3 de setembro de 2012, 10:52

ECONOMIA Mercado reduz projeção do PIB para 1,64% em 2012

O mercado financeiro aumentou pela oitava vez seguida a projeção para a inflação neste ano, para 5,20%, ante 5,19% na semana anterior, de acordo com a pesquisa Focus do Banco Central, divulgada nesta segunda-feira. Nesta semana, também foi reduzida a perspectiva para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), para 1,64%, ante 1,73% anteriormente. Para 2013, a projeção do PIB foi mantida em 4% de crescimento. Na sexta-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o PIB cresceu 0,4% no segundo trimestre deste ano. A projeção do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) afasta-se da projeção do centro da meta oficial do Banco Central, que é de 4,50%. A perspectiva no Focus relativa ao próximo ano foi elevada para 5,51%, ante 5,50% na semana anterior. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), prévia da inflação oficial, acelerou o passo em agosto para uma alta de 0,39%, ante avanço de 0,33% em julho, um pouco acima do esperado pelo mercado. Leia mais no G1.

3 de setembro de 2012, 09:02

ECONOMIA Inflação medida pelo IPC-S fecha agosto em 0,44%, o dobro da taxa de julho

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) fechou o mês de agosto com inflação de 0,44%, o dobro da taxa registrada na última apuração de julho. Segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV), o indicador acumula alta de 3,52% no ano e de 5,69% nos últimos 12 meses. A maior taxa foi registrada pela classe de despesas alimentação, que teve aumento de preços de 1,09% em agosto deste ano. Entre os destaques nesse grupo, está a alta de preços de 0,62% na carne bovina. As despesas com habitação também subiram (0,47%), com destaque para os gastos com aluguel residencial, que aumentaram 0,42% em agosto. Também registraram inflação as classes de despesa saúde e cuidados pessoais (0,49%), educação, leitura e recreação (0,51%), despesas diversas (0,2%) e comunicação (0,1%).

2 de setembro de 2012, 12:55

ECONOMIA Contra o lobby da Febraban

O líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), e o relator da comissão que elabora o novo Código Penal, senador Pedro Taques (PDT-MT), puxaram a escada do líder do governo no Senado, Eduardo Braga (PMDB-AM). Na quarta-feira, atuando em dobradinha com o presidente do DEM, José Agripino (RN), e atendendo a pedido da Febraban, Braga aprovou, a toque de caixa, na Comissão de Ciência e Tecnologia, projeto da Câmara que tipifica os crimes cibernéticos (a chamada lei Carolina Dieckmann). Braga passou por cima da CCJ e tentou votar em regime de urgência direto no plenário do Senado. Taques protestou, e Renan impediu a votação.

Ilimar Franco, O Globo

31 de agosto de 2012, 16:47

ECONOMIA Governo pretende reduzir em 30% o custo de energia elétrica para a indústria

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse a empresários, durante reunião na semana passada em que ficou estabelecida a prorrogação do IPI, que vem aí uma redução considerável no custo da energia para a produção industrial no país. Mantega não fixou valores, mas confidenciou que o governo trabalha com a possibilidade de reduzir em 30% o custo da energia. O anúncio deve ser feito na semana que vem pela presidenta Dilma Rousseff, quando serão definidas as novas regras para as concessões de energia elétrica. (Poder Online/Ig)

31 de agosto de 2012, 14:30

ECONOMIA Vale: Venda de supernavios lucrará 600 milhões

A Vale acaba de vender dez supernavios que foram comprados por Roger Agnelli em 2009. Vai receber 600 milhões de dólares e depois afretar estes mesmo navios, nos quais transporta minério de ferro. É mais um dado da operação desmonte da gestão Agnelli pelo atual presidente, Murillo Ferreira. (Radar Online/Veja)

31 de agosto de 2012, 14:20

ECONOMIA Crescimento da economia é prenúncio de resultados melhores no segundo semestre, diz Mantega

Guido Mantega

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse hoje, na capital paulista, que os números apresentados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que apontam crescimento de 0,4% na economia brasileira são bons e, apesar de não serem extraordinários, mostram tendência de crescimento para o restante do ano. “Esse número que estamos vendo hoje é um número que estamos olhando pelo retrovisor. Está ficando para trás esse resultado. De qualquer forma é bom, comparado ao primeiro trimestre. Não é excepcional, mas é o prenúncio de resultados melhores que virão no segundo semestre”. Mantega disse ainda que os dados indicam que a economia está acelerando gradualmente e a expectativa é que o país continue nessa trajetória de aceleração no terceiro e quarto trimestres.

31 de agosto de 2012, 14:10

ECONOMIA Indústria cai e agropecuária cresce no segundo trimestre

O crescimento de 0,4% no Produto Interno Bruto (PIB) do país no segundo trimestre do ano é o menor desde o terceiro trimestre de 2009, quando a taxa foi negativa em 1,5%. O crescimento acumulado de  0,6% do PIB no primeiro semestre é também o menor desde o segundo semestre de 2009. O desempenho do PIB no segundo trimestre de 2012 foi fortemente influenciado pelo setor agropecuário, que teve crescimento de 4,9% em valor adicionado, compensando, em parte, a queda de 2,5% registrada na indústria. O setor de serviços ajudou, com a expansão de 0,7%. Na comparação do trimestre atual com o anterior, no setor de serviços – o que mais cresceu – destaca-se a expansão das atividades de intermediação financeira e seguros (1,8%), dos serviços de informação (1,0%), de administração, saúde e educação pública (0,8%) e outros (0,8%). O item atividades imobiliárias e aluguel apresentou variação positiva de 0,4%, enquanto o comércio (-0,1%) manteve-se praticamente estável em relação ao trimestre anterior. Por fim, o item transporte, armazenagem e correio registrou queda de 1,2%.

31 de agosto de 2012, 11:47

ECONOMIA Brasil tem pior desempenho entre os Brics e cresce menos que Chile e México

Apesar do avanço de 0,4% no segundo trimestre na comparação com o primeiro trimestre do ano, quando a economia ficou praticamente estável (0,1%), o Brasil teve um desempenho bem inferior quando comparado com países da América Latina como o México que teve crescimento de 0,9%, e o Chile com avanço de 1,6%. Em relação ao mesmo trimestre do ano anterior, o Brasil cresceu, no segundo trimestre de 2012, muito menos que os outros países emergentes que compõem o grupo dos Brics fomado também pela Rússia, a Índia, a China e a África do Sul. Enquanto o Brasil registrou um crescimento de 0,5%, as China cresceu 7,6% e a Índia, 5,5%. Já a economia russa apresentou crescimento de 4%, enquanto o PIB da África do Sul teve alta de 3,2%. A maior economia do mundo, os Estados Unidos, registrou crescimento de 1,7% no segundo trimestre. Leia mais no Último Segundo.

Ilton Caldeira e Carla Falcão, iG

31 de agosto de 2012, 11:32

ECONOMIA Investimento das teles cresce 3% ao ano, receita sobe 8%

As operadoras de telecomunicações têm sido bastante cobradas nos últimos meses pela qualidade dos serviços, principalmente móveis. Um estudo apresentado ontem pela A.T. Kearney, durante o evento Painel Telebrasil, em Brasília, mostrou que, de 2005 a 2011, o crescimento médio anual dos investimento nas redes fixas e celulares foi só de 3% ao ano. A pesquisa também apontou que foram investidos R$ 115 bilhões nesse período. Por outro lado, a receita bruta dos serviços de telefonia fixa e móvel passou de R$ 112,9 bilhões em 2005 para R$ 181,8 bilhões no ano passado, segundo a Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil). Isso corresponde a uma expansão média anual de 8,3%, quase o triplo da trajetória do investimento. Leia mais no Estadão.

Renato Cruz, Estadão

31 de agosto de 2012, 10:14

ECONOMIA PIB tem crescimento de 0,4% no segundo trimestre

O Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, cresceu 0,4% no segundo trimestre deste ano, em relação ao trimestre anterior, totalizando em valores correntes R$ 1,1 trilhão. Os dados relativos às contas nacionais foram divulgados hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na comparação com o segundo trimestre de 2011, o PIB cresceu 0,5%. No acumulado de 12 meses, a expansão foi 1,2 %. No primeiro semestre, o PIB apresentou aumento de 0,6%. Entre os setores da economia, a maior expansão foi observada na agropecuária (4,9%). O setor de serviços cresceu 0,7%. A indústria teve queda de 2,5%. Sob a ótica da demanda, foram observados aumento de 1,1% no consumo do governo e de 0,6% no das famílias. A formação bruta de capital fixo teve queda de 0,7% no período.

30 de agosto de 2012, 20:38

ECONOMIA Inflação do aluguel acumula alta de 6,07% no ano, até agosto, diz FGV

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), chamado de inflação do aluguel, porque é usado para reajustar a maioria dos contratos imobiliários, acelerou de 1,34% em julho para 1,43%, em agosto, segundo informou, nesta quinta-feira (30), a Fundação Getulio Vargas (FGV). Em agosto do ano anterior, a variação fora de 0,44%. Em 12 meses, o indicador acumula alta de 7,72% e, no ano, de 6,07%. Usado no cálculo do IGP-M e exercendo o maior peso, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que mede os preços no atacado, subiu 1,99% contra 1,81% em julho. Também utilizado para calcular o IGP-M, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), conhecido como a inflação do varejo, variou de 0,25% para 0,33%, em agosto. A principal contribuição partiu do grupo habitação (de 0,18% para 0,29%), com destaque para o item móveis para residência (de -0,37% para 0,53%). Nos outros grupos de despesa também foi registrado avanço de preços: educação, leitura e recreação (de 0,27% para 0,54%), vestuário (de -0,83% para -0,58%), saúde e cuidados pessoais (de 0,32% para 0,43%), transportes (de -0,39% para -0,34%) e comunicação (de 0,17% para 0,31%). Na contramão, estão as variações dos grupos alimentação (de 1,06% para 1,00%) e despesas diversas (de 0,39% para 0,24%). Os itens que exerceram as maiores influências foram panificados e biscoitos (de 1,54% para 0,16%) e tarifa postal (de 7,15% para 0,00%). (G1)

30 de agosto de 2012, 18:33

ECONOMIA Orçamento prevê salário mínimo de R$ 670,95 em 2013

A proposta de orçamento federal para 2013, entregue nesta quinta-feira (30) ao presidente do Senado, José Sarney, prevê que o salário mínimo seja de R$ 670,95, uma alta de 7,9% em relação a 2012, informou o Ministério do Planejamento. O valor é superior ao da Lei de Diretrizes Orçamentárias, que apontava um mínimo de R$ 667,75. Ao entregar o documento, a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, afirmou que o orçamento previsto para o próximo ano é de R$ 2,140 trilhões. A ministra informou também que as áreas prioritárias contempladas no orçamento são a saúde, educação, o programa Brasil sem Miséria e o PAC. “É um orçamento importante que garante os investimentos para o país continuar crescendo”, afirmou Belchior. Belchior informou que os acordos de reajuste firmados com o funcionalismo estão terminando de ser redigidos para constar no projeto do orçamento. “Estamos entregando o orçamento e temos até amanhã para entregar o projeto de lei de todos os acordos que foram firmados [com os servidores]. Nossa equipe está trabalhando duro, virando madrugadas”, disse a ministra. “Este é o meu segundo orçamento e quero reeditar a mesma relação que tivemos no ano passado. Um trabalho muito próximo, para facilitar a tramitação no Congresso Nacional”, concluiu Belchior. (G1)

30 de agosto de 2012, 13:57

ECONOMIA Volume de crédito cresce 17,7% em um ano, informa BC

O volume de crédito do sistema financeiro chegou a R$ 2,184 trilhões, em julho, com alta de 0,7% em relação a junho e de 17,7% em 12 meses, informou hoje o Banco Central (BC). Segundo o relatório do BC, o crescimento do crédito é “compatível com a evolução moderada da atividade econômica.” “A expansão do crédito foi mais expressiva no crédito direcionado [operações com taxas de juros ou recursos pré-estabelecidos por normas governamentais], sustentada pelo desempenho favorável do crédito habitacional e das operações do BNDES [Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social]”, diz o relatório. Em julho, o volume de crédito representou 50,7% do Produto Interno Bruto (PIB), todas as riquezas produzidas pelo país – resultado estável na comparação com junho. Em julho do ano passado, o volume era 46,1% do PIB.

30 de agosto de 2012, 13:00

ECONOMIA Dólar opera em alta nesta quinta-feira

O dólar registra alta frente ao real nesta quinta-feira, em meio à expectativa de que o Banco Central deixará expirar os contratos de swap cambial tradicional – que equivalem a uma venda futura de dólares – que vencem no dia 3 de setembro, reduzindo a oferta de moeda estrangeira no mercado futuro. No exterior, os investidores esperavam pelo discurso do chairman do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, Ben Bernanke, na sexta-feira em busca de sinalizações de mais afrouxamento monetário. (Reuters)