28 de abril de 2019, 10:20

MUNDOEconomia forte atrai venezuelanos ao Peru

Foto: Douglas Juarez/Reuters

Venezuelanos nas ruas de Tumbes, no Peru

Apesar do impacto da Operação Lava Jato e da queda do preço das commodities, a economia peruana tem apresentado uma rara estabilidade e cresce em ritmo razoável – fato incomum em uma região estagnada. É exatamente a solidez econômica o fator que mais atrai venezuelanos ao Peru. Em fuga da crise criada pelo chavismo, 715 mil vivem hoje no país, segundo dados oficiais do governo peruano. A enfermeira Lila Valera saiu da Venezuela, deixando para trás as três filhas e a mãe, em busca de dinheiro para alimentar a família, nem que fosse a milhares de quilômetros de distância. A reportagem do Estado acompanhou a fuga de Lila da Venezuela, em junho de 2018. Sem dinheiro suficiente para uma passagem inteira, ela então viajou parte do trajeto em pé no veículo, que foi alvo de pedradas de saqueadores na saída de Caracas. Dez meses depois, a reportagem voltou a procurá-la em Lima. No Peru, ela conseguiu uma rede de clientes como cuidadora de idosos e plantões na seção de enfermagem de um hospital. Guarda cada trocado que pode para ajudar as filhas. Muito magras, as meninas, às vezes, almoçam só arroz. A casa em que vivem quase nunca tem luz, segundo Lila. “Vivo há dez meses no Peru. Consegui trabalho e tenho conseguido sobreviver e ajudar minha família na Venezuela. O Peru, na parte econômica, é muito melhor que a Venezuela”, conta Lila. “No segundo dia aqui, saí para procurar emprego, com apenas 20 soles (moeda peruana). Com outros venezuelanos, descobrimos onde precisavam de garçonetes. E assim foi indo, até que consegui me estabelecer como enfermeira”. O milagre econômico peruano começou nos anos 90, com a adoção do programa de ajuste do Banco Mundial, que pretendia tornar o país mais atraente para empresas estrangeiras por meio de reformas, desregulamentações e privatizações. Foi a maneira que o então presidente Alberto Fujimori encontrou para superar a crise – a inflação chegou a 400% ao mês em 1990. Ao abrir sua economia, as exportações dispararam e os investimentos estrangeiros começaram a entrar, o que fez a dívida pública peruana diminuir, a inflação ser contida e as reserva cambiais aumentarem. Em 1990, o Peru exportava US$ 3 bilhões. Em 2010, US$ 36 bilhões. A estabilidade já dura 20 anos e tem resistido ao fim do ciclo das commodities e aos efeitos da Operação Lava Jato nas obras de infraestrutura. Nos últimos anos, o Peru tem diversificado sua pauta de exportações, que tradicionalmente dependia de metais como cobre, ouro e ferro, e agora conta também com frutas e legumes. Isso, segundo analistas, evitou uma desaceleração maior da economia. “A diversificação veio após a queda dos preços dos metais, em 2014”, explica o economista da Pontifícia Universidade Católica do Peru Óscar Dancourt. “Graças a investimentos em irrigação, com recursos provenientes do boom das commodities, tanto privados quanto públicos, cresceu a produção de aspargos, uvas e abacates, principalmente em razão da demanda de países ricos por uma alimentação mais saudável”. Com a economia mais dinâmica, o consumo cresceu, assim como o emprego formal e a construção civil. Entre 2002 e 2013, o Peru nunca cresceu menos de quatro pontos porcentuais por ano – exceção feita a 2009, quando a crise financeira fez a economia crescer apenas 1,1%. “Os anos de alta do preço dos metais levaram também a uma necessidade de ampliar a infraestrutura do país”, lembra Dancourt. “É nesse momento que aparecem as obras envolvidas na Lava Jato. Estimava-se que a construção do gasoduto no sul do Peru acrescentasse 1 ponto porcentual ao crescimento do PIB (a obra foi paralisada)”. Leia mais no Estadão.

Estadão Conteúdo

Comentários