e do Ministério Público. Este momento é inadequado para a discussão desta lei. A Operação Lava Jato vem prendendo corruptos dos mais altos escalões da politica nacional. Este projeto é uma ameaça direcionada à Lava Jato”, disse o presidente da Associação dos Juízes Federais do Rio de Janeiro e Espírito Santo, Fabrício Fernandes de Castro. A Polícia Federal (PF) foi representada pelo diretor-regional da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal, delegado Luiz Carlos Cruz . “A Polícia Federal não vai se intimidar como nunca se intimidou. Nós vamos as últimas consequências. Em determinados momentos temos que agir com firmeza, mas isto não significa abuso de autoridade, apenas usamos a força necessária para aplicar a lei. Tem grupos de políticos querendo votar medidas para tentar intimidar a operação [Lava Jato]“. Os participantes do ato também demonstraram contrariedade com as mudanças na reforma da Previdência Social. Segundo o grupo, mesmo que sejam necessárias as mudanças no sistema, não está havendo diálogo suficiente com a sociedade. Funcionários da Justiça Federal também fizeram ato de protesto contra as reformas da Previdência Social e trabalhista, na calçada em frente ao prédio da Justiça Federal. Para o diretor do Sindicato da Justiça Federal no Rio de Janeiro, Marcelo Costa Neris, ambas reformas retiram direitos adquiridos dos trabalhadores. “Estamos participando da greve geral, uma vez que essas reformas não foram negociadas com os trabalhadores. Negociaram com os empresários da indústria, do comércio, dos setores financeiro e agronegócio, mas em nenhum momento sentaram para dialogar com os trabalhadores. A reforma trabalhista atinge os servidores da iniciativa privada e públicos que poderão ser demitidos em massa, se um um órgão público for extinto”, disse Marcelo Neris.

Agência Brasil

28 de abril de 2017, 16:44

EXCLUSIVA Com vitória na mão, Everaldo pode passar comando do PT a outro

Foto: Divulgação/Arquivo

Presidente do PT, Everaldo Anunciação

Com a decisão da direção nacional do PT de validar os 20 mil votos totalizados pela Secretaria de Organização partidária na Bahia no PED que elegeu os novos diretórios municipais e os delegados à convenção estadual, o atual presidente do partido, Everaldo Anunciação, está praticamente reeleito na convenção do próximo sábado, já que seu grupo fechou uma aliança com o deputado federal Valmir Assunção que lhes dá a maioria na direção da agremiação.

Mesmo assim, Everaldo quer ter primeiro uma conversa com o governador Rui Costa (PT), o ex-governador Jaques Wagner e o secretário estadual de Relações Institucionais, Josias Gomes, antes de colocar seu nome à apreciação dos convencionais. “Tenho 10 anos no comando do PT. Acho que o partido precisa de uma oxigenação, por isso não descarto, a depender destas conversas, apresentar um nome alternativo”, diz Everaldo ao Política Livre.

Ele acha que poderiam se incumbir da tarefa de dirigir o partido neste mandato excepcional de dois anos tanto nomes tradicionais como o do ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli e do ex-deputado federal Emiliano José quanto lideranças mais jovens, a exemplo dos sindicalistas Deivyd Barcelar, do Sindicato dos Petroleiros, e Rosângela Souza, da Fetrab (Federação dos Trabalhadores na Agricultura).

Este Política Livre apurou, no entanto, que Rui, Wagner e Josias devem fazer um apelo a Everaldo para que permaneça na direção petista, alegando que o mandato que se inicia será transitório. No caso de permanecer, o presidente, entretanto, vai buscar um pacto com as demais chapas concorrentes e construir a transição para uma mudança no comando da agremiação daqui a dois anos.

28 de abril de 2017, 16:30

BRASIL STF marca para terça julgamento que pode libertar Dirceu

Foto: Divulgação

O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) marcou para a próxima terça-feira (2) a retomada do julgamento do pedido de liberdade do ex-ministro José Dirceu, preso por determinação do juiz federal Sérgio Moro na Operação Lava Jato. Dirceu está preso desde agosto de 2015 no Complexo Médico-Penal em Pinhais, região metropolitana de Curitiba.
Na sessão, os ministros voltarão a discutir a validade da decretação de prisões por tempo indeterminado na Lava Jato. Na sessão da semana passada, houve apenas um voto, o do relator, Edson Fachin, a favor da manutenção da prisão. A sessão foi interrompida para ampliar o prazo para que os advogados de Dirceu e do Ministério Público Federal (MPF) possam se manifestar. Faltam os votos dos ministros Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Celso de Mello e Ricardo Lewandowski. Em seu voto, Fachin concordou com os argumentos utilizados por Sérgio Moro para manter a prisão de Dirceu e disse que há várias provas de “corrupção sistêmica” na Petrobras, fato que deve ser interrompido pelas prisões preventivas. Em maio do ano passado, José Dirceu foi condenado a 23 anos de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Na sentença, Moro decidiu manter a prisão preventiva. Posteriormente, o ex-ministro da Casa Civil teve a pena reduzida para 20 anos e 10 meses. Ele foi acusado de receber mais de R$ 48 milhões por meio de serviços de consultoria, valores que seriam oriundos de propina proveniente do esquema na Petrobras, de acordo com os procuradores da Lava Jato. No STF, a defesa de Dirceu sustentou que o ex-ministro está preso ilegalmente e deve cumprir medidas cautelares diversas da prisão. Os advogados também argumentam que Dirceu não oferece riscos à investigação por já ter sido condenado e a fase de coleta de provas ter encerrado.

Agência Brasil

28 de abril de 2017, 16:15

MUNDO Secretário de Estado dos EUA critica ONU por não impor sanções à Coreia do Norte

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, criticou nesta sexta-feira o Conselho de Segurança da ONU por não ter aplicado plenamente sanções contra a Coreia do Norte, dizendo que se o organismo tivesse agido, as tensões sobre o programa nuclear norte-coreano poderiam não ter se intensificado. As informações são da agência Reuters. “Se esse organismo tivesse imposto plenamente e apoiado as resoluções decretadas no passado, aplicando vigorosamente as sanções com total conformidade, talvez nós não nos encontrássemos confrontados com o alto nível de tensão que enfrentamos hoje”, disse Tillerson aos 15 membros do Conselho de Segurança, no final de uma reunião sobre a Coreia do Norte. “Nós não vamos negociar para voltar ao processo de negociação com a Coreia do Norte, nós não vamos recompensar as violações deles das resoluções anteriores, nós não vamos recompensar o mau comportamento deles com conversas”, acrescentou o secretário de Estado.

Agência Brasil

28 de abril de 2017, 16:00

ECONOMIA Contas de luz continuam com bandeira vermelha em maio

Foto: Divulgação

As contas de luz vão continuar com a bandeira vermelha no mês de maio. A decisão foi anunciada nesta sexta-feira, 28, pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Com a bandeira vermelha em seu primeiro patamar, serão adicionados R$ 3,00 a cada 100 quilowatt-hora (kWh) consumidos. O sistema de bandeiras é atualizado mensalmente pelo órgão regulador, que avalia a situação dos reservatórios em todo o País para tomar uma decisão. “Como o sinal para o consumo é vermelho, os consumidores devem fazer uso eficiente de energia elétrica e combater os desperdícios”, informou a Aneel. É o segundo mês consecutivo em que vigora a bandeira vermelha. O recurso ficou acionado durante todo o ano de 2015 e nos meses de janeiro e fevereiro de 2016. De lá para cá, as contas mensais oscilaram entre bandeiras verde e amarela. A bandeira vermelha possui dois patamares de cobrança. Quando o custo das termelétricas ligadas supera R$ 422,56 por megawatt-hora (MWh), a Aneel utiliza o primeiro patamar da bandeira vermelha, que adiciona entre R$ 3,00 a cada 100 kWh consumidos. Se o custo dessas usinas for superior a R$ 610,00 por MWh, o sistema atinge o segundo patamar da bandeira vermelha cujo acréscimo é de R$ 3,50 a cada 100 kWh. Em março, vigorou a bandeira amarela, que adiciona R$ 2,00 para cada 100 kWh consumidos. De dezembro a fevereiro, havia vigorado a bandeira verde, sem nenhuma cobrança adicional na conta de luz.

Agência Estado

28 de abril de 2017, 15:45

BRASIL Para Planalto, greve não terá impacto na reforma da Previdência

Foto: Divulgação

Na avaliação do Palácio do Planalto, maioria da população não concorda com a greve

O governo avalia que o estrago que a greve geral poderá fazer na votação da reforma da Previdência será menor do que o esperado. Para o Palácio do Planalto, o movimento está enfraquecido porque a população brasileira não concorda com as paralisações centradas, principalmente, nos serviços de transportes. A avaliação do Palácio do Planalto é semelhante com a opinião do presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), manifestada nesta sexta-feira (28), em relação à greve. O parlamentar desqualificou as manifestações, as quais chamou de piquete, termo usado para definir um bloqueio, por um grupo de grevistas, dos acessos aos locais de trabalho. Já para o líder do PT na Câmara, deputado Carlos Zaratini (SP), a vida do governo ficará mais difícil daqui para frente, ao tentar aprovar a reforma da Previdência. Na avaliação dele, a greve demonstra que a maioria da população repudia as chamadas reformas.

28 de abril de 2017, 15:30

MUNDO Evo Morales diz que secretário-geral da OEA conspira contra a Venezuela

O presidente da Bolívia, Evo Morales, acusou, nesta sexta-feira (28), o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA) e ex-chanceler uruguaio, Luís Almagro, e alguns países da entidade, de “conspirar” contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. As informações são da agência de notícias espanhola EFE. Em entrevista coletiva em La Paz, Morales disse que “a Venezuela vive um golpe de Estado”, porque foi pedida a renúncia de Maduro. Segundo Morales, a OEA quer “acabar com a democracia” venezuelana. “Lamento muito que alguns países membros da OEA, liderados pelo secretário-geral Almagro, comecem a conspirar. A OEA nunca esquece seu passado golpista, sua tradição golpista”, sustentou Morales. Segundo o chefe do governo boliviano, a OEA “nunca se manifesta” quando há golpes de Estado contra presidentes “de esquerda”. Morales, que é aliado de Maduro, disse que a anunciada intenção do governo venezuelano de sair da OEA deve-se ao fato de a organização ter aprovado a convocação de uma reunião de chanceleres para abordar a crise política na Venezuela, apesar da rejeição frontal de seu governo a essa sessão. As críticas de Evo Morales a Almagro foram constantes desde que este último invocou a Carta Democrática da OEA para impor sanções à Venezuela. O governante boliviano já havia responsabilizado o secretário-geral da OEA pela violência registrada na Venezuela em meio aos protestos da oposição e o acusou várias vezes de antepor os interesses dos Estados Unidos aos dos povos latino-americanos. Morales reiterou que, por trás dos conflitos na Venezuela, há uma intenção de “se apossar do petróleo venezuelano “.

Agência Brasil

28 de abril de 2017, 15:15

BRASIL MEC prorroga prazo de renovação do Fies para 31 de maio

Foto: Divulgação

Inicialmente, o prazo para renovação do Fies iria encerra neste domingo (30)

O prazo para renovação semestral dos contratos de financiamento do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) foi prorrogado para o dia 31 de maio. Inicialmente, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), do Ministério da Educação, havia estipulado para este domingo (30) o prazo limite de renovação. Foi prorrogado também o prazo para a realização de transferência integral de curso, ou de instituição de ensino, e de solicitação de dilatação do prazo de utilização do financiamento, respectivamente, referente ao 1º semestre de 2017, como informa a portaria publicada nesta sexta-feira (28), no Diário Oficial da União. Os aditamentos deverão ser realizados por meio do Sistema Informatizado do Fies (SisFIES). O Fies oferece financiamento de cursos superiores em instituições privadas a uma taxa de juros de 6,5% ao ano. O aluno só começa a pagar a dívida após a formatura.

28 de abril de 2017, 15:00

BRASIL Reforma não vai tirar direito de ninguém, diz Alckmin

No dia em que trabalhadores em todo o País fazem uma greve geral contra as reformas do presidente Michel Temer (PMDB), especialmente a da Previdência, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), saiu em defesa da proposta do governo federal de reformar o sistema previdenciário. Durante discurso no encerramento do Congresso Estadual de Municípios, em Campos do Jordão, que foi transmitido pela internet, o tucano afirmou que a reforma da Previdência precisa ser mais valorizada e defendida. “Nós estamos fazendo uma reforma que precisa ser mais valorizada porque é uma mudança cultural”, disse. “A reforma da Previdência não é para tirar direito de ninguém, mas é para nós caminharmos para o regime geral de Previdência onde o público nos seus três níveis terão as mesmas regras.” O tucano reforçou que “as reformas são essenciais, se não o Brasil não avança”. A uma plateia de prefeitos, secretários, deputados estaduais e federais, ele afirmou que é “nosso dever” trabalhar pela aprovação das propostas do governo federal para garantir geração de emprego e renda no futuro. No discurso, o governador destacou obras de seu governo, especialmente o programa de concessões e o leilão do lote “Rodovias dos Calçados”, realizado nesta semana. O tucano anunciou ainda aos prefeitos um programa de crédito para as prefeituras comprarem veículos, máquinas e equipamentos no valor de até R$ 500 mil. Pelo programa anunciado por Alckmin, as prefeituras poderão aderir ao financiamento com seis meses de carência e 66 meses para pagar. A taxa cobrada dos municípios será apenas a variação do Índice de Preços ao Consumidor – Amplo (IPCA), disse. “Os juros todinhos o Estado vai equalizar, o Estado que vai pagar. Mais uma medida para ajudar as prefeituras a trocarem caminhões, trator, ambulância…”, afirmou o tucano. Alckmin destacou que seu governo está enfrentando dificuldades pela crise econômica brasileira, que fez reduzir a arrecadação do Estado. “Governar com dinheiro é moleza, é fácil. Governar sem dinheiro é tarefa redobrada.”

Agência Estado