4 de julho de 2018, 06:42

EXCLUSIVA Greve de fome em favor de Lula não terá um baiano

Foto: Daniel Teixeira/Arquivo

Ex-presidente Lula também não vai aderir à greve de fome

Não há um baiano entre os 11 militantes de movimentos sociais que decidiram iniciar uma greve de fome em apelo à libertação do ex-presidente Lula (PT) após as seguidas derrotas no Supremo Tribunal Federal e os sinais emitidos pela presidente da Corte, ministra Carmem Lúcia, de que não pautará ações que pedem a revisão da prisão após segunda instância até setembro. A idéia é a de que o protesto seja iniciado no fim deste mês num acampamento improvisado em Brasília, com o apoio do PT, e mantido até que a situação de Lula seja reavaliada. Lula, claro, não deve aderir à greve de fome.

3 de julho de 2018, 10:30

EXCLUSIVA Namoro de Neto com Ciro visa a tirar PT do jogo sucessório para enfraquecer Rui

Foto: Valter Pontes/Arquivo

Prefeito ACM Neto tem trabalhado com um olho político firme na sucessão presidencial

O prefeito ACM Neto, presidente nacional do DEM, trocou apenas um cumprimento, na abertura do desfile do 2 de Julho, ontem, com o presidenciável Ciro Gomes, do PDT, mas o aceno foi suficiente para reacender as suspeitas de que os dois podem entabular conversas visando o apoio do DEM ao pedetista ao Palácio do Planalto.

O plano do prefeito é colocar em discusão na executiva nacional do partido na próxima semana a definição do nome que a legenda pretende apoiar à sucessão presidencial. Entre os democratas, a avaliação é de que a agremiação hoje está completamente dividida, com três caminhos à frente.

Um deles é manifestar apoio, e logo, a Ciro. Estão neste time aqueles que não querem, sob hipótese alguma, que o candidato do PDT se aproxime do PT, tirando o partido do ex-presidente Lula de uma vez por todas do jogo sucessório.

Há vários defensores da tese no DEM baiano, para os quais esta seria uma forma de enfraquecer, por exemplo, o governador Rui Costa (PT) não só para esta eleição, mas, principalmente, para a sucessão municipal de 2020, quando se espera que, no caso de ser reeleito agora, o petista vai tentar fazer, a qualquer custo, o sucessor de ACM Neto.

O outro grupo no democratas, aparentemente mais numeroso, continua apostando na candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB) à Presidência. O problema é que o ex-governador de São Paulo pesa feito chumbo, situação que só piora com o desgaste que seu partido enfrenta hoje.

Este é o motivo porque cresce o time de simpáticos à candidatura do senador Álvaro Dias, do Podemos, que também patina, segundo as pesquisas, mas teria alguma chance de projeção, caso estabeleça uma eventual aproximação com o Centrão que já está sendo costurada.

3 de julho de 2018, 10:10

EXCLUSIVA Candidatura de Wagner à Presidência continua avaliada pelo PT nacional

Foto: Elói Correa/Gov-BA/Arquivo

Ex´-governador Jaques Wagner

Apesar da negativa firme do ex-governador Jaques Wagner (PT), dada ontem, durante o cortejo do 2 de Julho, de que não vai concorrer à Presidência da República, nos segmentos sulistas do partido a idéia de que ele e Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo, são favoritos para assumir a candidatura no lugar de Lula continua fortíssima.

29 de junho de 2018, 10:34

EXCLUSIVA Irmão Lázaro explicita apoio de Malta e Bolsonaro e projeto para Igrejar assumir 18 vagas no Senado

Foto: Divulgação/Arquivo

Irmão Lázaro

Um vídeo postado em suas contas nas redes sociais e uma entrevista dada ontem ao Metro 1 explicitou de vez o núcleo do apoio à candidatura ao Senado do deputado federal Irmão Lázaro (PSC). No vídeo, o senador Magno Malta (PR-ES) fala textualmente que incentivou a candidatura do parlamentar a senador com o seu apoio e o do pré-candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro. “Tenho conversado com Bolsonaro e lá na Bahia nós precisamos de um cara igual a Irmão Lázaro”, afirma no vídeo Malta, tido, assim como Bolsonaro, como o supra-sumo da ultra-direita no país. Na entrevista à Metro 1, o próprio Irmão Lázaro afirma que a idéia de sua candidatura ao Senado faz parte de um projeto maior, nacional, que envolve a tomada de pelo menos 18 vagas no Senado por lideranças religiosas. “Estamos tentando levar uma voz mais tradicional ao Senado, para que Magno Malta não fique só”, declarou.

28 de junho de 2018, 19:01

EXCLUSIVA Lúcio diz que unidade só sai se for em torno do candidato do MDB ao governo

Foto: Divulgação/Arquivo

Deputado federal Lúcio Vieira Lima, presidente estadual do MDB

O presidente do MDB da Bahia, deputado federal Lúcio Vieira Lima, disse hoje que só há uma forma de o partido participar do projeto de unidade das oposições no Estado: se for em torno do pré-candidato do MDB ao governo, João Santana. “Não entendo porque dizem que João Santana vai apoiar este ou aquele candidato. O MDB tem tempo de têvê, tem recursos do fundo partidário e tem candidatos a deputado federal e estadual. Não há hipótese de isso acontecer. A unidade não existe, porque os demais não escolheram apoiar a candidatura de João Santana”, afirmou o presidente estadual do MDB, observando, inclusive, que a legenda não será empecilho para montar uma chapinha (para as eleições proporcionais) ou uma chapeta, como ironicamente chama o suposto chapão com todos os partidos, que não considera muitos, da oposição com que alguns deputados defendem que o grupo dispute as eleições para deputado federal e estadual.

28 de junho de 2018, 08:14

EXCLUSIVA Onde Lídice cometeu um erro, por Raul Monteiro*

Foto: Divulgação/Arquivo

Senadora Lídice da Mata, que decide a partir de segunda-feira se concorrerá a deputada federal ou a estadual

Embora, como se diz, Inês esteja morta com relação à montagem da chapa do governador Rui Costa (PT) à reeleição, na qual se aboletaram equilibradamente, conforme ele mesmo afirma, os vermelhos (esquerdistas) e os azuis (de centro), circula no meio do governo um dado que aponta para um erro crasso que teria sido cometido por Lídice da Mata (PSB) na sua tentativa de passar a integrá-la, concorrendo a um novo mandato de oito anos como senadora. Ao contrário do que parece, Lídice nem sempre acalentou o desejo de disputar o Senado de novo ou pelo menos, a princípio, não achou que teria condições de enfrentar a disputa pela vaga.

Mas o que teria feito a senadora mudar de idéia? Um dado, uma mudança no cenário eleitoral baiano, representado pela desistência do prefeito ACM Neto (DEM) de concorrer ao governo, empurrando para o seu lugar o ex-prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo (DEM). Exatamente. É pelo menos assim que petistas mais ligados a Rui e, portanto, defensores da escolha do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Angelo Coronel (PSD), para candidato a senador no lugar de Lídice, encaram o desentendimento com ela e o PSB, seu partido, pela disputa de uma das vagas ao Senado na chapa do governador.

Corre no governo a história de que, ainda no ano passado, Lídice marcou uma conversa com o colega de Senado Otto Alencar para comunicar que não seria mais candidata a senadora e gostaria de contar com o seu apoio para disputar uma vaga na Câmara dos Deputados, depois de ter procurado pessoalmente o governador Rui Costa e o ex-governador Jaques Wagner (PT), que teriam lhe referendado a aproximação com o presidente estadual do PSD. Otto disse, então, que não via problema em qualquer acordo neste sentido, mas, lembrando que a aliada Jusmari Oliveira tinha o sonho de assumir uma secretaria estadual, sugeriu a Lídice que analisasse a idéia.

Para facilitar a conversa, chegou a sugerir que Jusmari deixasse o PSD para filiar-se ao PSB, a partir do qual poderia ser indicada, daquele momento em diante, para a secretaria estadual de Ciência e Tecnologia, pasta ocupada pelos socialistas no governo estadual. Lídice teria deixado o encontro com a promessa de avaliar as recomendações, mas o tempo passou e nunca deu uma resposta ao senador. O tempo voou e, num belo dia, o secretário de Desenvolvimento Urbano, Fernando Torres, que havia sido indicado por Otto, lhe manifestou o desejo de deixar a pasta para cuidar de sua vida política e pessoal.

Surgia aí, absolutamente por coincidência, segundo o senador, o espaço para que ele contemplasse Jusmari com uma posição de destaque na máquina estadual sem dever nada a Lídice, para quem, na avaliação do presidente do PSD, o projeto de concorrer a uma vaga na Câmara dos Deputados parecia consolidado. O quadro teria mudado, no entanto, com a reviravolta criada com a decisão de ACM Neto de não mais concorrer ao governo. A senadora teria visto ali a oportunidade de forçar sua indicação a uma das vagas na chapa de Rui dentro da expectativa de que, sem o adversário perigoso em campo, Rui pudesse desconsiderar o PSD na chapa. Mas a avaliação do governador não foi a mesma.

* Artigo do editor Raul Monteiro publicado na edição de hoje da Tribuna.

Raul Monteiro*

26 de junho de 2018, 19:40

EXCLUSIVA Lúcio nega negociações com PRTB e PSC e diz que João Santana é imexível

Foto: Divulgação/Arquivo

Deputado federal Lúcio Vieira Lima, presidente estadual do MDB

O deputado federal Lúcio Vieira Lima, presidente estadual do MDB, disse há pouco a este Política Livre que não há hipótese de retirada da candidatura de João Santana ao governo pelo partido porque, além de fortalecer a agremiação, ela é importantíssima para a eleição das chapas proporcionais emedebistas. Segundo Lúcio, tampouco existem negociações em curso em torno da formação de uma chapa com o ex-prefeito João Henrique (PRTB) e o deputado federal Irmão Lázaro, do PSC, a menos que os dois nomes desejem apoiar João Santana ao governo do Estado. “Conversas sempre existem. Todo mundo está conversando com todo mundo, mas nosso candidato está posto e é imexível”, afirmou, referindo-se a João Santana.

26 de junho de 2018, 09:49

EXCLUSIVA Em reunião do PSB, Otto é acusado de ter defenestrado Lídice em favor de Coronel

Foto: Divulgação/Arquivo

Otto é acusado no PSB de ter defenestrado Lídice em favor de Coronel

Apesar de não ter citado o senador Otto Alencar na nota pública que divulgou ontem protestando contra a exclusão da senadora Lídice da Mata da chapa com que Rui Costa (PT) concorrerá à reeleição, é a ele que o PSB atribui integralmente a responsabilidade pela decisão do governador.

O nome de Otto foi citado várias vezes na reunião que o PSB realizou no princípio da noite para avaliar a decisão de Rui, anunciada à tarde, numa reunião com os presidentes dos partidos da base, à qual só não compareceram a própria Lídice, e o deputado federal Félix Mendonça, representante do PDT.

Em todas as oportunidades, o líder máximo do PSD na Bahia foi acusado de ter “defenestrado” Lídice da Mata da chapa – um termo de que a senadora tem usado e abusado para se referir a ele em encontros políticos – em favor do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Angelo Coronel (PSD), que concorrerá à vaga ao Senado.

Coronel, por exemplo, só é citado uma vez no documento distribuído pelo PSB, no momento em que o partido diz que a senadora conta com 26% da preferência do eleitorado contra 3% que dizem terem sido as intenções de voto apuradas para ele nas pesquisas de opinião.

Em muitos momentos no encontro do PSB, Otto foi acusado de ter imposto o nome de Coronel e “defenestrado” Lídice, visando um projeto político pessoal relacionado à sucessão de Rui, em 2022. “Ele é inegavelmente o homem mais forte do governo hoje, mais forte do que o governador”, disse um político muito ligado à senadora.

Apesar de Otto ter sido o alvo principal dos ataques na reunião, não faltaram farpas na direção do governador, que, para os socialistas, vai se arrepender amargamente do espaço que tem dado ao senador no governo, na máquina estadual e em instituições de poder.

O senador está tão ciente das críticas que tem recebido da parte do PSB que, durante o encontro com o governador, chegou a discursar lamentando que esteja sendo acusado de ter defenestrado Lídice da chapa, na qual foram confirmados, além de Coronel, Jaques Wagner, à outra vaga de senador, e João Leão, à vice.

25 de junho de 2018, 20:06

EXCLUSIVA Em recado indireto a Coronel, PSB diz em nota que só apoiará Rui e Wagner

Foto: Divulgação/Arquivo

Senadora Lídice da Mata

Em reunião realizada há pouco, o PSB da senadora Lídice da Mata decidiu que vai apoiar a reeleição do governador Rui Costa (PT) e a campanha do ex-governador Jaques Wagner ao Senado, em resposta à decisão do petista de excluí-la da sua chapa como candidata à segunda vaga ao Senado. Em seu lugar, Rui Costa confirmou o nome do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Angelo Coronel, do PSD, cujo nome sequer foi citado pela nota emitida em seguida pelo partido. Uma fonte da legenda contou ao Política Livre que o encontro foi realizado logo depois que Rui Costa anunciou para o Conselho Político, formado por presidentes de partidos que integram a base, a escolha de Coronel para candidato ao Senado ao lado de Wagner em sua chapa. “Decidimos que vamos apoiar Rui e Wagner e estamos indignados com a exclusão de Lídice, por ser mulher, pela história, por ter 26% na pesquisa, por ser coerente”, disse uma fonte da legenda, afirmando que o encontro no PSB aconteceu sob clima de “indignação, mágoa e ressentimento”. Na nota, o partido classifica de profundo equívoco a presença apenas de homens na chapa.

Abaixo, leia a íntegra do documento:

“Nota pública do PSB Bahia

O PSB da Bahia manifesta publicamente sua indignação e sua total inconformidade com a decisão de excluir da chapa majoritária encabeçada pelo governador Rui Costa o nome da senadora Lídice da Mata.

No momento em que a luta da mulher cresce no mundo inteiro, inclusive no Brasil, o campo progressista apresenta uma chapa só de homens para o eleitorado baiano. Esta exclusão revela um profundo equívoco na condução do processo político.

Entendemos que a reeleição de Lídice seria um direito e um dever da esquerda baiana e brasileira e atenderia a qualquer critério individual ou a um conjunto de critérios adotados.

O critério ideológico na medida em que Lídice sempre, em todas as circunstâncias políticas teve um comportamento de absoluta lealdade com os ideais socialistas e democráticos da esquerda. Além disso, tem representado com a eficiência e dignidade a mulher brasileira na política. Tem sido também a voz de representação dos movimentos sociais e populares, e o critério político porque Lídice em toda a sua história como vereadora, deputada federal, prefeita, deputada estadual e senadora vem sustentando posições coerentes, inclusive ao lado do PT.

Lídice foi a primeira prefeita de capital a apoiar a candidatura de Lula a presidente em 1994. Primeira a apoiar Wagner para governador, antes mesmo que o PT oficializasse essa posição. Como senadora votou contra o impeachment e contra todas as reformas apresentadas pelo governo Temer. Participou ativamente da movimentação contra a prisão de Lula, sendo a única senadora baiana a estar com ele na sede do Sindicato dos Metalúrgicos e na sede da Policia Federal em Curitiba, onde ex-presidente está preso.

Não é sem razão que a senadora Gleisi Hoffmann, o senador Lindbergh Farias, o senador Humberto Costa, a senadora Fátima Bezerra todos do PT e mais o senador Roberto Requião e a senadora Wanessa Grazziotin, manifestaram publicamente o apoio à reeleição de Lídice da Mata. Como senadora, Lídice tem representado os interesses da Bahia no Senado Federal, os interesses do Governo Estadual e das Prefeituras, dos trabalhadores e dos empresários de diversas áreas econômicas do estado, com destaque para o cacau, o turismo, a tecnologia, e a indústrias colocando sempre a educação como seu tema prioritário.

E, por fim, pelo critério eleitoral, em que Lídice desponta com 26% da preferência dos eleitores colocando-se em segundo lugar, logo abaixo do ex-governador Jaques Wagner, com 36%. O deputado Ângelo Coronel obteve apenas 3% da preferência popular.

O PSB da Bahia não terá compromisso com este erro histórico, porém, mais uma vez coerente com a sua própria história, reafirma seu apoio à candidatura de Rui Costa e de Jaques Wagner para Senador da República.

Agradecemos as generosas ofertas do deputado Jutahy Magalhães Júnior, do ex-ministro João Santana e do ex-prefeito João Henrique, mas por um dever de coerência política e ideológica, inclusive ressaltado pelo prefeito ACM Neto, declinamos delas.

Agradecemos ainda a solidariedade pública do PSOL em relação à exclusão da senadora da chapa e a todas as manifestações de apoio a reeleição de Lídice da Mata nas redes sociais, nas ruas, dos militantes de partidos de esquerda, de movimentos sociais e populares, dos estudantes, da Universidade, em especial, ao eleitor, que vêm mostrando toda adesão e confiança no mandato da senadora.

Após o 2 de julho, o PSB marcará uma nova reunião para deliberar os rumos que a senadora Lídice da Mata deve tomar.”

25 de junho de 2018, 12:16

EXCLUSIVA Rui cancela anúncio de chapa previsto para hoje às 16 hs e convoca Conselho

Foto: Divulgação/Arquivo

Governador Rui Costa

O governador Rui Costa (PT) acaba de anunciar aos correligionários que decidiu cancelar a reunião que faria logo mais no Hotel Matiz, às 16h, para anunciar a chapa com que concorrerá à reeleição. Em lugar dela, ele convocou uma reunião somente com os presidentes de partidos, integrantes do seu chamado Conselho Político, para uma reunião fechada, em que o assunto deve ser abordado. O governador não explicou o motivo da sua decisão.

25 de junho de 2018, 07:52

EXCLUSIVA Rui finalmente anuncia chapa, por Raul Monteiro*

Foto: Divulgação/Arquivo

Governador Rui Costa fará o anúncio às 16h, no Hotel Matiz

Com o anúncio dos integrantes da chapa com que concorrerá à reeleição previsto para logo mais às 16 hs, no Hotel Matiz, em Salvador, o governador Rui Costa (PT) deve pôr fim a uma expectativa com que toda a base governista e mesmo a oposição vem convivendo há tempo suficiente para que se produza toda a sorte de especulações, a despeito de já se saber, desde que pelo menos começaram as articulações para a sua montagem, o nome de todos eles. Este é o motivo para que se questione também o motivo de o anúncio ter sido adiado tantas vezes, o que Rui pode, se quiser, esclarecer no evento de hoje.

De concreto, não há sequer uma novidade na escolha dos candidatos nem das principais posições que deverão ocupar ao lado do governador. O ex-governador Jaques Wagner, segundo nome do PT na chapa, vai concorrer a uma das vagas ao Senado, ainda que com a possibilidade de vir a substituir o ex-presidente Lula na corrida presidencial, o que pode reabrir a discussão sobre a ocupação de sua vaga, se isso ocorrer e no momento em que acontecer. O outro candidato a senador é o presidente da Assembleia, o deputado Angelo Coronel, do PSD, partido do senador Otto Alencar.

A quarta posição ficará com o atual vice, João Leão, do PP. Os suplentes dos candidatos ao Senado também devem ser anunciados, apesar do grande debate que ocorreu esta semana em torno principalmente da participação do PCdoB na suplência de Wagner, e a despeito de sua definição não ter sido considerada como essencial por Rui para poder fazer o anúncio da chapa. A montagem do grupo atende a um critério ao mesmo tempo eleitoral e político. No primeiro caso, estão ao seu lado os personagens e partidos que podem agregar votos na sua caminhada rumo à reeleição.

No segundo, é inegável que fazem parte da chapa as principais forças com que Costa governa atualmente e pretende governar nos próximos quatro anos. Entre elas, não está naturalmente o PSB, partido da senadora Lídice da Mata, que lutou até onde pôde para forçar sua própria indicação à chapa em uma das vagas ao Senado. Sem capital político e eleitoral para fazer a indicação, o partido terá que se contentar com uma campanha para a eleição de Lídice a deputada federal, mais adequada ao seu verdadeiro tamanho frente aos aliados do governador contemplados na chapa.

A festa de hoje, sem dúvida, será do governador, mas é inevitável que o anúncio tenha repercussão sobre a chapa adversária, liderada pelo ex-prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo (DEM), ele próprio envolvido nas discussões sobre que nomes escolher para ajudá-lo na dura tarefa, segundo as pesquisas de intenção de voto indicam, de enfrentar o petismo nestas eleições. Ainda assim, pelo ritmo que o processo tem ganho do lado opositor, não se pode esperar que a chapa completa de Ronaldo saia antes do final de julho.

* Artigo do editor Raul Monteiro publicado hoje na Tribuna.

Raul Monteiro*

21 de junho de 2018, 13:46

EXCLUSIVA Otto enfrenta PSB e diz que Davidson tem mais legitimidade para suplente de Wagner

Foto: Ag. Senado/Arquivo

Senador Otto Alencar

O senador Otto Alencar, presidente estadual do PSD, disse hoje a este Política Livre que o PCdoB tem mais legitimidade para pleitear a primeira suplência do candidato ao Senado Jaques Wagner (PT) do que o PSB da senadora Lídice da Mata. “Todos que estiveram desde o início apoiando a candidatura de Rui Costa, lá em 2014, têm mais legitimidade para disputar qualquer espaço na chapa do governador hoje”, afirmou Otto, referindo-se, indiretamente, ao fato de a senadora Lídice da Mata (PSB) ter concorrido ao governo, naquela eleição, contra Rui, num momento em que ele tinha traço nas intenções de voto e, portanto, supostamente precisava do apoio de todos os aliados do petismo para disputar a sucessão estadual. O PCdoB se opõe à indicação do deputado federal Bebeto (PSB) para a suplência de Wagner, forçando a mão para que o indicado seja o deputado federal comunista Davidson Magalhães, porque tem certeza de que o ex-governador pode vir a se afastar do mandato – para assumir uma secretaria estadual ou mesmo um ministério -, o que permitiria ao suplente tomar posse como senador. Do grupo de forças aliadas de Rui Costa, além dele próprio e de seu partido, a sigla mais próxima de Otto e do seu PSD é o PCdoB. O partido trabalhou pesado por sua eleição ao Senado em 2014, recebendo como gratidão o apoio que deu à deputada federal comunista Alice Portugal para a disputa da Prefeitura de Salvador, em 2016, mesmo contra a vontade do governador. Otto virou alvo do PSB de Lídice por ter bancado a indicação do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Angelo Coronel (PSD), para a segunda vaga ao Senado na chapa de Rui Costa.

21 de junho de 2018, 09:51

EXCLUSIVA PDT tensiona na proporcional para conseguir eleger dois deputados federais

Foto: Divulgação/Arquivo

Ex-deputado Popó quer, na verdade, voltar à Câmara dos Deputados

O PDT é outro partido da base do governador Rui Costa (PT) que está criando resistência para a formação da chapa proporcional. O partido quer sair sozinho para a disputa à Câmara dos Deputados, mas fazer coligação para a chapa de deputados estaduais. O propósito é permitir que os pedetistas consigam eleger dois deputados federais, incluindo o atual presidente, Félix Mendonça Jr. O segundo pode ser Mangabeira, de Itabuna, ou o ex-pugilista Popó, cuja candidatura de verdade é para deputado federal e não ao Senado, como chegou a anunciar.

21 de junho de 2018, 07:49

EXCLUSIVA A resposta que Lídice precisa se dar, por Raul Monteiro*

Foto: Facebook/Arquivo

Senadora Lídice da Mata em plenária de seu mandato que discutiu a composição da chapa do governador Rui Costa

O PSB pode até ter razão quando alega que o senador Otto Alencar (PSD) é uma força proeminente no governo Rui Costa (PT). Um rápida verificada no espaço que seu partido ocupa na administração estadual, além de em outras instâncias de poder no Estado, é suficiente para levar à conclusão de que Otto, de fato, é uma liderança hábil e competente o suficiente para não deixar o ambiente por onde circula vazio. Usar, no entanto, este argumento para tentar bloquear a indicação do PSD para a segunda vaga ao Senado na chapa do governador Rui Costa (PT) beira a imaturidade.

Chapas, sobretudo majoritárias, envolvendo disputas como a da sucessão estadual, não são compostas na base da gratidão ou da simpatia que o postulante maior, o candidato a governador, cujo sucesso está primordialmente em jogo, possa ter por esta ou aquela força política, por este ou aquele correligionário, por maiores que tenham sido as demonstrações de fidelidade e lealdade que já tenham dado. O que preside a escolha dos seus companheiros é exatamente a capacidade que eles sinalizam de ajudar na dura batalha eleitoral pela conquista da posição maior, o governo.

É neste quesito que se torna incomparável a dimensão do PSD e, consequentemente, a força eleitoral que emerge de suas fileiras, em relação ao seu principal adversário no governo Rui Costa, o PSB, da senadora Lídice da Mata, que se acha no direito de pleitear de novo a mesma posição, desta vez na chapa do atual governador. Por quaisquer critérios que se usem, mas sobretudo do ponto de vista da máquina partidária e, portanto, da energia que pode emprestar à campanha de Rui Costa, o PSD está muito melhor colocado em relação ao PSB do que provavelmente gostariam os socialistas.

Daí que virar as baterias contra Otto, na expectativa de que, denunciando a dimensão política e eleitoral a que ele chegou sob as barbas do governo petista, possa amedrontar o governador e o PT, fazendo com que eles recuem na disposição de aceitar a indicação do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Angelo Coronel, para candidato à segunda vaga de senador na chapa liderada pelo petista, é, mais do que imaturidade, ingenuidade, além de um atestado próprio de completa incompetência. Afinal, cabe perguntar: por que Otto chegou à posição em que está, de poder patrocinar a indicação de Coronel?

Certamente, não foi por seus belos olhos azuis, quesito, aliás, em que concorre diretamente com o ex-governador Jaques Wagner (PT), postulante à outra vaga ao Senado na chapa de Rui Costa. E se a resposta mais próxima da realidade é a que aponta para a capacidade que teve de fortalecer-se legitimamente como aliado do governo, a ponto de fazer indicação tão importante, cabe também um outro questionamento: por que a senadora Lídice da Mata, que ainda acumula a posição de presidente estadual do PSB, não foi capaz de fazer o mesmo? É uma resposta que, neste momento, o partido e ela deveriam estar, ao invés de atacando Otto, genuinamente buscando.

* Artigo do editor Raul Monteiro publicado hoje na Tribuna.

20 de junho de 2018, 21:16

EXCLUSIVA Uziel Bueno defende candidatura de Bacelar à Prefeitura em 2020

Foto: Rádio Câmara/Divulgação

Vereador Uziel Bueno durante entrevista à Rádio Câmara Municipal, hoje pela manhã

Em entrevista à Rádio Câmara, da Câmara Municipal de Salvador, esta manhã, o vereador Uziel Bueno (Podemos) defendeu a candidatura do deputado federal Bacelar, presidente estadual do partido, à Prefeitura de Salvador, em 2020. Disse que trata-se de um dos quadros mais preparados politica e administrativamente do Estado e que o partido não poderá se furtar ao direito de apresentar seu nome para a avaliação no grupo do governador Rui Costa (PT). Uziel, que não concorrerá a nenhuma vaga eletiva no pleito de outubro, disse que está empenhando, neste momento, em reeleger Bacelar à Câmara dos Deputados.