13 de agosto de 2019, 16:27

BAHIAContas de Rui: Targino afirma que não há acordo para “homologar as imoralidades”

Foto: Raiane Veríssimo

Na ordem do dia para ser votada, as contas de 2015 do governador Rui Costa (PT) não será mais votada, nesta terça-feira (13), no plenário da Assembleia Legislativa da Bahia. E mais, o líder da Oposição, deputado estadual Targino Machado (DEM), promete obstruir a pauta para que não sejam votados dois projetos que sobrestam a pauta. Uma manobra para tentar adiar ainda mais a apreciação do relatório do Tribunal de Contas do Estado, a quem o democrata novamente acusou de fazer “conluio” com o governo do Estado e votar “na contramão dos interesses da Bahia e dos baianos”. No entanto, o líder governista, deputado Rosemberg Pinto (PT), assegurou que as contas de 2015 serão apreciadas na Casa na próxima terça (20).

“Não tem acordo nenhum. Não se pode ter acordo para homologar as imoralidades todas perpetradas nessa conta. Essa conta de forma especial de 2015 foi votada e tem 43 itens apontados no parecer pelo Tribunal de Contas do Estado, isso é fato recorrente que se repetiu em 2016, 2017 e 2018. Extravasou com os auditores, que nunca fizeram isso, protagonizando um protesto documentalmente”, disse Targino ao site Política Livre.

Ainda em entrevista, o democrata afirmou que a bancada de Oposição votará contra à aprovação das contas referentes ao exercício de 2015. “Nosso voto é contrário e não há acordo. Tem que votar, estarei aqui para votar, agora a obrigação do quórum é de quem tem a Maioria. Nós não temos quórum se quer para dar a continuidade da sessão que é um terço, 21 dos senhores deputados. Então, quem tem a obrigação de fazer isso é o governo que tem 45 deputados”, completou Targino.

Na tribuna, Rosemberg criticou a tentativa de obstrução por parte da bancada oposicionista. “Ouço aqui algo inusitado que a Oposição vai obstruir os dois projetos que estão na ordem do dia, o que vai na contramão do discurso de fazer um esforço para aprovar projetos de iniciativa dos parlamentares na Casa”, disse o petista fazendo um apelo para que Targino recue em sua decisão e vote os projetos 16.267/2007, de autoria do deputado Euclides Fernandes (PDT), que torna obrigatória a instalação de placas em braile com relação das linhas de ônibus e seus itinerários nos terminais rodoviários do Estado; e 21.549/15, do deputado Pedro Tavares (DEM), que cria o dia de conscientização e combate às doenças da glândula tireoide na Bahia.

Em resposta, Targino disse que “sempre há a possibilidade de acordo, notadamente quando se conduz a relação política com diálogo em exaustão, mas no momento político esses dois projetos carregam consigo interesses políticos subjacentes”. No entanto, agora na tribuna, o democrata disse que pode se discutir para apreciação das duas matérias, mas colocou na conta do líder governista para que consiga um número mínimo para a continuidade da sessão e votação dos dois projetos.

Raiane Veríssimo

Comentários