11 de setembro de 2019, 20:11

SALVADORJacó fala em “ligações perigosas” na Prefeitura de Salvador

Foto: Agência ALBA

O deputado estadual Jacó (PT) ocupou, nesta quarta-feira (11), a tribuna da Assembleia Legislativa da Bahia para condenar o que chama de “ligações perigosas” na prefeitura de Salvador. O petista se referiu ao contrato de R$ 13,8 milhões, firmado entre o Executivo municipal e a empresa de Álvaro Jucá – irmão do ex-senador, ex-ministro e atual presidente do MDB, Romero Jucá.

No último dia 6, o juiz federal Marcelo Bretas, que comanda a operação Lava Jato no Rio, determinou a quebra do sigilo bancário do ex-senador e do próprio Álvaro Jucá. O emedebista é suspeito de receber propina em grandes obras de infraestrutura, como a usina nuclear Angra 3, no Rio, e a usina hidrelétrica Belo Monte, no Pará.

Segundo o deputado, o montante de quase R$ 14 milhões está destinado a uma obra de saneamento e urbanização importante para Salvador e, especialmente para o Subúrbio, na Bacia do Rio Mané Dendê. “É de estranhar que o irmão de um político envolvido em tantos escândalos seja premiado e ganhe uma licitação tão importante como essa”, criticou o parlamentar.

No mesmo discurso, o petista voltou a mirar a gestão do prefeito ACM Neto ao criticar “perseguição aos baleiros e trabalhadores informais”. “Parem de perseguir os baleiros que andam nos ônibus. Não são marginais, são pais e mães que trabalham honestamente, estão ali para sustentar suas famílias. Imaginem, numa crise dessas, com tanta retirada de direitos, as pessoas não têm direito de correr atrás. Fica aqui o nosso repúdio”.