13 de agosto de 2019, 20:15

ECONOMIAGoverno arrecada R$ 147,5 mi com leilões no Porto de Santos

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Leilão de três terminais portuários, dois no Porto de Santos (SP) e um no Porto de Paranaguá (PR)

O governo realizou nesta terça-feira, 13, o leilão de três terminais portuários, dois no Porto de Santos (SP) e um no Porto de Paranaguá (PR). O total arrecadado com as outorgas foi de R$ 148,5 milhões. Destinada a movimentação e armazenagem de papel e celulose, a área PAR01, em Paranaguá, foi arremata pela Klabin por R$ 1 milhão. A empresa possui fábrica no município de Ortigueira, a aproximadamente 350 quilômetros de distância do porto paranaense. Na unidade, chamada Puma, a companhia já produz celulose branqueada (fibra curta, fibra longa e fluff) e desenvolve um projeto bilionário de expansão das instalações nos próximos anos. Em Santos, a Hidrovias do Brasil ficou com o terminal STS20, vocacionado para granéis sólidos minerais, especialmente fertilizantes e sais. A companhia arrematou o arrendamento com uma oferta de R$ 112,5 milhões, após forte disputa em leilão viva voz. Já a Aba Infraestrutura e Logística (Adonai) venceu a disputa pela área STS13-A, localizada na Ilha de Barnabé (margem esquerda do porto), ao oferecer R$ 35 milhões de outorga. O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, avaliou que o sucesso dos leilões realizados neste ano demonstra a confiança dos investidores no País. Em coletiva de imprensa na B3, ele destacou que duas áreas licitadas nesta terça-feira já haviam sido oferecidas ao mercado anteriormente, em leilões que “deram deserto”. “Hoje tivemos intensa competição, isso mostra que estamos na direção certa e que as medidas tomadas trouxeram confiança ao mercado”, afirmou o ministro. Tarcísio Gomes de Freitas declarou ainda que a carteira de projetos de infraestrutura tem andando dentro do cronograma estipulado pelo governo. Segundo ele, o órgão já está concluindo os estudos para relicitar concessões rodoviárias da primeira etapa, realizada na década de 1990. Além disso, Freitas comentou que o ministério deve qualificar mais terminais portuários para licitação e que a documentação para o leilão da rodovia BR-101 (SC) está “praticamente pronta” para ser liberada no Tribunal de Contas da União (TCU). Leia mais no Estadão.

Estadão Conteúdo

Comentários