11 de abril de 2018, 18:51

EXCLUSIVA Neto disse a Lúcio que nunca desejou vê-lo fora do MDB, revela cacique emedebista

Foto: Divulgação/MDB

Lúcio Vieira Lima diz que explicações de Neto sepultam teorias sobre sua decisão de não concorrer ao governo

Apontado como um dos pivôs da decisão do prefeito ACM Neto (DEM) de não concorrer ao governo, devido à sua resistência em deixar o MDB, exigência que o democrata teria feito para poder coligar com a sigla e concorrer em condições de igualdade com o governador Rui Costa (PT), o deputado federal Lúcio Vieira Lima (MDB) disse hoje a este Política Livre que jamais conversou com o aliado sobre qualquer assunto relacionado ao tema.

Nem na quarta-feira passada, quando se encontraram no Palácio Thomé de Souza, dois dias antes de Neto anunciar que não concorreria ao governo, provocando um grande impacto na sucessão estadual. “ACM Neto nunca conversou comigo sobre minha saída do MDB. Definitivamente, o que eu ouvi da boca do prefeito ACM Neto é que ele nunca pensou, falou nem deu procuração para ninguém buscar minha saída do MDB”, afirmou o emedebista.

Segundo Lúcio, no encontro, eles trataram de tudo, da eventual candidatura à reeleição do presidente Michel Temer, da de seu ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, à Presidência, e até da sua própria à Câmara dos Deputados, num clima descrito pelo deputado como “tranquilo, entre duas pessoas amigas e que se dão bem”, tudo muito diferente do boato que circulou em seguida de que a conversa entre eles teria sido péssima e deixado Neto inseguro.

O deputado disse que o encontro foi uma espécie de reprise do que havia ocorrido 15 dias antes, onde, de acordo com ele, o tema de sua saída do MDB também sequer foi abordado. “Até porque tudo o que o prefeito não é é uma pessoa deselegante. E, como ele (Neto) disse, uma coisa dessa ninguém pede. Pedir ao outro para sair da casa da pessoa? Me chamam para ir para casa, não para sair de casa”, declarou, traindo a ironia.

Por este motivo, Lúcio diz que não tem queixa do prefeito. “Ele (Neto) sempre muito elegante e cortês, discutiu, inclusive, a possibilidade de não ser candidato (ao governo). Para o parlamentar, é hora de acabar com “esse tititi, esse mimimi, essa fofocada” de que tanto a sua presença no MDB quanto a posição do PR – que acabou sendo obrigado a recuar no apoio à candidatura do prefeito e voltar ao governo – teriam influído na decisão de ACM Neto.

“O prefeito declarou de público que o motivo para ele não ter saído candidato foi seu amor por Salvador, foi continuar o trabalho que faz por Salvador, que ele abriu mão de um sonho legitimo de ser governador para continuar à frente da Prefeitura. Com a fala do prefeito, está encerrado o assunto, até porque decisão pessoal não se discute, se respeita”, declarou, afirmando que tudo não passa de “tentativa de intrigar pessoas que convivem bem”.

11 de abril de 2018, 17:53

EXCLUSIVA Camaçari: Escolha de técnico respeitado para Fazenda anima aliados de Elinaldo

Foto: Divulgação/Arquivo

Auditor fiscal do Estado, Joaquim Bahia tem histórico de ajudar prefeitos em crise

Apesar de ter reforçado os rumores de que os ajustes que promoveu repentinamente em seu secretariado têm por objetivo ajudar na campanha ao governo de José Ronaldo (DEM), a decisão do prefeito de Camaçari, Antonio Elinaldo  (DEM), de escolher o auditor fiscal do Estado Joaquim Bahia para secretário municipal da Fazenda trouxe tranquilidade ao seu grupo. Bahia foi secretário da Fazenda de Feira de Santana nos oito anos em que Ronaldo governou a cidade, pela primeira vez, e parte do sucesso do político foi atribuída à sua escolha para gerir as contas do município, todas aprovadas pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM). Em sua passagem pela mesma pasta em Salvador, o auditor conseguiu racionalizar procedimentos, melhorar a arrecadação e quitar várias dívidas no governo de João Henrique, dando condições a que o então prefeito superasse dificuldades devido a meses de atrasos com fornecedores.

11 de abril de 2018, 10:30

EXCLUSIVA Feira: Um dia depois de posse, Colbert tenta liberar recursos em Brasília

Foto: Política Livre

Colbert Martins tomou posse ontem como prefeito de Feira de Santana

Um dia depois de ter tomado posse, o prefeito de Feira de Santana, Colbert Martins Filho (MDB), viajou hoje para Brasília, onde tem encontros agendados com o presidente Michel Temer (MDB) e o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil). Vai em busca do atendimento de pleitos para a cidade que estão parados no governo federal.

11 de abril de 2018, 09:09

EXCLUSIVA Jutahy diz que Gualberto recebeu delegação para negociações

Foto: Divulgação/Arquivo

Deputado federal Jutahy Magalhães Jr. é pré-candidato ao Senado pelo PSDB

O pré-candidato a senador do PSDB Jutahy Magalhães Jr. informou a este Política Livre que todas as tratativas do partido com relação à formação de coligações e entendimentos políticos com as forças de oposição foram delegadas pelo partido ao presidente da agremiação e pré-candidato a governador João Gualberto. “Demos a Gualberto a autorização para todos os entendimentos. Qualquer decisão terá que ter o seu aval”, disse o deputado.

11 de abril de 2018, 09:00

EXCLUSIVA Neto se compromete a lançar Bruno Reis candidato a prefeito em 2020

Foto: Política Livre

Vice-prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM)

Não passam de boatos as informações de que o vice-prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), será candidato a deputado federal nestas eleições, informa um deputado estadual do grupo a este Política Livre. Em meio à hecatombe causada por sua decisão de não concorrer ao governo, a qual parece que foi comunicada em primeira mão ao aliado e amigo, o prefeito ACM Neto (DEM) teria se comprometido a lançá-lo candidato à sua sucessão em 2020. Daí, a decisão também do vice de ter saído do MDB para se filiar ao DEM. Bruno havia ingressado no MDB dentro de um acordo com Neto para que pudesse ser indicado a vice em sua chapa com o objetivo de assumir a Prefeitura, caso o prefeito se desincompatibilizasse para disputar a sucessão estadual.

10 de abril de 2018, 20:04

EXCLUSIVA João Leão decide concorrer de novo à vice na chapa de Rui Costa

Foto: Divulgação/Arquivo

João Leão decidiu concorrer de novo à vice, depois da decisão de ACM Neto (DEM) de não concorrer ao governo

Seguindo o conselho do filho, o deputado federal Cacá Leão (PP), João Leão, ex-secretário estadual de Planejamento e atual vice-governador do Estado, decidiu que quer permanecer na mesma posição na chapa com que Rui Costa (PT) vai concorrer à reeleição. Com isso, o ex-secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Jaques Wagner (PT), e o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Angelo Coronel (PSD), concorrerão às duas vagas ao Senado, fechando o time com que Rui Costa vai encarar a sucessão estadual. Leão deve comunicar sua decisão, que, de fato, aguardava a definição do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), ainda esta semana ao governador do Estado, contou um deputado ligado aos dois a este Política Livre.

10 de abril de 2018, 10:54

EXCLUSIVA Feira: Colbert promete apoio a candidatura de Ronaldo e continuidade administrativa

Foto: Política Livre

Colbert recebe cargo de José Ronaldo em ato na Prefeitura

O novo prefeito de Feira de Santana, Colbert Martins Filho (MDB), fez há pouco um forte discurso em defesa da candidatura de José Ronaldo (DEM) ao governo do Estado, ao participar da solenidade de transmissão de cargo na Prefeitura, depois de ser empossado em solenidade na Câmara Municipal da cidade. Lembrando que Feira é a maior cidade do semi-árido brasileiro e 33a. do país, disse que o ex-prefeito é uma força que vem da cidade, da mesma forma que lá atrás veio João Durval, que se tornou governador do Estado. Colbert disse que na condição de aliado vai estar junto com José Ronaldo na campanha e dará continuidade à sua bem avaliada administração em Feira.

10 de abril de 2018, 09:42

EXCLUSIVA Elmar Nascimento diz que candidatura de José Ronaldo é “inarredável”

Foto: Divulgação/Arquivo

Deputado federal Elmar Nascimento

O deputado federal Elmar Nascimento (DEM) disse hoje a este Política Livre que a decisão de José Ronaldo de ter renunciado ao mandato de prefeito de Feira de Santana para assumir o desafio de concorrer ao governo no lugar do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), torna sua candidatura “inarredável”. “Zé Ronaldo é um homem de bem, um grande político, que governou Feira por quatro vezes. Com sua decisão de renunciar, não há o que falar”, disse, observando que respeita a decisão do PSDB de lançar o nome do deputado federal João Gualberto ao governo, mas que seu partido é maior do que o dos tucanos. Ele disse também que Ronaldo já sai com o apoio de dois prefeitos importantes, como o de Salvador e Colbert Martins Filho, que assume a Prefeitura de Feira de Santana hoje, o que torna sua candidatura mais competititiva entre os oposicionistas. Para o parlamentar, o grupo não pode se dividir em relação à candidatura ao Senado, mas a manutenção de dois nomes ao governo no campo das oposições pode se revelar até positivo.

9 de abril de 2018, 21:21

EXCLUSIVA Recepcionista em Juazeiro, militante apaixonado é autor de áudio contra Neto

Foto: WhatsApp

Jorge Lins, o jovem militante cuja voz correu o mundo

Nem o presidente da Câmara Municipal de Feira de Santana, José Carneiro (PSDB), nem um ator profissional contratado por adversários para malhar o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM). O autor do áudio que correu o mundo com xingamentos ao prefeito no dia em que se tornou pública sua decisão de não concorrer ao governo do Estado é o jovem Jorge Lins, de 19 anos, que deixou o DEM na mesma sexta-feira revoltado contra a decisão de ACM Neto de desistir de disputar a sucessão estadual.

Conhecido defensor do nome do prefeito de Salvador na região, onde muitos comparam seu dom de falar ao público com o de ACM Neto, Lins está surpreso com a repercussão que a mensagem alcançou, mesmo porque não era do seu interesse que isto ocorresse. Imensamente cobrado por causa da decisão do prefeito de Salvador no fatídico dia, ele gravou duas mensagens. Uma, justificando a decisão de Neto, foi encaminhada aos adversários e buscava, apesar de sua indignação, preservar o político.

A outra, em que fez o forte desabafo e acabou passando dos limites nas críticas à decisão de ACM “pela contundência”, foi dirigida a seu grupo mais restrito de WhatsApp, um dos 50 que criou na região para divulgar a candidatura do prefeito ao governo. O tempo de diferença entre uma declaração, de apoio, e a outra, de desabafo, foi de oito minutos, calcula. Teria expressado o crescimento da imensa pressão que recebeu por causa da decisão de ACM Neto, inclusive das chacotas e para “mudar de lado”.

O que ele não esperava é que a divulgassem nem a atribuíssem ao presidente da Câmara de Feira, que havia feito críticas na mesma semana à indecisão de ACM Neto. Preocupado em que o vereador fosse responsabilizado em seu lugar, Lins decidiu assumir a autoria da mensagem. Agora, pensa em gravar um vídeo se retratando não pelo que falou, mas pela intensidade utilizada, que, depois de um final de semana de reflexões, chegou à conclusão de que não precisava ser tão forte. Antes das declarações, Lins rasgou, com uma tesoura, um presente que recebeu do presidente do Democratas Jovem, Lucas Moreno.

Era uma camisa, mandada confeccionar pelo partido do prefeito, com a inscrição “Salvador tem, a Bahia quer”, numa referência à candidatura de ACM Neto. “Coragem é um instrumento importante para muitas coisas, até para ser humilde”, afirma o jovem, para quem Neto destruiu o sonho que tinha dele como seu líder político. Lins é recepcionista de um hotel de sua família em Juazeiro, no qual trabalha sem regalias. O resto do tempo é usado para fazer política com o coração. Além de atividades típicas da juventude.

Ele justifica sua revolta: “A decisão de Neto não é só do prefeito ACM Neto. Envolve a mim, prefeitos, lideranças, deputados, aliados, todas as pessoas que se dispuseram a dar sua colaboração em favor do nome dele em todo o Estado da Bahia”, diz o recepcionista, afirmando que o prefeito tinha o direito de não ser candidato, só não podia decidir no último dia, sem dar alternativa alguma aos aliados nem àqueles que o defendiam com unhas e dentes como ele. Quando a campanha começou a esquentar, ele chegou a usar uma imagem sua com Neto para ser identificado no WhatsApp.

Lins não está preocupado com as notícias de que seria alvo de uma queixa-crime por causa da gravação. Diz que está disposto a pedir desculpas ao prefeito espontaneamente pela forma como falou e não por sua intenção, que era mostrar toda a sua indignação. “Na vida, é necessário se dispor, ter coragem, às vezes no calor da emoção falamos palavras inadequadas. Pediria desculpas pela intensidade das palavras não pela intenção”, afirma, observando que expressou o que todos os apoiadores gostariam de ter dito.

“Expressei, ainda que indelicadamente, as palavras de milhares de baianos que deixaram algo, enfrentaram poderosos por ele (ACM Neto). Falei o que todos gostariam de ter falado”, completa Lins, que começou a se envolver com política entre os 15 e 16 anos sem ter ninguém na família dedicado à atividade. “Eu gosto, acredito que com a política e com a coragem se muda a vida das pessoas”, declara.

9 de abril de 2018, 18:57

EXCLUSIVA Jutahy diz que candidaturas tucanas demonstram que Bahia não quer ficar refém do PT

Foto: Divulgação/Arquivo

Deputado federal Jutahy Magalhães Jr.

O deputado federal Jutahy Magalhães Jr. (PSDB) disse hoje que ficou extremamente feliz com a decisão de seu partido de confirmar sua candidatura ao Senado dentro da visão de que pode representar todos os baianos que desejam ver no Senado um homem público com experiência e coragem para defender o Estado e os municípios da Bahia. Ele lembrou que sua pré-candidatura foi construída ao longo de vários meses e que, desde a convenção partidária de 2017, ficou claro que o partido, por meio de seus delegados, em todos os municípios, abraçou o seu desejo de ser candidato a senador. “Em várias declarações, inclusive ao Política Livre, disse que a minha postulação independia de fatores externos ao meu partido, inclusive, quando me perguntaram se seria candidato, caso (o ex-presidente) Lula (hoje preso em Curitiba) concorresse (à Presidência). Agora, é a mesma situação. Mantenho a minha pré-candidatura, vou lutar para vencer com muita fé e coragem. Agradeço o apoio do meu partido e de tantos que já manifestaram espontaneamente o desejo de me apoiar”, afirmou Jutahy, destacando ainda como uma decisão de grande importância o fato de o PSDB, também unido, ter decidido lançar a pré-candidatura do deputado federal e empresário João Gualberto ao governo. “Gualberto é um político de grande êxito como gestor público como sua experiência na Prefeitura de Mata de São João, por dois mandatos, mostrou, e, ao mesmo tempo, é vitorioso como empresário, reunindo todas as qualificações para servir à Bahia”, declarou, acrescentando ainda que as duas candidaturas tucanas são uma demonstração de luta dos que não aceitam que a Bahia fique refém do PT.

9 de abril de 2018, 18:48

EXCLUSIVA Saída de ACM Neto hoje é trabalhar por unidade, por Raul Monteiro*

Foto: Divulgação/Arquivo

Prefeito de Salvador ACM Neto

O maior desafio das oposições depois da hecatombe provocada pela decisão de ACM Neto (DEM) de não concorrer ao governo é acolher todos os mortos e feridos produzidos pela catástrofe para construir a unidade em torno de um único nome à sucessão estadual, condição essencial para que o ungido, ao final dos entendimentos, herde o mínimo da competividade que o nome do prefeito inspirava na disputa contra o projeto de reeleição do governador Rui Costa (PT). Daí porque é, para dizer o mínimo, extrema a responsabilidade do próprio prefeito em, senão conduzir, pelo menos ajudar em todos os acertos para que se chegue à melhor alternativa possível.

Mais do que nunca, Neto precisa demonstrar de público que, embora tenha decidido não concorrer, não importa por que razão pessoal, um campo em que a política não se presta a apresentar explicações, provocando a imensa frustração nos aliados que se elevou como uma onda em seguida ao anúncio da desistência, tem compromisso real com a sobrevida do grupo que conduziu até aqui com extrema competência e, sobretudo, sob a confiança que adquiriu por sua irretocável capacidade de liderá-lo. É a única forma de minimizar a revolta gestada por sua opção, que também começa a produzir, tanto entre aliados como nos adversários, as mais diversas especulações sobre sua real motivação.

Achar que os quatro anos que o separam do próximo pleito estadual, quando será mais uma vez considerado um nome natural para a sucessão caso a oposição seja de novo derrotada por Rui Costa, serão suficientes para curar as feridas dos sobreviventes, é um risco fenomenal. Pode ser interpretado, inclusive, como provocação ou mesmo a confirmação de teses conspiratórias e inaceitáveis que grassam aqui e ali de que seu objetivo, ao final, era destruir a todos com o propósito de reinar sozinho de agora, quando teve a capacidade de impor sua decisão a todos, até 2022, ano em que pode querer disputar num cenário em que o PT terá, pelo desgaste natural, muito mais dificuldades para fazer o sucessor.

Para tanto, o que o prefeito precisa primeiro admitir, caso não queira perder as condições de continuar liderando todo o grupo, é que não pode esticar a corda acima do limite com relação à influência na montagem da chapa que, reunindo os caquinhos, os demais líderes oposicionistas começam a articular, sob ainda muito desânimo, para enfrentar o PT. Até aqui, era até natural e esperado que, em seguida à sua decisão, para não perder tempo e controlar os danos, o prefeito se armasse com a candidatura ao governo de um nome de seu partido, o ex-prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo, desde o início seu substituto preferido, de forma a demonstrar que sua opção de não concorrer não o paralisou nem a todo o grupo.

O bem vindo desejo de consertar o caos criado não pode significar, no entanto, que poderá simplesmente impor o nome do democrata às demais forças que permanecem ao seu lado, sob pena de produzir mais destruição e passar a impressão de que faz pouco caso das consequências de sua importante retirada de cena. A resposta do PSDB, o mais fiel e cooperativo dos seus aliados até aqui, anunciando o nome do deputado federal João Gualberto ao governo, precisa ser acolhida, da mesma forma que acatada a eventual opção do grupo por seu vice, Bruno Reis, hoje, para facilitar ainda mais a vida do prefeito, no DEM. Neste momento, Neto necessita, como nunca, abrir mão dos anéis para não perder os dedos.

* Artigo do editor Raul Monteiro publicado originalmente na Tribuna.

Raul Monteiro*

8 de abril de 2018, 10:00

EXCLUSIVA Áudio fake contra ACM Neto pode ter sido produzido por opositor ou aliado

Foto: Divulgação/Arquivo

Presidente da Câmara de Feira demorou para desmentir ter sido o autor dos xingamentos ao prefeito

De uma maneira geral, deputados baianos consideraram de profissional um áudio fake que correu o WhatsApp atribuído ao presidente da Câmara Municipal de Feira de Santana, José Carneiro, do PSDB, com xingamentos ao prefeito ACM Neto (DEM) por ter desistido de concorrer ao governo. Na forma, imitando a voz do político feirense, o áudio se assemelha muito a outros que já correram as redes sociais atribuídos ao ex-presidente Lula. O que os parlamentares não sabem precisar é se a gravação, divulgada rapidamente aproveitando o fato de Carneiro ter sido o único político que havia criticado dias antes o que chamou de “indecisão” de Neto e utilizando uma voz que procura imitar a sua, foi uma iniciativa da oposição ao prefeito ou de gente de seu próprio grupo político profundamente indignada com o anúncio de sua opção no último dia do prazo para se desincompatibilizar da Prefeitura. Em todo caso, não deixa de ser simbólico que o presidente da Câmara Municipal de Feira tenha demorado pelo menos um dia para desmentir ser o autor dos xingamentos.

8 de abril de 2018, 07:32

EXCLUSIVA Ausência de Wagner e de Rui de despedida de Lula intriga militância petista

Foto: Alex Silva/Estadão Conteúdo

Lula é conduzido por policiais da PF para prisão

Chamou a atenção da militância a ausência dos figurões petistas baianos, principalmente do ex-governador Jaques Wagner, que já chegou a ser cotado para plano B presidencial do PT, do ato em que o ex-presidente Lula se despediu dos companheiros antes de ir para a prisão, ontem em São Paulo. Tanto ele quanto o governador Rui Costa preferiram tocar suas agendas pessoais – e de campanha na Bahia – no sábado.

7 de abril de 2018, 11:17

EXCLUSIVA PSDB anuncia na 2a. candidatura de Gualberto, ao governo, e Jutahy, ao Senado

Foto: Divulgação/Arquivo

Gualberto, Jutahy e Adolfo Viana

O deputado estadual Adolfo Viana anunciou hoje, por meio de nota, que o partido reafirmará em reunião da Executiva estadual programada para a próxima segunda-feira, o lançamento das candidaturas do deputado federal Jutahy Magalhães Jr., ao Senado, e do seu colega João Gualberto, para o governo do Estado, na expectativa de reunir as forças oposicionistas em torno do enfrentamento do governo petista de Rui Costa na Bahia. Com a iniciativa, passarão a existir duas candidaturas no campo oposicionista. A outra, confirmada hoje, com o decreto de sua renúncia ao mandato de prefeito de Feira, é a do democrata José Ronaldo, nome da preferência do prefeito ACM Neto (DEM), que desistiu ontem de concorrer ao governo. Gualberto e Ronaldo não descartam a possibilidade de se entenderem proximamente.

6 de abril de 2018, 18:41

EXCLUSIVA Neto escolhe Ronaldo para candidato, mas nomes de Gualberto e Bruno despontam

Foto: Divulgação/Arquivo

José Ronaldo vai renunciar hoje à Prefeitura de Feira de Santana

O prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo (DEM), confirmou a amigos agora há pouco que vai renunciar ao mandato com o objetivo de concorrer ao governo do Estado no lugar de ACM Neto (DEM). Sua meta é construir a unidade do grupo oposicionista em torno de seu nome com o apoio, já manifesto, do prefeito de Salvador.

Com o lançamento de Ronaldo, sobe para pelo menos dois os nomes de candidatos ao governo no grupo de Neto. O outro, que tem a preferência dos deputados oposicionistas, é o de João Gualberto, do PSDB, cuja candidatura foi defendida hoje pelo deputado federal tucano Jutahy Magalhães Jr.

Gualberto teme, no entanto, desfalcar a eleição da bancada federal da legenda, onde a previsão é de que liderasse a votação. Há uma outra alternativa pela qual alguns parlamentares, como Elmar Nascimento (DEM), pretendem trabalhar internamente no grupo de oposição para a sucessão estadual.

Seria a do vice-prefeito Bruno Reis (MDB), que se empenhou ao máximo, com o consentimento do prefeito, nas costuras que poderiam levar Neto a disputar o governo, na expectativa de ser o seu sucessor, mas acabou vencido pela decisão em contrário tomada pelo democrata.

Para os parlamentares que apostam em Bruno, ele seria favorecido imensamente pelo perfil que o aproxima de Neto, embarcando na onda da novidade contra o governo do PT que, segundo as pesquisas em poder do grupo, poderá ajudar no embalo da candidatura ao governo.