27 de fevereiro de 2012, 18:33

ECONOMIA Alemanha aprova parcela ajuda à Grécia

O Parlamento alemão aprovou nesta segunda-feira a liberação da parcela do pacote de resgate à Grécia. O legislativo autorizou a contribuição alemã de 36 bilhões de euros, do total de 130 bilhões de euros previstos no pacote de ajuda proposto pela União Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI). A medida foi aprovada com facilidade, por 490 votos a 90, apesar do crescente receio da opinião pública alemã sobre o resgate grego. A proposta obteve apoio tanto na maioria dos deputados da coalizão governamental – integrada pela União Democrata-Cristã (CDU) de Merkel, a União Social-Cristã da Baviera (CSU) e o Partido Liberal (FDP) -, quanto dos opositores social-democratas e verdes. (Revista Época)

27 de fevereiro de 2012, 16:20

ECONOMIA Forte vencimento de títulos faz Dívida Pública Federal cair R$ 65 bilhões

O vencimento de títulos prefixados fez a Dívida Pública Federal (DPF) cair 3,5% em janeiro. Segundo números divulgados há pouco pelo Tesouro Nacional, o estoque da DPF encerrou o mês passado em R$ 1,801 trilhão, contra R$ 1,866 trilhão registrado no fim de dezembro. A redução da DPF é normal no primeiro mês de cada trimestre e é provocada pela concentração de vencimentos de papéis prefixados. Apenas em janeiro, R$ 107,3 bilhões em Notas do Tesouro Nacional do tipo F (NTN-F), um dos papéis prefixados emitidos pelo governo, foram resgatados. A dívida pública mobiliária (em títulos) interna caiu 3,29%, passando de R$ 1,783 trilhão para R$ 1,724 trilhão. Isso ocorreu porque o Tesouro resgatou R$ 74,61 bilhões em títulos a mais do que emitiu. Nem a emissão de R$ 10 bilhões para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) elevou a dívida mobiliária. Esses títulos foram emprestados ao banco e representam a última parcela da ajuda anunciada no ano passado de R$ 55 bilhões para a ampliação do capital do banco estatal de fomento. (Agência Brasil)

27 de fevereiro de 2012, 10:34

ECONOMIA Sobe e desce do dólar pode prejudicar turista

Turista e consumidor global voraz, o brasileiro “sensível” à variação do dólar deve ficar atento às oscilações da taxa de câmbio do real, que podem se intensificar nas próximas semanas com uma provável queda de braço entre Banco Central e mercado. Enquanto o BC faz tudo para evitar que o dólar caia abaixo de R$ 1,70, os fundos de investimento estrangeiros não param de trazer dinheiro ao Brasil, alimentando a valorização do real. Diante da imprevisibilidade do câmbio, o brasileiro tem instrumentos limitados para se proteger contra as oscilações. Pode tanto adquirir moeda em espécie como aplicar em fundos cambiais, fazer “seguro” com minicontrato ou investir em ações de empresas “dolarizadas” que tenham receitas em moeda estrangeira. A vantagem de comprar moeda estrangeira ou cheque de viagem é não pagar Imposto de Renda em caso de lucro. Instrumentos indiretos – fundos cambiais, minicontrato e ações de empresas “dolarizadas”- prevëem recolhimento de IR sobre ganho de capital e envolvem custos de corretagem e administração. Comprar moeda é preferível nos gastos com turismo e estudos mais curtos. (Folha)

27 de fevereiro de 2012, 09:54

ECONOMIA Analistas mantêm estimativa de inflação este ano e elevam projeção para 2013

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve fechar este ano em 5,24%. A previsão de analistas do mercado financeiro consultados todas as semanas pelo Banco Central (BC) é a mesma divulgada no boletim Focus anterior. Para 2013, a projeção subiu pela segunda semana seguida, ao passar de 5,02% para 5,11%. Essas projeções estão acima do centro da meta de inflação de 4,5%, mas abaixo do limite superior de 6,5%.Cabe ao BC perseguir essa meta de inflação estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional. Um dos instrumentos para controlar os preços é a alteração na taxa básica de juros, a Selic. Na previsão dos analistas, a Selic deve encerrar 2012 em 9,5% ao ano, a mesma estimativa há 11 semanas. Para 2013, a projeção foi mantida em 10,5% ao ano, pela segunda semana seguida.

27 de fevereiro de 2012, 09:13

ECONOMIA IGP-M fecha fevereiro com deflação de 0,06%, diz FGV

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), conhecido como a inflação do aluguel, fechou fevereiro com variação negativa de 0,06%, segundo aponta levantamento da Fundação Getulio Vargas (FGV), divulgado nesta segunda-feira (27). Em janeiro, o índice havia registrado alta de 0,25%. Em 12 meses, o indicador acumula aumento de 3,43% e, no ano, de 0,19%. Usado no cálculo do IGP-M, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), também chamado de inflação no atacado, recuou 0,26%, aprofundando a queda, de 0,07% em janeiro. Em fevereiro, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) ficou em 0,27%, ante alta de 0,97% em janeiro. A maior contribuição partiu do grupo alimentação, cuja taxa passou de 1,47% para -0,05%. Dos 22 grupos de despesa analisados, 17 tiveram recuos nas taxas, com destaque para carnes bovinas (de 0,69% para -3,13%), hortaliças e legumes (de 8,43% para -1,66%), aves e ovos (de 1,17% para -1,54%), adoçantes (de -0,74% para -1,91%), massas e farinhas (de 0,35% para -1,09%) e pescados frescos (de 3,17% para -0,37%). (G1)

27 de fevereiro de 2012, 09:12

ECONOMIA Hackers já tiraram até US$ 1 bi de empresas brasileiras

Os especialistas em segurança têm avisado que os hackers de hoje são profissionais do crime e estão atrás do dinheiro. Comprova o alerta de uma pesquisa recente da PricewaterHouseCoopers (PwC) constatando que mais de um terço das empresas brasileiras (32%) foi vítima de crimes digitais no ano passado.

A média mundial é menor: 23% das companhias foram alvos de ataques cibernéticos em 2011. No Brasil, 8% das empresas atacadas tiveram prejuízos acima de US$ 5 milhões; e outros 5% amargaram perdas que variaram de US$ 100 milhões a estratosféricos US$ 1 bilhão.

O estudo entrevistou 3.877 altos executivos de empresas em 72 países. Só no Brasil foram 115 — de presidentes-executivos a diretores de tecnologia, passando por diretores financeiros e de operações.

Um detalhe é que os crimes por via digital sequer apareciam entre as preocupações desses executivos em 2009. Hoje, estão entre as prioridades do mundo corporativo — em segundo lugar, atrás apenas do roubo de ativos, citado como a maior dor de cabeça por 68% dos ouvidos.

Mais da metade dos executivos brasileiros (51%) explicou que um dos maiores problemas relacionados à conscientização e combate aos crimes eletrônicos é o fato de que a diretoria de suas empresas adota apenas informalmente ou de forma pontual soluções e processos de segurança (novamente, não se trata de quadro isolado: no mundo, 40% dos entrevistados dizem o mesmo).

Ter um grande prejuízo é uma parte das preocupações com a segurança — o que os executivos mais temem, especialmente no Brasil (68% mencionaram o tema, contra 40% no mundo), é a perda de reputação da companhia, seguida da interrupção dos serviços, pesadelo de pelo menos 50% dos dirigentes corporativos brasileiros ouvidos.

Leia mais em Hackers já tiraram até US$ 1 bilhão de empresas brasileiras

André Machado, O Globo

27 de fevereiro de 2012, 07:08

ECONOMIA ‘É lógico que é para corrigir o preço dos combustíveis’, diz presidente da Petrobrás

Maria das Graças Foster

A firmeza de Maria das Graças Foster não deixa dúvida: a presidente da Petrobrás considera necessário adequar o preço dos combustíveis vendidos na refinaria ao novo padrão de preço do petróleo, câmbio e consumo. O aumento de novembro, de 10% na gasolina e 2% no diesel – que foi absorvido pela redução de tributos e não chegou ao consumidor final – apenas “suavizou a barriga” da distorção. Um novo reajuste está a caminho. “Se você me pergunta: é para corrigir preço? É lógico que é para corrigir preço, a perdurar os patamares vigentes nos últimos seis meses. (…) Não faz sentido imaginar que quem vende – qualquer coisa que seja, uma xícara, um caderno, gasolina, diesel – não repasse ao mercado as suas vantagens e as suas desvantagens”, declara Graça. Leia mais no Estadão.

26 de fevereiro de 2012, 10:22

ECONOMIA Excesso de dívida privada ameaça Europa

Os olhos do mundo estão voltados para o tamanho da dívida pública da Grécia e o impacto de um calote na economia global, mas a crise na Europa guarda um problema de efeito igualmente explosivo: um montante ainda maior de dívida privada, das empresas e das famílias.

Dívidas tão grandes ameaçam o crescimento econômico: com a recessão à espreita na Europa, a continuidade do cenário por um longo período parece ser a única concordância entre economistas.

A boa notícia é que os países emergentes, Brasil incluído, estão numa posição mais confortável. A má notícia: nenhum país está imune na economia globalizada.

Quinze dos 27 países da União Europeia (UE) têm dívidas privadas (sem contar as instituições financeiras) superiores ao limite de 160% do PIB (Produto Interno Bruto, conjunto de produtos e serviços produzidos num país), considerado seguro pela Comissão Europeia, braço executivo da UE.

São dados da Eurostat, agência de estatística da UE, divulgados neste mês numa compilação para um painel criado em novembro, cujo objetivo é analisar potenciais desequilíbrios econômicos.

Na Irlanda, a dívida privada representa 341% do PIB. Contudo, o quadro sombrio não se resume à periferia da Europa. O clube dos campeões de dívida privada também é frequentado por Dinamarca, Reino Unido e Holanda, os dois primeiros fora do euro.

Leia mais em Excesso de dívida privada ameaça Europa

Vinicius Neder, O Globo

25 de fevereiro de 2012, 08:55

ECONOMIA Gastos do governo com festas crescem 314% em cinco anos

Nem a queda de sete ministros por suspeitas de corrupção, muito menos os cortes orçamentários e a estagnação de programas carros-chefes do governo como o PAC e o Minha Casa, Minha Vida atrapalharam o governo federal de bancar festividades oficiais e homenagens ao longo de 2011, quando os gastos em comemorações atingiram R$ 54,2 milhões, 19,5% a mais do que no ano anterior (R$ 45,4 milhões). Se levarmos em conta os dispêndios para esse tipo de evento nos últimos cinco anos o crescimento é de 314%. Segundo dados do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Siafi), divulgados pela ONG Contas Abertas, em 2007, primeiro ano do segundo mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, tais despesas somaram pouco mais de R$ 17 milhões. No ano seguinte, tiveram um acréscimo de 40% e saltaram para R$ 24 milhões. Já em 2009 o aumento foi de 30%, ultrapassando os R$ 31 milhões. Em 2010, ano das eleições presidenciais, o governo desembolsou R$ 45,5 milhões, o que representou um aumento de quase 45% em relação ao ano anterior. (O Globo)

25 de fevereiro de 2012, 08:40

ECONOMIA Em janeiro, EUA superam China e lideram comércio com Brasil

Depois de quase dois anos, o comércio do Brasil com os EUA superou as trocas do país com a China. Em janeiro, os americanos responderam por 14,58% da soma das exportações e importações brasileiras. O país asiático representou 14,14% desse total. As exportações brasileiras determinaram a mudança no perfil da corrente de comércio no mês. As vendas do Brasil para os EUA cresceram 37% neste ano, ao passo que as exportações para a China recuaram 2,6%. Carvão e óleos combustíveis foram os principais produtos exportados para os Estados Unidos. Quando considerado o ano fechado, a China foi o principal parceiro brasileiro em corrente de comércio, com 14,69% do total em 2011, ante 12,08% dos EUA. Rubens Ricupero, ex-embaixador brasileiro em Washington, afirma que as exportações confirmam a retomada do crescimento da economia norte-americana. (Folha)

25 de fevereiro de 2012, 07:27

ECONOMIA Consulta ao SPC antes de contratação causa polêmica

A decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST) determinando que as empresas podem consultar os serviços de proteção ao crédito para a contratação de funcionários provocou polêmica e dividiu opiniões de especialistas na Bahia. “Pelo aspecto legal, eu não consigo enxergar qualquer tipo de problema em realizar as consultas. É importante que se analise a situação com razoabilidade, mas esta é uma decisão da empresa”, explica o advogado especialista em direito trabalhista, Tiago Santana. “Na minha opinião, a consulta à situação cadastral não fere a Constituição brasileira, muito menos a legislação trabalhista”, avalia. Para a presidente da Força Sindical na Bahia, Nair Goulart, a liberação da consulta é uma arbitrariedade. “Vai dificultar muito o acesso do trabalhador aos postos de trabalho”, lamenta. A dirigente sindical lembra que é muito comum que a inadimplência dos trabalhadores esteja relacionada justamente à ausência de emprego. “Não sei como é que vai ficar o trabalhador assalariado que perde o emprego e atrasa duas ou três contas de água. Esse cidadão terá mais dificuldade de retornar ao mercado de trabalho”, diz. Leia mais em A Tarde.

24 de fevereiro de 2012, 17:21

ECONOMIA Receita Federal prevê alta de 5% na arrecadação em 2012

Mesmo depois de bater recorde de arrecadação em janeiro, a Receita Federal fez uma estimativa cautelosa sobre o crescimento de impostos e tributos coletados em 2012, com aumento real esperado de 4,5% a 5%. A projeção é metade do visto no ano passado e leva em conta ainda uma receita extra de R$ 16,186 bilhões. No mês passado, o governo federal arrecadou R$ 102,579 bilhões em impostos e contribuições, um recorde. O número representa um crescimento real de 6,04% sobre igual mês do ano passado, informou a Receita Federal nesta sexta-feira. A secretária-adjunta da Receita, Zayda Manatta, prevê que a arrecadação administrada –que exclui royalties, concessões, entre outros– cresça entre 4,5% e 5% neste ano ante 2011. Para este ano, a Receita Federal prevê uma arrecadação extra de R$ 16,186 bilhões. O órgão acredita que desse total, R$ 6,226 bilhões virão de Imposto de Renda, R$ 4,078 bilhões de Cofins (Contribuição da Seguridade Social) e R$ 1,252 bilhões da CSLL, entre outros. (Folha)

24 de fevereiro de 2012, 13:48

ECONOMIA Produção industrial volta a registrar queda em janeiro, diz CNI

A produção industrial voltou a cair em janeiro deste ano, registrando 45 pontos em uma escala que vai de 0 a 100, sendo que valores acima de 50 indicam aumento da atividade. Os dados são da Sondagem Industrial de janeiro, divulgada hoje pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). A pesquisa indica ainda que a utilização da capacidade da indústria ficou em 41,7 pontos, o menor patamar desde 2009. Em dezembro do ano passado, esse índice estava em 43 pontos. A CNI diz também que o índice de evolução de estoques atingiu 52,7 pontos em janeiro, ante 52,4 em dezembro, o que significa que as empresas estão com dificuldade para reduzir os seus estoques. Apesar dos índices baixos, os empresários estão otimistas quanto aos próximos meses.

24 de fevereiro de 2012, 12:15

ECONOMIA Arrecadação bate recorde mensal e ultrapassa R$ 100 bi em janeiro

A arrecadação de tributos federais cresceu 6,04% no mês de janeiro, alcançando R$ 102,58 bilhões. De acordo com dados divulgados pela Receita Federal nesta sexta-feira, este é o maior valor recolhido em um mês de toda a série histórica (que começa em 2003) e a primeira vez que o valor arrecadado em um mês ultrapassa os R$ 100 bilhões. Segundo o órgão, o resultado expressivo se deve ao pagamento da primeira cota do IRPJ (Imposto de Renda Pessoa Jurídica) e da CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) e à antecipação de pagamentos relativos ao ajuste desses dois impostos. Além disso, em janeiro foi feito o pagamento trimestral de royalties da extração do petróleo. (Folha)

24 de fevereiro de 2012, 08:04

ECONOMIA Receita libera hoje o programa do Imposto de Renda

A Receita Federal deve liberar o programa de computador para o preenchimento da declaração do Imposto de Renda às 8h desta sexta-feira, na página da Receita Federal na internet. Para ter direito à restituição nos primeiros lotes, os declarantes devem preencher e enviar o formulário eletrônico logo no início do prazo. As pessoas com idade acima de 65 anos têm prioridade. A regra não vale se forem constatadas inconsistências ou pendências na declaração. Se der certo este ano, a Receita Federal pretende liberar o programa gerador da declaração antes do prazo nos próximos anos para facilitar o preenchimento pelo contribuinte.  (Folha)