Frase do dia

Lula trouxe seu caso para a ONU porque não é possível haver justiça no Brasil dentro de um sistema como esse.

GEOFFREY ROBERTSON, ADVOGADO SUÍÇO, AUTOR DO RECURSO APRESENTADO AO COMITÊ DE DIREITOS HUMANOS DA ONU comentar

29 de julho de 2016, 21:19

BAHIA PM são treinados para primeiras respostas em caso de explosivos

Para proporcionar ao agente de segurança pública conhecimentos básicos para localizar, identificar e remover bombas e objetos suspeitos, o Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar da Bahia (PMBA) está realizando, desde a última segunda-feira (25), o curso de primeiras respostas com explosivos, na sede da unidade em Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador (RMS). A capacitação, que é mais um investimento do Governo do Estado para o fortalecimento do sistema de segurança, busca capacitar pessoal especializado para ação mais rápida e segura no cotidiano das cidades baianas e também em eventos de grande porte como as Olimpíadas.A turma é composta de 39 alunos, entre oficiais e praças da PMBA, peritos do Departamento de Polícia Técnica (DPT) e agentes de segurança da Casa Militar do Governador, totalizando a carga de 60 horas/aula. No curso, que segue até este sábado (30), são ministradas as disciplinas Doutrina de Operações Antibombas, e Terrorismo e Percepção de Ameaça Terrorista. “Nós tivemos desde o início uma extensa explicação sobre explosivos e aprendemos a fazer o primeiro contato com esses materiais numa ocorrência. Aprendemos a identificar potenciais situações de perigo e até mesmo a fazer o isolamento dessa ameaça”, disse o major Ferreira Lopez, aluno do curso.

29 de julho de 2016, 21:00

BRASIL Documentos ligam Lula à trama para obstruir Lava Jato, diz Procuradoria

Na denúncia oferecida à Justiça, o Ministério Público Federal (MPF) relaciona documentos que comprovam reuniões e inúmeros telefonemas entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e outros acusados de atuar para obstruir a Operação Lava Jato. Esses contatos ocorreram no mesmo período em que, segundo os investigadores, o grupo operacionalizava pagamentos de R$ 250 mil para comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, que ameaçava delatar esquema de corrupção na Petrobras.Na acusação, feita inicialmente pelo Procurador-Geral da República e reiterada pelo MPF do Distrito Federal após o caso ser remetido à Justiça Federal do DF com a perda de foro privilegiado de Delcídio, Rodrigo Janot afirma que Lula admitiu, quando foi ouvido durante a investigação, que chegou a tratar de “aspectos da Operação Lava Jato” em um dos encontros que manteve com Delcídio, mas negou ter participado ou mesmo saber de um esquema para comprar o silêncio de Cerveró. A denúncia se baseia nas colaborações do senador cassado Delcídio Amaral (ex-PT, agora sem partido), do assessor de Delcídio, Diogo Ferreira, e também em documentos e relatórios da Polícia Federal que comprovaram os encontros dos envolvidos e os saques de dinheiro da família Bumlai em cinco pagamentos de R$ 50 mil.

Estadão

29 de julho de 2016, 20:43

ECONOMIA Presidente da Fiesp pede a Meirelles retomada de benefício a exportadores

Foto: Divulgação

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, pediu ao governo a retomada do Reintegra, regime especial de apoio a exportadores. Em reunião com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, Skaf disse que a recriação do benefício é necessária para conter os efeitos da queda do dólar sobre a indústria.Criado em 2012, o Reintegra oferece a devolução de até 3% do faturamento a indústrias exportadoras para compensar os impostos cobrados ao longo da cadeia produtiva. Por causa da crise econômica, o governo reduziu, no ano passado, a alíquota de ressarcimento para 0,1%.“O dólar já caiu muito nos últimos meses. Depois da votação do impeachment, caso se confirme a permanência do governo interino, a tendência é os investimentos estrangeiros voltarem, pressionando o câmbio ainda mais para baixo. Por isso, a indústria acha importante algum apoio para manter as exportações”, declarou Skaf.Durante o encontro, Skaf disse ao ministro que a Fiesp apoia a proposta de emenda à Constituição que cria um teto para os gastos públicos. “Se uma proposta para limitar o crescimento dos gastos públicos tivesse sido aprovada há 10 anos, o país não estaria com um nível de endividamento tão alto.” O presidente da Fiesp negou ter conversado com o ministro da Fazenda sobre reforma trabalhista e rechaçou apoio a qualquer proposta de aumento de impostos. “Os empresários estão sufocados com tanto imposto. A dívida no âmbito administrativo está em R$ 600 bilhões; e a dívida ativa, em R$ 1,5 trilhão, justamente porque os empresários não têm condições de arcar com a carga tributária”, disse.

Agência Brasil

29 de julho de 2016, 20:31

BRASIL Lula diz se sentir provocado a disputar eleições de 2018

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje (29) que se sente provocado a voltar a se candidatar à Presidência da República em 2018. Ele destacou que o partido tem outros nomes de qualidade, mas ele está disposto a “brigar” novamente. As declarações do ex-presidente foram feitas em discurso a trabalhadores e sindicalistas do ramo financeiro, quando Lula se queixou do tratamento dado a ele pela imprensa, das acusações que vem recebendo e de vazamento seletivos contra o PT.“Eu tenho 70 anos de idade. Pareço um jovem de 30 anos. Mas o seguinte: eu tenho muita vontade de brigar. Se o que eles estão falando pela imprensa de que o objetivo de tudo isso é tirar o Lula da campanha de 2018, não precisava fazer isso. Porque a gente pode escolher um outro companheiro com mais qualidade ou uma companheira”, disse. “Agora, essa provocação me dá uma coceira, me dá sabe aquele chamegão. Achar que eu vou ficar quieto por conta de ameça, eu não vou. Eu duvido que tenha alguém nesse país que seja mais cumpridor da lei do que eu. A única coisa que eu quero é respeito”.

Agência Brasil

29 de julho de 2016, 20:16

BRASIL ‘Temos profundo respeito pela justiça brasileira’, diz Facebook

O Facebook emitiu um comunicado na noite dessa sexta-feira, 29, por conta da recente polêmica envolvendo a rede social e os órgãos de justiça do País. No comunicado, a empresa diz que “tem profundo respeito pela Justiça brasileira”, acrescentando que cooperou com a investigação da Justiça do Amazonas e que está pronta “para responder a quaisquer perguntas remanescentes”. É uma resposta a dois acontecimentos recentes: na quarta-feira, 27, a Justiça do Amazonas bloqueou R$ 38 milhões de contas da empresa, alegando descumprimento de ordens judiciais. Já na quinta-feira, 28, o Ministério Público do Brasil emitiu nota técnica dizendo que a empresa não cumpre as regras do Marco Civil da Internet por não fornecer dados e não cooperar com a Justiça. Segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo, o Facebook teria fornecido dados de acesso e informações cadastrais pedidas pela Justiça do Amazonas para sua investigação, obedecendo ao que está exposto no artigo 12 do Marco Civil da Internet – que diz que provedores de aplicações (como aplicativos e redes sociais, por exemplo) devem guardar os dados de acesso dos usuários por até seis meses. De acordo com informações obtidas pela reportagem, o Facebook não teria revelado, porém, o conteúdo de comunicações entre usuários investigados pela Justiça. A justificativa é de que esses dados não ficam guardados em data centers hospedados no Brasil. Dessa forma, para obtê-los, as autoridades policiais deveriam pedir o acesso de tais dados à Justiça por meio do NLAT acordo de cooperação jurídica internacional estabelecido entre Brasil e Estados Unidos, onde fica a sede do Facebook. Ainda segundo fontes ouvidas pelo jornal O Estado de S. Paulo, o WhatsApp forneceu à Justiça do Amazonas dados cadastrais dos usuários – nome e telefone, usados para criar uma conta no aplicativo -, mas não os metadados, que incluem os registros de data e hora de acesso ao serviço, descumprindo o Marco Civil da Internet. Questionado sobre o tema, o diretor de comunicação global do aplicativo, Matt Steinfield, reiterou que a empresa não armazena tais informações. “É o que fazemos em todos os países onde o WhatsApp está disponível.”

Estadão

29 de julho de 2016, 20:00

BAHIA Ações de segurança, saúde, turismo e mobilidade para Jogos Olímpicos são divulgadas

As principais ações do planejamento operacional dos Jogos das Olimpíadas 2016 em Salvador, que envolve as áreas da saúde, segurança, mobilidade urbana e turismo foram divulgadas, na tarde desta sexta-feira (29), no auditório da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre), no Centro Administrativo (CAB), em Salvador. Com investimento de quase R$ 7 milhões e a participação de 3,5 mil policiais, a segurança pública deve repetir o sucesso obtido nas Copas do Mundo e das Confederações,em 2014, quando teve destaque nacional. O Centro de Operações e Inteligência de Segurança Pública 2 de Julho, inaugurado no início do mês, é a mais nova aposta para prevenir atentados e garantir a ordem no estado durante a competição. Para o coordenador de ações da Secretaria da Segurança Pública (SSP), coronel Marcos Oliveira, a ampla capacidade de monitoramento proporcionada pela unidade contribui para uma integração ainda mais eficiente. “Com o Centro é possível ter grande e constante troca de informações importante para agir de maneira rápida e assertiva em situações complexas. As informações chegam em tempo real e são fundamentais para ações integradas de inteligência”, explica Oliveira. Estão sob a responsabilidade da Segurança Pública o policiamento nos pontos turísticos da capital baiana, a escolta das delegações, as estradas, a proteção à rede hoteleira onde os atletas ficarão abrigados, o aeroporto, e os locais de exibição dos jogos, incluindo os estádios.

29 de julho de 2016, 19:44

BRASIL MP defende bloqueio e até banimento do WhatsApp no Brasil

Foto: Divulgação

O WhatsApp realmente não está sendo bem visto na esfera judiciária brasileira. Depois de sofrer três bloqueios por ordem judicial, agora o aplicativo é alvo de crítica pesada por parte do Ministério Público FEderal, além de todos os ministérios públicos das unidades federativas, que defendem que o WhatsApp seja bloqueado e até mesmo extinto do país.O motivo é justamente a disputa legal em torno do app. Como o WhatsApp não tem apresentado dados solicitados pela Justiça durante investigações, o Ministério Público Federal entende que está ferindo o Marco Civil da Internet, que determina a colaboração com órgãos do governo, além de obrigar que as aplicações mantenham registro de atividades dos usuários por pelo menos seis meses, para entregar quando solicitados à Justiça.O WhatsApp tem serviço de criptografia que impedem a troca de mensagens, embora não tenha apresentado laudos à Justiça sobre este fato. O Ministério Público entende que as empresas usam este argumento para se negar a entregar outros dados não criptografados e metadados. Em nota técnica, o Ministério Público sugere que enquanto a empresa não colaborar deve ser alvo de sanções como advertências, multas e bloqueio de contas bancárias – o que aconteceu recentemente no Amazonas, com decisão de bloquear R$ 38 milhões do Facebook, dono do WhatsApp. Caso a empresa siga não colaborando, o serviço seria “inadequado” para continuar funcionando no Brasil.

Correio*

29 de julho de 2016, 19:31

BRASIL Ministro da Cultura nega motivação política na demissão de comissionados

Foto: Faria Garcia/EBC

O ministro das Cultura, Marcelo Calero, negou hoje (29) que os 81 servidores comissionados demitidos nesta semana tenham sido desligados da pasta por razões políticas. Segundo o ministro, a decisão está em conformidade com promessa de valorização dos funcionários de carreira, feita por ele feita na cerimônia de posse.Calero disse que de 40 a 50 desses cargos de chefia serão ocupados por servidores de carreira do ministério escolhidos em um processo de seleção interna. Os demais cargos serão extintos, de acordo com orientação do Ministério do Planejamento para economizar.“A questão é: funcionários comissionados que não sejam funcionários públicos de carreira. Um negócio absolutamente objetivo, que é resultado de uma demanda da sociedade. A sociedade quer uma instituição pública eficiente, republicana, moderna, e isso passa pelo servidor de carreira. Aquele que chegou aos quadros do serviço público, não por ser conhecido de alguém ou apadrinhado, mas por mérito próprio”, explicou o ministro.Calero destacou que ele próprio perdeu gente competente de seu gabinete. “A pessoa é competente e já está no ministério não sei há quantos anos. “Desculpe, mas essa pessoa não devia nem estar lá”, aflrmou.O ministro não soube estimar qual a economia financeira que seria gerada pelo corte de servidores comissionados, mas informou que os processos de seleção interna devem ser lançados na próxima segunda-feira (1°) para que se defina em cerca de 15 dias quem vai ocupar essas funções de confiança.Marcelo Calero confirmou que vai reavaliar o nome de Oswaldo Massaini Filho para a diretoria da Cinemateca Brasileira, em substituição a Olga Futtema, uma das exoneradas. Massaini é acusado de crime de estelionato, e sua indicação do nome recebeu várias críticas de pessoas ligadas à área da Cultura.

Agência Brasil

29 de julho de 2016, 19:15

BRASIL Servidores da Receita devem manter greve para pressionar aprovação do reajuste

Apesar de o governo ter encaminhado o projeto de lei que trata do reajuste e do bônus que receberão os servidores da Receita Federal, a categoria deve seguir em paralisação até a aprovação do texto pelo Congresso. Desde quinta-feira, 28, o sindicato dos auditores (Sindifisco) realiza uma assembleia para decidir sobre a continuidade da greve, e os resultados parciais indicam que a maioria é favorável a manter a mobilização.Em 14 de julho, os auditores iniciaram uma operação-padrão, deflagrada às terças e quintas, que resultou em atrasos na liberação de mercadorias e no embarque e desembarque de passageiros. A nova etapa seguirá o mesmo calendário, mas o foco da “meta zero” será a liberação de cargas e tarefas administrativas, com potenciais impactos sobre o comércio exterior e a arrecadação.”Não vamos causar prejuízos a passageiros, até por conta dos Jogos Olímpicos”, disse o presidente do sindicato, Cláudio Damasceno. Nos momentos de maior embate entre a categoria e o governo, a proximidade dos jogos chegou a ser usada como instrumento de barganha pelos servidores.Os auditores querem manter a pressão sobre o governo para que o projeto tramite em regime de urgência, de forma que os benefícios financeiros sejam recebidos já em agosto, conforme previsto inicialmente. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), teria se comprometido com uma tramitação célere, mas até agora o projeto está sendo apreciado em regime de prioridade. Se aprovado, ainda terá de passar pelo Senado.

29 de julho de 2016, 19:00

BRASIL Itamaraty vai suspender passaportes diplomáticos de líderes religiosos

O Itamaraty vai suspender os passaportes diplomáticos concedidos a líderes religiosos por conta de um parecer elaborado pela Advocacia-Geral da União (AGU) indicando que “não há interesse para o país” na concessão da proteção adicional. Oficialmente, o Ministério das Relações Exteriores informa que a decisão deve ser tomada apenas na semana que vem, mas uma fonte do Itamaraty afirmou que já está definido que não serão mais emitidos os documentos e que os oito atuais passaportes diplomáticos existentes deverão ser invalidados.Depois de críticas à concessão de passaportes religiosos a dois membros da Igreja Internacional da Graça de Deus, o ministro das Relações Exteriores, José Serra, fez a consulta à Advocacia-Geral da União, no último dia 21, para verificar a legalidade na emissão de tais passaportes. Com o parecer do órgão, contrário à concessão, a pasta vai requerer a devolução dos documentos existentes.O parecer da AGU defende que o Estado é laico e que não há razões que enquadrem tais líderes religiosos como cidadãos que necessitem da proteção adicional representada pelo documento. O órgão analisou a portaria 98/2011 e destacou que o artigo 1º, inciso 2º, prevê essas condições. O inciso em questão diz que para ter direito ao documento é preciso “demonstrar que o requerente está desempenhando ou deverá desempenhar missão ou atividade continuada de especial interesse do país, para cujo exercício necessite da proteção adicional representada pelo passaporte diplomático”.Atualmente, de acordo com a pasta, apenas quatro líderes religiosos e suas respectivas esposas possuem o documento. Segundo uma fonte do Itamaraty, eles serão invalidados dentro do mesmo princípio que o órgão usa para o caso de deputados e senadores. Quando o parlamentar tem um passaporte diplomático e seu mandato chega ao fim ele recebe uma comunicação informando que o documento precisa ser devolvido mesmo já estando inválido.No caso dos líderes religiosos que perderão o benefício, segundo uma fonte, por conta dos trâmites burocráticos a comunicação deve acontecer apenas na semana que vem. “Neste tipo de procedimento, o Itamaraty encaminha em alguns dias o informe de que esses passaportes deixaram de ser válidos. O habitual é isso”, informou a fonte, ressaltando que nesses casos a Polícia Federal também é informada e os usuários não poderão deixar o País de posse do antigo documento.

Estadão

29 de julho de 2016, 18:46

BRASIL Lula virar réu não interfere no impeachment, diz Cardozo

Foto: Fábio Motta/AE

O ex-advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, saiu em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que se tornou réu nesta sexta-feira, 29, pela Justiça Federal de Brasília no inquérito em que ele foi denunciado pelo Ministério Público Federal por tentar atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato. Para Cardozo, o processo de Lula não deve interferir no impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. Cardozo disse que tem “absoluta convicção de que Lula irá apresentar a sua defesa e provar a sua inocência”. O ex-presidente é acusado de tentar obstruir a Justiça.”Esse é um processo criminal que está começando e o presidente Lula não teve ainda a oportunidade de fazer a sua defesa, agora ele terá a oportunidade de mostrar os fatos. Infelizmente as pessoas prejulgam quando lhes interessam”, disse. “Talvez que venha essa situação para o bem, para ele mostrar o que realmente aconteceu, o que não podemos é prejulgar”, defendeu. Em entrevista nesta tarde à TV Estadão e ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, Cardozo afirmou que há um tratamento diferenciado entre Lula e parlamentares da oposição, citando o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), com quem disse não ter uma boa relação, e o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (PSDB-MG). “No contexto político, dos partidos que estão defendendo o impeachment, quem não tem uma investigação em relação aos seus maiores dirigentes. O PSDB? O Aécio (Neves) não tem nenhuma acusação? Tem várias. O DEM? Vários senadores do DEM estão sendo acusados. Mas eu pergunto, é justo condenar o Aécio sem provas? Não. Assim como não se deve condenar o Lula. Não podemos ser parciais”, disse. Questionado sobre qual função é mais difícil de exercer, entre ser o defensor de Dilma no processo impeachment e ministro da Justiça, Cardozo disse que como ministro era criticado de forma unânime, tanto pela oposição, como por aliados. Ele disse que é mais fácil ser o advogado de Dilma, pois a defesa da presidente afastada é muito “clara e evidente”. “Mesmo os que não concordam com a gente têm que reconhecer que há razão no que está sendo falado (pela defesa da presidente). Enquanto como ministro você fica entre dois fogos, enquanto advogado eu sinto menos fogo até de quem não pensa como eu penso. Porque quando você tem uma verdade muito forte é difícil argumentar”, justificou.

Estadão

29 de julho de 2016, 18:34

BRASIL Juiz dá prazo de vinte dias para Lula se defender

Foto: Divulgação

O juiz federal Ricardo Augusto Soares Leite, que abriu ação criminal contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-senador Delcídio Amaral e outros cinco acusados pelo Ministério Público Federal por tentativa de obstruir a Operação Lava Jato, deu à defesa do petista e de todos os outros réus o prazo de vinte dias, contado a partir do momento em que seus advogados forem notificados, para responder às acusações do Ministério Público Federal.O prazo normal é de dez dias, mas o juiz dobrou o tempo para as defesas se manifestarem porque são muitos os acusados e o processo é complexo. Após a manifestação das defesas, o caso seja remetido para o Ministério Público Federal também se manifestar e, depois encaminhar ao juiz, que decidirá, então, as próximas etapas do processo.A Procuradoria da República no Distrito Federal acusa o ex-presidente de tentar obstruir as investigações da Operação Lava Jato em conjunto com o banqueiro André Esteves, Delcídio e seu ex-assessor de gabinete Diogo Ferreira Rodriguez, que teriam atuado para impedir a delação premiada do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró – ele acabou tendo seu acordo de colaboração homologado pelo ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal.Também teriam participado do esquema o ex-advogado de Cerveró Edson Ribeiro, o pecuarista José Carlos Bumlai e seu filho Maurício Marques Bumlai. O caso já havia sido denunciado pelo Procurador-Geral da República (PGR), Rodrigo Janot, em dezembro do ano passado. No entanto, em decorrência da perda de foro privilegiado do ex-senador envolvido, Delcídio Amaral, e também pelo fato de o crime ter ocorrido em Brasília, a denúncia foi deslocada à Justiça Federal do Distrito Federal. Com essa redistribuição, o Ministério Público Federal do Distrito Federal foi acionado para se manifestar sobre a ação penal e concluiu pela confirmação integral da denúncia do procurador-geral da República.

Estadão

29 de julho de 2016, 18:22

BRASIL Acusação contra Lula se baseia só em delação de réu confesso, diz defesa

O escritório Teixeira e Martins Advogados, que defende o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, afirmou em nota nesta sexta-feira, 29, que o ex-chefe do Executivo ainda não recebeu a citação relativa ao processo que o tornou réu, que tramita na 10.ª Vara Federal de Brasília, mas que, quando isso ocorrer, apresentará a defesa.O escritório afirmou que, ao fim do processo, a inocência de Lula será “certamente reconhecida”. Os advogados disseram ainda que ele esclareceu ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em depoimento, que jamais interferiu ou tentou interferir em depoimentos relativos à Operação Lava Jato.De acordo com a defesa, a acusação baseia-se, exclusivamente, em delação premiada de réu confesso e “sem credibilidade” que fez acordo com o Ministério Público Federal (MPF) para ser transferido para prisão domiciliar. “Lula não se opõe a qualquer investigação, desde que realizada com a observância do devido processo legal e das garantias fundamentais”, afirmou o escritório.

Estadão

29 de julho de 2016, 18:20

BRASIL Promotor diz que jantar de Doria ‘teve conteúdo nitidamente eleitoral’

O promotor José Carlos Bonilha, do Ministério Público Eleitoral, afirmou, em alegações finais encaminhadas à Justiça Eleitoral nesta quinta-feira, 28, não ter dúvidas de que o jantar bancado por uma empresa para o pré-candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, João Doria Jr, “teve conteúdo nitidamente eleitoral” e pediu ainda a aplicação de multa de R$ 15 mil ao empresário por propaganda antecipada.O documento de 19 páginas foi encaminhado ao juiz Sidney da Silva Braga, da 1ª Zona Eleitoral da Capital, responsável por analisar a representação contra o tucano por suspeita de propaganda antecipada devido a um vídeo com um discurso de Doria no jantar realizado no Club A e que foi divulgado pela imprensa. O promotor ainda rebateu os argumentos da defesa do empresário, que disse que os vídeos eram prova “apócrifa” e que as gravações de um evento privado não deveriam ser aceitas pela Justiça.”Ainda que o evento fosse jantar para convidados determinados, o que nele se passou é de interesse do eleitor e, portanto, configura cerceamento ao legítimo direito da população, impedi-la de ter acesso ao que transcorreu durante o evento”, afirma o promotor para quem a “transparência e a publicidade devem presidir o comportamento do aspirante a mandato eletivo”.Bonilha explicou ainda que recebeu o vídeo via celular por uma pessoa que pediu para não ser identificada, e disse que essa prática faz parte da atividade do Ministério Público, que recebe denúncias de toda a população, e que isso não deveria ser motivo para anular a prova.”Nessa esteira, não há qualquer ilegalidade na manutenção do sigilo da identidade da pessoa que enviou o vídeo a esta Promotoria. Admitir-se o contrário seria, no mais das vezes, tolher a liberdade dos cidadãos de trazer ao conhecimento do órgão ministerial fatos tidos como contrários à lei, haja vista que as pessoas, em sua grande maioria, sentem-se intimidadas ou preocupadas com as consequências de sua identificação”, segue o investigador.Nos vídeos, o pré-candidato aparece discursando para os convidados do jantar realizado no Club A, na capital paulista, e pago pela empresa Gocil. Ao Ministério Público Eleitoral, a Gocil alegou que o evento era uma homenagem ao empresário Doria, sem conotação política mesma versão adotada pela defesa do tucano.

Estadão

29 de julho de 2016, 17:58

EXCLUSIVA Gilberto Leal deve ser confirmado como vice na chapa de Alice

Foto: Divulgação

O representante da Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen), Gilberto Leal, deve ser confirmado como vice na chapa da pré-candidata à Prefeitura de Salvador, Alice Portugal (PCdob). De acordo com informações obtidas pelo Política Livre, uma reunião iniciada há pouco vai confirmar o nome de Leal e divulgado neste sábado, 30. No último dia 22, Alice se reuniu com Convergência Negra para receber as contribuições ao Programa de Governo que será apresentado à cidade. A presença de um candidato a vice-prefeito negro oriundo do movimento foi um dos pontos centrais do encontro, que contou com a presença de Gilberto Leal, além de Ivoney Pires, do Movimento Negro Unificado (MNU), Marcos Rezende, do Coletivo de Entidade Negra (CEN) e Edson França, da Unegro.