12 de novembro de 2007, 11:43

Aleluia fala, no Rio, sobre privatizações no Brasil

O deputado federal José Carlos Aleluia (DEM) faz palestra amanhã na Confederação Nacional do Comércio, no Rio de Janeiro, sobre “as privatizações no Brasil”. Além do deputado, participam do seminário o ex-ministro Delfim Netto, o ex-presidente do Banco Central, Carlos Langoni, o secretário Geral da CNBB, dom Dimas Lara Barbosa, e o presidente da Embratel, Carlos Henrique Moreira.

12 de novembro de 2007, 11:34

João Henrique pensa em romper com PCdoB só depois do lançamento efetivo da candidatura de Olívia Santana

Com a decisão nas mãos sobre se demite ou mantém Ney Campelo, depois que o PCdoB, partido do secretário municipal de Educação, resolveu lançar a vereadora Olívia Santana à sua sucessão, o prefeito João Henrique (PMDB) já teria tomado uma posição.

Ele esperaria primeiro o lançamento efetivo da candidatura da vereadora à sucessão para depois decidir o futuro do PCdoB na administração. “Por enquanto, a gente só ouve o buxixo de que Olívia foi lançada, mas lançamento efetivamente ainda não ocorreu”, analisa um colaborador do prefeito.

Segundo a mesma fonte, embora o PCdoB pense que pode constranger o prefeito obrigando-o a excluir o partido da administração, pagando o preço do desgaste que a atitude deve impor, João Henrique contará com o apoio da população, se optar pelo rompimento com os comunistas.

“Será que a população acha correto que um partido que está na administração deve ter candidato próprio contra o chefe de um governo para o qual trabalha?”, pergunta o mesmo quadro, insinuando que a decisão do prefeito seria respaldada em pesquisas.

12 de novembro de 2007, 11:18

Nova central sindical escolhe Geddel para representá-la

A presença do ministro Geddel Vieira Lima (Integração Nacional) no congresso baiano da UGT (União Geral dos Trabalhadores), realizado neste final de semana, mostra que a central recém-criada da fusão entre CGT, SDS, CAT também já tem representante no Ministério do presidente Lula. Enquanto o ministro Carlo Luppi (Trabalho) veio pela Força Sindical e o ministro Luiz Marinho (Previdência) é da CUT, a nova central escolheu Geddel e manifestou, inclusive, apoio à transposição das águas do rio São Francisco.

12 de novembro de 2007, 09:58

Na surdina, Câmara avalia aumento do número de vereadores

A informação é do blog do Josias, da Folha de S. Paulo:  a Câmara dos Deputados incluiu na pauta de votações desta semana uma emenda constitucional que aumenta de 51.875 para 59.514 o número de vereadores no país.

“Ou seja, serão injetadas nas Câmaras de Vereadores dos 5.562 municípios do Brasil mais 7.639 cadeiras. Aprovada na Câmara, a emenda será enviada ao Senado”, informa o jornalista da Folha.

De acordo com o blog, a proposta vem sendo discutida, na surdina, há quatro anos. O blog diz que se trata de uma reação a uma resolução baixada pelo TSE em abril de 2004.

A decisão do TSE impôs a extinção de 8.528 cadeiras de vereadores em todo País. Se for aprovada, a proposta que tramita no Congresso praticamente reconstituirá o cenário que vigorava antes da intervenção moralizadora do Tribunal.

12 de novembro de 2007, 09:48

Paulo César dispara em Alagoinhas

Enquanto PMDB e PT se engalfinham em Alagoinhas pela Prefeitura da cidade, ocupada hoje por um petista, quem corre por fora é o ex-deputado Paulo César, do PSDB, que teria batido a casa dos 40% nas intenções de voto à sucessão municipal, segundo as últimas pesquisas realizadas pelo partido no município.

11 de novembro de 2007, 18:44

PCdoB lança Olívia Santana à Prefeitura e desafio ao PMDB

O PCdoB não vai ceder às pressões do PMDB para deixar a administração municipal devido ao fato de ter lançado a vereadora Olívia Santana à Prefeitura de Salvador, conforme decisão tomada este final de semana em sua Conferência estadual.

O partido avalia que é melhor ser “posto para fora” do governo e criar mais um fato político contra João Henrique (PMDB) do que entregar os cargos na Prefeitura em obediência ao princípio de que só pode ficar no governo quem assumir publicamente o apoio ao prefeito.

“Vivemos um momento republicano na política baiana onde todas as forças políticas que lutaram contra ACM estão unidas. Tirar o PCdoB da Prefeitura será um ato de autoritarismo que marcará nossa nova história”, adverte o deputado estadual comunista Edson Pimenta.

Segundo ele, o novo momento permite que os partidos aliados disputem o primeiro turno de forma independente na expectativa de se encontrar no segundo. “Tirar a secretaria (de Educação) que faz o trabalho que faz será um ato de autoritarismo e arrogância”, completa.

Irritado com a admoestação do secretário municipal Gilmar Santiago (Governo), feita na Conferência do partido, no sábado, de que o PCdoB não deveria “cuspir no prato que comeu”, o deputado comunista Alvaro Gomes disse que um partido com uma história de 85 anos de lutas como o PCdoB não aceita “interferências”.

“Sairemos (da Secretaria de Educação) no momento oportuno, que não consideramos ser agora. O que não admitimos é que haja patrulhamento nem pressões externas”, completou, acrescentando que a legenda não admite ingerências em sua tática eleitoral.

Este final de semana, o ministro Geddel Vieira Lima (Integração Nacional), que havia advertido o PCdoB quanto à exigência de abrir mão dos cargos que ocupa na Prefeitura se lançasse candidato à sucessão municipal, disse que a decisão de excluir o partido da administração é exclusiva do prefeito João Henrique.

11 de novembro de 2007, 17:35

Frase de Gilmar Santiago irrita de comunistas a petistas

Foi considerado um recado “mal dado” por setores do PT e a totalidade do PCdoB a frase “não se cospe no prato que comeu”, dita pelo secretário municipal de Governo, Gilmar Santiago, durante a Conferência Estadual do PCdoB, no sábado.

Santiago referia-se à hipótese de o PCdoB abandonar o barco governista para deslanchar um projeto solo através da candidatura de Olívia Santana à Prefeitura de Salvador, possivelmente externando um pensamento atribuído ao prefeito João Henrique (PMDB).

Mas tanto em setores do PT quanto para a totalidade dos comunistas, a afirmação foi considerada, além de “infeliz”, de “extremo mal gosto”. “Sem dúvida, o prefeito poderia ter arranjado um mensageiro mais qualificado”, disse a este blog agora há pouco um petista.

10 de novembro de 2007, 19:59

Resposta a Geddel torna Geraldo Simões herói no PT

O secretário estadual de Agricultura, Geraldo Simões, passou a manhã de hoje recebendo parabéns dos seus colegas de PT. Da direita à esquerda do partido, praticamente representantes de todas as tendências teriam ligado para o secretário. Por conta das declarações que deu ao jornal A TARDE sobre a disputa sucessória entre o seu partido e o PMDB em Itabuna, onde já foi prefeito.

10 de novembro de 2007, 19:53

César Borges vai a convenção do PSDB

O senador César Borges (PR) foi a grande surpresa da convenção em que o PSDB reelegeu hoje Antônio Imbassahy seu presidente. Em discurso, lembrou da parceria que formou, quando governador do Estado, com Antônio Imbassahy em benefício da cidade, pontuando que ficou registrado na história da capital baiana a maneira como foi bem administrada na gestão do tucano. “Desejo sucesso a você, Imbassahy, e ao PSDB”, finalizou o senador.

10 de novembro de 2007, 19:28

Oito partidos prestigiam convenção tucana

Pelo menos oito partidos prestigiaram hoje pela manhã a convenção em que o PSDB reelegeu Antônio Imbassahy presidente. Foram PDT, PR, PP, PRP, PTdoB, PAN, PTC e PHS. O presidente do PTB, Jonival Lucas, não foi, mas telefonou para Imbassahy dando os parabéns. Depois de fazer questão de ler a relação dos partidos presentes, o presidente tucano destacou que o fato significava a possibilidade concreta de alianças em Salvador e no interior.

10 de novembro de 2007, 19:05

Wagner reafirma liderança sobre partidos da base, vai a convenção do PCdoB e manda abraço para convencionais do PSDB

Além de ter comparecido à convenção do PCdoB, que deve confirmar amanhã a pré-candidatura da vereadora Olívia Santana à Prefeitura de Salvador, o governador Jaques Wagner (PT) quase prestigiava hoje pela manhã a convenção do PSDB em que o pré-candidato a prefeito Antônio Imbassahy foi reeleito presidente do partido.

O anúncio foi feito em discurso pelo presidente da Assembléia Legislativa, deputado Marcelo Nilo, que acompanhou o governador, na primeira parte da manhã, na convenção do PCdoB. “Eu ía trazer o governador à nossa convenção, mas nos atrasamos no encontro no PCdoB e ele já tinha uma viagem marcada a Conquista”, disse o tucano.

Segundo o deputado, por este motivo, o governador decidiu “mandar um abraço a todos os convencionais do PSDB”. No início da semana, Wagner admitiu que Imbassahy era o mais forte entre os candidatos a prefeito dos partidos que compõem a sua base, praticamente detonando uma crise com o PMDB do prefeito João Henrique.

10 de novembro de 2007, 10:37

Feministas do PT assinam manifesto em apoio a Marcelino

Um grupo auto-intitulado “Feministas do PT” resolveu manifestar apoio à reeleição de Marcelino Galo à presidência do partido.

Em manifesto, 174 militantes afirmam que a gestão de Marcelino contribuiu para a organização das mulheres petistas.

O documento cita o apoio de Galo ao lançamento da campanha do “Laço Branco – homens pelo fim da violência contra as mulheres”, entre outras ações.

“Além disso, contamos com essa direção partidária nos diversos enfrentamentos aos ataques do conservadorismo e da falta de respeito de outras lideranças partidárias, inclusive mulheres, que tentaram, e ainda tentam passar por cima do avanço que foi, para o conjunto das mulheres e para o PT, aprovar a resolução a favor do Aborto Legal”, diz trecho do documento.

9 de novembro de 2007, 17:01

Geddel chama idéia de apoio de Wagner a Imbassahy de “exotérica” e admite conversas com Paulo Souto para 2010

O ministro Geddel Vieira Lima (Integração Nacional) classificou ontem de “absolutamente exotérica e fora de propósito” a idéia de que o governador Jaques Wagner (PT) possa apoiar a candidatura de Antônio Imbassahy (PSDB) a prefeito de Salvador.

“E há várias razões para isto. A primeira delas é que, embora potencialmente ele seja um aliado na Bahia, nacionalmente ele, o partido, é o adversário principal do PT em 2010. Wagner fazer isto seria de um amadorismo político que não é próprio”, disse.

Provocado pelo radialista Mário Kertész, o ministro disse que não via nas declarações de Wagner reconhecendo que Imbassahy é o mais forte entre os candidatos a prefeito dos partidos que integram a sua base “uma cutucada” nele nem no PMDB.

Para Geddel, com as declarações o governador constatou algo “óbvio, porque as pesquisas mostram que Imbassahy está um pouco à frente em Salvador”.

“Agora, entendo que pesquisa a um ano de eleição se fosse parâmetro definitivo Wagner não seria governador da Bahia, porque ele estava lá na rabada das pesquisas até ter o apoio do PMDB, as coisas começarem a crescer e ele virar governador”, completou.

O ministro argumentou que, depois do desaparecimento do senador ACM, “todo mundo conversa com todo mundo na política baiana e é natural que Wagner converse com Imbassahy assim como é natural que daqui a pouco eu sente com Paulo Souto para discutir a sucessão em 2010”.

“Nós todos temos que discutir a Bahia, debater alternativas para que este Estado seja forte politicamente”, disse Geddel, complementando achar que Wagner fez uma análise sociológica do que está acontecendo”, ao falar sobre as candidaturas em Salvador.

Ele afirmou que permanece buscando fortalecer a candidatura do prefeito João Henrique (PMDB) e disse que vai buscar o apoio de todos os partidos que são co-responsáveis pelos erros e acertos da administração municipal.

Lembrado pelo radialista sobre uma nota publicada no site de Cláudio Humberto falando das disputas por espaço entre o PT e seu partido, foi enfático: “Não sou passarinho para que cortem minhas asas. O partido cresce, porque trabalha e isto é importante para a Bahia”. 

9 de novembro de 2007, 12:26

Medrado, a mão que afagou e apedreja

O ministro Geddel Vieira Lima recebe no próximo dia 6 de dezembro, na Câmara Municipal, a Medalha Tomé de Souza, honraria concedida a personalidades que trazem benefícios à cidade, de acordo com os vereadores.

Detalhe: a medalha foi concedida conjuntamente pelo vereador Sylvoney Salles (PMDB) e Marcos Medrado (PDT) no ano passado, época em que o deputado federal ocupava uma vaga na Câmara Municipal.

Hoje, no comando de seu programa diário na Rádio Nova Salvador, Medrado é um dos mais novos críticos do prefeito João Henrique, “xodó político” do ministro.

9 de novembro de 2007, 10:23

Em entrevista ao Estadão, Wagner admite que petistas queriam que ele “botasse para quebrar em cima” de Paulo Souto

Com ar de liderança nacional, em entrevista à edição de hoje do jornal O Estado de S. Paulo, concedida no princípio da semana, em São Paulo, o governador Jaques Wagner confirma seu apoio à candidatura de Zé Eduardo Cardoso à presidência do PT contra Ricardo Berzoini, apoiado pelo presidente Lula.

Também fala sobre a importância da alternância de poder e elogia a postura dos tucanos Aécio Neves e José Serra na discussão da CPMF. Ao responder a pergunta sobre a dificuldade de o presidente Lula reconhecer a contribuição do antecessor FHC, faz reconhecimento ao governo de Paulo Souto, que o antecedeu.

“É difícil, é difícil (o reconhecimento). Nós ainda funcionamos muito na dicotomia. Quando ganhei a eleição, pessoas do PT me diziam: “Bota para quebrar em cima dos caras.” Não é fácil mudar esse comportamento. É evidente que meu projeto é diferente do dele, mas não posso dizer que o ex-governador Paulo Souto não fez nada. Na inauguração de uma fábrica, eu disse: “Deus foi generoso comigo. Os outros trabalharam e eu estou vindo cortar o bolo.” Sabe quando dá aqueles dez segundos de perplexidade e silêncio, antes do aplauso?”.

A entrevista pode ser lida no www.estadao.com.br/estadaodehoje/20071109/not_imp77990,0.php