27 de fevereiro de 2017, 10:56

MUNDO Petróleo opera em alta, refletindo avanço em posições compradas

Os futuros de petróleo operam em alta nesta manhã, em meio à especulação de que a commodity deverá em breve sair do intervalo em que vem sendo negociada e avançar para o patamar de US$ 60 por barril.Às 9h23 (de Brasília), o petróleo tipo Brent para maio, o mais líquido na IntercontinentalExchange (ICE), subia 1,01%, a US$ 56 88 por barril, enquanto o WTI para abril avançava 0,80% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 54,42 por barril. O Brent para abril, que vence amanhã, tinha alta de 0,93%, a US$ 56,51 por barril.Posições compradas líquidas em petróleo, uma aposta de que os preços irão aumentar, vêm crescendo significativamente desde que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e outros grandes produtores começaram a diminuir sua oferta em janeiro.Acordos fechados no fim do ano passado estipulam que a Opep corte sua produção em até 1,2 milhão de barris por dia e que países de fora do grupo, incluindo a Rússia, reduzam sua oferta diária combinada em 558 mil barris.Segundo o Commerzbank, posições compradas líquidas em Brent e WTI ultrapassavam 500 mil e 400 mil contratos, respectivamente, no último dia 21.As cotações do petróleo, porém, têm enfrentado resistência quando se aproximam da casa dos US$ 60 por barril, diante de sinais de avanço constante na produção dos EUA.

AE

27 de fevereiro de 2017, 10:40

MUNDO Oscar 2017 é marcado por gafe histórica e críticas a Trump

Hollywood foi palco neste domingo (26) da grande festa do cinema internacional, o Oscar 2017. Este ano a premiação foi movimentada, com muitas críticas ao presidente norte-americano Donald Trump e uma gafe histórica: o anúncio equivocado do prêmio de melhor filme para La La Land – Cantando Estações. As informações são da Radio Frande Internationale.O final dessa festa ninguém vai esquecer porque o erro foi constrangedor. Os atores veteranos Faye Dunaway e Warren Beatty eram os responsáveis por apresentar o prêmio de melhor filme e anunciaram o musical La La Land – Cantando Estações como o vencedor. De fato, o longa era o grande favorito, com 14 indicações.Porém, quando os produtores de La La Land chegaram ao palco e abriram o envelope, perceberam que o nome impresso era o de Moonlight – Sob a Luz do Luar. A saia justa foi sem igual, sem contar a grande confusão no palco: ninguém sabia o que fazer e o que estava acontecendo.Depois, vieram as desculpas. O apresentador do Oscar 2017, Jimmy Kimmel, quis saber porque Warren Beatty anunciou La La Land – Cantando Estações no lugar de Moonlight – Sob a Luz do Luar. O ator explicou que estava com o envelope com a informação equivocada, que no qual estava escrito Emma Stone – La La Land. Momentos antes, a atriz havia recebido o prêmio de melhor atriz por sua atuação no musical.A situação foi muito constrangedora para todos, mas, no final, a estatueta ficou mesmo com Moonlight – Sob a Luz do Luar. O longa, que conta a história de um menino da periferia de Miami, também recebeu o prêmio de melhor roteiro adaptado e melhor ator coadjuvante, para Mahershala Ali, primeiro ator muçulmano a receber o Oscar em 89 anos da premiação.Na manhã desta segunda-feira (27), o escritório responsável pela entrega das estatuetas pediu desculpas e explicou que, de fato, Faye Dunaway e Warren Beatty receberam o envelope com a informação errada.

Estadão Conteúdo

26 de fevereiro de 2017, 11:00

MUNDO Rússia: Milhares protestam em memória de líder oposicionista morto

Milhares de russos estão marchando nas ruas de Moscou para marcar a data de dois anos desde que o líder oposicionista Boris Nemtsov foi morto a tiros perto do Kremlin. Nemtsov foi um forte crítico do presidente russo Vladimir Putin. Sua morte no dia 27 de fevereiro de 2015 naquilo que pareceu um assassinato encomendado despertou ódio e medo do movimento oposicionista no país. O protesto neste domingo em Moscou deve reunir a maior multidão de opositores do governo desde que marcha com o mesmo motivo foi organizada no ano passado. Manifestantes hoje carregavam bandeiras russas e cartazes com declarações de Nemtsov como: “a Rússia vai ser livre”, “se existe Putin, não existe Rússia” e “nossa única chance está nas ruas”. Manifestações similares em memória de Nemtsov devem ocorrer em outras cidades pela Rússia, incluindo São Petersburgo e a cidade natal do líder oposicionista Nizhny Novgorod.

Estadão

26 de fevereiro de 2017, 10:37

MUNDO Trump volta a atacar New York Times no Twitter

Foto: Divulgação

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, voltou a fazer críticas ao jornal New York Times usando sua conta no Twitter. Ele comentou há pouco o anúncio criado pelo jornal, chamado de “A verdade é difícil” e que será exibido neste domingo durante a premiação do Oscar. “Pela primeira vez o New York Times vai fazer um anúncio (um anúncio ruim) para ajudar a salvar sua falha reputação”, escreveu Trump. “Tentem reportar de forma precisa e justa!”. O New York Times vai transmitir o comercial apenas poucos dias depois de ter sido barrado, junto com outros veículos de imprensa como a rede de TV CNN, em um pronunciamento da Casa Branca. O vídeo de 30 segundos inclui áudio de vozes tratando sobre certas “verdades” que variam de “a verdade é que nossa nação está mais dividida do que nunca” a “a verdade é que a mídia é desonesta”. É a primeira propaganda de TV do Times desde 2010 e seu primeiro anúncio focado em marca em uma década. O vídeo se encerra com as frases: “A verdade é difícil. A verdade é difícil de encontrar. A verdade é difícil de conhecer. A verdade é mais importante do que nunca”. Publicado na página oficial do jornal no Youtube na quinta-feira, o vídeo já foi visualizado mais de 2,5 milhões de vezes.

Estadão

26 de fevereiro de 2017, 09:30

MUNDO Caminhonete atropela multidão e deixa 28 feridos no carnaval de Nova Orleans

Um homem aparentemente sob efeito de álcool e outras substâncias avançou com sua caminhonete contra uma multidão que participava do Mardi Gras, desfile tradicional de carnaval em Nova Orleans, cidade no estado da Louisiana, sul dos Estados Unidos. Pelo menos 28 pessoas ficaram feridas. O chefe de polícia local, Michael Harrison, informou que o condutor foi detido. O prefeito da cidade, Mitch Landrieu, assegurou que não há indícios de que se trate de um caso de terrorismo. “Nossos pensamentos e orações estão com as vítimas feridas por um condutor embriagado na rota do desfile de hoje”, escreveu Landrieu no Twitter. A caminhonete se chocou contra dos veículos e um caminhão antes de avançar contra os pedestres. Segundo a polícia, entre os feridos, cerca de 12 pessoas encontram-se em estado grave. No total foram hospitalizadas 21 pessoas, entre elas um policial e um menino. As vítimas têm entre três e quarenta anos, informou o diário The New Orleans Advocate. Testemunha do acidente, Kourtney McKinnis, 20 anos, afirmou ao Advocate que o condutor não parecia estar consciente do que estava fazendo. As informações são da Agência Télam. O Mardi Gras é uma das celebrações anuais do carnaval mais famosas nos Estados Unidos. Embora o nome se refira à terça-feira de carnaval, o último dia da celebração, ele é usado para referir-se à festa como um todo em Nova Orleans.

Agência Brasil

24 de fevereiro de 2017, 18:13

MUNDO Trump defende nacionalismo e diz que “representa os EUA, não o mundo”

“Eu não estou representando o globo, estou representando o nosso país”. Com esta afirmação, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, arrancou aplausos ao participar nesta sexta-feira (24), como orador, da 44ª Convenção Anual da Ação Política Conservadora (CPAC, na sigla em ingês), em Oxon Hill, Maryland . Na oportunidade, ele manteve a linha nacionalista, voltou a chamar a imprensa de inimiga e defendeu seu plano anti-imigração.A convenção é considerada o evento mais importante para os republicanos e demais conservadores do país. Na convenção do ano passado, na época da pré-campanha eleitoral, Trump foi criticado, mas agora foi prestigiado ao ser escolhido como orador. Segundo a imprensa norte-americana, a última vez que um presidente foi convidado para a CPAC no primeiro ano de seu mandato foi em 1981, com Ronald Reagan.No discurso, Trump reforçou as promessas de construir um muro no México e endurecer as diretrizes sobre deportação de imigrantes irregulares. Ele voltou a enfatizar o seu slogan de campanha Make America Great Again (Tornar a América Grande de Novo), mas pontuou que isso será para os “cidadãos do país em primeiro lugar”.

Agência Brasil

24 de fevereiro de 2017, 17:25

MUNDO Ações de companhia peruana caem 33% por envolvimento em escândalo da Odebrecht

Foto: Divulgação

As ações da Grana y Montero, maior companhia de construção civil do Peru, recuaram 33% em meio a relatos da mídia do país de que a empresa sabia dos subornos pagos pela Odebrecht a políticos peruanos. GyM e Odebrecht criaram joint ventures para desenvolver projetos de infraestrutura no Peru.Segundo a revista “Hildebrandt en sus trece”, a informação sobre a ligação entre as duas companhias foi dada pelo ex-diretor da Odebrecht no Peru, Jorge Barata, que está cooperando com os procuradores peruanos. O governo disse que as empresas envolvidas em corrupção serão retiradas de disputas futuras para obras públicas.O novo episódio do escândalo da Odebrecht no Peru ocorre no dia da visita do presidente do país, Pedro Pablo Kuczynski, aos Estados Unidos, onde conversará com o presidente americano, Donald Trump. Na reunião dos dois, Kuczynski pretende falar sobre comércio, imigração e a crise política na Venezuela. Também é esperado que o líder peruano fale sobre o interesse de empresas de construção dos EUA em investir no Peru. “Isso pode ser um tema-chave da reunião”, disse o ministro das Finanças, Alfredo Thorne. “Precisamos atrair novas companhias para substituir aquelas que tenham se envolvido em corrupção”, afirmou.

Estadão Conteúdo

23 de fevereiro de 2017, 07:33

MUNDO Grupos da República Dominicana pedem para que a ONU investigue caso Odebrecht

Foto: Divulgação

Grupos civis da Republicana Dominicana apresentaram mais de 312 mil assinaturas, nesta quarta-feira, exigindo que o governo crie uma comissão independente para investigar possíveis subornos pagos pela Odebrecht e permita que especialistas da Organização das Nações Unidas (ONU) ajudem com as investigações.”O povo dominicano tem razões de sobra para desconfiar do ministério público”, disse María Teresa Cabrera, ex-diretora do sindicato de professores, após entregar a carta com as exigências do grupo no Palácio Nacional, junto com uma certificação com as firmas reconhecidas chamada “livro verde para o fim da impunidade”. Segurando faixas com os dizeres “prisão aos corruptos da Odebrecht e a seus sócios dominicanos”, dezenas de pessoas vestidas de verde se manifestaram em frente à sede do governo. Fonte: Associated Press.

Estadão Conteúdo

23 de fevereiro de 2017, 07:19

MUNDO Equador confirma que haverá segundo turno em eleição presidencial

A comissão eleitoral do Equador anunciou formalmente na noite desta quarta-feira (22) que haverá segundo turno na eleição presidencial do país. O governista Lenín Moreno e o oposicionista Guillermo Lasso vão disputar a preferência do eleitorado no dia 2 de abril.O primeiro turno foi realizado no domingo. Desde então, o país manteve a expectativa sobre o resultado do pleito. O lento processo de apuração mostrava que Moreno tinha pouco menos de 40% dos votos, enquanto Lasso se mantinha ligeiramente abaixo dos 30% – para vencer no primeiro turno, é preciso obter 40% da preferência do eleitorado e abrir dez pontos sobre o segundo colocado.Nesta quarta-feira, a contagem dos votos atingiu os 99,5% do total, com o governista somando 39,3% e o oposicionista, 28,1%. Não há mais margem estatística, portanto, para que Moreno vença no primeiro turno.O vencedor do segundo turno vai substituir Rafael Correa, presidente do Equador desde 2007.

21 de fevereiro de 2017, 09:10

MUNDO Terrorismo faz com que 1,5 milhão de turistas deixem de ir a Paris em 2016

Cerca de 1,5 milhão de turistas deixaram de ir a Paris em 2016 devido à ameaça terrorista, mostra relatório publicado nesta terça-feira (21) pelo Comitê de Turismo da Ile-de-France, a região onde fica a capital francesa. A informação é da Radio France Internationale (RFI). Os atentados de 2015 em Paris assustaram os turistas, especialmente os estrangeiros. Os hotéis registraram queda total de 9% em suas reservas de visitantes em 2016 em relação a 2015. A baixa mais significativa está entre os turistas chineses: quase 270 mil deixaram de visitar Paris – uma diminuição de 21,5%. No entanto, no setor hoteleiro os japoneses são os principais responsáveis pelos prejuízos: eles fizeram 225 mil reservas a menos em 2016, o que corresponde a uma queda de 41,2%. Entre os visitantes europeus, foram os russos os que mais deixaram de ir à capital francesa. Paris recebeu cerca de 65 mil visitantes da Rússia em 2016, uma diminuição de 27,6%. Depois deles, estão os italianos (-26,1%), espanhois (-9,9%) e britânicos (-8,6%).

Agência Brasil

21 de fevereiro de 2017, 08:47

MUNDO Europeus protestam em Londres por manutenção de direitos após Brexit

Centenas de cidadãos europeus residentes no Reino Unido se manifestaram nessa segunda-feira (20) em frente ao Parlamento britânico, para exigir garantias de que poderão continuar vivendo como antes da implantação do Brexit (saída do Reino Unido da União Europeia). A informação é da Radio France Internationale. Portando cartazes com frases como “não somos moeda de troca”, ou “parem o Brexit, o Brexit é racista”, os imigrantes, alguns há décadas residentes no país, casados com britânicos, ou com filhos e netos nascidos no território, pediram ao governo de Theresa May que assegure que seus direitos não mudarão após a saída do bloco. Oito meses depois do referendo em que os britânicos aprovaram a saída da Europa, May insiste em não oferecer essas garantias até que também as receba de seus sócios europeus – em relação aos 900 mil britânicos que vivem em outros países da União Europeia (UE). Aproximadamente 3 milhões de cidadãos da UE vivem hoje no Reino Unido. “Deve-se esclarecer o quanto antes o que ocorrerá com esses cidadãos, pois é preciso planejar o futuro e eles deveriam ter direito a permanecer onde estão”, afirmou a alemã Kira, 18 anos, envolta na bandeira de seu país. Ela chegou ao Reino Unido quando tinha apenas 1 ano e está com medo, principalmente pelos seus pais e irmãos. “Sou jovem e posso começar uma nova vida na Alemanha”, afirmou.

Agência Brasil

20 de fevereiro de 2017, 20:12

MUNDO Resultado das eleições presidenciais no Equador ainda indefinido

Os resultados das eleições para a Presidência do Equador, realizadas no domingo (19), ainda estão indefinidos, informou o Conselho Nacional Eleitoral (CNE), já que os dados existentes até agora não permitem determinar se haverá segundo turno entre o candidato governista Lenin Moreno (39,13% dos votos) e o opositor Guillermo Lasso (28,13%). As informações são da agência de notícias argentina Télam.Os dados atuais mantêm ainda a possibilidade de segundo turno, no dia 2 de abril, mas ainda é necessária uma contagem precisa dos votos suficientes para que o governista alcance o mínimo requerido para vencer na primeira rodada.Isto porque, no Equador, é possível ser eleito presidente em primeiro turno com o apoio de apenas 40% do eleitorado – desde que haja uma diferença de pelo menos 10 pontos percentuais em relação ao segundo colocado. “Ninguém, nem nada, vai parar esta revolução; ganhamos estas eleições numa disputa justa”, afirmou Moreno, acompanhado pelo atual presidente, Rafael Correa, e um grupo de seguidores, logo após conhecer os resultados das pesquisas de boca de urna.

Agência Brasil

20 de fevereiro de 2017, 09:20

MUNDO Áquila, na Itália, registra novo terremoto de 4 graus

Um terremoto de 4 graus na escala Richter foi registrado na cidade de Áquila, na Itália, nesta segunda-feira (20), informou o Instituto Nacional de Geologia e Vulcanologia (INGV). O tremor ocorreu às 4h13, hora local ((00h13 no Brasil), e atingiu outras cidades da região central da Itália, como as comunas da região de Marcas. O sismo teve 11 quilômetros de profundidade e o epicentro foi registrado a 3 quilômetros (km) de Montereale e a 14 km de Amatrice – devastada por um tremor em agosto do ano passado. A informação é da Agência Ansa. A região central da Itália vem registrando uma sequência de tremores desde o que devastou Amatrice, em 24 de agosto, totalizando quase 50 mil terremotos desde então. Outra cidade devastada pelos terremotos de agosto, Norcia, teve um domingo diferente ontem (19). As primeiras 18 casas de madeira foram entregues aos moradores que perderam tudo. Todos os beneficiados moram no bairro de San Pellegrino. “Este é o resultado de cinco meses difíceis, mas é também a melhor resposta que o Estado poderia dar. Hoje, podemos dizer que as instituições fizeram o melhor possível, mesmo com tantas dificuldades”, disse o prefeito da comuna, Nicola Alemanno. Uma das idosas que recebeu a moradia não escondeu a emoção e disse que está “tremendo toda” ao voltar a ter uma casa. O novo presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, visitou a área central da Itália nesse domingo para demonstrar o apoio da União Europeia à população. “A mensagem que trago de Bruxelas é que a Europa não esquecerá o que aconteceu. A Europa já fez muito para os terremotos de Áquila e da Emília Romana e fará muito para o centro da Itália”, disse Tajani durante a visita, lembrando dos sismos de 2009. O presidente ressaltou que o bloco já liberou 2 bilhões de euros em ajuda, mas lembrou que a Defesa Civil deu um retrato no qual se contam 25 bilhões de euros em danos. “Quando existe uma emergência, não há direita ou esquerda. Busquei levar ao debate [do Parlamento] a sensação de impotência da população, a sensação de viver como se a cabeça estivesse sempre girando. Eu percebi que a população quer ficar em seu território e tem vontade de recomeçar”, acrescentou.

Agência Brasil

20 de fevereiro de 2017, 06:35

MUNDO Eleições presidenciais no Equador devem ir para o segundo turno

Dados oficiais, divulgados na madrugada de hoje (20), indicam que o candidato governista à presidência do Equador, o esquerdista Lenin Moreno, será o mais votado nas eleições desse domingo (19). Mas ele provavelmente terá que disputar um segundo turno, no dia 2 de abril, com o segundo colocado, o conservador Guillermo Lasso. No Equador, é possível ser eleito presidente em primeiro turno com o apoio de apenas 40% do eleitorado – desde que haja uma diferença de pelo menos dez pontos percentuais em relação ao segundo colocado. Segundo o Conselho Nacional Eleitoral (CNE), com 81,4% dos votos apurados, Moreno estava na frente, com 38,9% dos votos, seguido por Lasso, com 28,5%. Antes mesmo de a contagem de votos terminar, Lasso recebeu o apoio da candidata Cynthia Viteri, que ficou em terceiro lugar, com 16,3% dos votos. Ela prometeu votar nele, em abril. Mas o presidente do CNE, Juan Pablo Pozo, alertou que só poderá confirmar a realização de uma segunda votação depois que todas as urnas forem apuradas. As eleições presidenciais deste ano marcam o fim da era Rafael Correa, que conclui seu terceiro mandato em maio, depois de governar o Equador durante uma década. Ele ainda conta com a aprovação de quatro em cada dez equatorianos, que associam os governos dele à estabilidade politica e econômica: de 1997 até a primeira eleição de Correa em 2006, o país teve oito presidentes, sendo que três foram depostos. Economista com formação nos Estados Unidos e na Bélgica, Correa aproveitou a alta dos preços das commodities para investir em educação, saúde e infraestrutura, reduzindo a pobreza. Ele foi reeleito em 2009 e em 2013, mas também foi criticado por sua política personalista e populista e por avançar sobre as instituições e a imprensa. Correa diz que vai voltar à Bélgica quando deixar o cargo: sua mulher é belga e dois de seus três filhos vivem na Europa. Seu candidato, o psicólogo cadeirante Lenin Moreno, promete continuar a Revolução Cidadã de Correa, de quem foi vice nos primeiros dois mandatos. Considerado um conciliador, ele teria mais facilidade que seus padrinho politico para negociar com a oposição no Congresso. Mas o Equador que o próximo presidente herdará, enfrenta uma recessão, agravada pelo fim da bonança petroleira e pelos elevados gastos com a reconstrução, depois do terremoto de abril de 2016.

Agência Brasil

19 de fevereiro de 2017, 12:31

MUNDO Empresário amigo de Trump se posiciona contra muro na fronteira com México

Jorge Pérez, empresário bilionário do setor de construção rompeu com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em razão de suas políticas de imigração e da posição em relação ao México. Com isso, entrou para a lista de empresários que criticaram publicamente a gestão de Trump.Pérez, um amigo de longa data de Trump, é conhecido no sul da Flórida por projetos desenvolvidos em Miami, pela empresa Related Group. Em meados de dezembro, recebeu um e-mail do Trump ao qual o Wall Street Journal teve acesso, com um anexo mostrando uma foto de uma cerca de fronteira perto de San Diego. Na foto, havia uma mensagem escrita em letras maiúsculas: “Qualquer interesse em construir uma parede de 2.000 milhas entre os EUA e o México? Me ligue”.”Eu disse a ele que achava que o muro era imoral e não atingiria os objetivos que ele queria alcançar”, disse Pérez. “Além disso, tenho muitos negócios no México – eu terminei por aqui.”Funcionários do governo Trump não responderam aos pedidos de comentários. Em janeiro, Trump assinou uma ordem que intensificou as deportações e pediu um início rápido na construção de um muro de fronteira com o México. Executivos de empresas com vendas significativas no México estão se manifestando contra a proposta de fronteira e estão utilizando propagandas para divulgar sua posição e evitar deixar de lado uma base de consumidores irritada com as ações do presidente dos EUA.

Estadão Conteúdo