29 de janeiro de 2019, 18:29

COLUNISTASO paradoxo que é a motocicleta no Brasil

Maurício Bacelar

Coluna: Engenharia

Maurício Bacelar é engenheiro civil e foi diretor-geral do Detran (2015). Ele também foi secretário de Obras da Prefeitura de Dias 'Ávila (1986), diretor do Copec (1987) e secretário de Infraestrutura da Prefeitura de Camaçari (2002). Ele escreve uma coluna semanal no Política Livre às segunda-feiras.

- Engenheiro Civil - 1985
- Secretário de Obras da Prefeitura Municipal de Dias D'Ávila - 1986
- Diretor do Copec - Complexo Petroquímico de Camaçari - 1987
- Secretário de Infraestrutura da Prefeitura Municipal de Camaçari - 2002
- Diretor Geral do Detran-Ba - 2015

Listar artigos

No fim do ano passado, a Associação Brasileira de Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Bicicletas e Similares – Abraciclo comemorou o incremento de 19% na produção de motocicletas no período de janeiro a novembro de 2018, em um total de 968,8 mil unidades. Uma boa notícia para a economia do país e mais emprego e renda para trabalhadores.
Já segundo o Ministério da Saúde, 37 mil pessoas morreram nas estradas e ruas do Brasil em 2016. Uma tragédia. Destas vítimas, 32%, a maior parte, eram motociclistas.

A moto é um veículo especial no trânsito, tem baixa estabilidade, sofre com as imperfeições de nossas vias e, muitas vezes, é pilotada por pessoas despreparadas.

Observe o paradoxo que é a motocicleta no Brasil. Na fábrica ajuda a mover a economia, no trânsito mata e sequela.
Precisamos encontrar o ponto de equilíbrio onde possamos saudar o aumento da produção e a presença das motos nas vias.

O ponto de equilíbrio está na educação. É preciso repensar os cursos de formação de condutores, que hoje apenas “treinam” o candidato para as provas do Detran; investir maciçamente na educação para o trânsito, incluindo o tema, de maneira transversal, nas aulas do ensino fundamental e médio, criando uma legião de futuros passageiros, pedestres, ciclistas e condutores conscientes de que devem manter uma postura de segurança, respeitar a legislação e de que a questão da segurança viária é uma decisão individual; punir gestores, dos órgãos de trânsito, que não alcancem metas pré-estabelecidas, criando a Lei de Responsabilidade do Trânsito e, por fim, não direcionar para outras despesas os recursos destinados à educação oriundos das multas e parcela do seguro Dpvat.

Comentários