12 de março de 2019, 13:45

SALVADORNovo Mercado de São Miguel integra série de investimentos no Centro Histórico

Foto: Valter Pontes/Secom

A ordem de serviço para início imediato das obras de reconstrução foi assinada no local nesta terça-feira (12)

Um dos mais tradicionais espaços de comércio e cultura de Salvador, o Mercado de São Miguel, na Baixa dos Sapateiros, começa a passar por profunda transformação promovida pela Prefeitura. A ordem de serviço para início imediato das obras de reconstrução foi assinada no local nesta terça-feira (12) pelo prefeito ACM Neto, na presença dos permissionários, moradores e lideranças da região. Também participaram da cerimônia o vice-prefeito e secretário de Infraestrutura e Obras Públicas (Seinfra), Bruno Reis; e a presidente da Fundação Mário Leal Ferreira (FMLF), Tânia Scofield, dentre outras autoridades. Vítima de um incêndio em setembro de 2017, o espaço está com a estrutura deteriorada e sem condições de funcionamento. As obras terão duração de 12 meses, sob a responsabilidade da Superintendência de Conservação e Obras Públicas (Sucop), vinculada à Seinfra. Com investimento total de R$5,1 milhões, dentro do programa Salvador 360, eixo Centro Histórico, a ação resgata um sonho antigo não apenas da Baixa dos Sapateiros, mas também de toda a cidade, como afirmou o prefeito. “Este é um mercado que, ao longo do tempo, passou por um processo de degradação e de abandono. Um mercado que, no passado, já teve muita tradição, que tinha a expressão da força do comércio da Baixa dos Sapateiros e o que essa região representou para a capital baiana no passado”, declarou ACM Neto. Ele lembrou ainda que a demora para a reforma ocorreu porque, há seis anos, o governo da Bahia havia solicitado a transferência de alguns equipamentos para a esfera estadual, incluindo o Mercado São Miguel. No entanto, ao perceber que a estrutura não seria reformada, foi enviado um comunicado oficial informando que a Prefeitura assumiria de volta o mercado, cumprindo assim o compromisso inicial firmado com a comunidade.

Comentários