7 de fevereiro de 2012, 06:40

EXCLUSIVA EXCLUSIVO: Líder grevista já fez campanha para Wagner e Geddel; veja vídeo

Foto: Lúcio Távora/A Tarde

Prisco foi o dono do contracheque que ajudou Wagner a mostrar nível salarial da PM na propaganda de 2006, mas em 2010 apareceu na campanha de Geddel atacando governador

Marco Prisco, o polêmico presidente da Associação dos Policiais e Bombeiros do Estado da Bahia (ASPRA) que conseguiu parar a Polícia Militar da Bahia, já passou por quase todos os lados da política baiana. O ex-policial, que ingressou na vida de servidor público em 1999 e foi expulso da corporação por conta das  ações grevistas da PM em 2001, participou da campanha eleitoral do PT em 2006 que elegeu Jaques Wagner governador da Bahia. Além de ter sido cabo eleitoral do petista entre os militares, Prisco teria sido o dono do contracheque que embalou a propaganda do então candidato e, à época, serviu para evidenciar o quadro de baixos salários da corporação.

Após ganhar os holofotes, tanto pela coordenação da greve no governo César Borges, como por fazer parte da campanha do PT, o líder grevista passou por várias siglas, como indicam informações da Folha de S. Paulo e do jornal Correio*. Prisco já foi filiado ao PTC, legenda em que se lançou candidato a deputado estadual, ao PCdoB e ao PSOL. Na última campanha para o governo, em 2010, mesmo período em que postulou uma vaga na Assembleia, o ex-policial apareceu no horário eleitoral do PMDB, do então candidato Geddel Vieira Lima, atacando Wagner por, segundo ele, compromissos assumidos em 2006 e não cumpridos em seu primeiro mandato  (veja o vídeo aqui).

Há três meses, Prisco é filiado ao PSDB, onde acalenta o projeto de sair candidato a vereador em Salvador em outubro próximo. O próprio deputado Antônio Imbassahy, ex-presidente regional do partido, confirmou a informação da filiação do grevista. Durante a eclosão da atual greve, o ex-PM fez denúncias graves. Acusou, conforme matéria veiculada no jornal O Globo, a cúpula do PT e de outros partidos de esquerda, citando nomes como os de Nelson Pelegrino (PT), Lídice da Mata (PSB) e do governador Jaques Wagner como financiadores do movimento grevista de 2001. Lídice prometeu processá-lo por causa da acusação e Wagner o desmentiu por meio de sua assessoria.

As movimentações sindicais de Prisco não estão restritas apenas à Bahia: ele coordenou ações no Maranhão e em Roraima, onde, neste último Estado, teria, segundo denúncias, chegado a se apresentar como deputado estadual baiano. Hoje, ele e mais onze integrantes da diretoria da ASPRA são tidos como foragidos da polícia, pois um mandado de prisão já foi expedido pela justiça mas apenas um dos acionados foi notificado. Policiais Federais foram à Assembleia Legislativa., onde eles estavam aquartelados, cumprir o mandado, mas não conseguiram notificá-los.

Victor Pinto

6 de fevereiro de 2012, 21:45

EXCLUSIVA EXCLUSIVO: Líder grevista já fez campanha para Wagner e Geddel; veja vídeo

Foto: Lúcio Távora/A Tarde

Prisco foi o dono do contracheque que ajudou Wagner a mostrar nível salarial da PM na propaganda de 2006, mas em 2010 apareceu na campanha de Geddel atacando governador

Marco Prisco, o polêmico presidente da Associação dos Policiais e Bombeiros do Estado da Bahia (ASPRA) que conseguiu parar a Polícia Militar da Bahia, já passou por quase todos os lados da política baiana. O ex-policial, que ingressou na vida de servidor público em 1999 e foi expulso da corporação por conta das  ações grevistas da PM em 2001, participou da campanha eleitoral do PT em 2006 que elegeu Jaques Wagner governador da Bahia. Além de ter sido cabo eleitoral do petista entre os militares, Prisco teria sido o dono do contracheque que embalou a propaganda do então candidato e, à época, serviu para evidenciar o quadro de baixos salários da corporação.

Após ganhar os holofotes, tanto pela coordenação da greve no governo César Borges, como por fazer parte da campanha do PT, o líder grevista passou por várias siglas, como indicam informações da Folha de S. Paulo e do jornal Correio*. Prisco já foi filiado ao PTC, legenda em que se lançou candidato a deputado estadual, ao PCdoB e ao PSOL. Na última campanha para o governo, em 2010, mesmo período em que postulou uma vaga na Assembleia, o ex-policial apareceu no horário eleitoral do PMDB, do então candidato Geddel Vieira Lima, atacando Wagner por, segundo ele, compromissos assumidos em 2006 e não cumpridos em seu primeiro mandato  (veja o vídeo aqui).

Há três meses, Prisco é filiado ao PSDB, onde acalenta o projeto de sair candidato a vereador em Salvador em outubro próximo. O próprio deputado Antônio Imbassahy, ex-presidente regional do partido, confirmou a informação da filiação do grevista. Durante a eclosão da atual greve, o ex-PM fez denúncias graves. Acusou, conforme matéria veiculada no jornal O Globo, a cúpula do PT e de outros partidos de esquerda, citando nomes como os de Nelson Pelegrino (PT), Lídice da Mata (PSB) e do governador Jaques Wagner como financiadores do movimento grevista de 2001. Lídice prometeu processá-lo por causa da acusação e Wagner o desmentiu por meio de sua assessoria.

As movimentações sindicais de Prisco não estão restritas apenas à Bahia: ele coordenou ações no Maranhão e em Roraima, onde, neste último Estado, teria, segundo denúncias, chegado a se apresentar como deputado estadual baiano. Hoje, ele e mais onze integrantes da diretoria da ASPRA são tidos como foragidos da polícia, pois um mandado de prisão já foi expedido pela justiça mas apenas um dos acionados foi notificado. Policiais Federais foram à Assembleia Legislativa., onde eles estavam aquartelados, cumprir o mandado, mas não conseguiram notificá-los.

Victor Pinto

5 de fevereiro de 2012, 13:50

EXCLUSIVA Lídice da Mata processará Marco Prisco

Foto: Agência Senado

Senador Lídice da Mata

Em postagem recente em seu perfil do Facebook, a assessora de comunicação da senadora Lídice da Mata (PSB), Carmela Talento, informou que a parlamentar processará o líder do movimento grevista da PM e presidente da ASPRA, Marco Prisco, pela denúncia, veiculada no jornal O Globo, de que Lídice havia financiado a greve dos Policiais Militares da Bahia em 2001. Carmela informou que Prisco deverá provar, sob judice, a acusação e completou: “Ele está mexendo com a pessoa errada”. (Victor Pinto)

3 de fevereiro de 2012, 17:45

EXCLUSIVA Democratas e PSDB vão estar juntos em Salvador, diz Sérgio Guerra

Democratas e Tucanos devem marchar juntos nas eleições municipais de 2012. Em contato com o Política Livre, o deputado Sérgio Guerra (PSDB-PE), presidente do PSDB, afirmou que em reunião com o senador José Agripino (DEM-RN), presidente do DEM, ficou definido que os dois partidos vão se aliar em quatro cidades: Salvador, Aracaju, Natal e Fortaleza.

Segundo Guerra, o único nome definido é o de João Alves, em Sergipe. O tucano preferiu não citar os escolhidos em outros estados. “Ainda não foi definido qual será o nome da unidade nos outros municípios. Em Salvador não tem esse negócio de apoiar Imbassahy ou ACM Neto. Só vamos definir isso lá para março”, afirmou.

Quando questionado se existe a possibilidade da união das oposições, proposta pelo vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa, Geddel Vieira Lima (PMDB), Sérgio Guerra não descartou. “Geddel tem muita relação com os dois partidos, no governo Fernando Henrique estivemos juntos”, concluiu.

Emerson Nunes

2 de fevereiro de 2012, 17:09

EXCLUSIVA Suplência The Flash: Zé da Pesca perde mandato com saída de Negromonte do ministério

Se Negromonte não assumir outro cargo no governo Federal, Zé da Pesca perde mandato

A dança das cadeiras das vagas dos deputados na Câmara Federal não para. Com o pedido de demissão do ministro das Cidades, Mário Negromonte (PP), o até então deputado Zé Carlos da Pesca (PP) perde o seu mandato. O baiano assumiu a vaga no Congresso no dia 6 do mês passado, logo após a saída de Rui Costa para o governo do Estado e não terá o gostinho de acompanhar os trabalhos no plenário do legislativo nacional, pois só ficou como parlamentar durante o recesso. Em entrevista ao Política Livre, o pepista havia declarado ter ciência que a “sua passagem na Câmara seria rápida e simbólica”. Com a volta de Negromonte, só ficam disponíveis quatro vagas para serem preenchidas pelos suplentes. Por ser o quinto, Zé da Pesca fica de fora. A salvação do seu mandato seria a possibilidade do ex-ministro assumir outro cargo no governo Dilma, como já foi cogitado. (Victor Pinto)

Leia mais: Suplência The Flash: Zé Carlos da Pesca diz que mandato na Câmara será “simbólico” 

Victor Pinto

1 de fevereiro de 2012, 13:33

EXCLUSIVA Pinheiro é escolhido líder do PT no Senado

Foto: Agência Senado

Walter Pinheiro eleito líder do PT no Senado

O senador Walter Pinheiro foi escolhido, agora há pouco, pelo PT para liderar o partido no Senado Federal. A decisão da bancada foi unânime. O senador Wellington Dias (PT-PI), que também havia se apresentado como candidato, abriu mão da disputa em nome da “unidade da sigla”. As informações foram divulgadas pelo senador Humberto Costa (PT-PE), em sua conta do Twitter. Pinheiro sucederá Costa na liderança da Casa por um ano, quando Dias deve assumir a função. (Victor Pinto)

30 de janeiro de 2012, 11:07

EXCLUSIVA Coité: Visita de Wagner acirra ânimos, antecipa campanha e leva Pinheiro a dar pito em grupos do PT e PP

Foto: Victor Pinto

Assis, Wagner e Renato: presença do governador em Coité reúne os principais concorrentes à Prefeitura

A visita do governador Jaques Wagner, na manhã do último sábado, à cidade de Conceição do Coité, distante 240 km de Salvador, antecipou a campanha eleitoral coiteense, pois os dois pólos principais da política local são da base do governador. O atual prefeito e pré-candidato à reeleição, Renato Souza, pertence ao PP e o principal adversário dele é Assis da Caixa, ex-vereador e presidente do PT municipal. O chefe do executivo estadual baiano e sua comitiva foram à cidade participar do ato de entrega de 500 residências do programa “Minha Casa, Minha Vida”.

Os dois pré-candidatos, junto aos políticos de suas bases, dividiram o palanque e ficaram lado a lado com o governador, como em outras ocasiões, mas desta vez com os ânimos exaltados, pois se trata de um ano eleitoral. A disputa começou dias antes do evento. Carros de som circulavam pela cidade fazendo o convite para a população, em nome dos dois grupos. Na noite anterior à entrega das casas, a oposição organizou uma carreata pela cidade, com um mini-trio, reafirmando o convite do PT e enfatizando que a obra seria do governo federal e estadual.

No dia do ato, logo cedo, partidários da situação e da oposição dividiam o mesmo espaço no toldo montado na praça do conjunto habitacional diante do palanque dos discursos. A cada citação dos nomes de Assis ou Renato, cada grupo gritava, pulava e aplaudia. Em determinado momento, os ânimos precisaram ser acalmados pelo senador Walter Pinheiro (PT). O parlamentar bradou que as duas lideranças eram convidadas de Wagner e que aquele palanque era institucional. “Mais adiante todos nós vamos tomar partido, mas deixem o calor da campanha para o tempo certo”, disse Pinheiro.

O governador foi frio no discurso, não fez grandes menções às lideranças políticas locais. Só declarou saber que em Coité eleição é “acirrada que nem BA-VI”. Em 2008, o chefe do executivo estadual não foi à cidade, o que provocou a revolta de muitos membros do PT local que fizeram sua campanha em 2002, 2006 e 2010, esta última com a participação, também, da ala do prefeito. Resta a dúvida na população, inclusive motivo de apostas: Jaques Wagner visitará Coité na campanha eleitoral ou se ausentará que nem o fez há quatro anos? Se aparecer, olhará para base ou para as atuações históricas dos correligionários?

Victor Pinto

30 de janeiro de 2012, 07:35

EXCLUSIVA EXCLUSIVO: Abreu organiza oposição, enquanto Moema busca formas de manter controle de Lauro

A reorganização das oposições, articulada, entre outros, por Abreu, teria levado Moema a pensar num plano ousado

Com carta branca concedida pelo presidente estadual do PR, o ex-senador César Borges, Marcelo Abreu (PR), secretário de Serviços Públicos do prefeito João Henrique (PP), começou a coordenar de maneira informal a oposição à prefeita Moema Gramacho (PT) em Lauro de Freitas, com o objetivo de vencer as eleições de outubro próximo e voltar ao poder no município vizinho a Salvador.

Abreu, que, segundo correligionários, teria conseguido reunir cerca de 15 mil pessoas em Lauro de Freitas, quando se filiou ao PR, em outubro passado, já foi prefeito e secretário municipal em Lauro de Freitas, motivo porque teria, além de experiência, grande conhecimento da política local. Hoje, o PR tem um candidato forte à Prefeitura da cidade. Trata-se do vereador Bitinho.

Mas Marcelo Abreu conseguiu atrair para a frente oposicionista Doutor Márcio (PP), que conta com o apoio de João Leão, chefe da Casa Civil de João Henrique, e estaria seduzindo Chico Franco (PCdoB), que, mesmo apoiando Moema, sabe que não terá seu apoio para a sucessão local. Por este motivo, a chegada de Abreu no PR está sendo considerada fundamental para os planos da oposição de vencer em Lauro de Freitas.

Informações de bastidores dão conta de que o deputado federal Maurício Trindade (PR), um dos que trabalham no partido pela aproximação com o governo Jaques Wagner, queria controlar a legenda em Lauro de Freitas para colocar a sigla à disposição de Moema. César Borges preferiu dar o controle do partido, entretanto, a Abreu, que tem buscado criar as chances reais de vitória para os partidos que fazem oposição à prefeita.

“Com Marcelo, que é muito habilidoso, cria-se um cenário de reais dificuldades para Moema. Ela quer vencer de qualquer jeito. Afinal, uma derrota enfraquece sobremaneira o PT de maneira geral para a sucessão estadual de 2014″, disse um político local ao Política Livre. Moema já escolheu como seu candidato à Prefeitura o vice-prefeito, João Oliveira, que pertenceu ao PSDB e ela filiou ao PT.

Pressentindo o fechamento do cerco contra ela, a prefeita estaria avaliando seriamente a possibilidade de renunciar ao cargo para se tornar secretaria do amigo e governador Wagner, o que abriria a possibilidade de o vice concorrer em outubro próximo sentado na cadeira de prefeito, o que, em tese, reforça infinitamente a sua candidatura. Na hipótese de vitória, Moema poderia retornar ao comando da cidade em 2016, já que, na condição de prefeito, Oliveira não poderá mais se reeleger naquele pleito.

O fato de ser secretário de Serviços Públicos de João Henrique e colega de secretariado de João Leão, ambos do PP, representaria ainda outro trunfo para Abreu, que também tem o nome lembrado para candidato dos partidos de oposição na cidade. Ele conta, entretanto, com a oposição do próprio prefeito ao projeto de abrir mão da secretaria, embora tenha até abril, prazo final de desincompatibilização, para decidir.

30 de janeiro de 2012, 07:10

EXCLUSIVA Reforma: Gabrielli no Planejamento, Zezéu na Sedes, Moema na Administração, Vitório na Fazenda?

Foto: Montagem/Política Livre

Manoel Vitório, Zezéu Ribeiro, Moema Gramacho e José Sérgio Gabrielli

As mais novas especulações sobre a reforma administrativa do governo Jaques Wagner (PT), que serviriam também para acomodar o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli na Bahia, dão conta de mudanças até na estrutura atual da gestão de Lauro de Freitas. Entre os secretários que mudariam, está Carlos Brasileiro, da secretaria estadual de Desenvolvimento Social (Sedes). Ele deve deixar o posto para concorrer mais uma vez à Prefeitura de Senhor do Bonfim.

O lugar de Brasileiro seria ocupado por Zezéu Ribeiro, atual titular da secretaria estadual de Planejamento, que seria entregue a Gabrielli. E onde entra a prefeita Moema Gramacho, de Lauro de Freitas? Ela renunciaria ao cargo no município numa ousada operação para viabilizar a difícil eleição do seu candidato à sucessão municipal, João Oliveira (PT), que é vice-prefeito e, desta forma, participaria do pleito de outubro aboletado no cargo de prefeito. Um empurrãozinho em João!

O cargo mais especulado para Moema é a secretaria estadual de Administração. Para viabilizar sua indicação, Wagner levaria para a secretaria da Fazenda o atual titular da pasta, Manoel Vitório, cuja sustentação vem do Tribunal de Justiça da Bahia, ou seja, de desembargadores baianos alinhados ao governo do Estado. Uma beleza! Sobre Vitório e suas relações privilegiadas, dizem que ele montou uma “República de Desembargadores” na Administração, com a contratação de vários filhos de magistrados.

Mas, na Fazenda, Vitório poderia fazer o mesmo? O posto é hoje de Carlos Martins, amigo do peito do governador Jaques Wagner que também vai disputar as eleições municipais em Candeias. Ao que se comenta na secretaria, Martins gostaria de deixar em seu lugar alguém da estrutura da pasta, provavelmente seu chefe de gabinete ou um auditor de carreira de sua absoluta confiança. Pelo visto, é melhor que se concentre em sua eleição para prefeito da cidade natal.

30 de janeiro de 2012, 06:54

EXCLUSIVA Segurança: Tarcízio Pimenta diz que é aliado, mas mete o pau no governo no twitter

O prefeito de Feira de Santana, Tarcízio Pimenta (PDT), é daqueles que se diz aliado mas desce o malho no governo estadual nas redes sociais. Hoje, ele usou seu perfil no microblog twitter para atacar a política de segurança pública de Jaques Wagner (PT), considerado por opositores um dos principais problemas do governo. “Sete homicídios em 24 horas em Feira de Santana, 16 foram baleados. A Prefeitura está fazendo a sua parte, contribuido (sic) com a segurança no que pode. Veja como está SSA. Será o Prefeito o responsável(?)”.

30 de janeiro de 2012, 06:45

EXCLUSIVA Wagner anuncia mudanças no governo na segunda quinzena de fevereiro, diz Rui Costa

Segundo Rui Costa, a pasta que Gabrielli assumirá no governo é assunto de Wagner

O chefe da Casa Civil do governo Jaques Wagner, Rui Costa, em entrevista ao Política Livre, na cidade de Conceição do Coité, durante a entrega das residências do programa “Minha Casa, Minha Vida”, desconversou quando questionado sobre que pasta o presidente da Petrobrás, José Sérgio Gabrielli, ocupará na Bahia. “Já tivemos reuniões para tratar sobre o assunto, mas essa história é só com o governador(…). O anúncio será feito por ele na segunda quinzena de fevereiro”, declarou Costa. Indagado sobre as especulações da imprensa de ele ter saído da Câmara dos Deputados e ter vindo para o governo por ser o preferido de Jaques Wagner como o seu sucessor em 2014, o secretário riu. “Estamos com os pés no chão. Não vamos adiantar a debate eleitoral de 2014 para agora, estamos em ano de eleições para prefeito. No tempo certo, vamos discutir isso. Eu deixei meu mandato de deputado para ajudar o governador. Nosso foco, neste momento, é no trabalho”, garantiu.

Victor Pinto

30 de janeiro de 2012, 06:40

EXCLUSIVA Pré-candidato em Salvador, Leão confirma volta ao Congresso em março

Foto: Victor Pinto

Leão afirma que candidatura à Prefeitura de Salvador está "firme e forte"

O secretário da Casa Civil da Prefeitura de Salvador, João Leão (PP), durante a entrega das casas do programa “Minha Casa, Minha Vida” na cidade de Conceição do Coité, confirmou a sua volta à Câmara dos Deputados, em Brasília. Leão afirmou, em entrevista ao Política Livre, que a sua volta já tem data marcada. “Voltarei a exercer meu mandato no Legislativo nacional no dia 30 de março, isso já é certo. Deixarei a Casa Civil por conta minha candidatura a prefeito de Salvador que está firme e forte. Vamos com todo o gás”, disse. Com o retorno de Leão ao Congresso, o quinto suplente da coligação, deputado Zé Carlos da Pesca (PP), perde a vaga. Ele assumiu o mandato no início deste mês com a ida de Rui Costa para o governo do Estado.

Victor Pinto

29 de janeiro de 2012, 19:12

EXCLUSIVA EXCLUSIVO: Abreu organiza oposição, enquanto Moema busca formas de manter controle de Lauro

A reorganização das oposições, articulada, entre outros, por Abreu, teria levado Moema a pensar num plano ousado

Com carta branca concedida pelo presidente estadual do PR, o ex-senador César Borges, Marcelo Abreu (PR), secretário de Serviços Públicos do prefeito João Henrique (PP), começou a coordenar de maneira informal a oposição à prefeita Moema Gramacho (PT) em Lauro de Freitas, com o objetivo de vencer as eleições de outubro próximo e voltar ao poder no município vizinho a Salvador.

Abreu, que, segundo correligionários, teria conseguido reunir cerca de 15 mil pessoas em Lauro de Freitas, quando se filiou ao PR, em outubro passado, já foi prefeito e secretário municipal em Lauro de Freitas, motivo porque teria, além de experiência, grande conhecimento da política local. Hoje, o PR tem um candidato forte à Prefeitura da cidade. Trata-se do vereador Bitinho.

Mas Marcelo Abreu conseguiu atrair para a frente oposicionista Doutor Márcio (PP), que conta com o apoio de João Leão, chefe da Casa Civil de João Henrique, e estaria seduzindo Chico Franco (PCdoB), que, mesmo apoiando Moema, sabe que não terá seu apoio para a sucessão local. Por este motivo, a chegada de Abreu no PR está sendo considerada fundamental para os planos da oposição de vencer em Lauro de Freitas.

Informações de bastidores dão conta de que o deputado federal Maurício Trindade (PR), um dos que trabalham no partido pela aproximação com o governo Jaques Wagner, queria controlar a legenda em Lauro de Freitas para colocar a sigla à disposição de Moema. César Borges preferiu dar o controle do partido, entretanto, a Abreu, que tem buscado criar as chances reais de vitória para os partidos que fazem oposição à prefeita.

“Com Marcelo, que é muito habilidoso, cria-se um cenário de reais dificuldades para Moema. Ela quer vencer de qualquer jeito. Afinal, uma derrota enfraquece sobremaneira o PT de maneira geral para a sucessão estadual de 2014″, disse um político local ao Política Livre. Moema já escolheu como seu candidato à Prefeitura o vice-prefeito, João Oliveira, que pertenceu ao PSDB e ela filiou ao PT.

Pressentindo o fechamento do cerco contra ela, a prefeita estaria avaliando seriamente a possibilidade de renunciar ao cargo para se tornar secretaria do amigo e governador Wagner, o que abriria a possibilidade de o vice concorrer em outubro próximo sentado na cadeira de prefeito, o que, em tese, reforça infinitamente a sua candidatura. Na hipótese de vitória, Moema poderia retornar ao comando da cidade em 2016, já que, na condição de prefeito, Oliveira não poderá mais se reeleger naquele pleito.

O fato de ser secretário de Serviços Públicos de João Henrique e colega de secretariado de João Leão, ambos do PP, representaria ainda outro trunfo para Abreu, que também tem o nome lembrado para candidato dos partidos de oposição na cidade. Ele conta, entretanto, com a oposição do próprio prefeito ao projeto de abrir mão da secretaria, embora tenha até abril, prazo final de desincompatibilização, para decidir.

29 de janeiro de 2012, 16:19

EXCLUSIVA Segurança: Tarcízio Pimenta diz que é aliado, mas mete o pau no governo no twitter

O prefeito de Feira de Santana, Tarcízio Pimenta (PDT), é daqueles que se diz aliado mas desce o malho no governo estadual nas redes sociais. Hoje, ele usou seu perfil no microblog twitter para atacar a política de segurança pública de Jaques Wagner (PT), considerado por opositores um dos principais problemas do governo. “Sete homicídios em 24 horas em Feira de Santana, 16 foram baleados. A Prefeitura está fazendo a sua parte, contribuido (sic) com a segurança no que pode. Veja como está SSA. Será o Prefeito o responsável(?)”.

29 de janeiro de 2012, 12:27

EXCLUSIVA Wagner anuncia mudanças no governo na segunda quinzena de fevereiro, diz Rui Costa

Segundo Rui Costa, a pasta que Gabrielli assumirá no governo é assunto de Wagner

O chefe da Casa Civil do governo Jaques Wagner, Rui Costa, em entrevista ao Política Livre, na cidade de Conceição do Coité, durante a entrega das residências do programa “Minha Casa, Minha Vida”, desconversou quando questionado sobre que pasta o presidente da Petrobrás, José Sérgio Gabrielli, ocupará na Bahia. “Já tivemos reuniões para tratar sobre o assunto, mas essa história é só com o governador(…). O anúncio será feito por ele na segunda quinzena de fevereiro”, declarou Costa. Indagado sobre as especulações da imprensa de ele ter saído da Câmara dos Deputados e ter vindo para o governo por ser o preferido de Jaques Wagner como o seu sucessor em 2014, o secretário riu. “Estamos com os pés no chão. Não vamos adiantar a debate eleitoral de 2014 para agora, estamos em ano de eleições para prefeito. No tempo certo, vamos discutir isso. Eu deixei meu mandato de deputado para ajudar o governador. Nosso foco, neste momento, é no trabalho”, garantiu.

Victor Pinto