11 de outubro de 2018, 20:31

BRASILEm coletiva, Bolsonaro ataca imprensa e repórter da Folha é hostilizada

Foto: WILTON JUNIOR/ESTADAO

Bolsonaro dá coletiva para anunciar nome de três eventuais futuros ministros

Na coletiva em que Jair Bolsonaro anunciou o nome de seus três eventuais futuros ministros, uma repórter da Folha de S. Paulo foi hostilizada e o candidato a presidente aproveitou para atacar a imprensa e chamá-la de esquerdista. Apesar do grande número de representantes da imprensa presentes, para poucos foi dada oportunidade de questionar o candidato no evento. A primeira inscrita da imprensa nacional, uma repórter da Folha de S. Paulo, foi vaiada e hostilizada por apoiadores de Bolsonaro, que cercaram a imprensa durante a coletiva. Foi preciso que o presidente do PSL, Gustavo Bebbiano, pedisse respeito aos jornalistas, para que se calassem e permitissem que a repórter fizesse sua pergunta. Bolsonaro ainda recomendou aos políticos do seu partido e apoiadores que não falem com a imprensa. “Recomendo, até se for o caso, a nem falar. Porque grande parte da mídia é de esquerda e quer, de todas as maneiras, arranjar um meio de nos desgastar”, disse Bolsonaro à plateia de aliados. Ele se dirigiu em especial aos “eleitos”, que, em sua opinião, devem ter “muito cuidado para lidar com a mídia”. “Eles não querem fazer uma matéria isenta, dizendo algo que você sonha. Ele (o repórter) quer arranjar uma maneira de pegar uma frase sua, uma escorregada, para me atacar”, complementou. Segundo Bolsonaro, a divulgação de notícias falsas nas redes sociais é uma característica própria do partido adversário, o PT. “Conseguimos enfrentar fake news de toda ordem. E vamos continuar combatendo isso daí. Somos completamente diferente deles, que atentaram contra a minha vida. Nós somos um perigo não para a democracia, mas para aqueles que teimam em não ser brasileiros”, afirmou.

Estadão Conteúdo

Comentários