Frase do dia

Agora somos nós contra eles.

Ex-presidente Lula, em ato realizado em São Paulo onde atacou a imprensa comentar

21 de outubro de 2014, 21:00

BRASIL No RS, Serra fala de ‘clima de vitória’ de Aécio Neves

O senador eleito por São Paulo, José Serra, desconsiderou os resultados das últimas pesquisas que deram a presidente Dilma Rousseff numericamente à frente do candidato tucano, Aécio Neves, pela primeira vez neste segundo turno. Em visita a Porto Alegre para fortalecer a campanha do PSDB, Serra afirmou que as pesquisas são apenas “uma aproximação”. “Não é isso que eu sinto nas ruas. O que eu sinto é um clima de vitória”, garantiu.”O PT bateu no teto e eles sabem disso. Eles sabem que o Brasil quer mudar. E mudar significa desalojados do poder”. Serra acompanhou o candidato do PMDB ao governo gaúcho, José Ivo Sartori, em uma caminhada e um rápido comício no centro de Porto Alegre e lembrou que o peemedebista, que declarou apoio a Aécio, mesmo contrariando a executiva nacional, está com 53% das intenções de voto. Aécio tem apenas 49% no Estado. “Acredito que vai acontecer uma onda aí”, disse Serra. O senador eleito defendeu ainda que não há uma divisão no País, apesar de as pesquisas apontarem resultados muito próximos de Dilma e Aécio, dentro da margem de erro. “Isso é fabricado. O PT procura fomentar essa ideia de divisão para faturar votos, mas isso não é real. É um investimento do PT na discórdia nacional”, disse.

Lisandra Paraguassu, Estadão Conteúdo

21 de outubro de 2014, 20:45

BAHIA Valmir “ratifica” apoio de indígenas à reeleição de Dilma

Foto: Ascom

Valmir quer militância unida para reeleger Dilma e segue com adesões em todo o estado

Grupos de povos indígenas e comunidades tradicionais da Bahia, que apoiam a candidatura de reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT), procuraram o deputado federal Valmir Assunção (PT-BA) e apresentaram uma pauta de reivindicações para o governo federal. O parlamentar baiano, após ato político da candidata do PT em Petrolina, no interior de Pernambuco, informou que as lideranças das comunidades rurais da Bahia seguem o mesmo “percurso” que os movimentos sociais e organizações do Semiárido, que “fizeram uma grande festa para receber a comitiva de Dilma”. Valmir também voltou a destacar a importância de manter o projeto de sociedade em curso no país e reafirmou que a presença da presidente no governo dá mais força às questões socioculturais dos povos indígenas. “Estive aqui para ratificar esse empenho de todas as comunidades rurais, de toda a militância e de todos os políticos da base aliada na campanha de reeleição de Dilma. Sem dúvida, o apoio dos povos indígenas será fundamental para o processo de demarcação de terras que o estado e o país precisa fazer e que o Congresso Brasileiro trava”, declara Assunção, fazendo referência à bancada ruralista que detêm a maioria de parlamentares nas Casas Legislativas. De acordo com Assunção, na pauta apresentada pelos índios a demarcação de terras é uma das principais reivindicações, além da relação histórica das comunidades tradicionais com os movimentos sociais de esquerda e com o PT. “A atuação do MST [Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra] se confunde com a atuação dos indígenas no que ser refere à luta pela terra, por políticas públicas de inclusão e desenvolvimento socioeconômico. Os indígenas apoiam Dilma, sobretudo, por enxergar nela a garantia de que não haverá o retrocesso de tirar da Presidência da República e passar para o Congresso a prerrogativa de demarcar terras”, completa Valmir.

21 de outubro de 2014, 20:30

SALVADOR Prefeitura promove mais dois encontros sobre política ambiental de Salvador

A Prefeitura, por meio da Secretaria Cidade Sustentável (Secis), promove mais duas audiências públicas para discutir a Política e a Legislação Ambiental para o Município de Salvador. Voltado principalmente para representantes de ONGs socioambientais, um dos encontros será realizado nesta sexta-feira (24), às 9h, no auditório do Parque Social, no Parque da Cidade, no Itaigara. No próximo dia 29, é a vez da audiência pública ser realizada no auditório do Centro Cultural da Câmara, na Praça Municipal, às 9h. Os eventos são gratuitos e abertos ao público. Os encontros integram um ciclo de debates que a Prefeitura vem promovendo com setor público e a sociedade civil para discutir a chamada Lei do Meio Ambiente, cujo objetivo é estruturar os mecanismos e instrumentos de proteção e de estímulo ao desenvolvimento sustentável. Iniciada em junho, a discussão da nova política ambiental já mobilizou o setor público, a sociedade civil e o empresariado local. À frente do projeto estão as secretarias municipais de Cidade Sustentável (Secis) e de Urbanismo e Transporte (Semut), que contam com o acompanhamento da Procuradoria Geral do Município (PGM). Estruturação – Entre os pontos a serem estruturados estão o Sistema Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Instrumentos de Controle Ambiental, Tipos de Licenças, Infrações e Penalidades, Taxa de Controle e Fiscalização Ambiental (TCFA), o Conselho Municipal de Meio Ambiente (Comam) e o Fundo Municipal de Recursos para o Meio Ambiente (FMMA). Um dos resultados da estruturação legal será a capacidade de gerar mais recursos para investimento em projetos diversos como criação de novos parques, programas de educação ambiental e outras ações relacionadas à agenda do meio ambiente. A minuta da Política Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável está disponível para consulta no site www.sustentabilidade.salvador.ba.gov.br. ​

21 de outubro de 2014, 20:15

BRASIL TSE muda prazos para julgar direito de resposta

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou na noite desta terça-feira mudança nos prazos para julgar pedidos de direito de resposta relativos às propagandas eleitorais da quinta e sexta-feira, dias 23 e 24, quando serão veiculadas as últimas inserções antes do segundo turno. Os ministros vão analisar todas as representações sobre propagandas destes dois dias em sessão extraordinária no sábado, às 12h, e a Corte poderá convocar rede de rádio e televisão para transmitir eventual direito de resposta no mesmo dia. A intenção é assegurar que as campanhas “observem os novos parâmetros” fixados pelo TSE, afirmou Toffoli. Na última quinta-feira, os ministros decidiram deixar de lado o “minimalismo” adotado no primeiro turno e decidiram por adotar postura mais interventora, para barrar “ataques pessoais” nas propagandas eleitorais. “Ficou estabelecido que no horário eleitoral gratuito somente seriam permitidas propagandas de cunho propositivo, vedando-se veiculação de críticas e comparações de caráter pessoal mesmo que amparadas em matéria jornalística ou qualquer outro elemento que lhes dê suporte”, lembrou Toffoli. Diante da nova postura do TSE, o presidente da Corte considerou necessário apresentar resolução com a redução nos prazos para propositura dos pedidos de direito de resposta. A proposta de Toffoli foi aprovada por unanimidade pelos ministros. As campanhas terão 12 horas para levar ao TSE questionamentos a respeito da propaganda veiculada na quinta-feira (23) e 4 horas para questionar horário eleitoral da sexta-feira (24). O prazo normal, antes da resolução aprovada, é de 24 horas. Os pedidos de direito de resposta serão julgados na sessão do dia 25, sábado, quando os ministros irão analisar as propagandas questionadas.

Beatriz Bulla, Estadão Conteúdo

21 de outubro de 2014, 20:00

BRASIL Dilma: projeto do PSDB foi feito para um terço do Brasil

Foto: Reprodução

Presidente e candidata à reeleição pelo PT, Dilma Rousseff

A presidente Dilma Rousseff acusou nesta terça-feira, 21, o PSDB de governar apenas para “um terço do Brasil”, “sem olhar para o povo”, e disse que os tucanos “não gostam de oportunidades que não sejam para eles”. Dilma deu as declarações durante um comício, em Goiana, na Zona da Mata pernambucana. Mandando beijinhos e fazendo corações com as mãos, Dilma afirmou que o povo escolherá domingo entre dois projetos e que é o do PT que olha para todo o País. A petista disse ainda que os tucanos vestiram uma “pelezinha de cordeiro” e que estão escondendo suas verdadeiras intenções. “Eu sempre olharei e sempre zelarei para que o Brasil seja um país equilibrado. Uma região não pode passar na frente das outras e querer ficar lá. Todos os brasileiros têm direito ao desenvolvimento pleno e o Nordeste mais do que todos as regiões”, disse a presidente. “Somos capazes, temos autoestima e podemos mudar este País. Foi preciso que o nordestino assumisse a presidência para que os nordestinos voltassem para o Nordeste”, concluiu. A desenvoltura de Dilma, à vontade com a plateia, gerou inclusive um comentário bem-humorado de seu padrinho político, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele lembrou que, quando a atual presidente foi lançada candidata, ela costumava dizer que “não gostava de política”. “A bichinha agora adora fazer um comício”.

Angela Lacerda e Ricardo Della Coletta, Estadão Conteúdo

21 de outubro de 2014, 19:45

BRASIL Com pé no governo, Marcell faz média com presidente nacional do PV

Foto: Divulgação

Deputado estadual eleito Marcell Moraes

Com um pé no barco governista pilotado pelo governador eleito Rui Costa, o vereador de Salvador e deputado estadual eleito Marcell Moraes, do PV, vai conceder no próximo dia 7 o título de cidadão de salvador ao deputado federal e presidente nacional do Partido Verde, José Luiz Penna, na Câmara Municipal. A honraria foi aprovada pelos demais vereadores. São laureadas pelo título pessoas que nasceram em outras cidades, mas que possuem atuação de destaque e prestaram serviços relevantes ao município. Promulgado pela Resolução 2.369/14, a homenagem é fruto do trabalho realizado pelo também ator, músico e cineasta à comunidade soteropolitana, diz Moraes. Natural de Natal, onde nasceu em 1945, mas identificado por laços e origens baianas, Luiz Penna dividiu-se, ainda em meados dos anos 60, entre a música e o ativismo político em Salvador, tendência que marcou definitivamente sua trajetória pessoal. Na oportunidade Moraes deve discutir a situação do PV na Bahia, que permanece dividido entre aliar-se ao PT e ou ao DEM.

21 de outubro de 2014, 19:30

BRASIL Aécio diz que vai ‘libertar’ os brasileiros do PT

Foto: Agência Brasil

Candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves,

Ao lado de lideranças do Estado do Mato Grosso do Sul, o candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, subiu o tom contra os petistas e reiterou que vai “libertar” os brasileiros do governo do PT. “Vou vencer as eleições e vou tirar o governo do PT. Vou libertar os brasileiros desse partido político que esqueceu dos brasileiros”, afirmou Aécio em comício realizado nesta terça-feira, 21, no Clube nipo-brasileiro. Aécio lembrou que restam apenas cinco dias para a eleição e convocou os presentes para “fazer a mudança mais importante nos últimos anos”, em referência à própria eleição. “O que está em jogo é muito mais do que a vitória de um partido político. Temos uma oportunidade histórica”, disse. “Fiquem vigilantes até o dia 26″. Mais cedo, em coletiva de imprensa, Aécio contestou o resultado do Datafolha, que o mostrou numericamente atrás de Dilma Rousseff (PT), no limite do empate técnico. Os institutos de pesquisas estão devendo explicações desde o primeiro turno. Os erros foram grosseiros em toda parte”, afirmou. “Se o resultado é esse, em comparação com o primeiro turno, considero que o Datafolha me coloca como próximo presidente da República”. No ato em Campo Grande, o candidato do PSDB ao governo do Estado, Reinaldo Azambuja, ironizou o adversário do PT na disputa local, Delcídio Amaral. “Aqueles que achavam que iam ganhar no primeiro turno compraram até o terno da festa mas esqueceram de combinar com o povo”, disse. De acordo com a última pesquisa Ibope, divulgada ontem, Azambuja tem 51% dos votos válidos contra 49% de Delcídio, em empate técnico. Aécio e Azambuja defenderam o voto casado no Estado com o objetivo de fortalecer futuras parcerias nas áreas de infraestrutura, saúde e segurança. Após o ato, Aécio deve seguir para Goiânia, onde participa de eventos ao lado do governador Marconi Perillo (PSDB), que tenta a reeleição.

Erich Decat e José Maria Tomazela, Estadão Conteúdo

21 de outubro de 2014, 19:15

BRASIL Ibope: no DF, Aécio tem 61% e Dilma, 39% dos votos

Foto: Agência Brasil

Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB)

Pesquisa Ibope, encomendada pela TV Globo e divulgada na noite desta terça-feira, sobre a preferência do eleitorado do Distrito Federal na disputa presidencial, mostra que o candidato do PSDB Aécio Neves teria 61% dos votos válidos no DF e Dilma Rousseff (PT) 39%, se o pleito fosse hoje. Na pesquisa anterior, o tucano tinha 69% e a petista 31% dos votos válidos no DF. Considerando os votos totais, Aécio teria 54% e Dilma 34%. Brancos e nulos somaram 8% dos entrevistados e não sabiam ou não responderam 4%. A nova pesquisa, registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob protocolo DF- 00085/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) BR-01147/2014, foi realizada entre os dias 18 e 20 de outubro com 2002 entrevistados. A margem de erro é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%.

Daiene Cardoso, Estadão Conteúdo

21 de outubro de 2014, 19:00

BRASIL Dias nega que Nordeste votou em Dilma por Bolsa Família

Foto: Ag. Senado

O governador eleito do Piauí, Wellington Dias (PT)

O governador eleito do Piauí, Wellington Dias (PT), rebateu as críticas de que o Nordeste deu uma ampla vitória para a presidente Dilma Rousseff no primeiro turno apenas em razão do Bolsa Família. Dilma teve na região 15,4 milhões de votos, seguido pela candidata do PSB, Marina Silva, com quase 6 milhões, e Aécio, com aproximadamente, 3,9 milhões. “Quem pensa que o Nordeste votou na Dilma e no Lula só por conta do Bolsa Família, se engana, é preconceito. Como, aliás, disse o ex-presidente Fernando Henrique, é pobre, é analfabeto, quem vota em Dilma. Vota em Dilma quem quer um Brasil melhor”, afirmou ele, em entrevista ao Broadcast Ao Vivo, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado. O petista aposta que, no segundo turno, Dilma terá uma vantagem ainda maior no Nordeste e em especial em Pernambuco, único dos nove Estados da região onde o primeiro turno foi vencido por um adversário, a candidata do PSB, Marina Silva. Questionado se ocorreria um “retrocesso” com uma eventual vitória do PSDB, Wellington Dias disse que “não se trata de uma afirmação, foi o que aconteceu”. “O centro dos dois projetos que estão sendo debatidos é que um, encabeçado pelo PSDB, pensa o Brasil para os poucos”, afirmou. Wellington Dias disse que a geração que tem mais de 25 anos sabe o “significado para o Brasil e em especial para o Nordeste” de um governo do PSDB porque viveram na época do governo Fernando Henrique Cardoso. “Tínhamos salários congelados, políticas de demissões, política de fechamento de agencias bancárias, leilões de habitação, quase não tinha apoio ao pequeno agricultor, conflito no campo, havia uma verdadeira guerrilha no campo, fome e miséria”, enumerou, tentando colar FHC ao atual candidato do partido Aécio Neves. Para o petista, desde 2006 o PT tem sido alvo de uma campanha de ódio e que, no atual pleito, Aécio Neves tem centrado seus ataques nessa linha. Ele citou o exemplo na atual campanha com o uso, pelos adversários, de declarações do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, “que foi preso pelo governo da presidenta Dilma”. “A presidenta Dilma, que é uma mãe, uma avó, foi desrespeitada e caluniada e, em um dado momento, reagiu.”

Nivaldo Souza e Ricardo Brito, Agência Estado

21 de outubro de 2014, 18:45

BAHIA Julgamento de Habeas Corpus de Prisco não entra em pauta no STF

Foto: Divulgação

Deputado eleito Soldado Prisco (PSDB)

O julgamento do habeas corpus do deputado eleito soldado Prisco, pleiteando a queda das restrições judiciais, não entrou na pauta desta terça-feira (21) do Supremo Tribunal Federal (STF). As restrições o impossibilita de estar fora do seu domicílio após as 20 horas de segunda à sexta; e aos sábados, domingos e feriados a qualquer hora do dia. “O parlamentar, desde o cinco de outubro, deu início a nova fase de projeto político, voltada a defender os interesses dos eleitores na busca por leis que visem à melhoria da segurança pública na Bahia”, explicou o advogado Leonardo Mascarenhas, que viajou à Brasília para acompanhar o julgamento. Conforme o advogado, o pedido de queda de restrição se baseia na falta de necessidade de manutenção delas, já que soldado Prisco não oferece risco à ordem pública e já se dedica a estudar novos projetos de leis a serem apresentados na Assembleia Legislativa. O deputado eleito não se surpreendeu com o adiamento e avisou que aguarda a decisão do STF com paciência. “Estou bastante tranquilo. Respeitaremos o julgamento do STF. Agora a luta por melhorias é na tribuna, durante as sessões plenárias previstas, constitucionalmente, aos parlamentares”, analisou soldado Prisco. O advogado de Prisco lembra que o próprio presidente do STF, Ricardo Lewandowski, negou, em meados de junho, o pedido da Procuradoria Geral da República (PGR) de manter a prisão por não mais haver motivo para tal.

21 de outubro de 2014, 18:30

BRASIL Aécio contesta Datafolha e lembra ‘erro’ no 1º turno

O candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, contestou os resultados da última pesquisa Datafolha – que mostram Dilma Rousseff com 52% dos votos válidos e Aécio com 48%, no limite do empate técnico. Em coletiva de imprensa em Campo Grande, o tucano lembrou os números do primeiro turno o colocavam em terceiro lugar ao longo da disputa eleitoral. “Os institutos de pesquisas estão devendo explicações desde o primeiro turno. Os erros foram grosseiros em toda parte”, afirmou. “Se o resultado é esse, em comparação com o primeiro turno, considero que o Datafolha me coloca como próximo presidente da República”. Segundo o candidato, o PSDB tem feito várias pesquisas internas que apontam uma vantagem dele sobre Dilma Rousseff (PT) fora da margem de erro. Questionado sobre o depoimento de Leonardo Meirelles, suposto laranja de Alberto Youssef que apontou a participação de outros parlamentares do PSDB no esquema do doleiro, além do ex-presidente Sérgio Guerra. “Se houver amanhã efetivamente alguém do PSDB que tenha cometido alguma ilicitude, tem que responder por ela”, afirmou. Aécio também foi perguntado, durante coletiva, sobre o problema hídrico de São Paulo. Ele voltou a dizer que, se o governador do Estado, Geraldo Alckmin (PSDB), tivesse tido uma parceria maior do governo federal, os resultados teriam sido melhores. Ao lado de dirigentes locais, Aécio prometeu que seu primeiro ato, caso eleito, será concluir as obras do Hospital do Trauma na cidade.

Erich Decat e José Maria Tomazela, Agência Estado

21 de outubro de 2014, 18:15

ECONOMIA Bolsas sobem em NY com aposta em mais estímulos à Europa

Os rumores nesta terça-feira, 21, de que o Banco Central Europeu (BCE) poderá comprar títulos emitidos por empresas, em mais uma tentativa de estimular a fragilizada economia da zona do euro, animaram os investidores e deram fôlego aos negócios nas bolsas de Nova York. Os resultados positivos apresentados por algumas empresas e o crescimento além do esperado da economia chinesa no terceiro trimestre também contribuíram para a onda compradora no mercado. O índice Dow Jones fechou em alta de 1,31%, aos 16.614,81 pontos, enquanto o S&P 500 avançou 1,96%, para 1.941,28 pontos. O índice Nasdaq teve alta mais acentuada, de 2,40%, fechando aos 4.419,48 pontos, na máxima do dia. Os setor de tecnologia foi puxado pelas ações da Apple, que avançaram 2,72% depois que a empresa divulgou resultados acima do esperado pelo mercado.