21 de abril de 2018, 18:40

BRASIL Reajuste salarial de servidores será decidido em agosto, diz Guardia

Foto: Dida Sampaio/Agência Estado

Ministro da Fazenda, Eduardo Guardia

WASHINGTON – O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, afirmou neste sábado, 21, que o governo estuda adiar o reajuste salarial de servidores públicos do próximo ano para enfrentar o quadro fiscal de 2019, conforme adiantou o Estado, mas ressaltou que a decisão somente será tomada mais à frente. + Reuniões do FMI e G-20 visam coordenar esforços entre países, diz Guardia. “2019 tem desafio (fiscal) e esta é uma alternativa”, afirmou Guardia a jornalistas durante eventos do Fundo Monetário Internacional (FMI) em Washington, acrescentando que a decisão final somente será tomada em agosto, quando o governo tem de encaminhar ao Congresso o Orçamento do próximo ano. O governo já informou que há déficit em 2019 de R$ 254,3 bilhões para o cumprimento da regra de ouro fiscal, que impede endividamento para pagar despesas correntes, como salários. Guardia afirmou ainda que existem outras alternativas para ajudar a equilibrar as contas públicas no próximo ano, como a reoneração da folha de pagamentos, mas que precisará de aprovação do Congresso Nacional.

Estadão

21 de abril de 2018, 18:24

BRASIL Juiz pede manifestação da promotoria sobre retrato de Serra

O juiz Evandro Carlos de Oliveira, da 15ª Vara da Fazenda Pública, determinou que o Ministério Público Estadual de São Paulo se manifeste em ação popular contra o contrato de R$ 85 mil do governo do Estado para pintura de José Serra no Palácio dos Bandeirantes. Em ação popular protocolada no Fórum da Fazenda Pública de São Paulo, o advogado Carlos Alexandre Klomfahs se manifesta contra o valor – R$ 85 mil – desembolsado pelo governo estadual para contratar a pintura do quadro do ex-governador José Serra (PSDB). A ação pede que seja anulado o contrato com o artista Gregório Gruber, contratado com inexigibilidade de licitação. O magistrado pediu que o advogado emende seu pedido inicial à Justiça ‘a fim de retificar o polo passivo da presente demanda , vez que a Secretaria de Governo , enquanto mero órgão da Administração Pública Direta, não possui personalidade jurídica autônoma para figurar como ré’. “Sem prejuízo, abra-se vista para o Ministério Público”, decidiu. O retrato de Serra, que foi governador entre 2007 e 2010, vai ficar exposto na galeria de todos os mandatários paulistas no primeiro andar do Bandeirantes. A obra, um Serra sorridente, será apresentada nos próximo dias.

Estadão Conteúdo

21 de abril de 2018, 18:15

BRASIL PGR pede prorrogação de 60 dias no inquérito que investiga Jucá

Foto: Nilton Fukuda/Arquivo/Estadão

Senador Romero Jucá

Em manifestação enviada na quinta-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pede a prorrogação pelo prazo de 60 dias para a conclusão da investigação que tem como alvo o senador Romero Jucá (MDB-RR). O emedebista é investigado pela suposta prática dos crimes de falsidade ideológica, desvio de contribuições previdenciárias e crimes contra a ordem tributária. O inquérito apura se o senador é sócio oculto da TV Caburaí, afiliada à Rede Bandeirantes em Roraima, e eventuais repasses de recursos em benefício de Jucá, por meio da empresa Uyrapuru Comunicaçãoes e Publicidade, gestora da rede de televisão de Boa Vista, capital do Estado.
Após o levantamento de sigilo bancário da empresa em 2017, relatório do Ministério Público Federal apontou que não foram identificados pelas instituições financeiras os principais beneficiários dos recursos movimentados nas contas bancárias da Uyrapuru, bem como os principais depositantes dos valores em espécie nessas contas. Raquel pede a identificação do proprietário, matrícula e registro do imóvel sede da Uyrapuru, em Canarinho, Boa Vista (RR). “Tem-se que tal informação pode ser útil à identificação dos reais responsáveis pela gestão da empresa”, justificou Raquel em seu primeiro pedido, em janeiro.

Estadão Conteúdo

21 de abril de 2018, 18:12

BRASIL Morre no Rio cineasta Nelson Pereira dos Santos, aos 89 anos

Morreu neste sábado, 21, aos 89 anos, o cineasta Nelson Pereira dos Santos, um dos nomes importantes do Cinema Novo. Ele estava internado havia uma semana no Hospital Samaritano, na zona sul da cidade. Às 17 horas, a família confirmou a morte, em consequência de um câncer de fígado diagnosticado há 40 dias. Diretor de filmes fundamentais da história do cinema brasileiro, como Rio, 40 graus (1955) e Vidas secas (1963), ele realizou os últimos longas em 2012, os documentários musicais A música segundo Tom Jobim e A luz do Tom. Além de dirigir, era também roteirista de seus filmes. “Ele estava ótimo, não estava doente. Foi internado com uma pneumonia, na semana passada, que cedeu. Estava lúcido, mas cansado. Morreu sem dor, uma morte tranquila, com toda a família reunida”, disse a publicitária Mila Chaseliov, sua neta. Nelson teve quatro filhos e cinco netos. “Foi um avô muito presente. A gente tinha muitas discussões intelectuais. Foi quem me ensinou a tomar uísque, num show, aos 19 anos. Eu me senti muita adulta na hora”, contou. O cineasta participou da formação intelectual de netos, lembrou Mila. “Eu descobri como ele era importante ainda na escola. Todo mundo que eu encontro, quando descobre que sou neta do Nelson, fala do quanto ele é incrível.” Em 2006, Nelson foi eleito para a Academia Brasileira de Letras, na sucessão do diplomata Sergio Corrêa da Costa. Passou a frequentar a Casa de Machado com assiduidade. Atuava na programação cultural da instituição. Nelson nasceu dia 22 de outubro de 1928, em São Paulo. Formou-se advogado em 1952. A partir dos anos 1940, trabalhou como revisor e repórter de jornais como o “Diário da Noite” e “O Tempo”, em São Paulo. Nos anos 1950, no Rio, trabalhou também no “Diário Carioca” e no “Jornal do Brasil”. Mais tarde, seria professor da Universidade Federal Fluminense, de cujo curso de graduação em cinema foi fundador.

Estadão Conteúdo

21 de abril de 2018, 12:37

BRASIL Rio tem noite de violência, com dois mortos

Um homem foi morte e outros quatro foram presos após tiroteio na noite desta sexta-feira, 20, no bairro de Botafogo, na zona sul do Rio de Janeiro. A Polícia Militar, por meio de sua assessoria de imprensa, informou que os criminosos praticaram uma série de roubos na região na mesma noite. Em um deles, levaram o carro Toyota Corolla do vereador Daniel Martins (PDT), quando ele se aproximava de casa, com os filhos gêmeos. Por meio do rastreamento do celular do parlamentar, também roubado, os ladrões foram localizados e, durante o tiroteio, um deles foi atingido e morreu no local. “Com ele foram apreendidos três revólveres calibre .38, um revólver calibre 32 e farta munição de ambos calibres, nove aparelhos celulares, chaves de outros veículos e motocicleta e dois relógios de pulso. Os presos e o material apreendido foram conduzidos para 5ª DP (Centro) e os veículos recuperados para o Pátio Legal”, informou a PM. No mesmo dia, uma pessoa foi ferida por bandidos que tentaram assaltar uma lanchonete em Botafogo, na rua Voluntário da Pátria próxima de onde, na noite do mesmo dia, houve a troca de tiros entre os assaltantes e a polícia que levou à morte de um dos bandidos. A PM informou ainda que na madrugada deste sábado, 21, foi acionada para verificar um veículo abandonado, um táxi, com marcas de sangue em seu exterior, em Copacabana, na zona sul. Ao abrirem a mala encontraram um corpo, o do taxista dono do carro. O caso foi registrado na Delegacia de Homicídios. Os nomes dos envolvidos nos crimes não foram informados pela polícia.

Estadão Conteúdo

21 de abril de 2018, 11:49

BRASIL Projeto que limita salário será retomado

Entre as medidas estudadas pela equipe econômica para tentar evitar o descumprimento do teto de gastos (regra que limita o crescimento das despesas à variação da inflação) em 2019, uma das principais é resgatar o projeto de reestruturação das carreiras do funcionalismo, segundo o ministro do Planejamento, Esteves Colnago. O objetivo desse projeto é reduzir os salários iniciais dos servidores do Executivo. A proposta foi apresentada em agosto do ano passado, mas não avançou por conta da forte resistência dos servidores públicos, que atuam para sepultar a ideia. A intenção do governo é limitar os salários iniciais a R$ 5 mil e aumentar o número de “degraus” a serem percorridos pelo funcionário até atingir o topo da carreira. A retomada da proposta deve abrir uma nova frente de batalha do governo com os servidores, que podem ter também o reajuste nos salários programado para 2019 adiado para 2020. “É uma reforma de longo prazo. Se você pensar ao longo do tempo, essa é a segunda grande medida que vai permitir ter alguma economia e, principalmente, voltar a contratar com alguma racionalidade”, defendeu Colnago. Servidores que ingressam hoje em carreiras de elite, como auditor fiscal da Receita Federal, delegado da Polícia Federal ou advogado da AGU, começam com salário mensal superior a R$ 20 mil. A reestruturação é uma das medidas que a área econômica quer aprovar para abrir espaço no teto de gastos para viabilizar outras despesas, como investimentos. Despesas obrigatórias, como salários e benefícios previdenciários, têm crescido acima da inflação, o que reduz os valores disponíveis para gastar em custeio e investimento.

Estadão Conteúdo

21 de abril de 2018, 10:43

BRASIL Justiça dá mais prazo para Samarco fechar acordo sobre Mariana

A 12ª Vara da Justiça Federal em Belo Horizonte acatou, na tarde desta sexta-feira (20), pedido feito pelas mineradoras Samarco, Vale e BHP, com anuência do Ministério Público Federal (MPF), para a prorrogação do prazo para a apresentação dos termos do acordo final sobre a reparação dos danos causados pelo rompimento da barragem de Fundão, no dia 5 de novembro de 2015, em Mariana, Minas Gerais. Com a decisão, o acordo poderá ser entregue até o dia 25 de junho deste ano. Esta é a quinta vez que o prazo é prorrogado. O prazo para a conclusão das negociações de um termo de ajustamento estava previsto para terminar hoje, e havia sido definido em novembro do ano passado pelo juízo da 12ª Vara Federal de Belo Horizonte, na ação civil pública que pede R$ 155 bilhões para reparação dos danos sociais, ambientais e econômicos causados pela tragédia. O rompimento da barragem de rejeitos de mineração é considerado o maior desastre ambiental do país, e deixou 19 mortos, inundou cidades, causou a destruição da vegetação nativa e poluiu a Bacia do Rio Doce. Por meio de nota, a Samarco e suas acionistas, Vale e BHP Billiton, reiteraram o compromisso com as comunidades e locais impactados pelo rompimento da Barragem de Fundão há quase três anos. Além da ação do MPF, outra ação civil pública da União, governos de Minas Gerais e Espírito Santo e órgão ambientais originou o termo de transação e ajustamento de conduta, assinado em março de 2016, para a criação de um fundo de R$ 20 bilhões para recuperação dos danos e compensação dos atingidos. A partir desse acordo, foi criada a Fundação Renova, que desenvolve 42 programas na região da Bacia do Rio Doce.

Agência Brasil

21 de abril de 2018, 10:15

BRASIL Família Campos quer Joaquim Barbosa na centro-esquerda

Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Filho mais velho de Eduardo Campos, João afirmou que não há veto do PSB de Pernambuco à candidatura de Joaquim Barbosa

A família do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, morto em 2014 em um acidente aéreo, não se opõe a uma eventual candidatura do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa pelo PSB ao Palácio do Planalto. Há, contudo, uma condição: que Barbosa entre na disputa com uma plataforma de centro-esquerda. Esse posicionamento foi apresentado pela primeira vez ontem em Recife pelo herdeiro político do ex-governador, o engenheiro João Campos, filho mais velho de Eduardo. “Não há veto de forma alguma do PSB de Pernambuco à candidatura (de Barbosa). Mas conversamos com diversas frentes de esquerda. Qualquer aliança nacional deve ser alinhada com as diretrizes que defendemos”, disse João Campos. “Se ele (Barbosa) se enquadrar nisso, o PSB pode apoiá-lo”. A declaração foi comemorada como uma vitória política pelos deputados do PSB que estão na linha de frente do projeto Barbosa. “O João e a Renata (viúva de Eduardo Campos) representam muito no PSB. O peso deles é enorme no partido. Ficamos muito satisfeitos com o posicionamento”, disse o líder do PSB na Câmara, Julio Delgado (MG). Aos 24 anos, João Campos integra as executivas nacional e estadual do PSB e vai disputar uma vaga na Câmara dos Deputados. Ao chegar ao 17° Fórum Empresarial do Lide, que reuniu presidenciáveis, ministros e parlamentares de centro-direita na capital pernambucana, João Campos foi cercado por convidados, jornalistas e também ‘curiosos’. Leia mais no Estadão.

Estadão

21 de abril de 2018, 10:00

BRASIL No Nordeste, centro-direita vê dificuldade de enfrentar ‘lulismo’ nas eleições

Enquanto o PT tenta romper o isolamento político do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Lava Jato, líderes dos partidos de centro-direita no Nordeste enfrentam dificuldades em encontrar políticos dispostos a enfrentar o “lulismo” nas eleições majoritárias desse ano. Esse foi o principal tema de debate nos bastidores do 17.º Fórum Empresarial do Lide, evento que reuniu empresários, presidenciáveis e lideranças políticas em Recife entre quarta-feira e hoje. Como acontece desde 2014, quando a então presidente Dilma Rousseff rompeu com o idealizador do evento, o ex-prefeito João Doria (PSDB), o Fórum não recebeu neste ano políticos do campo da esquerda – a exceção foi o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB). Os dois casos mais emblemáticos – e que preocupam sobretudo o PSDB e o DEM – são justamente os de Pernambuco e Bahia, onde o deputado Bruno Araújo e o prefeito de Salvador, ACM Neto, desistiram de disputar os respectivos governos. Em Pernambuco, as negociações locais caminham para a formação de um grande palanque estadual encabeçado pelo senador Armando Monteiro (PTB), que é próximo a Lula e faz elogios ao “legado” do ex-presidente no Nordeste. Nas conversas reservadas, tucanos reconhecem que o ex-governador Geraldo Alckmin tem “traços” nas pesquisas internas e não terá palanques sólidos. “O Nordeste é o ponto forte do PT. Uma candidatura majoritária que não surfa na onda da opinião pública daqui tem um trabalho redobrado. A missão do DEM e de outros partidos de centro para chegar ao Nordeste é combater a guerra da desinformação”, disse o deputado Efraim Filho (DEM-PB). Segundo ele, o “lulismo” ainda é muito forte no Nordeste, mas o petismo não. “O petismo está em decadência”, afirmou o parlamentar. Bruno Araújo também reconhece que a força de Lula é muito substancial. “A liderança exercida pelo ex-presidente Lula é um componente que tem influência na montagem do palanque e estratégia de campanha”, disse Bruno Araújo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Estadão

21 de abril de 2018, 09:30

BRASIL ‘Sarney desesperado para voltar ao poder’, afirma Flávio Dino

Foto: Estadão

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B)

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B) atribuiu, nesta sexta-feira, 20, a seus adversários políticos, a crise que enfrenta em sua segurança pública após a divulgação de ofícios do alto escalão da PM pela espionagem de oposicionistas. “Por que tantos ataques desvairados ao nosso governo? 1) Sarney desesperado para voltar ao poder; 2) alguns tentando me intimidar pela crítica que faço à prisão ilegal do presidente Lula. Vamos vencer nas urnas e continuarei a criticar o que acho errado”, afirmou. O caso está sob investigação da Procuradoria Eleitoral e causou tumulto político no Maranhão. Diversos partidos se manifestaram em repúdio às ordens para monitorar opositores que ‘causassem embaraço’ às eleições e transferir policiais envolvidos com política. Em reação à divulgação dos documentos, o governador afirmou que manou ‘demitir o autor do papel disparatado’. “Mandei também apurar por que esse oficial da PM assinou aquele papel absurdo. Ele irá responder a processo disciplinar para esclarecer os fatos” “Infelizmente vivemos essa época. Alguém inventa uma farsa, uma fraude, transforma isso em um ‘escândalo’ e alguns, por ideologia ou interesses, divulgam como sendo verdade. O nazismo agiu assim contra judeus, liberais e comunistas.”

Estadão

21 de abril de 2018, 09:15

BRASIL Advogado pede à Justiça que barre quadro de R$ 85 mil de Serra no Bandeirantes

Foto: Divulgação

Oex-governador José Serra (PSDB)

Em ação popular protocolada no Fórum da Fazenda Pública de São Paulo, o advogado Carlos Alexandre Klomfahs se manifesta contra o valor – R$ 85 mil – desembolsado pelo governo estadual para contratar a pintura do quadro do ex-governador José Serra (PSDB). A ação pede que seja anulado o contrato com o artista Gregório Gruber, contratado com inexibilidade de licitação. O retrato de Serra, que foi governador entre 2007 e 2010, vai ficar exposto na galeria de todos os mandatários paulistas no primeiro andar do Bandeirantes. A obra, um Serra sorridente, será apresentada nos próximo dias. Gregório Gruber, que já pintou Cláudio Lembo e Alberto Goldman, foi contratado com inexigibilidade de concorrência pública para pintar Serra. O artigo 25 da Lei de Licitações prevê a inexigibilidade. O texto prevê que não há necessidade de certame ‘para contratação de profissional de qualquer setor artístico, diretamente ou através de empresário exclusivo, desde que consagrado pela crítica especializada ou pela opinião pública’. Para Carlos Klomfahs, no entanto, ‘o interesse público veiculado por esta ação popular é referido na origem dos recursos que, segundo dados do próprio site oficial do Governo Federal, São Paulo e Rio de Janeiro respondem por mais da metade da arrecadação de tributos no país’. “Ou seja, nós arcamos com uma alta carga tributária e por isso devemos monitorar os gastos públicos.” “O presente edital e seus efeitos pelo qual se insurge, revela-se como uma afronta à moralidade administrativa, uma vez que permite um gasto desnecessário na atual quadra de ajustes fiscais pelo qual passa o país, como, outrossim, pela redução dos investimentos em áreas-chave como segurança, meio ambiente, habitação, cultura, esporte e pessoas com deficiência.” “Nesse diapasão, o presente edital questionado viola a moralidade administrativa quanto retira valores do orçamento geral e aloca em áreas divorciadas dos objetivos da República, trata-se de áreas essas com ênfase social que prestigiam e beneficiam mais os menos favorecidos, reduzindo assim a desigualdade social”, afirma o autor da ação popular. O senador não quis se manifestar.

Estadão

21 de abril de 2018, 08:45

BRASIL Parlamentares petistas cobram gastos de atos pró-Lula

Foto: Divulgação

Humberto Costa pediu reembolso de R$ 1,4 mil por viagens; senador diz que estava no exercício de suas atividades

Parlamentares do PT repassaram ao Congresso Nacional despesas relacionadas à campanha política do partido contra a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Lava Jato. O Estado encontrou na prestação de contas mensal de sete parlamentares gastos com deslocamento e alimentação que somam R$ 3.769,45. Os gastos foram registrados em São Bernardo do Campo (SP), onde Lula fez um ato no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC nos dias 5 e 6 de abril, após a ordem de prisão, e na região metropolitana de Curitiba, cidade onde o petista está preso desde o dia 7. Os valores podem aumentar, porque as bancadas têm 90 dias para enviar às respectivas casas legislativas documentos comprobatórios para pedir reembolso de despesas. Há pagamentos de pedágio, abastecimento de veículos, táxi e Uber, passagens aéreas compradas às vésperas do voo, pão de queijo, refeições e lanches. Entre 5 e 7 de abril, o senador Humberto Costa (PE) voou de Brasília para São Paulo e depois para o Recife. Os bilhetes custaram ao Senado R$ 1.463,78. Costa disse, via assessoria, que viajou a São Paulo “no exercício das suas atividades parlamentares” e “atendeu a uma convocação de reunião do comando do PT”, e usou a cota parlamentar para retornar a Pernambuco, seu Estado de origem. A deputada Maria do Rosário (RS), que gastou R$ 135,36 em corridas de Uber entre São Paulo e São Bernardo nos dias 6 e 7, disse que “as ações e agendas exercidas pelo mandato estão voltadas ao exercício das atribuições políticas parlamentares, cumprindo rigorosamente princípios éticos e regimentais quanto ao uso de recursos da cota estipulada pela Câmara”. Leia mais no Estadão.

Estadão

21 de abril de 2018, 08:32

BRASIL Prisão da Lava Jato espera por Zé Dirceu, dizem juristas

Foto: Reprodução

O ex-ministro José Dirceu

Condenado por corrupção passiva, associação criminosa e lavagem de dinheiro, o ex-ministro José Dirceu está muito perto da prisão da Lava Jato, onde já estão antigos companheiros seus do PT, o ex-ministro Antônio Palocci (Fazenda e Casa Civil) e Lula. A avaliação é de juristas, criminalistas e constitucionalistas, que analisaram a situação de Dirceu. Na última quinta-feira, 19, ele sofreu duro revés, quando o Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) rejeitou o recurso de embargos infringentes. A Corte também manteve a pena de prisão em 30 anos, 9 meses e 11 dias e determinou a execução provisória da pena, quando esgotados os recursos de competência do TRF-4, questão de dias. Dirceu ainda aguarda em liberdade por decisão do Supremo Tribunal Federal o julgamento de todos os recursos na segunda instância. Advogados com bastante experiência nessa área avaliam, porém, que a volta de Zé Dirceu para a prisão da Lava Jato é cada vez mais certa. Ele foi preso em regime preventivo no dia 3 de agosto de 2015. Em maio de 2017, o Supremo Tribunal Federal o libertou. “Em termos práticos, ainda resta a interposição de embargos de declaração questionando a decisão do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4.ª Região) nos embargos infringentes”, considera o advogado Marcellus Ferreira Pinto. “Ocorre que esses embargos não possuem ‘efeitos infringentes’, ou seja, não modificam o julgamento em segunda instância”, acrescenta Ferreira Pinto, do Nelson Wilians e Advogados Associados. Leia mais no Estadão.

Estadão

21 de abril de 2018, 08:19

BRASIL A cada dia, um servidor é demitido por corrupção

O Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) divulgou ontem que foram expulsos 142 agentes públicos no primeiro trimestre do ano, um recorde para o período desde 2003, quando os dados começaram a ser consolidados. A informação foi antecipada nesta sexta-feira (20) pela Coluna do Estadão. Ao todo, nos primeiros três meses do ano, foram 120 demissões de funcionários efetivos, 18 cassações de aposentadorias e quatro destituições de comissionados. O principal motivo para as expulsões foi a “prática de atos relacionados à corrupção” – 89 das penalidades aplicadas, cerca de 63% do total, ou uma expulsão por dia. Já o abandono de cargo a falta de assiduidade ou acumulação ilícita de cargos são fundamentos que vêm em seguida, com 44 casos. São Paulo e Rio são os Estados com maior número de expulsões, contabilizando 29 cada no período, aponta o relatório da CGU. Os servidores apenados, nos termos da Lei Ficha Limpa, ficam inelegíveis por oito anos. A depender do tipo de infração cometida, também podem ficar impedidos de voltar a exercer cargo público. Improbidade. Entre os atos relacionados à corrupção, explica a CGU, estão valimento do cargo “para lograr proveito pessoal”, recebimento de propina ou vantagens indevidas, utilização de recursos materiais da repartição em serviços ou atividades particulares, improbidade administrativa, lesão aos cofres públicos e dilapidação do patrimônio nacional. Desde 2003, já foram expulsos 6.857 servidores. Deste total, 5.715 foram demitidos; 568 tiveram a aposentadoria cassada; e 574 foram afastados de suas funções comissionadas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Estadão

21 de abril de 2018, 08:06

BRASIL ‘É fácil bater. Quero ver fazer’, diz Temer na TV

Foto: Estadão

O presidente Michel Temer (MDB)

O presidente da República, Michel Temer, assumiu um tom eleitoral em seu primeiro pronunciamento em rede de rádio e TV após anunciar a intenção de se candidatar à reeleição. Em vídeo que foi exibido ontem à noite, Temer disse que “bater no governo é fácil” e cobrou os adversários realizações. “É fácil bater no Michel Temer! É fácil bater no governo, é fácil só criticar. Quero ver fazer. Quero ver conquistar! Quero ver construir e realizar o que nós conseguimos avançar em tão pouco tempo”, afirmou o presidente. A intenção do governo é apresentar uma mensagem de otimismo aos brasileiros e destacar medidas adotadas durante a sua administração. Temer disse que a “torcida organizada pelo fracasso” perdeu. “A verdade é que o Brasil virou esse jogo”. Ele ainda fez críticas a “instabilidade” institucional. “Alcançamos, nesses dois anos, vitórias expressivas, recordes após recordes, mas muitos teimam em não perceber a mudança. Em não admitir o nosso sucesso: o sucesso do Brasil.” Temer abriu o pronunciamento ressaltando a importância da liberdade, citando versos do Romanceiro da Inconfidência de Cecília Meireles, lembrando que hoje se comemora o Dia de Tiradentes. O presidente fez ainda uma defesa da liberdade e do respeito à Constituição. “Muito mais do que a independência sonhada pelos inconfidentes, hoje celebramos a liberdade da democracia, do direito de ir e vir, de pensar e expressar-se. Celebramos a liberdade da imprensa brasileira.”

Estadão Conteúdo