15 de junho de 2019, 10:15

BRASILSem Santos Cruz, governo deve mudar articulação política

Foto: Dida Sampaio / Estadão

Santos Cruz

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) deve aproveitar a demissão do general Carlos Alberto dos Santos Cruz da Secretaria de Governo para outros ajustes na estrutura do Palácio do Planalto, que abriga 4 de seus 22 ministérios.
O ponto principal que deve mudar é a articulação política, tarefa para a qual o secretário da Previdência, Rogério Marinho (PSDB), é cotado. Santos Cruz foi demitido na quinta (13), na terceira queda no primeiro escalão de Bolsonaro em menos de seis meses de mandato. Integrantes do governo relataram à reportagem que há uma movimentação em curso para que Marinho assuma um dos ministérios do Planalto. Nos últimos dias, líderes do Congresso fizeram chegar à cúpula do governo o recado de que, hoje, só tratam de articulação política se o interlocutor for Marinho. A tarefa atualmente é dividida entre a Casa Civil, responsável pelo diálogo com o Congresso, e a Secretaria de Governo, a cargo das conversas com estados e municípios. Auxiliares do presidente avaliam que esse modelo não tem funcionado. Uma possibilidade é recriar a Secretaria de Relações Institucionais como ministério ou ainda subordinada a uma pasta. Outra é transferir a articulação da Secretaria de Governo, que será assumida pelo general Luiz Eduardo Ramos, para a Secretaria-Geral, a cargo do general Floriano Peixoto. Neste último caso, o ministro poderia ser substituído por Marinho. Em reunião entre as equipes política e econômica, foi feita a avaliação de que há uma sobrecarga ao Ministério da Economia com a articulação com o Congresso, em especial sobre a reforma da Previdência. Auxiliares de Paulo Guedes (Economia) relataram à reportagem que o próprio ministro sugeriu ao presidente a incorporação do secretário da Previdência na equipe da articulação política. Em meio a isso, o ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil), responsável pelo relacionamento com o Legislativo, demitiu um grupo de ex-deputados que atuava nessa tarefa. A possibilidade de mudanças foi confirmada por Bolsonaro na manhã de sexta-feira (14) em café da manhã com jornalistas. Ele admitiu que “pode mexer nos quadradinhos” das pastas que ficam no Planalto, mas não deu mais detalhes. Há cerca de um mês e meio, as alterações já estavam em estudo, mas Bolsonaro foi aconselhado a esperar. À época, Santos Cruz era protagonista de uma série de postagens críticas do escritor Olavo de Carvalho. Demiti-lo naquele momento reforçaria a impressão de que o guru tem poder de veto e nomeação no governo. Bolsonaro deve aproveitar também para retirar a Secretaria de Comunicação da Secretaria de Governo. Esse era um plano antigo, já que a secretaria é alvo das principais disputas dentro do Planalto. A Secom foi assumida em abril pelo empresário Fabio Wajngarten, em gesto que ajudou a enfraquecer Santos Cruz no cargo. Os dois mantinham relação distante.

Folha de S. Paulo

Comentários