16 de janeiro de 2017, 18:24

EXCLUSIVA PSD baiano deve apoiar reeleição de Rodrigo Maia

Foto: Ag. Brasil

Rodrigo Maia tem visitado todos os Estados pedindo votos

Em campanha pela reeleição à presidência da Câmara dos Deputados, o deputado federal Rodrigo Maia (DEM) desembarca amanhã em Salvador para contato com parlamentares e visitas a sedes de alguns partidos, entre os quais se inclui o PSD, que lançou contra ele como candidato à sucessão na Casa seu colega Rogério Rosso (DF). O PSD tem na Bahia cinco deputados que, segundo apurou esta tarde este Política Livre, já teriam fechado apoio à reeleição de Maia. Há quem diga, aliás, que foi o movimento dos parlamentares baianos do partido que teria levado Rosso a liberar a bancada para votar como quiser para presidente da Câmara, demonstrando sua fragilidade no processo eleitoral. O encontro com o PSD deve acontecer no final da tarde.

9 de janeiro de 2017, 10:12

EXCLUSIVA Deputado do PSC admite apoio a Nilo para Assembleia

Foto: Divulgação/Arquivo

Pelos cálculos de Nilo, ele já teria os 32 votos necessários para se reeleger

O deputado estadual Samuel Jr., do PSC, disse há pouco ao Política Livre que existe a possibilidade de o partido apoiar a reeleição do colega Marcelo Nilo (PSC) à presidência da Assembleia Legislativa. Ele tomou hoje um café da manhã com Nilo acompanhado do pastor Valdomiro Pereira da Silva, presidente da Convenção das Assembleias de Deus no Estado da Bahia, de quem segue orientação. Segundo o deputado, os dois devem conversar agora com o deputado estadual Pastor Isidório, que também lançou sua candidatura à presidência. “Se houver entendimento com ele, não haverá problema em apoiar Nilo”, disse Samuel Jr. Com seu apoio, subiria para 32 o número de colegas que o presidente da Assembleia computa como integrantes da sua base.

9 de janeiro de 2017, 08:01

EXCLUSIVA Duelo entre Nilo e Otto pela Assembleia, por Raul Monteiro

Foto: Montagem/Política Livre

Com o encontro da semana passada entre o presidente da Assembleia Legislativa, Marcelo Nilo (PSL), e o vice-governador e secretário estadual de Planejamento, João Leão (PP), é possível que a disputa pelo comando da Casa se resuma efetivamente a um duelo entre o deputado estadual e o senador Otto Alencar (PSD), que tem trabalhado ostensivamente pela candidatura do aliado Angelo Coronel (PSD). Isso, se o plano de Nilo de atrair Leão e seu candidato, Luiz Augusto (PP), e isolar Otto e seu afilhado, efetivamente se concretizar. Com efeito, o nome mais forte para enfrentar o presidente da Assembleia hoje é o de Coronel.

O apadrinhamento de sua candidatura pelo senador do PSD, junto com os claros movimentos que Otto tem feito no sentido de fortalecer seu nome, a exemplo de puxar para a Assembleia aliados como a suplente Mirela Macedo com o nítido objetivo de ampliar a base de votos nele, tornam Coronel o nome mais competitivo para enfrentar Nilo. Apesar do excelente relacionamento com os deputados, o presidente da Assembleia tem em seu desfavor o desgaste natural entre os colegas de comandar o Poder por cinco mandatos consecutivos, os quais pretende transformar em seis, se conseguir se reeleger.

Ainda que o PP de Leão e Luiz Augusto não tenha na Assembleia uma bancada suficiente para virar o jogo em favor de nenhum dos três candidatos, a possibilidade de Nilo atrair o partido para o seu campo não deixa de fortalecê-lo, já que polariza a disputa entre ele e Coronel ou, como avalia a maioria, entre ele e Otto. Reside aí uma jogada esperta do presidente da Assembleia porque, como se sabe, a decisão sobre a eleição do próximo presidente da Assembleia está nas mãos da oposição, com os 20 votos da bancada que o grupo possui na Casa.

Ciente do papel dos oposicionistas na disputa, o líder in pectore do grupo, o prefeito ACM Neto (DEM), já se reuniu com os deputados na Assembleia para fazer um apelo pelo voto conjunto num só candidato. Com toda a razão, Neto preferiria um presidente menos alinhado do que o atual com o governador Rui Costa (PT), a quem deve enfrentar em 2018, no caso de, como tudo indica, renunciar ao segundo mandato de prefeito para concorrer ao governo do Estado. Se, mesmo pertencendo à base governista, Coronel é quem poderia se posicionar de forma mais independente em relação ao governador, restaria um outro dilema.

O que assegura que, uma vez eleito, o candidato do PSD pode efetivamente favorecer os planos da oposição de tornar a Assembleia mais autônoma em relação ao Executivo? Ou, dito de forma mais clara, em que medida interessa a Neto fortalecer Otto por meio da eleição de Coronel? Como já disse o próprio o prefeito, nada assegura que, uma vez reeleito, Nilo não possa se constituir num foco de atrito importante por ocasião da montagem da chapa à reeleição de Rui, já que todo mundo sabe que pleitea pelo menos uma de suas duas vagas ao Senado, motivo porque se empenha para estar no comando da Assembleia no momento decisivo.

Raul Monteiro

6 de janeiro de 2017, 19:40

EXCLUSIVA Nilo se reúne com Leão na vice-governadoria e sai “satisfeito”

Foto: Emerson Nunes/Política Livre/Arquivo

Deputado estadual Marcelo Nilo é candidato à reeleição à presidência da Assembleia

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Marcelo Nilo (PSL), candidato à reeleição, se reuniu hoje com o secretário estadual de Planejamento e vice-governador do Estado, João Leão (PP). Nilo deixou a vice-governadoria dizendo-se bastante satisfeito com o encontro, dando a entender que existe a possibilidade de chegarem a “um denominador comum” com relação à disputa pela presidência do Legislativo. O PP lançou o deputado estadual Luiz Augusto como candidato à sucessão de Nilo. O outro candidato da base governista é o deputado estadual Angelo Coronel (PSD).

5 de janeiro de 2017, 11:32

EXCLUSIVA Votação para presidência afasta PT do PCdoB e do PSB na Câmara

Foto: Divulgação

Vereador Hélio Ferreira é também presidente do Sindicato dos Rodoviários

A decisão do PT de lançar candidatura própria à presidência da Câmara Municipal, na última segunda-feira, desrespeitada por dois dos três vereadores do partido, pode afastar a agremiação das demais legendas de oposição na Casa, a exemplo do PSB e do PCdoB. A segunda sigla, tradicional aliada do petismo, preferiu fechar um acordo com o novo presidente, Leonardo Prates (DEM), pelo qual indicará o vereador Hélio Ferreira para a presidência da Comissão de Transportes no Legislativo municipal. Hélio é presidente do Sindicato dos Rodoviários de Salvador e teria contado com um inusitado apoio para galgar o posto, segundo se comenta na Câmara: o do secretário municipal de Mobilidade Urbana, Fábio Motta. O PSB também teria negociado a indicação de uma comissão para votar no candidato do DEM à presidência da Casa. Trata-se da de Reparação, que será presidida pelo vereador Sílvio Humberto, líder da Oposição na Casa. Os dois vereadores do PT que não apoiaram a candidata petista Marta Rodrigues também negociaram espaços no Legislativo. Suíca assumirá a Ouvidoria, ao passo que Moisés Rocha deve presidir uma Comissão voltada para o Carnaval, que será criada em fevereiro.

5 de janeiro de 2017, 07:46

EXCLUSIVA A marca da vereadora Marta, por Raul Monteiro

Foto: Reprodução/Facebook

Vereadora Marta Rodrigues

Quando lançou-se candidata à presidência da Câmara Municipal de Salvador contra o grupo do prefeito ACM Neto (DEM), liderado na Casa pelo franco favorito Leonardo Prates (DEM), que acabou se elegendo quase à unanimidade, a vereadora Marta Rodrigues (PT) tinha um plano, que fora milimetricamente estudado pela corrente a que pertence em seu partido. Mesmo sabendo que apostava no isolamento do PT na Casa, estava fadada ao fracasso e à condição humilhante de receber apenas o seu voto, como aconteceu, a vereadora expôs, com o seu gesto, tanto interna quanto externamente, a situação vexatória em que o PT se encontra na Câmara.

Na verdade, desde que passou a comandar o país e a partir do momento em que conquistou também o governo da Bahia, o partido foi se reduzindo, com raríssimas exceções, a uma expressão de interesses particulares no Legislativo de Salvador, assumindo condição muito diferente daquela aguerrida agremiação de oposição em que, muito antes de assumir o poder, pontuaram figuras como Zezéu Ribeiro, Edval Passos, Nelson Pelegrino, Walter Pinheiro, Vânia Galvão e o próprio governador Rui Costa. Embora haja controvérsias na própria agremiação, parte da derrocada municipal do partido pode ser atribuída ao prefeito ACM Neto (DEM).

Nestes quatro anos de gestão, por exemplo, Neto conseguiu praticamente anular a atuação da sigla na Câmara, senão abertamente cooptar alguns de seus membros, que tanto deixaram a legenda para aliar-se a ele quanto permaneceram nela, mesmo apoiando ostensivamente o governo democrata sem que nenhum questionamento fosse feito às demonstrações de infidelidade. Mas o prefeito deu apenas uma contribuição para a diminuição do papel e da dimensão na Casa do PT, que já discute, inclusive, a expulsão de dois dos seus três vereadores, exatamente por causa do seu posicionamento na eleição para a presidência da Câmara, na última segunda-feira.

Não há quem não considere hoje ter sido um dos maiores equívocos do partido a decisão de não lançar, por exemplo, candidato à Prefeitura de Salvador, o que acabou reduzindo a bancada de seis vereadores que elegeu em 2012 para a metade na sucessão municipal de outubro do ano passado. Não há também quem não reconheça que a direção municipal do partido praticamente deixou de existir a partir do momento em que, para contentar suas várias correntes internas, optou por fazer um rodízio no seu comando entre alguns dos seus representantes sem que nenhum deles tivesse expressão pública e capacidade para efetivamente liderá-lo.

Impossível negar que ao, deliberadamente marchar para a derrota na eleição para a presidência da Câmara, Marta revelou na sua inteireza a condição de indigência e falta de rumo em que o partido se encontra. A humildade com que ela marchou para a tribuna da Câmara em que discursou defendendo sua candidatura, basicamente para a militância solidária à sua decisão presente às galerias, mostrou que a vereadora não compactua com a boçalidade que o exercício do poder imprimiu num partido cuja maioria parece não querer enxergar que o desapego é o primeiro passo para tentar o recomeço.

* Artigo publicado originalmente no jornal Tribuna da Bahia

Raul Monteiro*

4 de janeiro de 2017, 18:56

EXCLUSIVA Vereadores travam indicação de aliado de Câmara para subsecretaria

Foto: Reprodução

Beto Fagundes foi diretor-administrativo da Câmara Municipal de Salvador

A especulação de que o ex-presidente da Câmara Municipal de Salvador, Paulo Câmara (PSDB), estaria planejando indicar o ex-diretor-administrativo da Casa, Beto Fagundes, para o cargo de sub-secretário na secretaria municipal de Obras Públicas provocou uma reação irada em vereadores da base do prefeito ACM Neto (DEM). Um grupo de governistas já discute seriamente a possibilidade de ir ao prefeito recomendar que ele não faça “a loucura” de aceitar a indicação. Um dos vereadores chegou a atribuir um dos motivos da inviabilização da candidatura à reeleição de Câmara à presidência do Legislativo ao comportamento do seu ex-diretor administrativo. Segundo seu relato, quando foi diretor-administrativo, ele teria comprado brigas tanto com os edis quanto com os funcionários do Poder. Não é a primeira vez que os vereadores se insurgem contra o afilhado de Câmara. Quando negociava sua participação no governo com ACM Neto, o então presidente do Legislativo sugeriu seu nome para assumir a secretaria municipal de Obras Públicas. Neto não teria aceito a indicação, no entanto, devido à reação contrária dos vereadores. Na Praça Municipal, conta-se que, na época, eles teriam formado uma fila para pedir a Neto que não nomeasse o executivo. Câmara indicou, então, o nome de José Cabral, ex-diretor financeiro da Câmara, e o de Marcus Passos, um assessor da diretoria da Câmara de sua confiança, o qual o prefeito acabou nomeando como representante do tucano em seu governo.

4 de janeiro de 2017, 18:17

EXCLUSIVA Suíca é mais visado que Moisés para ser expulso do PT

Foto: Divulgação/Arquivo

Vereador Suíca está na mira do PT para ser expulso há algum tempo

Acusado de infidelidade partidária no PT por ter votado em Leonardo Prates (DEM) para a presidência da Câmara Municipal contra a candidata lançada pelo partido, Marta Rodrigues, o vereador Suíca está na mira há muito tempo de membros de seu partido, onde suas ligações com o prefeito ACM Neto (DEM) já se tornaram motivo até de piadas. Ele é mais visado para um processo de expulsão da legenda do que o colega de bancada Moisés Rocha, que também votou em Leonardo Prates e deve ser indicado na Câmara para presidir uma Comissão responsável por discutir políticas para o Carnaval, a ser criada em fevereiro. Em troca do voto em Prates, Suíca assumirá a Ouvidoria da Câmara Municipal.

4 de janeiro de 2017, 11:31

EXCLUSIVA Pressão por expulsão de vereadores ganha corpo no PT

Foto: Reprodução

Edizio Nunes é um dos dirigentes do PT baiano

Aberta com a decisão da vereadora Marta Rodrigues (PT) de se lançar candidata à presidência da Câmara Municipal contra o colega favorito Leonardo Prates (DEM), a crise na seção do PT em Salvador permanece se avolumando, devido à pressão para que os vereadores petistas Suíca e Moisés Rocha, que votaram no democrata, sejam expulsos.

Em post numa rede social, o assessor do governo e ex-candidato a presidente do PT de Salvador, Edizio Nunes, um dos mais respeitados dirigentes da sigla, cobrou uma postura da direção da legenda contra os dissidentes.

Segundo Edízio, não faz sentido os representantes do partido terem desprezado a candidatura da agremiação, definida em reunião interna, para votar no candidato do prefeito ACM Neto (DEM), a quem o partido faz oposição na Bahia.

“2 Vereadores do PT votam no DEM pra presidente da Câmara Municipal de Salvador, no principal quadro ligado a ACM Neto, que somos oposição, contra a candidata do partido, e o diretório municipal fica inerte, mudo?”, questionou Nunes.

O dirigente também exigiu que a posição dos vereadores seja analisa pela Comissão de Ética do partido, primeiro passo para que ambos possam ser expulsos da agremiação. “Isso é motivo pra entrar com ação judicial de infidelidade partidária e perda de mandato. Ou será q o DM do PT de Salvador precisa de mais elementos fáticos?”, acrescentou.

Para completar, Nunes ainda escreveu a seguinte hashtag: “#Comissãodeéticajá”. O questionamento do petista turbinou internamente a polêmica sobre o comportamento dos vereadores no PT, produzindo quase uma centena de comentários sobre a situação do partido na capital.

Em troca do apoio a Prates, Suíca ganhou a Ouvidoria da Câmara e Moisés deve ser eleito presidente de uma comissão especial que se encarregará de discutir as políticas para o Carnaval de Salvador.

Desde o início da gestão de ACM Neto, membros da bancada petista flertavam abertamente com o prefeito. Alguns, como Henrique Carballal e J. Carlos Jr., chegaram a deixar o partido na Casa para se aliar ao democrata. Carballal, inclusive, caminha para ser o líder do governo na Câmara.

O comportamento dos que permaneceram no PT, apesar do posicionamento igualmente favorável ao prefeito, nunca foi questionado, abrindo espaço para que a legenda seja publicamente desrespeitada de maneira continuada, como aconteceu na votação da última segunda-feira.

Ontem, numa entrevista à Rádio Metrópole, o presidente estadual do PT, Everaldo Anunciação, botou panos quentes no comportamento de Suíca e Moisés Rocha, produzindo ainda mais indignação internamente na legenda.

3 de janeiro de 2017, 18:12

EXCLUSIVA Em contraponto a Otto e Leão, Nilo e Lídice firmam pacto para 2018

Foto: Calila Notícias

Nilo e Lídice querem andar juntos também em 2018

O presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, deputado estadual Marcelo Nilo (PSL), e a senadora Lídice da Mata (PSB) firmaram hoje um pacto para a sucessão estadual de 2018 pelo qual aquele que estiver mais forte se compromete a apoiar o outro para o Senado ou a vice na chapa com que o governador Rui Costa (PT) deve disputar a reeleição. O entendimento foi firmado durante um almoço oferecido aos dois pelo secretário estadual de Administração Penitenciária, Nestor Duarte Neto, correligionário de longa data de Marcelo Nilo.

A iniciativa pode ser interpretada como uma resposta à aproximação entre os grupos do senador Otto Alencar (PSD) e do vice-governador e secretário estadual de Planejamento, João Leão, que também almoçaram hoje, no restaurante Boi Preto, acompanhados dos seus respectivos candidatos à presidência da Assembleia, os deputados estaduais Angelo Coronel e Luiz Augusto. Na avaliação de aliados de Nilo, a disputa pela sucessão no comando do Legislativo é apenas o pano de fundo para um outro plano velado montado por Otto e Leão.

A estratégia visaria, na prática, tirar o presidente da Assembleia do jogo sucessório do ano que vem. Por esta avaliação, a tentativa de impedir a reeleição de Nilo no Legislativo seria uma forma de ambos minarem o seu poder e, portanto, sua capacidade de influir na composição da futura chapa do governador, na qual, para correligionários do atual presidente da Assembleia, o senador gostaria de indicar o filho, Otto Alencar Filho, para a vice, e Leão teria o plano de concorrer ao Senado.

Tanto o senador quanto o vice-governador se defendem argumentando que a tese não passa de uma fantasia com a qual Nilo tenta se perpetuar indefinidamente no comando da Assembleia. Em sua sexta tentativa consecutiva de se reeleger presidente do Legislativo estadual, Nilo nunca havia enfrentado adversários tão fortes quanto Otto e Leão. Quando se unem, Nilo e Lídice sabem que não terão força para se impor a PSD e PP na hora da montagem da chapa de Rui, mas que podem disputar pelo menos uma das vagas supostamente visadas pelo senador e o vice-governador.

3 de janeiro de 2017, 11:03

EXCLUSIVA Oposição pode fazer eleição para escolher entre candidatos à Assembleia

Foto: Divulgação/Arquivo

Deputado Marcell Moraes é um dos 20 deputados de oposição na Assembleia

A bancada de oposição na Assembleia Legislativa pode fazer uma eleição interna para definir em quem seus deputados votarão para a presidência da Casa, na eleição do próximo dia 1 de fevereiro. Disputam o posto o atual presidente, deputado Marcelo Nilo (PSL), que concorrerá pela sexta vez, o colega Angelo Coronel, do PSD, e Luiz Augusto, do PP, todos da base governista. A iniciativa tem sido defendida por alguns deputados como forma de dar mais transparência ao processo de escolha do próximo presidente e fortalecer o papel da própria bancada oposicionista. Há consenso entre os candidatos de que, com 20 deputados, os parlamentares que fazem oposição ao governo Rui Costa (PT) serão decisivos na eleição de qualquer dos nomes à presidência. “Quem tiver o apoio da oposição ganha a eleição para presidente”, diz o deputado estadual Marcell Moraes, do PV, que prefere ainda não revelar em quem vai votar.

3 de janeiro de 2017, 07:52

EXCLUSIVA Queda de secretário Vitor Bonfim é esperada para fevereiro

Foto: Divulgação/Arquivo

Bonfim não teria dado os resultados esperados pelo governo como secretário

Nos meios governistas, é dada como certa a queda do secretário estadual de Agricultura, Vitor Bonfim, em meio à reforma administrativa que o governador Rui Costa (PT) deverá implementar neste início de ano. Além do comportamento político, Bonfim não teria dado o resultado administrativo esperado pelo governo para o setor que comanda. Na eleição municipal passada, ele posicionou-se ostensivamente ao lado de candidatos a prefeito de oposição a Rui Costa. Como é adversário do presidente da Assembleia Legislativa, Marcelo Nilo (PSL), tudo indica que o secretário só deixará o governo depois da eleição à presidência da Casa, em fevereiro, já que, retomando a condição de deputado, pode votar contra o parlamentar. Um dos nomes lembrados – mas não confirmados – para a secretaria é o do atual responsável pela articulação política do governo, Josias Gomes.

2 de janeiro de 2017, 18:42

EXCLUSIVA PSB de Lídice deve indicar secretaria de Ciência e Tecnologia

Foto: Política Livre

Senadora Lídice da Mata durante solenidade na Assembleia, hoje

Ao contrário de substituir o atual titular da pasta pelo deputado estadual Alex Lima, o PDT do deputado federal Félix Mendonça Jr. deve perder a secretaria de Ciência e Tecnologia para o PSB da senadora Lídice da Mata. O partido, sob a sugestão de Lídice, deve indicar para a secretaria o engenheiro José Vivaldo Souza de Mendonça Filho, que já dirigiu a CAR (Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional), empresa pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento e Integração Regional (Sedir). Ao Política Livre, Lídice admitiu hoje, durante a solenidade de posse de quatro suplentes na Assembleia Legislativa, que o partido negocia indicações para a reforma administrativa que o governador Rui Costa (PT) planeja para este mês de janeiro, mas não quis antecipar que áreas seriam de interesse do PSB, que já comandou a secretaria estadual de Turismo no governo Jaques Wagner.

2 de janeiro de 2017, 14:07

EXCLUSIVA PDT atrai Alex Lima e Carlos Muniz com cargos no Estado

Foto: Política Livre

Vereador Carlos Muniz pode assumir o IAT, indicado pelo PDT

O presidente estadual do PDT, Félix Mendonça Jr., prepara uma ofensiva para filiar pelo menos dois quadros do PTN ao seu partido. São o vereador Carlos Muniz e o deputado estadual Alex Lima. O Política Livre apurou que os dois estão apalavrados com Félix para fazer a filiação e aguardam apenas a mudança de nome da legenda para “Podemos” a fim de terem um argumento que lhes assegure a ida para o PDT sem obstáculos, principalmente judiciais.

Hoje, na Câmara Municipal, Carlos Muniz dizia a quem quisesse ouvir que seu compromisso com o partido se encerrava ali, com o voto que deu para a presidência da Casa no vereador Léo Prates (DEM), que foi apoiado pelo PTN. Ele desfia o rosário de queixas tradicional de que não tem voz ativa no partido comandado na Bahia pelo deputado federal Bacelar. Para atrair os dois políticos, o PDT ofereceu dois cargos na estrutura do governo estadual hoje ocupados pelo partido.

Alex Lima, por exemplo, pode ser indicado para a secretaria estadual de Ciência e Tecnologia, o que abriria espaço para que o irmão do vereador, Anderson Muniz, hoje suplente, tomar posse como deputado na Assembleia. Já Carlos Muniz, pode assumir o IAT (Instituto Anísio Teixeira), afastando-se da Câmara, onde assumiria o mandato de vereador o apresentador de TV Uziel Bueno, que também está no PTN, mas também se filiaria ao PDT.

Félix Mendonça Jr. pretende atrair os novos quadros para o PDT aproveitando a reforma administrativa que o governador Rui Costa (PT) planeja para este mês de janeiro como forma de se preparar para a sucessão estadual de 2018. Inicialmente, ele pensou em indicar a irmã, a ex-vereador Andréa Mendonça, para a secretaria, mas mudou de estratégia ao perceber que poderia utilizá-lo para negociar o fortalecimento do partido na Câmara e na Assembleia.

2 de janeiro de 2017, 10:59

EXCLUSIVA PT planeja expulsar Suíca e Moisés depois de votação na Câmara

Foto: Política Livre

Aliado antigo de ACM Neto, vereador Suíca está na mira do PT há muito tempo

A decisão da executiva municipal do PT de lançar a candidatura da vereadora Marta Rodrigues à presidência da Câmara teve apenas um objetivo: fazer com que o partido tenha argumentos para expulsar os vereadores Suíca e Moisés Rocha, ambos do PT. Nenhum dos dois votou na vereadora na eleição para a presidência da Câmara agora pela manhã, na qual ela só teve o seu próprio voto. A direção do PT buscava apenas uma justificativa para tirar os dois vereadores da sua representação na Câmara. O vereador Suíca, inclusive, integra a chapa do novo presidente da Câmara Municipal, Léo Prates (DEM), na condição de Ouvidor. Marta sabia que provavelmente só teria seu voto na eleição de hoje. Nas reuniões que a executiva do PT para anunciar sua candidatura, os dois colegas de partido não compareceram. Ainda assim, ela decidiu concorrer, atendendo a apelo do partido, sob o argumento de que o PT começou pequeno na Câmara Municipal de Salvador até chegar à Presidência da República. A militância petista deu total apoio à vereadora. Das galerias, gritou seu nome quando seu nome foi anunciado, quando ela lançou sua candidatura e no momento em que ela votou. “Eles estão vendo tudo”, disse depois a vereadora ao Política Livre, referindo-se à galeria.