25 de janeiro de 2012, 17:30

ECONOMIA Eleições municipais fazem Receita suspender doação de mercadorias apreendidas

Os órgãos administrativos estaduais e municipais não poderão receber, este ano, mercadorias apreendidas pelo Fisco que podem ser distribuídas de forma gratuita à população. Portaria da Receita Federal restringe o envio de bens recolhidos a prefeituras e governos estaduais. Essa portaria é editada em todos os anos eleitorais e tem como objetivo impedir que as mercadorias apreendidas ou abandonadas sejam usadas para angariar votos. A doação de produtos apreendidos só poderá ser feita em caso de calamidade pública, situação de emergência ou a programas sociais autorizados em lei e executados no Orçamento do ano anterior. Mercadorias que podem ser usadas como material de trabalho pelo órgão, como computadores e itens de escritório, não estão proibidas de ser repassadas. No período oficial da campanha eleitoral, entre 7 de julho e 31 de outubro, as regras serão ainda mais rígidas. Nem os computadores poderão ser doados aos órgãos administrativos de forma direta ou indireta. A exceção valerá apenas para as situações de emergência ou de calamidade pública. (Agência Brasil)

25 de janeiro de 2012, 14:30

ECONOMIA Apple recupera lugar de empresa mais valiosa da bolsa americana

As ações da gigante da informática Apple dispararam na abertura do pregão desta quarta-feira em Wall Street, inpulsionadas pelo balanço excepcional da empresa, e levaram-na para o primeiro lugar em valor de mercado da bolsa. A Apple superou a ExxonMobil, gigante dos hidrocarbonetos, que ocupava até então posto de maior em valor de mercado. Às 12h45 de Brasília, as ações da Apple subiam 6,8%, a US$ 449, gerando um valor de mercado de US$ 418,890 bilhões. Já a ExxonMobil perdia 0,88%, a US$ 86,56 por papel, para US$ 414,760 bilhões em valor de mercado. (AFP)

25 de janeiro de 2012, 10:38

ECONOMIA Multinacionais enviaram US$ 38 bi para as suas matrizes em 2011

Em um ano marcado pela crise financeira internacional, a remessa de lucros de empresas estrangeiras instaladas no Brasil para o exterior quebrou todos os recordes e foi a maior em 64 anos. As filiais das multinacionais remeteram US$ 38,1 bilhões para suas matrizes, 25% a mais que no ano anterior. Essa despesa corresponde à maior parte do déficit das contas externas do país (que correspondem a nossas transações com o resto do mundo), que fecharam o ano passado no vermelho em US$ 52,6 bilhões. A expectativa é que essas remessas cresçam ainda mais neste ano e que o investimento estrangeiro — que vem cobrindo esse rombo há quatro anos seguidos — não tenha mais tanta força. — É razoável as remessas de lucro crescerem, porque estamos falando de uma economia que cresce mais do que o resto do mundo — disse a economista-chefe do Banco RBS, Zeina Latif. (O Globo)

25 de janeiro de 2012, 07:35

ECONOMIA Insegurança jurídica impede atração de investimentos

A insegurança jurídica tem afastado a vinda de empreendimentos para o estado. Casos como o do Hotel Hilton, que levou mais de três anos até dispor das licenças necessárias para o empreendimento, têm se repercutido e afastam possíveis investidores da Bahia. Outro exemplo é o do Aeroclube Shopping Office, que teve as obras embargadas entre 2007 e 2011, por conta de liminares, e as barracas de praia, que após terem sido derrubadas ilustram tristemente a paisagem turística da cidade, dando um ar de descaso e abandono às praias de Salvador. De acordo com o presidente da Associação Empresarial do Comércio de Salvador, o advogado Edmilson Pinho, a situação tem sido um entrave. “Verificamos que grupos estrangeiros manifestam desconforto pela insegurança jurídica que acontece não só em nosso estado, mas no país, e isso se mostra complicado”, avisa. Segundo ele, há leis que entram em choque com a Constituição Federal. Leia mais na Tribuna.

25 de janeiro de 2012, 07:10

ECONOMIA Dois diretores da Petrobras podem ser afastados

Sem amparo político, os dois diretores da Petrobras vinculados ao presidente José Sérgio Gabrielli devem ser afastados a pedido da futura presidente Maria das Graças Foster. A decisão será possivelmente divulgada já na próxima reunião do Conselho de Administração da companhia, marcada para o dia 9 de fevereiro. Almir Guilherme Barbassa, diretor Financeiro, e Guilherme Estrella, de Exploração e Produção (E&P), são quadros técnicos. Destacaram-se nos quase sete anos de Gabrielli na presidência. As substituições tendem a vir de soluções internas. Para o posto de Barbassa são cotados seus gerentes executivos: Marcos Menezes (Contabilidade), Mariângela Tizzato (Financeira), Jorge Nahas (Planejamento Financeiro), e Maria Alice Deschamps (Tributário). Para a vaga de Estrella são cotados Solange Guedes, gerente-executiva de Engenharia de Produção (E&P), a diretora da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Magda Chambriard, e, o mais forte candidato, Carlos Tadeu da Costa Fraga. Este último, ex-gerente geral da área de E&P, acabou sendo indicado em 2003 para a gerência geral do Centro de Pesquisas da Petrobrás (Cenpes), considerado até há alguns anos a “geladeira” da Petrobras, por oferecer então menos possibilidades de crescimento profissional. (Agência Brasil)

25 de janeiro de 2012, 06:54

ECONOMIA Emprego com carteira perde fôlego na Bahia

A geração de empregos com carteira assinada perdeu fôlego na Bahia. No ano passado, a economia baiana gerou 76.041 postos de trabalho formais, o que representa uma redução de 37,9% em relação à criação recorde de vagas vista em 2010 – um total de 122.410 empregos celetistas. No Nordeste, a Bahia foi superada por Pernambuco, que abriu quase 90 mil novas vagas em 2011. Os números são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta terça, 24, pelo Ministério do Trabalho. De acordo com o Caged, o setor de serviços foi responsável por quase metade das novas vagas formais criadas na Bahia em 2011. Foram 36.447 postos celetistas. Em seguida aparecem o comércio (16.610), construção civil (8.587) e a indústria de transformação (5.685). O desempenho mais fraco foi o da administração pública: apenas 852 novos empregos. A piora do desempenho do emprego na Bahia foi acentuada no mês passado, quando o saldo ficou negativo em 15.069 vagas, com destaque para os setores da construção civil (-5.068) e indústria de transformação (-4.667). (A Tarde)

24 de janeiro de 2012, 15:10

ECONOMIA Brasil criou 1,9 milhão de empregos em 2011, diz Caged

O Brasil registrou a criação de 1.944.560 vagas com carteira assinada em 2011. O número representa um ritmo menor na criação de emprego no país e é 23,5% menor que o registrado em 2010, quando foram geradas 2.543.177 empregos formais. Em dezembro, houve o fechamento de 408.172 vagas, ante a geração de 42.735 em novembro. Apesar do recuo, o resultado ainda é o segundo melhor da série histórica do Caged, menor apenas que o de 2010. A série contém informações ajustadas, ou seja, acrescidas de declarações fora do prazo, até novembro de 2011. (Folha)

24 de janeiro de 2012, 14:30

ECONOMIA Investimento estrangeiro somou US$ 66,7 bi em 2011, aponta BC

O Brasil nunca recebeu tanto investimento produtivo quanto no ano passado, mostram dados divulgados nesta terça-feira pelo Banco Central. O IED (Investimento Estrangeiro Direto) ajudou a cobrir o rombo nas contas externas e somou US$ 66,7 bilhões em 2011. O deficit de transações correntes foi de US$ 52,6 bilhões, também o maior da história, mas com o bom desempenho do investimento estrangeiro a balança de pagamentos ficou positiva em US$ 58,6 bilhões. “O deficit nas transações correntes foi financiado com folga pelo investimento estrangeiro direto”, disse Tulio Maciel, chefe do departamento econômico do Banco Central. “Isso mostra a confiança do investidor estrangeiro nos fundamentos do país. A expansão do mercado doméstico é um estímulo que traz investimentos ao país.” (Folha)

24 de janeiro de 2012, 13:30

ECONOMIA Mantega nega preocupação com alta da prévia da inflação

Foto: Wilson Dias/ABr

Ministro da Fazenda, Guido Mantega

A inflação medida pelo IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) variou de 0,65% em janeiro, acelerando ante a alta de 0,56% em dezembro. Para o ministro da Fazenda, Guido Mantega, a elevação não preocupa e é resultado de um efeito específico desta época do ano. “A inflação está caindo de modo geral e tem uma elevação de forma sazonal nessa época”, afirmou. O IPCA-15 é a prévia da inflação oficial e foi divulgado nesta terça-feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A divulgação de hoje já foi feita sob a nova metodologia de verificação do indicador. A estimativa do mercado era de que o IPCA-15 ficasse estável, em torno de 0,55%, o que não aconteceu. O acumulado dos últimos 12 meses chegou a 6,44%; no ano, é de 0,65%. Em janeiro de 2011, o indicador registrou alta de 0,76%. (Folha)

24 de janeiro de 2012, 11:02

ECONOMIA Gasto de brasileiro no exterior bate recorde histórico em 2011, diz BC

Os gastos de brasileiros no exterior somaram US$ 21,2 bilhões em todo ano passado, informou nesta terça-feira o Banco Central. Com isso, as despesas de brasileiros lá fora cresceram 29,2% frente ao ano de 2010 (US$ 16,42 bilhões) e bateram novo recorde da série histórica da instituição, que começa em 1947. O recorde anterior havia sido registrado justamente em 2010. As despesas de brasileiros no exterior, no ano passado, foram favorecidas pelo dólar baixo, que vigorou no começo de 2011 até meados do ano passado. A moeda norte-americana foi cotada abaixo de R$ 1,60 durante boa parte de 2011. Com o dólar baixo, as despesas no exterior, como passagens e hotéis, além de gastos no cartão de crédito, também ficam mais baratas. No fim de 2011, entretanto, a cotação do dólar subiu para acima de R$ 1,70 por conta das turbulências externas. (G1)

24 de janeiro de 2012, 09:23

ECONOMIA Prévia da inflação oficial, IPCA-15 acelera em janeiro

A inflação medida pelo IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) variou de 0,65% em janeiro, acelerando ante a alta de 0,56% em dezembro. O IPCA-15 é a prévia da inflação oficial, o IPCA, e foi divulgado nesta terça-feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O acumulado dos últimos 12 meses chegou a 6,44%; no ano, é de 0,65%. Em janeiro de 2011, o indicador registrou alta de 0,76%. A aceleração do indicador ocorreu, principalmente, devido a contribuição do grupo transportes que variou de 0,79%, impulsionada, principalmente pelo reajuste das tarifas dos ônibus urbanos nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro e Belo Horizonte e dos ônibus intermunicipais em várias regiões. Os alimentos, com elevação de 1,25% em janeiro (ante 1,28% em dezembro) também pressionaram a taxa do mês. Com isto, o IPCA-15 de 0,65% teve 0,44 ponto percentual de impacto dos do grupos transporte e alimentos, o que significa a composição de 68% do índice. (Folha)

24 de janeiro de 2012, 08:36

ECONOMIA Conta de luz para famílias cairá até R$ 600 por ano

Uma nova revisão nas regras de classificação de eletrodomésticos feita pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) provocará uma economia de até R$ 600 por ano na conta de energia. De acordo com o instituto, as mudanças são para garantir mais eficiência energétida nos produtos. Pela nova revisão, os consumidores poderão trocar produtos de classificação ‘E’ por novos, que terão classificação ‘A’. Em uma estimativa do Inmetro, com a entrada em vigor da reclassificação, a partir de janeiro de 2013, quem comprar um aparelho de nota ‘A’ mais eficiente poderá ter economia de mais de 10%. A partir deste mês, fabricantes, importadores e lojistas não poderão mais comercializar produtos eletrodomésticos que não atendam aos requisitos da avaliação da conformidade (RAC), determinados pelo Inmetro. Entre os itens a serem fiscalizados, estão campeões de vendas como ferros de passar roupa, torradeiras, sanduicheiras e fornos elétricos. Os produtos deverão atender a critérios técnicos de eletricidade como resistência e voltagem. (Correio)

24 de janeiro de 2012, 06:57

ECONOMIA Em reunião ministerial, Mantega prevê crescimento acima de 4%

A primeira reunião da presidente Dilma Rousseff com todos os ministros de seu governo começou, nesta segunda-feira, com uma perspectiva da equipe econômica para a economia brasileira em 2012. Segundo informou o porta-voz da Presidência, Thomas Traumann, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, estabeleceu como meta um crescimento médio do Produto Interno Bruto (PIB) acima de 4% neste ano. Depois do anúncio do porta-voz, o ministro confirmou a informação em uma entrevista coletiva, na qual disse que o crescimento poderá chegar até a 5%, se a conjuntura internacional contribuir. “Se a economia internacional se comportar adequadamente, não tiver grandes surpresas – se recuperar, inclusive -, nós podemos tentar buscar 5%. Se a economia internacional se agravar – isso sempre tem de estar no horizonte; afinal de contas eles não resolveram os problemas -, então nós podemos ter 4%. Quatro por cento é o mínimo. Cinco por cento é o padrão, teto. Portanto, 4,5% é o centro”, afirmou o ministro. (G1)

23 de janeiro de 2012, 16:20

ECONOMIA Importações superam exportações na 3ª semana do mês

As importações superaram as exportações na terceira semana do mês e a balança comercial brasileira registrou deficit de US$ 579 milhões no período de 16 a 22 de janeiro. Esta é a terceira semana de deficit consecutiva, o que leva o resultado do mês a um saldo negativo de US$ 1,06 bilhão após resultado recorde em 2011. As exportações no ano passado atingiram a marca de US$ 256,04 bilhões, um crescimento de 26,8% na comparação com 2010. Já as importações tiveram alta de 24,5%, registrando US$ 226,25 bilhões, também o maior número da história. Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, divulgados nesta segunda-feira, as exportações no período foram de US$ 3,2 bilhões, enquanto as importações somaram US$ 3,78 bilhões. (Folha)

23 de janeiro de 2012, 10:17

ECONOMIA Alimentação e vestuário fazem a inflação semanal desacelerar

Desacelerações e quedas nos preços de Alimentação (de 1,76% para 1,36%), de Vestuário (de 0,28% para -0,12%) e de Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,56% para 0,43%) levaram a uma taxa menor do Índice de Preços ao Consumidor – Semanal (IPC-S), que passou de 0,97% para 0,93%, entre a segunda e a terceira quadrissemanas de janeiro. Em cada uma dessas classes de despesa houve taxas de inflação mais fracas ou deflação em itens de peso no cálculo da inflação varejista. É o caso das movimentações de preços em carnes bovinas (de 2,08% para 0,29%), roupas (de 0,01% para -0,47%) e artigos de higiene e cuidado pessoal (de 0,92% para 0,41%), respectivamente, no período. Em contrapartida, houve aumentos mais intensos nos preços de Educação, Leitura e Recreação (de 2,37% para 3,39%), Habitação (de 0,28% para 0,32%), Despesas Diversas (de 0,20% para 0,30%) e Transportes (de 0,72% para 0,77%). Entre os produtos analisados, as mais expressivas elevações de preços na terceira quadrissemana de janeiro foram encontradas em tomate (19,73%); curso de ensino superior (4,41%); e tarifa de ônibus urbano (1,77%). Já as mais expressivas quedas de preço foram registradas em limão (-30,90%): leite tipo longa vida (-1,72%); e passagem aérea (-5,93%). (Agência Estado)