2 de abril de 2019, 17:49

EXCLUSIVA Nem todo DEM está confortável com sucessão de José Carlos Aleluia por Paulo Azi

Foto: Divulgação/Arquivo

Deputado federal Paulo Azi é o novo presidente do DEM na Bahia

A sucessão de José Carlos Aleluia pelo deputado federal Paulo Azi no comando do DEM da Bahia levou certo desconforto a lideranças do partido no Estado. Elas alegam que Aleluia tinha um estilo mais independente que pode não ser exatamente seguido pelo sucessor.

2 de abril de 2019, 17:34

EXCLUSIVA Lauro: Mirela pode ter sido excluída de encontro por ser ameaça em 2020

Foto: Política Livre

Mirela fez discurso esta tarde na Assembleia, culpando a prefeita de Lauro de Freitas por sua exclusão de evento com Rui

A justificativa de que nem a secretaria estadual de Relações Institucionais sabia que o governador Rui Costa (PT) participaria de um evento numa escola em Lauro de Freitas serviu para a deputada estadual Mirela Macedo (PSD), excluída do encontro, aliviar para o petista no discurso que fez esta tarde na Assembleia Legislativa para protestar contra a discriminação. Ela preferiu atribuir o fato de não ter sido convidada à influência da prefeita Moema Gramacho, do PT, da qual é adversária no município. Para colegas, no entanto, Mirela deveria agradecer ao acontecimento. A decisão de evitar sua presença no evento seria um indicativo, na avaliação deles, de que seu nome pode estar crescendo em Lauro de Freitas e representar uma ameaça para o projeto de reeleição de Moema. Já há quem sugira à deputada do PSD investir imediatamente numa pesquisa para checar seu cacife eleitoral na cidade para 2020.

1 de abril de 2019, 20:21

EXCLUSIVA Depois de nota de repúdio contra governo Rui Costa, deputada promete discurso por discrimação

Foto: Divulgação/Arquivo

Deputada estadual Mirela Macedo, do PSD, não foi convidada para evento

Indignada por não ter sido convidada para um evento com Rui Costa (PT) em Lauro de Freitas, sua base eleitoral, pelo cerimonial do governador, a deputada estadual Mirela Macedo (PSD), que chegou a emitir uma nota de repúdio contra o fato na qual afirmou se sentir desprestigiada pelo governo, promete fazer um discurso na Assembleia Legislativa para protestar contra a discriminação. Ontem, ela circulou no Legislativo com a fisionomia visivelmente contrariada. “Fazer parte da base de um governo que nos trata assim é no mínimo desestimulante. Não dá para receber ligação da Serin (secretaria estadual de Relações Institucionais) apenas quando é conveniente para o governo. Respeito e consideração mútuas são fundamentais”, escreveu Mirela no último sábado, mesmo dia do evento.

1 de abril de 2019, 17:52

EXCLUSIVA Contra modelo de ocupação, bancada pode rejeitar todos os cargos federais na Bahia

Foto: Divulgação/Arquivo

A Codeba, que administra o Porto de Salvador, por exemplo, já foi entregue a um Almirante do Rio Grande do Sul

Revoltados com a ocupação de cargos federais importantes como a Codeba por militares, ainda por cima de fora da Bahia, os deputados federais baianos que apoiam o governo decidiram dar uma resposta ao presidente Jair Bolsonaro (PSL). Eles devem fechar questão contra a indicação de nomes por toda a bancada para qualquer dos cargos menores, os quais o governo decidiu deixar que nomeassem. A estratégia já foi adotada pelas bancadas governistas de Minas Gerais e do Ceará e só deve ser repensada caso a articulação política do presidente entenda que todos os cargos federais no Estado devem ser oferecidos à bancada baiana. “Será que na Bahia não tem homem para os principais cargos serem ocupados por militares e, ainda por cima, de fora do Estado?”, questiona um deputado ao Política Livre.

1 de abril de 2019, 17:31

EXCLUSIVA Bruno Reis visita Nelson Leal na Assembleia e é tratado por todos como prefeito

Foto: Política Livre

Bruno Reis esteve no prédio da Assembleia e receptividade não poderia ter sido melhor

O vice-prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), visitou esta tarde o presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, deputado Nelson Leal (PP), em seu gabinete, no prédio do Legislativo estadual. Foi tratado, da chegada à saída, por todos com quem cruzou, de deputados a funcionários, como prefeito. Bruno é o candidato do prefeito ACM Neto (DEM) à sua sucessão, em 2020.

1 de abril de 2019, 09:42

EXCLUSIVA Caetano prepara a mulher para disputar Prefeitura de Camaçari em 2020

Foto: Divulgação/Arquivo

Ex-prefeito Luiz Caetano, que aguarda decisão da Justiça para saber se está inelegível

O ex-deputado federal Luiz Caetano (PT), prepara a mulher, a advogada Ivoneide, para a sucessão municipal em Camaçari, no próximo ano, caso fique inelegível. Elá já incorporou, inclusive, Caetano ao nome para a hipótese de concorrer. O ex-prefeito está convencido de que o atual gestor, Elinaldo Silva (DEM), a quem faz oposição, não conseguirá se reeleger.

30 de março de 2019, 18:45

EXCLUSIVA Presidente da UPB ataca secretários e governo Rui Costa em grupo de WhatsApp: “isso não é aliança é traição”

Foto: Política Livre/Arquivo

Presidente da UPB, Eures Ribeiro, prefeito de Lapa, desabafa contra o governo de Rui Costa

O presidente da União dos Municípios da Bahia (UPB), Eures Ribeiro, fez um duro ataque ao secretário estadual de Educação, Jerônimo Rodrigues, a quem chamou de “decepção, fraco, incompetente e covarde”, entre outros adjetivos, por não receber os prefeitos baianos, e criticou a atuação de outras pastas, como a de Ação Social e a de Saúde, no grupo de WhatsApp da entidade, intitulado “UPB Prefeitos”.

Numa conversa com colegas, obtida com exclusividade por este Política Livre, ele diz que não aguenta mais a forma como vem sendo tratado pelo secretário, que acusa de não receber ninguém, se queixa de os prefeitos virem bancando atividades que deveriam ser pagas pelo governo do Estado, como as de transporte e segurança, chama a secretaria de Educação de “circo sem lona” e promete, além de procurar a imprensa para denunciar o descaso, organizar uma marcha em Salvador para protestar.

“Boa noite, gente! Não Sri com vcs estão cm a secretaria de educação do estado Parece que a reclamação é geral Secretário não quer atender e não tem ninguem para resolver nada Problemas e mais problemas Tem municípios que o Ano Letivo das escolas estaduais não iniciou e pior que a culpa é dos prefeitos Imagine Gerônimo infelizmente está sendo uma decepção (sic)”, diz o presidente da UPB para completar:

“No município os alunos não reclamam do governo quando obtém escola de segundo grau Reclama dos prefeitos Como se nós fossemos responsáveis Isso é ridículo E pior: o secretário não recebe um prefeito para dar informações Fecharam 700 anexos na Bahia Sem falar conosco Povo na nossa porta reclamando como se tivessemos culpa Hora de reagir não é justo” (sic).

Num determinado momento, Eures diz que diante da impossibilidade de acessar o secretário de Educação, terá que fazer o mesmo que fez com Fábio (Villas Boas, secretário estadual de Saúde): ir no Bahia Notícias, site de notícias baiano, denunciá-lo. Ele também diz que a relação do Estado com os municípios está horrível. “Ação Social não paga nada, Saúde também, Educação secretário não atende colegas”, critica.

O presidente da UPB afirma que os prefeitos já suportaram muita humilhação de um governo que ajudaram a eleger. “Tá tratando a gente como inimigos, não dá para suportar isso”. Respondendo a um colega que pede a ele para dar conhecimento dos fatos ao governador, diz que já mandou mensagem para Rui Costa, mas não obteve resultado. “Temos que reunir para fazer outra marcha em Salvador antes da marcha para Brasília”, acrescenta.

“É o geito (sic). Tou em Salvador e vou continuar para organizar isso. Correr e jogar a culpa no prefeito não é o caminho O governador disse que queria parceria nossa para melhorar a educação. Não somos palhaços Certeza Temos transporte do ano passado sem pagar Ação Social onde tá mais atrasado Tem municípios que tem fortuna para atender Que aliança é essa do governo conosco? Isso não é aliança, é traição. Chega, hora de ir pra cima”, completa.

Durante os pronunciamentos de Eures, outros colegas se manifestam também de forma muito crítica ao governo: “Já fui lá três vezes (na secretaria de Educação) e (o secretário) não atendeu mandou a secretária mim atender, não aceitei” (sic), diz o prefeito Wellington Vieira (Muniz Ferreira). Beto Maradona, de Caculé, também se posiciona: “Estamos bancando o Estado em tudo nos municípios! De Polícia até transporte de alunos. Em educação não se mexe”.

29 de março de 2019, 20:31

EXCLUSIVA Coordenador do Sindae ataca virtual futuro diretor da Embasa e privatização da empresa

Foto: Reprodução Youtube

Danilo Assunção é o coordenador do Sindade

O coordenador do Sindicato de Águas e Esgotos (Sindae), Danilo Assunção, criticou hoje a notícia de que o governador Rui Costa (PT) pretende entregar o comando da Embasa para o executivo Cláudio Villas Boas, assim como a proposta de privatizar ou abrir o capital da empresa pública estadual. Segundo Assunção, “se ele (Rui) tem a intenção de trazer (para a Embasa) uma pessoa que tem relação com uma empresa que está sendo investigada isto não será visto com bons olhos”. “Como é que você tem uma empresa que tem a situação que tem e você traz um cara com este histórico?, questiona o coordenador do Sindae, observando que, se o governador tem a intenção de modernizar, de fazer o que quer fazer, deveria colocar alguém “ligado ao saneamento, à própria Embasa, alguém que conheça da área”. Ele lembra que, da mesma forma que fez com o secretário estadual de Recursos Hídricos, Leonardo Goes, mostrando para ele o melhor caminho a adotar no setor, o Sindae teria grande satisfação em auxiliar o novo gestor da Embasa, segundo ele, situada numa área, a de saneamento, onde as PPPs não se aplicam. “O governador acha que PPP de saúde, do metrô, do saneamento é tudo a mesma coisa, mas não é”, declara. “O governador está equivocado em suas posições, mal assessorado com relação a isso. Deveria ouvir mais os técnicos, a diretoria da Embasa para ver os números e ouvir qual é a melhor alternativa para o Estado universalizar o investimento”, disse Assunção.

29 de março de 2019, 17:28

EXCLUSIVA Luiz Caetano espera decisão do STF sobre inelegibilidade para deixar PT

Foto: Divulgação/Arquivo

Ex-deputado federal Luiz Caetano

Revoltado com o fato de ter sido vetado por Rui Costa (PT) para uma secretaria, o ex-deputado federal Luiz Caetano espera apenas o julgamento, pelo Supremo Tribunal Federal (STF),  de um recurso contra a decisão que o tornou inelegível, para desembarcar no PSB. A negociação já estaria em estado adiantado com a deputada federal Lídice da Mata, presidente estadual da sigla na Bahia. A saída do PT seria sacramentada no caso de ele ser derrotado na Corte.

29 de março de 2019, 10:13

EXCLUSIVA Rotondano força barra para discursar em posse de sucessor e é alvejado por atitude e biometria

Foto: Divulgação

Desembargador José Rotondano resolveu fazer uma despedida em solenidade de posse do sucessor no TRE

Não contou com a aprovação de alguns desembargadores, juízes e funcionários do TRE a atitude do desembargador José Rotondano de pedir para quebrar o protocolo e discursar na solenidade de posse de seu sucessor no Tribunal Regional Eleitoral, desembargador Jatahy Fonseca, ontem, no sede do órgão.

Primeiro, porque há um entendimento consensual de que a posse é uma festa exclusiva do empossado, para o qual devem se voltar todos os holofotes. Depois, porque o espaço para a despedida já tinha sido usado por Rotondano no dia anterior, no mesmo auditório do TRE.

Para completar, além de a quebra da regra ter sido considerada inédita, Rotondano usou como pretexto para falar a necessidade de fazer uma saudação ao colega que o sucedia, embora no discurso, lido do púlpito, tenha se concentrado exclusivamente na exaltação de suas realizações à frente do TRE.

Ainda que considerada, portanto, um logro, a intervenção provavelmente não teria ampliado tanto o desconforto se o desembargador não tivesse destacado com orgulho, entre os feitos de sua gestão, o avanço do processo de biometria no Estado.

Ocorre que, especialmente funcionários da Corte, são muito críticos da metodologia aplicada pelo ex-presidente para bater as metas de biometrizados, que, conforme ele mesmo fez questão de ressaltar no discurso, deu à Bahia a posição de campeã em números absolutos na conversão de eleitores.

Alegam que não apenas eles, encarregados de operacionalizar o processo, como, principalmente, os eleitores, em especial os mais pobres, tiveram que pagar um preço altíssimo para atingir os objetivos do ex-presidente, cobrado, na avaliação deles, pelas filas quilométricas que se formaram durante o processo.

“O ex-presidente deveria reconhecer o quanto funcionários e eleitores choraram nas filas, às vezes por mais de um dia, aguardando a sua hora num contexto de falta de estrutura e esforço sobre-humano”, disse uma funcionária do TRE a este Política Livre, no momento em que Rotondano pediu permissão para chorar enquanto discursava.

Ao término da solenidade, ela se aproximou discretamente para informar que a reportagem deveria ter visto a onda de alegria que percorreu o TRE no momento em que espalhou-se pelos corredores que, numa entrevista antes do evento, o novo presidente anunciou que a biometria prosseguiria, mas não mais de forma tão traumática.

A declaração foi interpretada como uma demonstração de sensibilidade de Jatahy com relação à necessidade de encerrar uma era de sacrifícios “desnecessários”, impostos a funcionários e à sociedade por uma liderança que muitos descobriram como autoritária do ex-presidente.

Perguntada sobre as palmas com que, pelo menos em dois momentos, Rotondano teve seu discurso interrompido, a mesma funcionária disse que não eram naturais. “São de uma claque, tão artificiais quanto as lágrimas”, disse, virando-se para o local em que o ex-presidente se encontrava.

Ela fez questão de lembrar de uma postagem feita pelo ex-presidente nas redes sociais, de sunga, ao lado de uma prancha de surf, na mansão da cantora Ivete Sangalo, na Praia do Forte, enquanto os funcionários perdiam noites e finais de semana no ápice da confusão provocada pelo processo de biometria. “Foi o auge do desrespeito”, recordou.

28 de março de 2019, 11:11

EXCLUSIVA Resistência a Geilson pode estar emperrando conclusão da reforma de Rui Costa

Foto: Divulgação/Arquivo

Ex-deputado Carlos Geilson estaria num mato sem cachorro: apesar da promessa até hoje não foi indicado a nada por Rui Costa

Deputados governistas colocam na conta do compromisso assumido com o ex-deputado Carlos Geilson pelo governador Rui Costa (PT) para indicá-lo a um órgão do Estado a demora na definição dos cargos de segundo e terceiro escalão do governo.

O acerto teria sido feito na campanha ao segundo turno das eleições presidenciais de 2018, quando Geilson abandonou a oposição pela qual havia perdido a disputa pela reeleição – ele estava então filiado ao PSDB – para deputado estadual.

O deputado marchara na campanha ao lado do candidato do DEM a governador, José Ronaldo. O objetivo de Rui era cavar votos em Feira de Santana, reduto do parlamentar, para o presidenciável petista Fernando Haddad e abrir uma fenda no núcleo oposicionista liderado pelo DEM no município, do qual Geilson era um dos pontas de lança.

Iniciada a reforma administrativa, a condição de Geilson de ex-deputado e recém-egresso da oposição, no entanto, estariam dificultando sua indicação pelo governador.

A liderança do governo na Assembleia captou sinais entre partidos da base de insatisfação ante a possibilidade da nomeação de Geilson dada a decisão anunciada por Rui de não aceitar a indicação de ex-deputados ou candidatos derrotados para a máquina estadual.

Figurariam na lista nomes como os de Luiz Augusto e Roberto Britto, do PP, e de Angelo Almeida, do PSB. “Se Rui não aceita indicar um ex-deputado do nosso lado como pode indicar um ex-deputado que ainda por cima foi recém-convertido ao governo”, questiona um parlamentar na Assembleia.

Apesar da discrição com que tem se mantido, sem dar uma declaração a respeito da situação, Geilson passos a ser cobrado intensamente pelas bases em Feira em torno de sua indicação ao governo.

A oposição também ironiza sua condição de novo aliado do governo que não obteve nenhum retorno com a decisão de abandonar o grupo original. Enquanto isso, a resistência à sua indicação cresce em vários setores na Assembleia.

“Geilson é um cara excelente, foi um extraordinário parlamentar de oposição e ótimo colega de todos aqui, mas o princípio de não nomear ex-deputados derrotados deve valer para todos”, acrescenta um deputado da base, indicando que vai haver resistência ao seu nome.

Entre as mais insatisfeitas estaria a bancada do PP na Casa, já que teve dois indicados ao governo vetados por Rui. “Não vamos aceitar Geilson nem nenhum outro candidato derrotado”, revela um parlamentar do partido pedindo sigilo da fonte.

28 de março de 2019, 10:04

EXCLUSIVA Embasa deve ser assumida por ex-Odebrecht Cláudio Villas Boas

Foto: Arquivo

A Embasa é alvo de cobiça fora e dentro do governo

O governador Rui Costa (PT) já teria se decidido pela indicação de Cláudio Villas Boas, que já atuou na Odebrecht, para o comando da Embasa, segundo informou esta manhã ao Política Livre uma fonte governista. O executivo foi recomendado pelo chefe de Gabinete, Cícero Monteiro, que o teria escolhido a dedo. Villas Boas terá, entre suas missões, a de preparar a Embasa para a privatização. Mas Rui ainda procura um partido que possa apadrinhar a indicação para dar ao futuro controlador da empresa pública alguma legitimidade política.

28 de março de 2019, 07:25

EXCLUSIVA Onde Bolsonaro é melhor que o Congresso?, por Raul Monteiro*

Foto: Estadão/Arquivo

Governo de Jair Bolsonaro

Quem tinha menos motivos para ter se equivocado com relação à incompetência e à falta de liderança de Jair Bolsonaro, exatamente porque mais bem informadas sobre a sua figura, a classe política e a empresarial são hoje as mais preocupadas com os desatinos do governo. Políticos, especialmente deputados federais e senadores, sempre souberam que o presidente nunca exibiu a menor condição de se aventurar numa missão tão complexa como a de comandar o país. Igualmente sabedores de quem se tratava, os empresários que defenderam seu nome durante a campanha preferiram dar de ombros para o seu despreparo.

Juntos ou separados, ambos fizeram questão de fechar os olhos para todos os sinais de que, caso cruzasse a linha de chegada, como acabou acontecendo, Bolsonaro teria dificuldades pessoais para gerir o país e tomar as medidas de que tanto a Nação precisa para separar-se da crise com a qual foi engolfada no governo petista de Dilma Rousseff. Preferiram desconsiderar, inclusive, as grotescas e reacionárias declarações do candidato, tratando-o mais como um representante exótico que pudesse ser domado ou educado politicamente do que reconhecendo seu perigoso flerte com o atraso e o risco de retrocesso.

Como esperado, ainda que não menos lamentável, a maioria dos parlamentares optou por seguir o fluxo e surfar na onda que resultou na eleição do capitão reformado, pouco se importando no que poderia ser a sua performance como presidente do Brasil. Mergulhado no mesmo auto-engano, o empresariado optou por apostar na tese estapafúrdia de que suas características pessoais, além de seu notório reacionarismo, pouco importavam para o desempenho administrativo, esquecendo-se da experiência imediatamente anterior do caótico governo de outra despreparada, Dilma Rousseff, que achou que poderia comandar o país sozinha, implantando, inclusive, uma nova matriz econômica.

Como o voluntarismo nunca foi amigo do sucesso político e muito menos a inércia, o resultado não poderia ser pior. Hoje, o país assiste boquiaberto a um presidente que se auto-boicota a todo momento, assim como as propostas necessárias para resolver os problemas nacionais, sob o esdrúxulo argumento de que não quer negociar com o Congresso a aprovação de medidas importantes como a reforma da Previdência para não parar na cadeia como Lula e Michel Temer. Se não aceita os termos da barganha que deputados e senadores viciados impõem para votar a proposta, que Bolsonaro utilize então sua liderança para impor-lhes as suas condições.

Afinal, foi para isso que foi eleito. Não para posar de santinho num bordel. A conversa mole de que rejeita a velha política em benefício de uma nova que não consegue sequer definir não enche barriga. Pelo contrário, só dá mais fôlego para uma crise econômica que não começou a combater por absoluta irresponsabilidade e desorientação e cujo desemprego é uma de suas faces mais cruéis. Iniciativas do Executivo como o Plano Real, o PROER e a Lei de Responsabilidade Fiscal, só para ficar em algumas, foram aprovadas por um Congresso igualzinho a este que Bolsonaro rejeita, onde, diga-se de passagem, atuou por três décadas e têm assento de destaque dois de seus três filhos políticos.

* Artigo do editor Raul Monteiro publicado na edição de hoje da Tribuna.

Raul Monteiro*

27 de março de 2019, 20:49

EXCLUSIVA PSB é um dos defensores do nome de Bellintani à Prefeitura no grupo de Rui Costa

Foto: Divulgação/Arquivo

Rodrigo Hita é secretário-geral do PSB e conselheiro do Bahia

O PSB está posicionado como um dos aliados de primeira hora da idéia de Guilherme Bellintani se tornar candidato do grupo do governador Rui Costa (PT) à Prefeitura de Salvador em 2020. A interlocução na legenda é feita pelo secretário-geral, Rodrigo Hita, ligadíssimo à deputada federal Lídice da Mata, em nome de quem já ofereceu formalmente a sigla para Bellintani se filiar. Bellintani e Hita se aproximaram no Esporte Clube Bahia, do qual o primeiro é presidente e o socialista, conselheiro.

27 de março de 2019, 16:44

EXCLUSIVA Marcelo Oliveira vai assumir Bahia Pesca em cota do PP

Foto: Divulgação/Arquivo

Marcelo Oliveira está hoje hoje na Cerb, cujo novo comando ainda não foi anunciado

O PP fechou a indicação de Marcelo Oliveira, da Cerb, para a Bahia Pesca. Filho do deputado estadual Jurandir Oliveira, Marcelo, que já passou também pela Desenbahia, é considerado um técnico competente. A nomeação foi patrocinada pelo deputado federal progressista Mário Negromonte Jr.