6 de abril de 2018, 15:44

EXCLUSIVA Jutahy mantém candidatura ao Senado e defende nome de Gualberto ao governo

Foto: Reprodução

Deputado federal Jutahy Magalhães Jr.

O deputado federal Jutahy Magalhães Jr. (PSDB) disse há pouco a este Política Livre que manterá sua pré-candidatura ao Senado mesmo com a desistência do prefeito ACM Neto (DEM) de concorrer ao governo. Ele também antecipou que está irmanado com o desejo do seu partido de lançar candidato próprio à sucessão estadual e defendeu o nome do colega João Gualberto para a disputa. Jutahy lembrou ter trabalhado e lutado para que o prefeito ACM Neto (DEM) encabeçasse a chapa das oposições e anunciasse hoje sua decisão. “Isso não ocorreu. É óbvio que milhões de baianos estão frustrados por ser ele (ACM Neto) o candidato natural das oposições. Agora, temos que manter o nosso foco e termos uma chapa de unidade que não precisa ser definida imediatamente, mantendo a convicção de que precisamos enfrentar a tentativa de hegemonia do PT na Bahia. Pessoalmente, desejo continuar pré-candidato ao Senado, mas esperarei a reunião da executiva do meu partido na segunda-feira para reafirmar a candidatura. Se nosso nome for encarado como algo útil ao nosso Estado e ao Brasil, continuarei na luta com fé e coragem”, declarou.

6 de abril de 2018, 15:32

EXCLUSIVA Wagner passa por petistas saltitando de alegria depois de desistência de ACM Neto

Foto: Divulgação/Arquivo

Ex-governador Jaques Wagner

Petistas contaram a este Política Livre terem visto há pouco o ex-governador Jaques Wagner (PT) deixar um prédio do governo do Estado saltitando de alegria, ante a notícia de que ACM Neto (DEM) não será mais candidato ao governo. O governador Rui Costa, que é muito contido, teria passado logo atrás dando só dois pulinhos.

6 de abril de 2018, 14:09

EXCLUSIVA Neto se auto-expulsa de campo, entrega jogo a Rui e produz um tsunami

Foto: Divulgação/Arquivo

ACM Neto, contrito, no Bonfim

A surpreendente decisão de ACM Neto (DEM) de desistir de concorrer ao governo da Bahia, frustrando de forma abrupta uma grande expectativa que passara a inspirar naturalmente na classe politica e na sociedade desde que se reelegeu prefeito de Salvador com 74% das intenções de votos, em 2016, e estimulara até o limite, vai provocar um tsunami político cuja extensão será difícil de prever, mas terá enorme impacto tanto sobre a oposição quanto a situação, comandada hoje pelo governador Rui Costa (PT), candidato à reeleição.

Num cenário presidencial totalmente indefinido, apesar da prisão determinada para o ex-presidente Lula (PT), que parece se entrincheirar contra ela, com consequências ainda imprevisíveis, o ato de Neto transforma o adversário petista Rui praticamente num player solitário rumo à vitória eleitoral em outubro, refém apenas do próprio destino, ao passo que, ainda que queira arrumar uma alternativa ao seu nome, como a tentar remendar o estrago de seu recuo, o prefeito verá esvair-se a sua até aqui firme e promissora liderança.

Da mesma forma que a demora e os sinais trocados quanto à candidatura já vinham indicando, em decorrência da atitude, Neto perde a autoridade para produzir qualquer solução razoável para o problema que criou para as forças oposicionistas e mesmo o eleitorado ou uma geração que via nele a chance de representação neste conturbado momento da vida nacional. Ainda que consiga reunir aliados para montar uma chapa alternativa ao governo, sua ausência da cena traz aos eventuais substitutos o carimbo do medo e da derrota.

Gostem ou não dele, Neto nunca foi uma opção exclusivamente local. Desde que firmou-se como político, características inatas passaram a projetá-lo, como normalmente acontece com figuras como a sua, para desafios sempre maiores, entre os quais a disputa pelo governo da Bahia era apenas uma etapa que precisaria cumprir com senso de abdicação e denodo a fim de habilitar-se para as próximas, na qual se inscreve, naturalmente, a Presidência da República.

Neste processo, entrar em campo, sobretudo nas condições atuais, era mais importante que ganhar. O prefeito parece ter aberto mão dessa regra básica que precisa integrar o entendimento de qualquer líder e não terá alternativa, senão pagar o preço de desconsiderá-la. Mais do que isso, necessitará ser mais forte agora do que nunca para não ser revolvido às profundezas do descrédito e da desconfiança absoluta pelas ondas que liberou. Afinal, se gerou decepção e frustração entre os admiradores, que terão que conviver com as inúmeras suspeitas sobre a real motivação do seu passo atrás, turbinadas pelos adversários, causou muito mais rancor naqueles que permitiu que amarrassem seu destino ao dele.

Neste momento, destruição é o horizonte, desespero o sentimento e revolta o alimento de todos eles. Se por acaso a Neto não é possível culpar exclusivamente pelo desfecho de insensata ruptura, a eles muito menos, nesta partida de esperança e liderança que constitui sobretudo a política. Agora, é exagero falar em suicídio político. Melhor referir à auto-destruição de um grande capital e, levando em conta sua juventude e inteligência, a um vôo temporário para outra dimensão. Entretanto, tendo aberto mão, de maneira tão arriscada, da virtu, é impossível prever quando voltará a contar com a fortuna.

6 de abril de 2018, 11:51

EXCLUSIVA Cajado não esperou decisão de Neto e migrou ontem mesmo para o PP

Foto: Divulgação/Arquivo

Claudio Cajado vai disputar reeleição para deputado federal no PP

O deputado federal Cláudio Cajado (DEM) não pagou para ver qual seria a posição do prefeito ACM Neto (DEM) e decidiu migrar ontem mesmo para o PP, partido da base do governador Rui Costa (PT), depois da reunião com os deputados federais em que o democrata praticamente selou a idéia de que poderia ser candidato. Agora, vive situação melhor do que os demais órfãos da candidatura do prefeito.

6 de abril de 2018, 09:53

EXCLUSIVA Ingresso de José Ronaldo no PR visa evitar expor Araújo e deputados da sigla

Foto: Divulgação/Arquivo

Deputado federal José Carlos Araújo, presidente estadual do PR

A articulação política do governador Rui Costa (PT) esperou até ontem reverter a tendência do PR de deixar a base para apoiar a candidatura do prefeito ACM Neto (DEM) ao governo. Contava, inclusive, com a família do deputado federal José Carlos Araújo, presidente estadual da legenda, como aliada.

O governo tomou conhecimento de que o parlamentar enfrentou a ira da mulher e do filho, Samuel, dirigente da Prodeb, depois que começaram a circular as informações de que o partido fechara o acordo com Neto. Por este motivo, na esperança de uma mudança de rota do PR, o órgão não será tomado imediatamente da sigla.

Alinhada há praticamente 20 dias, apesar de constantemente desmentida por seus dirigentes, a aliança do partido com o prefeito marcou uma das mais tensas negociações já realizadas pelo PR no Estado, mesmo ajudada pelo presidente nacional, Waldemar da Costa Neto, devido às idas e vindas do prefeito com relação à candidatura.

Num dado momento, Araújo teria desabado emocionalmente, preocupado em  que o acerto com Neto malograsse e ele tivesse que enfrentar uma retaliação do governo. No período, até ameaças de ter suas bases invadidas sofreu da parte do senador Otto Alencar (PSD), de quem foi aliado a vida toda até assumir o controle do PR.

A idéia de o prefeito José Ronaldo deixar o DEM para integrar o PR a fim de assumir a candidatura ao Senado na chapa de ACM Neto foi vista como uma solução para não expor de forma tão explícita Araújo e os deputados federais José Rocha e Jonga Bacelar, que também trabalharam ativamente pela aliança com o democrata.

 

5 de abril de 2018, 20:59

EXCLUSIVA PR fica com Neto e deve receber Gualberto ou José Ronaldo

João Gualberto (foto) ou José Ronaldo pode ir para o PR

Com o provável anúncio da candidatura do prefeito ACM Neto (DEM) previsto para esta sexta-feira (6), e com a escolha do deputado federal João Gualberto (PSDB) para ser o candidato a vice em sua chapa, o PR deve deixar a base aliada do governador Rui Costa (PT) para se integrar ao projeto do democrata. Na legenda, são cotados para ingressar tanto Gualberto quanto o prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo, que sairá candidato ao Senado.

5 de abril de 2018, 18:19

EXCLUSIVA Neto vai comunicar a aliados se é candidato amanhã até o meio-dia

Foto: Secom/PMS

O prefeito ACM Neto (DEM)

Depois de passar o dia de hoje em reuniões com aliados discutindo cenários, o prefeito ACM Neto (DEM) marcou o anúncio de sua decisão sobre a sucessão estadual para amanhã de manhã, até o meio dia. A ideia é que seus aliados sejam os primeiros a saber.

5 de abril de 2018, 16:19

EXCLUSIVA Aliados já demonstram cansaço com demora de Neto em anunciar candidatura

Foto: Divulgação/Arquivo

Sede do Thomé de Souza teria virado uma espécie de muro de lamentações

Aliados de ACM Neto (DEM) dão mostras de cansaço com relação ao tempo, que consideram excessivamente longo, que ele tem levado para decidir se será candidato ao governo do Estado. A situação seria a responsável pela divulgação de boatos, como o registrado hoje pela manhã e desmentido agora à tarde, de que ele não disputará mais a sucessão estadual. O desgaste é maior entre deputados que acertaram mudanças partidárias e agora vêem o prazo para as novas filiações se esgotar sem um sinal concreto de que contarão com sua presença na cabeça da chapa das oposições ao governo. Um deles conta que o Palácio Thomé de Souza, sede do governo municipal, virou uma espécie de muro geral de lamentações.

5 de abril de 2018, 10:35

EXCLUSIVA Qual o impacto do julgamento do STF sobre a decisão de ACM Neto?

Foto: Divulgação/Arquivo

Prefeito ACM Neto

Que influência terá o julgamento de ontem do Supremo Tribunal Federal (STF) que rejeitou o habeas corpus que poderia impedir a prisão do ex-presidente Lula depois da condenação em segunda instância na decisão do prefeito ACM Neto (DEM) de concorrer ao governo do Estado?

Quem conversou com o democrata em seguida à sessão em que o STF começou a apreciação do pedido da defesa de Lula, no mês passado, ouviu diretamente dele, na época, a convicção de que a ministra Rosa Weber votaria contra a regalia, levando à decisão pela prisão do ex-presidente, firmada ontem.

Então, Neto avaliava acertadamente que, apesar da convicção pessoal da ministra em favor do habeas corpus, ela votaria conforme o pensamento majoritário expresso pela Corte, em 2016, como se confirmou ontem. Ocorre que políticos, da oposição e do governo, não vêem como o prefeito não possa avaliar o impacto do resultado do STF sobre sua decisão de agora.

Analisam, por exemplo, que não há como a ausência de Lula da disputa não repercutir negativamente na campanha do governador Rui Costa (PT), levando em conta a tradição na Bahia de os candidatos majoritários estaduais serem puxados pelos presidenciáveis que apóiam. E de isso não ser extremamente positivo para a eventual candidatura do prefeito.

“Na Bahia, as campanhas do PT foram vitoriosas quando Lula era candidato a presidente. Agora, sua figura deixa de existir. Se Neto tinha todas as condições para concorrer com chances de vitória antes do julgamento de ontem, agora elas se ampliaram”, diz um vereador da base do prefeito, animado com a perspectiva de ele se animar a disputar o governo.

Para um deputado aliado de Neto, o ideal seria que ele aproveitasse o “fato político novo”, representado pela saída de Lula da cena política, para anunciar logo hoje sua decisão de concorrer. “Como presidente nacional do DEM, ele está com a faca e o queijo na mão”, disse a este Política Livre.

Resta saber o que pensa o democrata, que pode anunciar sua decisão até o sábado, quando encerra o prazo de desincompatibilização. A avaliação que fazia no mês passado, entretanto, minimizando, então, o virtual resultado contrário a Lula da parte do STF não convida ninguém a imaginar que ele está mais animado com a disputa depois de ontem.

5 de abril de 2018, 07:26

EXCLUSIVA Coragem e indignação de Rui calam MP, por Raul Monteiro*

Foto: Politica Livre/Arquivo

Governador Rui Costa

Não cobrem coragem ao governador Rui Costa (PT). Entre petistas ou auxiliares que com ele convivem, a característica é, de longe, a mais destacada quando se fala na personalidade do chefe do executivo estadual. Não fosse por ela, Rui não teria vencido todas as adversidades da infância e adolescência pobre para chegar ao comando do governo da Bahia, como ele próprio costuma dizer nos palanques e repetem aqueles que lhe são mais próximos, para os quais trata-se da virtude que essencialmente consagra a liderança política do petista, talvez na falta de algumas outras bem sensíveis.

E foi exatamente coragem, além de verdadeira indignação, o que Rui Costa demonstrou ontem ao comentar, de forma especialmente dura e igualmente inédita, a decisão do Ministério Público Estadual de propor à Justiça uma ação contra o Consórcio Fonte Nova Participações e o governo do Estado por supostos “ganhos excessivos” garantidos às empresas OAS e Odebrecht. Além de dizer que a ação carece de qualquer “consistência técnica e jurídica’, o governador ainda achou por bem dirigir críticas diretamente à promotora Rita Tourinho, responsável pelas investigações, numa contundência poucas vezes vista.

“Pelo que eu vi na imprensa, é um copia cola da operação [Cartão Vermelho) que foi feita. Isso vai ser provado no devido momento, porque há afirmações que não têm nenhuma consistência. Ali não passa por um beabá de qualquer conta, de qualquer raciocínio lógico”, afirmou um Rui Costa visivelmente contrariado, reproduzindo avaliação feita, momentos antes para ele, por técnicos do governo, que teriam ficado impressionados com o que consideraram falhas de avaliação da promotora, perceptíveis também, segundo lhe disseram, nas diversas entrevistas que ela concedeu sobre o assunto.

Não foi por outro motivo que o governador voltou diretamente suas baterias contra Tourinho, sem poupar, no entanto, o Ministério Público. Neste ponto, tocou num privilégio de que não apenas os promotores como os magistrados desfrutam sem a menor cerimônia. “Eu não sei quanto o responsável pela Fonte Nova ganha, se é muito, se é pouco. O que sei é que os promotores públicos, como Rita (Tourinho), recebem auxílio-moradia. É ético? É moral? Quem paga esse auxílio-moradia do promotor é o povo da favela, que está morrendo de fome, que não tem onde trabalhar”, bateu o governador, sem dó nem piedade, chamando a sociedade para seu lado.

Não foram muitas as vozes que se levantaram no próprio governo pedindo cautela a Rui Costa, certamente temerosas de que assuma uma briga que será dura de sustentar contra um órgão que, quando quer, sabe criar problemas como ninguém para um gestor. Mas não foram poucas as outras que defenderam como justa e oportuna sua demonstração pública de indignação, ainda mais depois de uma precisa análise sobre os questionamentos do MP, para os quais o governo alega ter justificativas de sobra. Dado o silêncio em que o MP mergulhou, não há como não reconhecer que Rui Costa isolou, lá dentro, aqueles que tentaram, a seu ver, sem a devida competência, atacar o governo.

* Artigo do editor Raul Monteiro publicado originalmente na Tribuna da Bahia.

Raul Monteiro*

4 de abril de 2018, 22:24

EXCLUSIVA Afonso Florence diz que Neto é refém de interesse eleitoral de aliados

Foto: Divulgação/Arquivo

Afonso Florence diz ter certeza de que prefeito não poderá recuar mais

Diferentemente de outros petistas, o deputado federal Afonso Florence (PT) está convencido de que o prefeito ACM Neto (DEM) é candidato ao governo do Estado. “Ele trouxe a situação a um ponto em que não é mais possível recuar. O problema é que tem receio de enfrentar um governador Rui Costa (PT) cuja avaliação positiva torna a candidatura à reeleição imbatível”, afirma Florence, para quem o prefeito é hoje refém dos próprios aliados, que terão maiores dificuldades de se eleger se ele não for candidato.

4 de abril de 2018, 19:24

EXCLUSIVA Maia agenda viagem a Salvador para anúncio de eventual candidatura de Neto

Foto: Ag. Câmara/Arquivo

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia

Empenhado na torcida para que o amigo ACM Neto (DEM) saia candidato a governador da Bahia, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), decidiu abortar a viagem que faria a Salvador amanhã para a filiação do deputado federal Arthur Maia ao partido. Disse a importante assessor do prefeito que não quer ter que voltar à capital baiana no dia seguinte para o eventual anúncio da candidatura de ACM Neto à sucessão estadual.

 

4 de abril de 2018, 11:40

EXCLUSIVA Estrago de eventual “não candidatura” vai impedir Neto de montar outra chapa

Foto: Secom/Arquivo

Prefeito ACM Neto

Aliados de ACM Neto (DEM) estão convencidos de que, caso ele não seja candidato ao governo, perderá completamente as condições de liderar o processo de formação de uma chapa alternativa das oposições contra o governador Rui Costa (PT).

Uma fonte do Democratas admitiu a este Política Livre que, se abrir mão de disputar o governo, o maior desejo do prefeito seria o de montar uma chapa com que não deixasse o governador jogando sozinho na sucessão estadual.

Assim, ele garantiria aceso o princípio segundo o qual, por mais que tenha tido razões para recuar da candidatura, manteria o compromisso de ajudar o grupo no enfrentamento da máquina do governo, inclusive auxiliando os candidatos escolhidos por meio da Prefeitura.

O problema é que os aliados dizem que a eventual ausência de Neto da sucessão seria tão catastrófica, produziria um tal clima de terra arrasada, que dificilmente ele teria condições de operar a substituição como gostaria, sendo praticamente alijado do processo.

Primeiro, porque terá produzido um rancor enorme nos principais aliados que apostaram tudo em sua candidatura, situação em que muitos se incluem de forma quase automática ao falarem sobre o risco de ele não disputar o governo.

O segundo motivo – e mais óbvio – apontado por aliados é que ninguém acredita que exista hoje no grupo oposicionista um nome com as mesmas condições de competitividade que o prefeito para enfrentar a batalha da disputa pelo Palácio de Ondina.

“Nem o prefeito tem idéia hoje do estrago que ele produzirá em todo o grupo e sobre si próprio, caso não dispute o governo. Ele não faz idéia de como seu day after será penoso e se prolongará indefinidamente”, diz o mesmo deputado.

Para ele, a exigência de ACM Neto de que o deputado federal Lúcio Vieira Lima deixe o MDB para que ele possa ser candidato em aliança com a legenda é “descabida” e jamais poderá ser usada como justificativa para o caso de ele desistir de concorrer.

“Isso é muito pequeno para uma liderança do porte de Neto. Ninguém vai acreditar nesta explicação”, acrescenta, usando como argumento o fato de que políticos já começam a manifestar sua impaciência com a indefinição do prefeito.

Ele cita o caso do presidente da Câmara Municipal de Feira de Santana, José Carneiro (PSDB), que ontem criticou o que chamou de “indecisão” de Neto e questionou suas características de líder e um post no Twitter de autoria do deputado federal Arthur Maia, hoje pela manhã.

O parlamentar, que se filia amanhã ao DEM, partido do prefeito, e sob o seu apadrinhamento, insinuou que só se for “doido” Neto não se candidatará a governador, produzindo uma das alfinetadas mais duras já dadas publicamente no democrata. “Ele será candidato”, decretou.

4 de abril de 2018, 06:54

EXCLUSIVA No Twitter, Arthur Maia insinua que só se for doido Neto não será candidato

Foto: Divulgação/Arquivo

Deputado federal Arthur Maia

Usuário pouco habitual das redes sociais, o deputado federal Arthur Maia, que se filia ao DEM nesta quinta-feira, fez hoje cedo pela manhã um post no Twitter insinuando que só se for doido o prefeito ACM Neto (DEM) não será candidato ao governo. “Se estivéssemos aguardando a decisão daquele ex-prefeito que tinha fama de doido, não diria nada. Mas as coisas com ACM Neto têm começo, meio e fim. Ele será candidato”, afirmou o parlamentar. Simples assim.