18 de janeiro de 2017, 19:12

EXCLUSIVA Festa de Yemanjá ameaçada por boicote de pescadores

Foto: Tribuna da Bahia

A Festa de Yemanjá, no dia 2 de fevereiro, é uma das mais populares de Salvador

Pescadores responsáveis pela Festa de Yemanjá, uma das mais tradicionais de Salvador depois da Lavagem do Bonfim, ameaçam boicotar o evento, caso a Prefeitura não atenda uma comissão que montaram para discutir sua organização. O problema começa com a dissidência aberta por eles em relação ao comando da Colônia de Pesca Z1, do Rio Vermelho, bairro onde o evento acontece, cuja legitimidade do presidente eles questionam.

18 de janeiro de 2017, 16:10

EXCLUSIVA Confira prováveis mudanças no secretariado de Rui Costa

Foto: Secom

Rui cumprimenta populares na saída do Bonfim, onde comemorou seu aniversário com uma missa

Há mais conversa e especulação do que efetivamente mudanças na reforma que o governador Rui Costa (PT) deve anunciar, conforme ele mesmo antecipou na Lavagem do Bonfim, entre amanhã e sexta-feira. Além de troca de posições, há alguns poucos nomes novos, a exemplo do de Vivaldo Mendonça, que irá para a Ciência e Tecnologia, indicado pelo PSB, conforme antecipado há semanas por este Política Livre, de Julieta Palmeira, que deve ir para a pasta de Política para as Mulheres, e do deputado federal Fernando Torres, indicado pelo senador Otto Alencar, do PSD, para a secretaria de Desenvolvimento Urbano (também antecipado por este Política Livre), o que permitirá que o suplente petista Robinson Almeida, ex-secretário estadual de Comunicação, assuma seu primeiro mandato na Câmara dos Deputados. Na área política, especula-se que Cícero Monteiro assuma a secretaria de Relações Institucionais, deslocando Josias Gomes para a pasta de Desenvolvimento Rural. Carlos Martins, hoje na Sedur, assumiria a Casa Civil. É dada como certa ainda a substituição de Eugênio Spengler, da secretaria de Meio Ambiente, disputada pelo grupo do deputado federal Nelson Pelegrino, do PT, mas sem nome ainda definido. O parlamentar petista pode indicar também o segundo escalão da Cultura. Confira os nomes abaixo:

Ciência e Tecnologia – Assume Vivaldo Mendonça

Agricultura – Fica Victor Bonfim

Trabalho – Sai Alvaro Gomes e entra Olívia Santana

Política para as Mulheres – Assume Julieta Palmeira

Relações Institucionais – Cícero Monteiro pode ir para o lugar de Josias Gomes

Desenvolvimento Rural – Josias Gomes assumiria no lugar de Jerônimo Rodrigues

Desenvolvimento Urbano – Fernando Torres iria para o lugar de Carlos Martins

Cultura – Fica Jorge Portugal

Saúde – Fica Fábio Villas-Boas

Casa Civil – Carlos Martins pode ir para o lugar de Bruno Dauster

Turismo – Fica José Alves

Educação – Fica Walter Pinheiro

Infraestrutura – Fica Marcus Cavalcanti

Administração – Fica Edelvino Góes

Fazenda – Fica Manoel Vitório

Administração Penitenciária – Fica Nestor Duarte Neto

Justiça – Fica Geraldo Reis

Igualdade Racial – Fica Fabya Reis

Segurança – Fica Maurício Barbosa

Planejamento – Fica João Leão

Comunicação – Fica André Curvello

Meio Ambiente – Eugênio Spengler deve ser substituído, mas novo nome ainda não foi divulgado

18 de janeiro de 2017, 15:32

EXCLUSIVA Disputa na Assembleia polariza entre Nilo e Coronel; Luiz Augusto segura PP

Foto: Divulgação/Arquivo

Candidatura do deputado Luiz Augusto serviria para segurar os votos do PP para Coronel

Setores do governo e da oposição já se convenceram de que a disputa pelo comando da Assembleia Legislativa polarizou entre o atual presidente, o deputado estadual Marcelo Nilo (PSL), e o seu colega Angelo Coronel (PSD). Por esta ótica, a candidatura do deputado Luiz Augusto, do PP, cumpriria apenas o papel de segurar os votos do seu partido, que tem cinco deputados, para Coronel. PP e PSD formalizaram um acordo pelo qual marcharão juntos na eleição. Somados os votos das duas bancadas, Coronel teria 12 votos. Se a oposição, com seus 19 deputados – já que dois estão fechados com Nilo -, acordar voto nele, o candidato do PSD chega a 31 votos, um a menos do que o necessário para ganhar o pleito. O resto teria que ser conquistado no ombro a ombro. Este é o motivo porque até o dia 2 de fevereiro, data da eleição, a disputa prosseguirá de forma ainda mais acirrada.

17 de janeiro de 2017, 20:18

EXCLUSIVA PSD dá apoio a Maia para presidente e Lúcio para vice em Salvador

Foto: Divulgação

Rodrigo Maia é recebido na sede do PSD baiano

Em visita à sede do PSD agora à noite, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), recebeu o apoio formal da bancada baiana à sua campanha pela reeleição. Os cinco deputados do partido, que tem como candidato à sucessão na Câmara o deputado Rogério Rosso (PSD-DF), também acertaram apoiar o baiano Lúcio Vieira Lima, do PMDB, para primeiro-vice-presidente da Casa. Depois do encontro na sede do PSD, ao qual esteve presente o peemedebista Lúcio, eles seguiriam para um jantar. O apoio da bancada baiana do PSD a Maia foi antecipado ontem por este Política Livre. Todo o processo foi conduzido pelo senador baiano Otto Alencar, presidente estadual do PSD.

17 de janeiro de 2017, 16:11

EXCLUSIVA Equipe de Moema Gramacho recebe elogios até de adversários

Foto: Divulgação/Arquivo

Prefeita Moema Gramacho

Contrariando a quase tradição dos gestores petistas de se cercarem apenas de correligionários, esquecendo-se dos quadros mais preparados tecnicamente para governar, a prefeita de Lauro de Freitas, Moema Gramacho, montou um time que tem merecido elogios tanto do partido quanto dos adversários na cidade. Para secretário da Fazenda, escolheu Aristóteles Menezes, o Ari da Caixa, que comandou o banco, inclusive, em Brasília. Na pasta da Educação, colocou Paulo Gabriel Nacif, que chegou a ser cotado para a secretaria estadual de Educação. Kívio Dias foi nomeado Procurador Geral do município, ao passo que Ápio Vinagre, que fez parte de suas duas gestões na cidade, assumiu a Controladoria. Quem deve comandar a Comunicação é a jornalista Mara Campos. “Precisávamos de um tropa de choque para recolocar a cidade nos eixos”, diz um aliado da petista.

16 de janeiro de 2017, 18:44

EXCLUSIVA Cláudia Leite aluga casa de delator e família passa constrangimento

Foto: Política Livre

Cláudia Leite alugou a casa de Cláudio Mello Filho em Interlagos e família foi zoada por moradores

Parentes da cantora Cláudia Leite viveram constrangimento no dia do Reveillon, em Interlagos. A famosa alugou a casa que pertence ao ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht, Cláudio Mello Filho, no condomínio exclusivo do Litoral Norte. Ao descerem para a praia, para comemorar a passagem do ano, vários moradores não perderam a oportunidade de gritar em frente à residência: – Ô delator! Sai daí delator! Nem os espocar dos fogos num casa próxima foi suficiente para abafar a algazarra. Quanto a Cláudio Mello Filho, depois do estrago que causou em várias biografias políticas, foi visto nos últimos dias passeando leve e solto com a família num dos vários parques de diversão da Flórida, nos Estados Unidos.

16 de janeiro de 2017, 18:24

EXCLUSIVA PSD baiano deve apoiar reeleição de Rodrigo Maia

Foto: Ag. Brasil

Rodrigo Maia tem visitado todos os Estados pedindo votos

Em campanha pela reeleição à presidência da Câmara dos Deputados, o deputado federal Rodrigo Maia (DEM) desembarca amanhã em Salvador para contato com parlamentares e visitas a sedes de alguns partidos, entre os quais se inclui o PSD, que lançou contra ele como candidato à sucessão na Casa seu colega Rogério Rosso (DF). O PSD tem na Bahia cinco deputados que, segundo apurou esta tarde este Política Livre, já teriam fechado apoio à reeleição de Maia. Há quem diga, aliás, que foi o movimento dos parlamentares baianos do partido que teria levado Rosso a liberar a bancada para votar como quiser para presidente da Câmara, demonstrando sua fragilidade no processo eleitoral. O encontro com o PSD deve acontecer no final da tarde.

9 de janeiro de 2017, 10:12

EXCLUSIVA Deputado do PSC admite apoio a Nilo para Assembleia

Foto: Divulgação/Arquivo

Pelos cálculos de Nilo, ele já teria os 32 votos necessários para se reeleger

O deputado estadual Samuel Jr., do PSC, disse há pouco ao Política Livre que existe a possibilidade de o partido apoiar a reeleição do colega Marcelo Nilo (PSC) à presidência da Assembleia Legislativa. Ele tomou hoje um café da manhã com Nilo acompanhado do pastor Valdomiro Pereira da Silva, presidente da Convenção das Assembleias de Deus no Estado da Bahia, de quem segue orientação. Segundo o deputado, os dois devem conversar agora com o deputado estadual Pastor Isidório, que também lançou sua candidatura à presidência. “Se houver entendimento com ele, não haverá problema em apoiar Nilo”, disse Samuel Jr. Com seu apoio, subiria para 32 o número de colegas que o presidente da Assembleia computa como integrantes da sua base.

9 de janeiro de 2017, 08:01

EXCLUSIVA Duelo entre Nilo e Otto pela Assembleia, por Raul Monteiro

Foto: Montagem/Política Livre

Com o encontro da semana passada entre o presidente da Assembleia Legislativa, Marcelo Nilo (PSL), e o vice-governador e secretário estadual de Planejamento, João Leão (PP), é possível que a disputa pelo comando da Casa se resuma efetivamente a um duelo entre o deputado estadual e o senador Otto Alencar (PSD), que tem trabalhado ostensivamente pela candidatura do aliado Angelo Coronel (PSD). Isso, se o plano de Nilo de atrair Leão e seu candidato, Luiz Augusto (PP), e isolar Otto e seu afilhado, efetivamente se concretizar. Com efeito, o nome mais forte para enfrentar o presidente da Assembleia hoje é o de Coronel.

O apadrinhamento de sua candidatura pelo senador do PSD, junto com os claros movimentos que Otto tem feito no sentido de fortalecer seu nome, a exemplo de puxar para a Assembleia aliados como a suplente Mirela Macedo com o nítido objetivo de ampliar a base de votos nele, tornam Coronel o nome mais competitivo para enfrentar Nilo. Apesar do excelente relacionamento com os deputados, o presidente da Assembleia tem em seu desfavor o desgaste natural entre os colegas de comandar o Poder por cinco mandatos consecutivos, os quais pretende transformar em seis, se conseguir se reeleger.

Ainda que o PP de Leão e Luiz Augusto não tenha na Assembleia uma bancada suficiente para virar o jogo em favor de nenhum dos três candidatos, a possibilidade de Nilo atrair o partido para o seu campo não deixa de fortalecê-lo, já que polariza a disputa entre ele e Coronel ou, como avalia a maioria, entre ele e Otto. Reside aí uma jogada esperta do presidente da Assembleia porque, como se sabe, a decisão sobre a eleição do próximo presidente da Assembleia está nas mãos da oposição, com os 20 votos da bancada que o grupo possui na Casa.

Ciente do papel dos oposicionistas na disputa, o líder in pectore do grupo, o prefeito ACM Neto (DEM), já se reuniu com os deputados na Assembleia para fazer um apelo pelo voto conjunto num só candidato. Com toda a razão, Neto preferiria um presidente menos alinhado do que o atual com o governador Rui Costa (PT), a quem deve enfrentar em 2018, no caso de, como tudo indica, renunciar ao segundo mandato de prefeito para concorrer ao governo do Estado. Se, mesmo pertencendo à base governista, Coronel é quem poderia se posicionar de forma mais independente em relação ao governador, restaria um outro dilema.

O que assegura que, uma vez eleito, o candidato do PSD pode efetivamente favorecer os planos da oposição de tornar a Assembleia mais autônoma em relação ao Executivo? Ou, dito de forma mais clara, em que medida interessa a Neto fortalecer Otto por meio da eleição de Coronel? Como já disse o próprio o prefeito, nada assegura que, uma vez reeleito, Nilo não possa se constituir num foco de atrito importante por ocasião da montagem da chapa à reeleição de Rui, já que todo mundo sabe que pleitea pelo menos uma de suas duas vagas ao Senado, motivo porque se empenha para estar no comando da Assembleia no momento decisivo.

Raul Monteiro

6 de janeiro de 2017, 19:40

EXCLUSIVA Nilo se reúne com Leão na vice-governadoria e sai “satisfeito”

Foto: Emerson Nunes/Política Livre/Arquivo

Deputado estadual Marcelo Nilo é candidato à reeleição à presidência da Assembleia

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Marcelo Nilo (PSL), candidato à reeleição, se reuniu hoje com o secretário estadual de Planejamento e vice-governador do Estado, João Leão (PP). Nilo deixou a vice-governadoria dizendo-se bastante satisfeito com o encontro, dando a entender que existe a possibilidade de chegarem a “um denominador comum” com relação à disputa pela presidência do Legislativo. O PP lançou o deputado estadual Luiz Augusto como candidato à sucessão de Nilo. O outro candidato da base governista é o deputado estadual Angelo Coronel (PSD).

5 de janeiro de 2017, 11:32

EXCLUSIVA Votação para presidência afasta PT do PCdoB e do PSB na Câmara

Foto: Divulgação

Vereador Hélio Ferreira é também presidente do Sindicato dos Rodoviários

A decisão do PT de lançar candidatura própria à presidência da Câmara Municipal, na última segunda-feira, desrespeitada por dois dos três vereadores do partido, pode afastar a agremiação das demais legendas de oposição na Casa, a exemplo do PSB e do PCdoB. A segunda sigla, tradicional aliada do petismo, preferiu fechar um acordo com o novo presidente, Leonardo Prates (DEM), pelo qual indicará o vereador Hélio Ferreira para a presidência da Comissão de Transportes no Legislativo municipal. Hélio é presidente do Sindicato dos Rodoviários de Salvador e teria contado com um inusitado apoio para galgar o posto, segundo se comenta na Câmara: o do secretário municipal de Mobilidade Urbana, Fábio Motta. O PSB também teria negociado a indicação de uma comissão para votar no candidato do DEM à presidência da Casa. Trata-se da de Reparação, que será presidida pelo vereador Sílvio Humberto, líder da Oposição na Casa. Os dois vereadores do PT que não apoiaram a candidata petista Marta Rodrigues também negociaram espaços no Legislativo. Suíca assumirá a Ouvidoria, ao passo que Moisés Rocha deve presidir uma Comissão voltada para o Carnaval, que será criada em fevereiro.

5 de janeiro de 2017, 07:46

EXCLUSIVA A marca da vereadora Marta, por Raul Monteiro

Foto: Reprodução/Facebook

Vereadora Marta Rodrigues

Quando lançou-se candidata à presidência da Câmara Municipal de Salvador contra o grupo do prefeito ACM Neto (DEM), liderado na Casa pelo franco favorito Leonardo Prates (DEM), que acabou se elegendo quase à unanimidade, a vereadora Marta Rodrigues (PT) tinha um plano, que fora milimetricamente estudado pela corrente a que pertence em seu partido. Mesmo sabendo que apostava no isolamento do PT na Casa, estava fadada ao fracasso e à condição humilhante de receber apenas o seu voto, como aconteceu, a vereadora expôs, com o seu gesto, tanto interna quanto externamente, a situação vexatória em que o PT se encontra na Câmara.

Na verdade, desde que passou a comandar o país e a partir do momento em que conquistou também o governo da Bahia, o partido foi se reduzindo, com raríssimas exceções, a uma expressão de interesses particulares no Legislativo de Salvador, assumindo condição muito diferente daquela aguerrida agremiação de oposição em que, muito antes de assumir o poder, pontuaram figuras como Zezéu Ribeiro, Edval Passos, Nelson Pelegrino, Walter Pinheiro, Vânia Galvão e o próprio governador Rui Costa. Embora haja controvérsias na própria agremiação, parte da derrocada municipal do partido pode ser atribuída ao prefeito ACM Neto (DEM).

Nestes quatro anos de gestão, por exemplo, Neto conseguiu praticamente anular a atuação da sigla na Câmara, senão abertamente cooptar alguns de seus membros, que tanto deixaram a legenda para aliar-se a ele quanto permaneceram nela, mesmo apoiando ostensivamente o governo democrata sem que nenhum questionamento fosse feito às demonstrações de infidelidade. Mas o prefeito deu apenas uma contribuição para a diminuição do papel e da dimensão na Casa do PT, que já discute, inclusive, a expulsão de dois dos seus três vereadores, exatamente por causa do seu posicionamento na eleição para a presidência da Câmara, na última segunda-feira.

Não há quem não considere hoje ter sido um dos maiores equívocos do partido a decisão de não lançar, por exemplo, candidato à Prefeitura de Salvador, o que acabou reduzindo a bancada de seis vereadores que elegeu em 2012 para a metade na sucessão municipal de outubro do ano passado. Não há também quem não reconheça que a direção municipal do partido praticamente deixou de existir a partir do momento em que, para contentar suas várias correntes internas, optou por fazer um rodízio no seu comando entre alguns dos seus representantes sem que nenhum deles tivesse expressão pública e capacidade para efetivamente liderá-lo.

Impossível negar que ao, deliberadamente marchar para a derrota na eleição para a presidência da Câmara, Marta revelou na sua inteireza a condição de indigência e falta de rumo em que o partido se encontra. A humildade com que ela marchou para a tribuna da Câmara em que discursou defendendo sua candidatura, basicamente para a militância solidária à sua decisão presente às galerias, mostrou que a vereadora não compactua com a boçalidade que o exercício do poder imprimiu num partido cuja maioria parece não querer enxergar que o desapego é o primeiro passo para tentar o recomeço.

* Artigo publicado originalmente no jornal Tribuna da Bahia

Raul Monteiro*

4 de janeiro de 2017, 18:56

EXCLUSIVA Vereadores travam indicação de aliado de Câmara para subsecretaria

Foto: Reprodução

Beto Fagundes foi diretor-administrativo da Câmara Municipal de Salvador

A especulação de que o ex-presidente da Câmara Municipal de Salvador, Paulo Câmara (PSDB), estaria planejando indicar o ex-diretor-administrativo da Casa, Beto Fagundes, para o cargo de sub-secretário na secretaria municipal de Obras Públicas provocou uma reação irada em vereadores da base do prefeito ACM Neto (DEM). Um grupo de governistas já discute seriamente a possibilidade de ir ao prefeito recomendar que ele não faça “a loucura” de aceitar a indicação. Um dos vereadores chegou a atribuir um dos motivos da inviabilização da candidatura à reeleição de Câmara à presidência do Legislativo ao comportamento do seu ex-diretor administrativo. Segundo seu relato, quando foi diretor-administrativo, ele teria comprado brigas tanto com os edis quanto com os funcionários do Poder. Não é a primeira vez que os vereadores se insurgem contra o afilhado de Câmara. Quando negociava sua participação no governo com ACM Neto, o então presidente do Legislativo sugeriu seu nome para assumir a secretaria municipal de Obras Públicas. Neto não teria aceito a indicação, no entanto, devido à reação contrária dos vereadores. Na Praça Municipal, conta-se que, na época, eles teriam formado uma fila para pedir a Neto que não nomeasse o executivo. Câmara indicou, então, o nome de José Cabral, ex-diretor financeiro da Câmara, e o de Marcus Passos, um assessor da diretoria da Câmara de sua confiança, o qual o prefeito acabou nomeando como representante do tucano em seu governo.

4 de janeiro de 2017, 18:17

EXCLUSIVA Suíca é mais visado que Moisés para ser expulso do PT

Foto: Divulgação/Arquivo

Vereador Suíca está na mira do PT para ser expulso há algum tempo

Acusado de infidelidade partidária no PT por ter votado em Leonardo Prates (DEM) para a presidência da Câmara Municipal contra a candidata lançada pelo partido, Marta Rodrigues, o vereador Suíca está na mira há muito tempo de membros de seu partido, onde suas ligações com o prefeito ACM Neto (DEM) já se tornaram motivo até de piadas. Ele é mais visado para um processo de expulsão da legenda do que o colega de bancada Moisés Rocha, que também votou em Leonardo Prates e deve ser indicado na Câmara para presidir uma Comissão responsável por discutir políticas para o Carnaval, a ser criada em fevereiro. Em troca do voto em Prates, Suíca assumirá a Ouvidoria da Câmara Municipal.

4 de janeiro de 2017, 11:31

EXCLUSIVA Pressão por expulsão de vereadores ganha corpo no PT

Foto: Reprodução

Edizio Nunes é um dos dirigentes do PT baiano

Aberta com a decisão da vereadora Marta Rodrigues (PT) de se lançar candidata à presidência da Câmara Municipal contra o colega favorito Leonardo Prates (DEM), a crise na seção do PT em Salvador permanece se avolumando, devido à pressão para que os vereadores petistas Suíca e Moisés Rocha, que votaram no democrata, sejam expulsos.

Em post numa rede social, o assessor do governo e ex-candidato a presidente do PT de Salvador, Edizio Nunes, um dos mais respeitados dirigentes da sigla, cobrou uma postura da direção da legenda contra os dissidentes.

Segundo Edízio, não faz sentido os representantes do partido terem desprezado a candidatura da agremiação, definida em reunião interna, para votar no candidato do prefeito ACM Neto (DEM), a quem o partido faz oposição na Bahia.

“2 Vereadores do PT votam no DEM pra presidente da Câmara Municipal de Salvador, no principal quadro ligado a ACM Neto, que somos oposição, contra a candidata do partido, e o diretório municipal fica inerte, mudo?”, questionou Nunes.

O dirigente também exigiu que a posição dos vereadores seja analisa pela Comissão de Ética do partido, primeiro passo para que ambos possam ser expulsos da agremiação. “Isso é motivo pra entrar com ação judicial de infidelidade partidária e perda de mandato. Ou será q o DM do PT de Salvador precisa de mais elementos fáticos?”, acrescentou.

Para completar, Nunes ainda escreveu a seguinte hashtag: “#Comissãodeéticajá”. O questionamento do petista turbinou internamente a polêmica sobre o comportamento dos vereadores no PT, produzindo quase uma centena de comentários sobre a situação do partido na capital.

Em troca do apoio a Prates, Suíca ganhou a Ouvidoria da Câmara e Moisés deve ser eleito presidente de uma comissão especial que se encarregará de discutir as políticas para o Carnaval de Salvador.

Desde o início da gestão de ACM Neto, membros da bancada petista flertavam abertamente com o prefeito. Alguns, como Henrique Carballal e J. Carlos Jr., chegaram a deixar o partido na Casa para se aliar ao democrata. Carballal, inclusive, caminha para ser o líder do governo na Câmara.

O comportamento dos que permaneceram no PT, apesar do posicionamento igualmente favorável ao prefeito, nunca foi questionado, abrindo espaço para que a legenda seja publicamente desrespeitada de maneira continuada, como aconteceu na votação da última segunda-feira.

Ontem, numa entrevista à Rádio Metrópole, o presidente estadual do PT, Everaldo Anunciação, botou panos quentes no comportamento de Suíca e Moisés Rocha, produzindo ainda mais indignação internamente na legenda.