11 de março de 2019, 17:45

MUNDOGuaidó convoca protestos contra apagão na Venezuela para amanhã

Foto: Marco Bello/Reuters

Guaidó convocou protestos em toda a Venezuela contra o apagão que afeta o país há mais de quatro dias

O líder opositor venezuelano Juan Guaidó convocou protestos em todo o país para a terça-feira, 12, contra o apagão que mantém o país petroleiro em colapso desde a semana passada. “Amanhã, às três da tarde (16 horas de Brasília), toda a Venezuela nas ruas”, disse o também líder do Legislativo, ao presidir um debate no Congresso de maioria opositora sobre um decreto que propôs para declarar “emergência nacional” pelo apagão. Ao justificar a necessidade do decreto, o opositor de 35 anos, reconhecido como presidente interino por mais de 50 países, qualificou de “catástrofe” a situação venezuelana porque já resultou na morte de dezenas de pessoas. Segundo Guaidó, além da falta de energia elétrica na maior parte do país, também foi afetado o fornecimento de água, as comidas estragam por falta de refrigeração, e o transporte e as comunicações estão interrompidos ou instáveis. “Não há normalidade na Venezuela e nós não vamos permitir que se normalize a tragédia (…), por isso a necessidade deste decreto”, afirmou. “Tudo isso é produto da corrupção e imperícia do regime (de Nicolás Maduro)”, completou. No decreto, que deve ser aprovado depois das discussões no Legislativo, Guaidó pede “cooperação internacional” para superar a grave crise e ordena as dezenas de representantes diplomáticos que ele nomeou no exterior que coordenem o apoio internacional. Além disso, o opositor ordena aos militares e às forças de segurança que se “abstenham de impedir ou de criar obstáculos” aos protestos contra os apagões. Não está claro qual seria o alcance e as possibilidades de aplicação de um decreto de “emergência nacional” em um país no qual Maduro tem o apoio das Forças Armadas e o controle de praticamente todas as instituições.

Comentários