9 de janeiro de 2019, 19:00

ECONOMIAExportações baianas crescem 9,1% em 2018

Foto: Alberto Coutinho/GOVBA

O setor agrícola foi um dos responsáveis pelo crescimento das exportações baianas

As exportações na Bahia fecharam 2018 com vendas de US$ 8,8 bilhões, um crescimento de 9,1% sobre 2017, de acordo com dados analisados pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais (SEI). O fortalecimento da China como principal parceiro da Bahia — resultado do conflito comercial protagonizado entre o país asiático e os Estados Unidos — e uma trajetória de preços mais favoráveis, que resultou em uma valorização média de 6% na pauta comparada ao ano anterior, além de nova expansão da produção agrícola estimada em 17%, foram os principais responsáveis pelo melhor resultado para as exportações baianas desde 2014. Já as importações cresceram cerca de 10%, alcançando US$ 7,92 bilhões, sinalizando um maior dinamismo da economia, apesar da ainda frágil recuperação da atividade industrial. Em dezembro, as exportações baianas alcançaram US$ 959,6 milhões, superando em 46,9% o resultado obtido em dezembro do ano passado — melhor resultado para o mês desde 2012 —, com destaque para as vendas de soja, algodão, celulose e derivados de petróleo. Em meio à guerra comercial entre Estados Unidos e China, o pais asiático avançou sua fatia nas exportações baianas de 26,4% em 2017 para 32,8% em 2018, seguido pela UE com participação de 18,4%, os EUA com 11,2% e o Mercosul com 10,3%. A exportação para os chineses somou US$ 2,9 bilhões no ano passado, com crescimento de 35,3% na comparação com o ano anterior, numa variação bem acima dos 9,1% de alta nos embarques totais da Bahia. Já para a UE, EUA e Mercosul, as vendas recuaram 6,2%, 8,7% e 14%, respectivamente. Com a melhora das expectativas para economia, as importações baianas passaram a registrar crescimento desde o início do segundo semestre, alcançando no ano US$ 7,92 bilhões e crescimento de 10% em relação a 2017. O aumento dos desembarques foi puxado pelo crescimento das compras de combustíveis e lubrificantes (33,4%), bens de consumo não duráveis (23,9%) e bens de capital (21,7%). O crescimento deste último agregado é positivo por representar investimento das empresas em capacidade produtiva (máquinas e equipamentos). As compras nesse setor foram puxadas pelos investimentos em energia (eólica e solar) e equipamentos de transporte de uso industrial. Já as compras de bens intermediários, que representam 73% das importações do estado, regiram a partir do quarto trimestre e fecharam o ano com crescimento de 7%. A reação das importações no segmento de transformação é, em alguma medida, um bom sinal, por apontar aquecimento da atividade do setor, que depende da aquisição de insumos. Com os resultados apurados no ano, a Bahia acumulou um superávit de US$ 881,1 milhões na balança comercial, com a corrente de comércio (soma das exportações e importações) chegando a US$ 16,71 bilhões e crescimento de 9,5% sobre igual período de 2017.

Comentários