6 de março de 2017, 21:50

ECONOMIA Atividade da indústria paulista tem queda de 0,7% em janeiro, mostra Fiesp

O Indicador de Nível de Atividade (INA) da indústria da transformação paulista registrou queda de 0,7% em janeiro, na série com ajuste sazonal, na comparação com dezembro de 2016. Os dados foram divulgados hoje (6) pelo Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp). O recuo ocorre após alta de 3,6% em dezembro. No acumulado de 12 meses, o índice apresenta variação negativa de 8,3%.Com os ajustes sazonais, quatro das nove variáveis que compõem o INA apresentaram queda em janeiro, com destaque para o total de vendas reais (-1,3%). Em seguida, estão as horas trabalhadas na produção (-0,8%), o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (-0,3 ponto percentual) e o total de horas pagas (-0,1%).As demais variáveis do levantamento da conjuntura da indústria tiveram leve variação positiva, considerando o ajuste sazonal: horas médias trabalhadas (0,1%), total de salários nominais (0,4%), total de salários reais (0,1%) e salário real médio (0,6%). O total de vendas nominais ficou estável.De 18 setores analisados, 11 tiveram variação positiva. A atividade no setor têxtil cresceu 1,3% com ajuste sazonal. O total de horas trabalhadas teve alta de 2,4%. O total de vendas, por sua vez, recuou 2,2%.O setor de metalurgia básica também avançou em janeiro (0,8%), com destaque para a variável das horas trabalhadas na produção (1,3%).

Agência Brasil

6 de março de 2017, 21:00

ECONOMIA Carnaval injetou bilhões nas economias locais, diz MTur

Foto: Valter Pontes/Secom Salvador

Balanço do Ministério do Turismo divulgado hoje (6) destaca os números do carnaval em diversas cidades do país, desde destinos com festas mais consolidades até aqueles em que a folia despontou com mais força nos últimos anos. Os dados apontam que a ocupação hoteleira em Salvador, por exemplo, chegou a 95% no período de carnaval, gerando 200 mil empregos temporários. A estimativa da Secretaria de Turismo da Bahia é de que 600 mil turistas tenham passado pela capital baiana, um aumento de 9% em relação a 2016. Destes, 10% são estrangeiros. Em todo o estado foram registrados cerca de 2 milhões de visitantes, que injetaram R$ 1,5 bilhão na economia baiana. Tradicionalmente, a festa tem maior duração na capital baiana e, neste ano, se estendeu entre os dias 23 de fevereiro e 2 de março.O balanço do Ministério do Turismo informa que, na maioria dos destinos nordestinos, os índices de ocupação hoteleira registraram uma média de 90% no período do carnaval. Em Alagoas, 90% dos 31 mil leitos ficaram ocupados no feriado, mesmo índice registrado em Sergipe. Na Paraíba, 200 mil turistas foram responsáveis pela ocupação de cerca de 95%. O Ceará recebeu cerca de 112 mil turistas, injetando aproximadamente R$ 140 milhões na economia estadual. Em toda a cadeia produtiva do turismo cearense foram gerados R$ 230 milhões, um aumento de cerca de 10% em relação a 2016. A taxa de ocupação da rede hoteleira ficou na casa dos 84% durante o período.No Rio Grande do Norte, a média de ocupação no período foi de 89%. Em Recife, que fechará o balanço na próxima semana, a expectativa de ocupação hoteleira foi de 95%, com injeção de R$ 1,2 bilhão na economia pernambucana. Em São Luís, os cinco dias de festa criaram 1.450 empregos informais. Deste total, 950 atuaram nos circuitos oficiais da folia.

Agência Brasil

6 de março de 2017, 20:46

ECONOMIA Latam vai cobrar R$ 50 para despachar bagagem de 23 quilos

A empresa aérea Latam informou hoje (6) que ainda este ano passará a cobrar R$ 50 pela primeira mala de 23 quilos despachada pelos passageiros nos voos domésticos. A segunda mala de mesmo peso custará R$ 80. O excesso de peso vai custar entre R$ 120 e R$ 200. Nos próximos meses, o despacho da primeira bagagem de 23 quilos ainda será gratuito e a cobrança será apenas sobre o excesso.A permissão para que as empresas aéreas cobrem para despachar as bagagens, aprovada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), vale para quem comprar passagens a partir do dia 14 de março. O peso permitido para a bagagem de mão vai passar de 5 quilos para 10 quilos.Os voos da Latam para a América Latina terão a primeira mala de 23 quilos gratuita e a segunda vai custar US$ 90. Nos demais voos internacionais, será permitido levar duas malas de 23 quilos gratuitamente.A empresa diz que espera reduzir em até 20% as tarifas mais baratas disponíveis para voos domésticos até 2020. “A experiência internacional mostra que os preços das passagens caíram, e mais pessoas passaram a usar o transporte aéreo onde a bagagem despachada é cobrada à parte”, diz a Latam, em nota.

Estadão Conteúdo

6 de março de 2017, 19:45

ECONOMIA Mais de 1 milhão de contribuintes entregaram declaração do Imposto de Renda

Mais de 1 milhão de contribuintes acertaram as contas com o Leão em cinco dias de entrega da Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física 2017. Segundo balanço divulgado pela Receita Federal, 1.054.321 declarações foram recebidas até as 17h de hoje (6), de um total de 28,3 milhões de documentos esperados.O prazo de entrega começou na quinta-feira (2) e vai até as 23h59min59s de 28 de abril. O programa gerador da declaração está disponível no site da Receita Federal para download. A declaração do Imposto de Renda é obrigatória para quem recebeu rendimentos tributáveis superiores a R$ 28.559,70 no ano passado.Neste ano, a declaração do Imposto de Renda teve uma série de mudanças. As principais são a redução da idade mínima, de 14 para 12 anos, na apresentação do CPF de dependentes e a incorporação do Receitanet, programa usado para transmitir a declaração, ao programa gerador do documento.Precisa ainda declarar o Imposto de Renda quem recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40 mil; quem obteve, em qualquer mês de 2016, ganho de capital na alienação de bens ou direitos sujeito à incidência do imposto ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias e de futuros.Quando se trata de atividade rural, é obrigado a declarar o contribuinte com renda bruta superior a R$ 142.798,50; quem pretende compensar prejuízos do ano-calendário 2016 ou posteriores ou quem teve, em 31 de dezembro do ano passado, a posse ou propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, com valor total superior a R$ 300 mil.A Receita Federal pagará a restituição do IRPF em sete lotes, entre junho e dezembro deste ano. O primeiro lote será pago em 16 de junho, o segundo em 17 de julho e o terceiro em 15 de agosto. O quarto, quinto e sexto lotes serão pagos, respectivamente, em 15 de setembro, 16 de outubro e 16 de novembro. O sétimo e último lote está previsto para ser pago em dezembro.Ao fazer a declaração, o contribuinte deve indicar a agência e a conta bancária na qual deseja receber a restituição. Idosos, pessoas com deficiência física, mental ou doença grave têm prioridade para receber a restituição.

Agência Brasil

6 de março de 2017, 19:20

ECONOMIA PIB de 2016 deve ter queda de até 3,7% e confirmar pior recessão desde 1930

Sem folga, a economia brasileira prosseguiu em recessão pelo segundo ano consecutivo, amargando queda de 3,60% em 2016, conforme mostra a mediana das expectativas coletadas pela pesquisa do Projeções Broadcast. O intervalo das expectativas de 48 instituições para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2016 – de retração de 3,70% a 3,50% – mostra que não houve trégua e que o País enfrentou a pior recessão da história, já deixando uma herança estatística negativa para 2017. Confirmada a queda, o Brasil terá dois anos seguidos de recessão, o que não ocorre desde 1930-1931.Em 2015, o quadro já fora ruim, quando houve declínio de 3,8% e, em 2014, o PIB cresceu apenas 0,5% – dado revisado após taxa positiva original de 0,10%. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga o PIB de 2016 nesta terça-feira, 7 às 9 horas, por meio das Contas Nacionais Trimestrais.Os analistas avaliam que tanto os componentes da demanda quanto da oferta fraquejaram em 2016. A exceção, do lado da demanda, foram as exportações, que, conforme eles, podem ter impedido um declínio maior do PIB.”O PIB deve ter tido desempenho negativo generalizado, com destaque para a continuidade do enfraquecimento do consumo e do investimento. Apesar disso, esperamos leve alta do PIB neste trimestre, impulsionada, principalmente, pelo crescimento da atividade agropecuária”, pondera o Bradesco em relatório, ao prever queda de 3,60% para o PIB em 2016.O economista Marco Caruso, do Banco Pine, é um dos que aguardam expansão somente no setor externo, de 2,5%. A projeção, contudo, é inferior ao crescimento de 6,1% apurado em 2015.

Estadão Conteúdo

6 de março de 2017, 09:59

ECONOMIA Mercado financeiro diz que inflação deve fechar o ano em 4,36%

O mercado financeiro manteve hoje (6) a projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 4,36%, de acordo com o boletim Focus, uma publicação divulgada todas as segundas-feiras pelo Banco Central (BC). A projeção para a inflação este ano está abaixo do centro da meta de 4,5%. A meta tem ainda limite inferior de 3% e superior de 6%. Para 2018, a estimativa também não foi alterada e segue em 4,5%. A projeção de instituições financeiras para o crescimento da economia (Produto Interno Bruto – PIB – a soma de todas as riquezas produzidas pelo país) este ano foi ajustada de 0,48% para 0,49%. Para 2018, a expectativa é que a economia cresça 2,39%. A projeção da semana passada era 2,37%. Para o mercado financeiro, a Selic encerrará 2017 em 9,25% ao ano e, em 2018, em 9% ao ano. Atualmente, a Selic está é 12,25% ao ano. A Selic é um dos instrumentos usados para influenciar a atividade econômica e, consequentemente, a inflação. Quando o Copom aumenta a Selic, a finalidade é conter a demanda aquecida, o que gera reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Já quando o Copom reduz os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle sobre a inflação.

Kelly Oliveira, Agência Brasil

6 de março de 2017, 08:55

ECONOMIA Indicador de Incerteza da Economia recua e atinge menor nível desde maio de 2015

O Indicador de Incerteza da Economia, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), caiu 8,5 pontos entre janeiro e fevereiro, deste ano. O índice passou de 127,3 para 118,8 pontos, o menor nível desde maio de 2015 (116,8 pontos). O Indicador de Incerteza da Economia é composto por três componentes: na frequência de notícias com menção à incerteza nas mídias impressa e online; nas dispersões das previsões de especialistas para a taxa de câmbio e para a inflação oficial e na volatilidade do mercado financeiro. De acordo com a FGV, o resultado parece refletir notícias favoráveis, como a redução da inflação e da taxa de juros, além da promulgação da Emenda à Constituição 95, que limita os gastos públicos. No entanto, segundo a FGV, é preciso ter cautela com os resultados, uma vez que fatores externos, o andamento da Operação Lava Jato e contratempos durante a tentativa de aprovação de outras medidas podem reverter a tendência de queda do indicador.

Vitor Abdala, Agência Brasil

5 de março de 2017, 10:35

ECONOMIA Lucro da BB Consórcios cresce 27,7% em 2016

Foto: Estadão

O lucro da BB Consórcios cresceu 27,7% no ano passado, na comparação com 2015. O Banco do Brasil contabilizou 665 mil cotas, com faturamento de R$ 3,7 bilhões. O BB injetou na economia R$ 3,6 bilhões com a liberação de cartas de crédito, sendo R$ 3,3 bilhões para veículos R$ 298,8 milhões em imóveis, R$ 9,3 milhões em outros bens de consumo.

Estadão

5 de março de 2017, 09:55

ECONOMIA Saques do FGTS inativo começam na próxima sexta-feira

Na próxima sexta-feira (10), mais de 4,8 milhões de trabalhadores que têm contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e se enquadram nas regras definidas pelo governo poderão sacar o valor depositados nessas contas. Segundo a Caixa Econômica Federal, mais de 30,2 milhões de trabalhadores têm direito ao saque do saldo das contas inativas do FGTS. De acordo com o cronograma definido pelo banco, os trabalhadores com contas inativas do FGTS e que fazem aniversário nos meses de janeiro e fevereiro poderão efetuar o saque entre os dias 10 de março e 7 de abril. Esse primeiro lote compreenderá 16% do total de pessoas com direito a fazer a retirada. Ao todo, o saldo das contas inativas é de R$ 43,6 bilhões. O trabalhador que perder o prazo só poderá sacar o valor das contas inativas quando se aposentar, comprar moradia própria ou se enquadrar nas outras possibilidade de saque previstas nas regras do fundo, entre elas, ser morador de região afetada por catástrofe natural. Podem sacar o saldo das contas inativas do FGTS os trabalhadores com carteira assinada que, em um ou mais contratos de trabalho, pediram demissão ou foram demitidos por justa causa com o contrato finalizado até 31 de dezembro de 2015. Conforme o calendário de saque definido pela Caixa Econômica Federal, o mês de abril terá o maior volume de pagamentos, com a possibilidade de saque para os trabalhadores que fazem aniversário nos meses de março, abril e maio. Ao todo, 26% dos trabalhadores terão o direito de retirar o montante entre os dias 10 de abril e 11 de maio.

Agência Brasil

3 de março de 2017, 18:33

ECONOMIA Receita já recebeu quase 600 mil declarações do IR

Foto: Divulgação

Quase 600 mil contribuintes acertaram as contas com o Leão no primeiro dia de entrega da Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física 2017. Segundo balanço divulgado pela Receita Federal, 592.491 declarações foram recebidas até as 17h de hoje (3), de um total de 28,3 milhões de documentos esperados.O prazo de entrega começou hoje e vai até as 23h59min59s de 28 de abril. O programa gerador da declaração está disponível no site da Receita Federal para download. A declaração do Imposto de Renda é obrigatória para quem recebeu rendimentos tributáveis superiores a R$ 28.559,70 no ano passado.Neste ano, a declaração do Imposto de Renda teve uma série de mudanças. As principais são a redução da idade mínima, de 14 para 12 anos, na apresentação de CPF como dependentes e a incorporação do Receitanet, programa usado para transmitir a declaração, ao programa gerador do documento.Precisa ainda declarar o IRPF quem recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40 mil; quem obteve, em qualquer mês de 2016, ganho de capital na alienação de bens ou direitos sujeito à incidência do imposto ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias e de futuros.Quando se trata de atividade rural, é obrigado a declarar o contribuinte com renda bruta superior a R$ 142.798,50; quem pretende compensar prejuízos do ano-calendário 2016 ou posteriores ou quem teve, em 31 de dezembro do ano passado, a posse ou propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, com valor total superior a R$ 300 mil.A Receita Federal pagará a restituição do IRPF em sete lotes, entre junho e dezembro deste ano. O primeiro lote será pago em 16 de junho, o segundo em 17 de julho e o terceiro em 15 de agosto. O quarto, quinto e sexto lotes serão pagos, respectivamente, em 15 de setembro, 16 de outubro e 16 de novembro. O sétimo e último lote está previsto para ser pago em dezembro.Ao fazer a declaração, o contribuinte deve indicar a agência e a conta bancária na qual deseja receber a restituição. Idosos, pessoas com deficiência física, mental ou doença grave têm prioridade para receber a restituição.

Agência Brasil

3 de março de 2017, 17:15

ECONOMIA Cresce otimismo do brasileiro em relação às perspectivas para a economia

Pesquisa nacional feita pela Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ) e pelo Instituto Ipsos revela um aumento do otimismo dos brasileiros em relação à economia este ano. Feita entre 1º e 13 de novembro do ano passado com 1.200 consumidores maiores de 16 anos nas capitais Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Porto Alegre, Belo Horizonte, Florianópolis, Salvador, Recife e em mais 64 cidades brasileiras, a sondagem foi divulgada hoje (3), no Rio. Ela mostra que um entre três brasileiros acredita que as condições da economia vão melhorar nos próximos seis meses. Em 2016, apenas um entre cada cinco consumidores se mostrava otimista, o que significa que houve avanço de 13 pontos percentuais nas perspectivas para este ano. Os que acreditam que o cenário vai piorar neste semestre representam 29%, com recuo de 9 pontos percentuais ante a mostra anterior. O gerente de Política Econômica da Fecomércio-RJ, o economista Christian Travassos, disse que a percepção mais otimista do brasileiro está de acordo com o que foi identificado em outros indicadores de confiança, como o Boletim Focus, do Banco Central, e pesquisas empresariais do comércio e da indústria. “Há melhora para o cenário de crescimento e de inflação”, disse; Travassos lembrou que o que o consumidor mais sente no bolso, no dia a dia, é o impacto da inflação no seu poder de compra. “A inflação, em um ano, caiu pela metade e o desemprego que vinha aumentando já desacelerou. Então, a tendência é melhorar. Daí, o aumento do otimismo em relação à retomada da atividade, do emprego e o recuo da inflação. Nós identificamos esses indicadores junto aos consumidores brasileiros e eles conversam com outros números do mercado financeiro, da confiança do comércio e da indústria, que também apontam nessa direção”, destacou. Leia na Agência Brasil.

Agência Brasil

3 de março de 2017, 12:10

ECONOMIA Consumo de energia elétrica cresce 2,8% em janeiro

O consumo de eletricidade no país cresceu 2,8% em janeiro deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado, e atingiu 1.084 gigawatts/hora (GWh). Segundo dados divulgados hoje (3) pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), do Ministério de Minas e Energia, o crescimento foi observado nos quatro grande setores consumidores e nas cinco regiões do país.O maior crescimento foi registrado no setor industrial (4,4%), influenciado principalmente pelos consumos dos segmentos têxtil, automotivo, de borracha e plástico, metalúrgico e de papel e celulose.O consumo residencial, por sua vez, avançou 1,2%, enquanto o segmento comercial e serviços teve uma alta de apenas 0,3%. O segmento Outros, que inclui a agropecuária, teve aumento de 0,6%.Entre as regiões do país, o maior aumento no consumo de eletricidade foi observado no Sul (5,5%) e no Sudeste (2,6%). As demais regiões tiveram as seguintes taxas de crescimento: Centro-Oeste (1,9%), Nordeste (1,8%) e Norte (1,7%).

Agência Brasil

3 de março de 2017, 09:32

ECONOMIA Efeito da queda dos juros é lento

Foto: Divulgação

O ciclo de queda do juro iniciado pelo Banco Central em outubro ainda não foi suficiente para aliviar as condições do mercado de crédito. Financiamentos para empresas e famílias ficaram marginalmente mais baratos no final do ano passado, mas a tendência ainda não é clara e, em janeiro, as taxas voltaram a subir nos bancos.Há consenso entre economistas de que a queda do juro será sentida pelo consumidor nos próximos meses. A partir do segundo trimestre, deve ser gradualmente mais perceptível no bolso da população.Por enquanto, porém, na maioria dos bancos e lojas, o crédito continua com taxa muito semelhante – ou até mais cara – do que a vista quando a instituição presidida por Ilan Goldfajn começou a afrouxar as condições da economia. O juro do rotativo do cartão, por exemplo, subiu 11 pontos desde outubro, para o novo recorde de 486,8% ao ano – o crédito mais caro oferecido pelos bancos.Com a lembrança de que a Selic não é a única variável que determina o custo do crédito, economistas dizem que há outros itens que explicam o atraso no repasse ao consumidor. Há, porém, consenso de que o custo dos financiamentos apontará para baixo no médio prazo. É como um regime alimentar, que demora a mudar a silhueta de uma pessoa, mas cujos resultados serão cada vez mais visíveis se a dieta persistir. A dieta, nesse caso, é a tesoura do BC. Se o ritmo dos cortes for acelerado, o custo do crédito cairá mais rápido e visivelmente, dizem economistas.

Estadão Conteúdo

3 de março de 2017, 09:16

ECONOMIA Taxa para opção ao rotativo do cartão deve ficar mais alta

Em meio à expectativa de redução do custo do crédito por conta da queda da taxa Selic, uma linha específica de crédito deve caminhar em sentido inverso, com juros em alta, nos próximos meses. Economistas acreditam que a migração obrigatória de clientes do crédito rotativo do cartão para o parcelamento deverá transferir o risco de calote e, em reação, os juros subirão. A partir de abril, clientes poderão usar o crédito rotativo pelo período máximo de 30 dias. Após esse período, o banco será obrigado a oferecer uma alternativa mais barata ao consumidor. Grandes instituições têm indicado que o parcelamento no cartão será a opção. O juro de 161,9% dessa operação é sensivelmente menor que os 486,8% do rotativo. A vantagem, porém, tende a diminuir. “O parcelamento vai ficar mais caro porque o banco vai receber esse cliente que oferece mais risco”, afirmou o consultor econômico da Fecomércio de São Paulo, Fabio Pina, ao comentar que a existência desse risco explica parte do elevado juro do rotativo.

Estadão Conteúdo