23 de fevereiro de 2012, 11:58

ECONOMIA Gasto dos brasileiros no exterior foi de US$ 2 bi em janeiro

Com as férias escolares e o dólar mais baixo, turistas brasileiros deixaram no exterior US$ 1,996 bilhão no mês de janeiro, segundo dados do Banco Central. Em janeiro do ano passado, o valor havia sido de US$ 1,777 bilhão. No mesmo período, os turistas estrangeiros deixaram no Brasil US$ 661 milhões, contra US$ 600 milhões. Em janeiro, o saldo entre os gastos de brasileiros e estrangeiros ficou negativo de US$ 1,335 bilhão. Em todo o ano passado, as despesas de brasileiros no exterior somaram US$ 21,234 bilhões. (Folha)

23 de fevereiro de 2012, 11:47

ECONOMIA Brasil gerou 118 mil vagas de empregos formais em janeiro, aponta Caged

O Brasil registrou a criação de 118.895 vagas com carteira assinada em janeiro, segundo os dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) divulgados nesta quinta-feira, pelo Ministério do Trabalho. Este é o pior resultado para o primeiro mês do ano desde 2009, quando foram fechados 101.748 postos de trabalho. Na comparação com janeiro de 2011, o resultado foi 21,82% menor, quando foram gerados 152.091 postos de trabalho. Em dezembro de 2011, houve o fechamento de 408.172 vagas, ante a geração de 42.735 em novembro de 2011. O setor de serviços foi o que mais criou empregos formais em janeiro, com a abertura de 61 mil postos com carteira assinada. Em segundo lugar está o setor de construção civil, que criou 42 mil vagas. A indústria de transformação abriu 37 mil vagas e a agropecuária foi responsável pela criação de 12 mil empregos com carteira assinada. Já o comércio, fechou 36 mil vagas em janeiro de 2012. O resultado veio em linha com a estimativa de mercado de criação de 100 mil vagas. (Folha)

23 de fevereiro de 2012, 11:39

ECONOMIA Brasil tem superavit de US$ 363 mi bi na conta corrente de janeiro

O Brasil registrou em janeiro superavit em transações correntes de US$ 363 milhões, informou o Banco Central nesta quinta-feira. Nos últimos 12 meses, no entanto, as transações correntes foram deficitárias em US$ 7,1 bilhões, acumulando, equivalente a 2,17% do PIB. As transações correntes foram negativas em US$ 7,1 bilhões o que leva ao um deficit de US$ 54,1 bilhões no acumulado dos últimos doze meses. A dívida é equivalente a 2,17% do PIB. Em dezembro, o país registrou deficit em transações correntes de US$ 6,04 bilhões. No ano, o deficit atingiu US$ 52,61 bilhões, ante US$ 47,323 bilhões em 2010. (Folha)

22 de fevereiro de 2012, 17:00

ECONOMIA Receita disponibilizará software para declaração de IR dia 24/2

A Receita Federal informou que o programa para a declaração do Imposto de Renda de pessoa física estará disponível para download na Internet a partir desta sexta-feira, dia 24. O período de entrega da declaração começa em 1º de março e vai até 30 de abril. A informação consta de instrução normativa publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira. Este ano, a Receita decidiu antecipar o download do programa para evitar fluxo concentrado no primeiro dia de entrega, além de dar mais tempo para o contribuinte apresentar a declaração em dia. Segundo a Receita, as empresas têm até o dia 29 de fevereiro para entregar aos seus funcionários o informe de rendimentos. Este ano, a declaração poderá ser entregue pela Internet ou mediante a entrega de disquetes nas agências do Banco do Brasil ou da Caixa Econômica Federal. (Reuters)

22 de fevereiro de 2012, 15:28

ECONOMIA Mercado corta previsão para inflação deste ano, diz Focus

O mercado financeiro reduziu suas previsões para a inflação neste ano e nos próximos 12 meses, mas elevou ligeiramente a estimativa para a alta dos preços em 2013, mostrou o relatório Focus do Banco Central nesta quarta-feira. Os agentes preveem que o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) feche 2012 em 5,24%, ante 5,29% na semana anterior. O prognóstico para 12 meses caiu a 5,27%, após 5,30% no último Focus. (Folha)

22 de fevereiro de 2012, 13:15

ECONOMIA Gastos não pagos somam R$ 85 bilhões

As despesas de anos anteriores não pagas pelo governo chegaram a R$ 85,543 bilhões. O valor foi divulgado em edição extra do Diário Oficial da União, no mesmo decreto que detalha o corte de R$ 55 bilhões nos gastos deste ano. Classificado no jargão orçamentário como “restos a pagar”, o montante se refere a gastos previstos em Orçamentos de anos anteriores, e que, embora autorizados pelo Executivo, não foram pagos. O mecanismo permite que despesas contratadas em um ano possam ser pagas pelo Orçamento dos anos subsequentes. Do total de restos a pagar, R$ 7,554 bilhões já estão processados: o serviço, obra ou compra foi concretizado, mas não foi pago. Outros R$ 77,998 bilhões não estão processados, ou seja, foi feito apenas o empenho (reserva), isto é, autorização para o gasto, mas o serviço ainda não foi feito nem pago. Ainda que os valores não tenham relação com R$ 55 bilhões congelados, não há garantia que o governo vá gastar tudo isso em 2012. Eles podem acumular novamente para o ano que vem. (Tribuna)

22 de fevereiro de 2012, 12:31

ECONOMIA Previdência quer cobrir 70,5% dos trabalhadores

O Ministério da Previdência Social quer encerrar 2012 com 70,5% dos trabalhadores com coberturas previdenciárias, noticiou a Agência Brasil. Atualmente, a abrangência está na casa dos 67%. A meta integra o Plano Estratégico da Previdência Social (2012-2015) apresentado na semana passada ao Conselho Nacional de Previdência Social. Até 2015, o objetivo da pasta é chegar a 77% dos trabalhadores assistidos, acrescentando mais 16 milhões de pessoas ao sistema, de acordo com o secretário de Políticas de Previdência Social, Leonardo Rolim. O trabalho tem como foco a inclusão dopúblico onde há uma baixa cobertura previdenciária como, por exemplo, trabalhadores rurais, pessoas com deficiência, empreendedores individuais, cooperativados, donas de casa de baixa renda, trabalhadoras domésticas e a população coberta pelo Bolsa Família. (Tribuna)

22 de fevereiro de 2012, 12:15

ECONOMIA Dilma e governadores acertam dar prioridade ao novo pacto federativo

Pode ser que este seja, enfim, o ano da votação pelo Congresso do tão propalado novo pacto federativo. Ou seja, da distribuição entre os estados e a União de tudo que se arrecada. Um dos principais itens desse pacto é o chamado FPE (Fundo de Participação dos Estados), composto por recursos arrecadados com o Imposto de Renda, Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e a Contribuição de Intervenção sobre Domínio Econômico (Cide). Os critérios de distribuição atual do FPE foram estabelecidos em 1989 por uma Lei Complementar que determinava sua revisão dois anos depois. Mas essa revisão nunca ocorreu, e o Supremo Tribunal Federal acabou determinando que o Congresso tem até o dia 31 de dezembro para votar um novo projeto. Caso contrário, o FPE perde a validade e os estados terão um prejuízo de cerca de R$ 40 bilhões/ano. Pois bem, durante a posse da presidenta da Petrobras, Maria das Graças Foster, no dia 13, a presidenta Dilma Rousseff manteve uma rápida reunião com os oito governadores presentes, tanto governistas como de partidos da oposição: Sérgio Cabral (PMDB-RJ), Eduardo Campos (PSB-PE), Antônio Anastasia (PSDB-MG) Jaques Wagner (PT-BA), Rosalba Ciarlini (DEM-RN), Renato Casagrande (PSB-ES), Marcelo Déda (PT-SE) e Cid Gomes (PSB-CE). (iG/Poder Online)

20 de fevereiro de 2012, 09:19

ECONOMIA Produto da Apple no Brasil é o mais caro do mundo

Os produtos da Apple no Brasil são os mais caros do mundo, mostra uma pesquisa da consultoria Idealo. De acordo com os preços cobrados pelas Apple Stores de 37 países, a Idealo somou os valores dos itens mais populares da gigante de tecnologia (iPad 2, Macbook Air, iPod Touch, MacBook Pro e iMac). Depois, dividiu o resultado por cinco. O preço médio no Brasil para um produto da Apple é de R$ 2.387,79. República Tcheca (R$ 2.202,63) e Tailândia (R$ 2.016,48) vêm na sequência. Os preços cobrados por produtos vendidos nos três países mais caros são 28% maiores do que a média dos outros locais. Na invejada ponta oposta -para os consumidores, é claro-, os mais baratos são Malásia (R$ 1.382,50), Canadá (R$ 1.384,70) e Hong Kong (R$ 1.391,02). Na lista que mede o país em que é feito o melhor negócio, o Brasil também ficou em último. O desempenho do Brasil é culpa da carga tributária e dos custos de importação, afirma Letícia do Amaral, vice-presidente do IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário). (Folha)

20 de fevereiro de 2012, 08:58

ECONOMIA Dilma quer medidas para baratear empréstimo

Por determinação da presidente Dilma, a equipe econômica prepara medidas para auxiliar o Banco Central a reduzir o custo dos empréstimos no país para empresas e consumidores. Na mesa estão desde propostas de redução de tributos que incidem sobre a intermediação financeira até o uso dos bancos oficiais, Banco do Brasil e Caixa, para tentar forçar a concorrência a conceder crédito mais barato. A estratégia é tentar fortalecer a política monetária, reforçando o papel da taxa de juros como principal instrumento de estímulo à retomada do crescimento. A presidente decidiu orientar sua equipe a retomar os estudos para redução dos custos dos empréstimos a fim de garantir um crescimento na casa dos 4% em 2012. (Folha)

17 de fevereiro de 2012, 14:02

ECONOMIA Otimismo dos empresários da indústria aumenta em fevereiro

O otimismo dos empresários cresceu 0,9 ponto em fevereiro sobre janeiro, atingindo 58,2 pontos, segundo informou a Confederação Nacional da Indústria (CNI). Mesmo com o ligeiro aumento em relação ao início do ano, o indicador está 3,4 pontos abaixo da pontuação de fevereiro de 2011 e 1 ponto abaixo da média histórica. Os dados do Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei) foram divulgados hoje pela entidade. O ICEI varia de 0 a 100 pontos. Acima de 50 pontos, há confiança do empresariado e, abaixo, pessimismo. Na avaliação dos técnicos da CNI, o otimismo nos primeiros meses do ano é normal . Os destaques da pesquisa de fevereiro são as indústrias de transformação, extrativa e de construção civil. Os industriais nordestinos são os mais otimistas, em comparação com os empresários das regiões Norte, Sudeste, Sul e Centro-Oeste. A CNI informou ainda que, mesmo com a queda 1,1 ponto no ICEI do Nordeste em relação a janeiro, a confiança dos industriais da região atingiu 61,7 pontos, considerado um indicador elevado. O ICEI de fevereiro foi calculado com base em entrevistas feitas em 2.192 empresas entre 1º e 14 de fevereiro, das quais 773 de pequeno porte, 852 médias e 567 de grande porte.

17 de fevereiro de 2012, 10:49

ECONOMIA Indústria e varejo pedem alívio no IPI

Indústria e varejo já pediram ao governo a reedição da medida que reduziu, no fim do ano passado, o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para itens da linha branca, como geladeiras, fogões e máquinas de lavar. Para o presidente da Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos (Eletros), Lourival Kiçula, o ideal é que a medida — que expira em março — seja estendida pelo menos por mais três meses. Segundo ele, a redução da alíquota só traz vantagens. Kiçula disse que desde que o IPI foi reduzido, no início de dezembro de 2011, a indústria contratou duas mil pessoas para atender aos pedidos do varejo. Antes da redução do IPI, os fabricantes de linha branca programavam férias coletivas. A redução do imposto, tomada também em 2008, faz parte de um pacote para estimular o aumento do consumo das famílias no Brasil e valerá até 31 de março deste ano. (O Globo)

17 de fevereiro de 2012, 09:14

ECONOMIA Brasil se consolida como 3º maior mercado de computadores do mundo

O mercado de computadores apresentou um crescimento de 12% no ano passado, com a comercialização de 15,4 milhões de notebooks, netbooks e desktops, segundo o estudo Brazil Quarterly PC Tracker, divulgado hoje pela consultoria IDC Brasil. Segundo a consultoria, o ano passado consolidou o Brasil como o terceiro maior mercado de computadores, atrás apenas de China e Estados Unidos. Apenas no quarto trimestre do ano passado foram vendidos 4,2 milhões de computadores, sendo 40,8% de desktops e de 59,2% notebooks e netbooks. Isso representou um aumento de 10% sobre o mesmo período de 2010. “O quarto trimestre foi bom, mas poderia ter sido ainda melhor se não fosse a alta do dólar e dificuldade para a aquisição de hard disk (HD), devido às enchentes na Tailândia”, disse, em nota, o IDC. (Agência Estado)

17 de fevereiro de 2012, 08:37

ECONOMIA ‘Economist’ vê presidente fora da ‘sombra de Lula’

A nomeação de Maria das Graças Foster para presidir a Petrobrás e de Eleonora Menicucci para a Secretaria de Políticas para Mulheres mostra que Dilma Rousseff está “saindo da sombra” de Lula, opina The Economist na edição que chega às bancas do Reino Unido hoje. A revista lembra que Dilma trocou sete ministros, mas nenhum teria sua cara, enquanto a escolha de Graça Foster foi “particularmente notável”. (O Estado de S. Paulo)

16 de fevereiro de 2012, 13:40

ECONOMIA Consumo de combustíveis cresce 3% em 2011; etanol cai 29%

O consumo de combustíveis no Brasil em 2011 atingiu 121 bilhões de litros, volume 3,4% superior ao verificado em 2010, quando ficou em 117 bilhões de litros, segundo dados divulgados nesta quinta-feira pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis). O consumo de gasolina foi de 35,4 bilhões de litros no ano passado. O montante foi 18,8% maior do que o registrado um ano antes (29,8 bilhões de litros). Já o consumo de etanol hidratado –o que vai diretamente no tanque– caiu 28,9% na mesma base de comparação. Foram consumidos 10,7 bilhões de litros em 2011 contra 15 bilhões no ano anterior. No caso do etanol anidro (que é misturado na gasolina), o mercado registrou aumento de consumo de 18,3%, chegando a 8,3 bilhões de litros. (Folha)