17 de setembro de 2018, 18:40

MUNDOJuiz pede prisão de Cristina Kirchner por corrupção

Foto: Eitan Abramovich/AFP

Cristina Kirchner chega a corte federal em Buenos Aires

Um juiz federal argentino processou e pediu a prisão preventiva da ex-presidente e atual senadora Cristina Kirchner nesta segunda-feira, 17, por supostamente liderar uma rede de corrupção na qual recebia suborno de empresários em troca de obras públicas. O juiz Claudio Bonadío imputou a Cristina os crimes de “associação ilícita na qualidade de chefe, admissão de dádivas em 22 feitos e suborno passivo em cinco feitos” entre 2003 e 2015, período em que inclui seus mandatos e de seu marido e antecessor Néstor Kirchner, morto em 2010. Ele ainda impôs embargo de 4 bilhões de pesos (cerca de US$ 100 milhões). Cristina, de 65 anos, não pode ser presa porque está protegida por foro privilegiado. Caso a Justiça peça a remoção de seu foro, ele somente poderia ser removido com dois terços dos votos dos senadores, algo pouco provável, já que o peronismo opositor já adiantou que não apoiará essa medida enquanto não houver uma condenação firme. O juiz também ordenou que o ex-ministro de Planejamento Federal Julio de Vido e outros ex-funcionários desse ministério, assim como vários empresários do ramo energético e da construção, entre eles Ángelo Calcaterra, primo do atual presidente Mauricio Macri, sejam processados. No total, são 42 os processados entre ex-funcionários e empresários, sobre os quais também houve um embargo equivalente ao de Cristina. Apenas 12 pessoas foram eximidas do pedido de prisão preventiva.

Estadão Conteúdo

Comentários