13 de julho de 2018, 13:48

BRASILGleisi cobra ‘aliança formal’ com PSB

Foto: Yuri Silva/Estadão

Paulo Teixeira, Everaldo Anunciação, senadora Gleisi Hoffmann, e Márcio Macedo

A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, cobrou na manhã desta sexta-feira, 12, que o PSB feche “uma coligação formal” com seu partido para apoiar a candidatura à Presidência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Operação Lava Jato. Em visita a Salvador, onde se reuniu com lideranças petistas e com a Executiva Estadual do PT, a senadora paranaense afirmou uma que uma possível decisão do PSB pela neutralidade na eleição presidencial não interessa ao seu partido. “A nossa posição é de uma coligação formal. A nossa resolução diz exatamente isso, que as alianças a serem construídas de forma prioritária com PSB e PCdoB são alianças formais. Nós queremos que estejam na chapa, estejam junto na chapa com o presidente Lula. (O desejo do PT) não é que eles liberem os Estados”, afirmou Gleisi ao Estado antes de reunir-se com a Executiva do PT baiano. A declaração da senadora ocorre um dia após o governador de Pernambuco e vice-presidente do PSB, Paulo Câmara, pré-candidato à reeleição, declarar apoio à postulação de Lula ao Palácio do Planalto. A afirmação é também uma resposta ao prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB), que descartou a possibilidade de uma aliança com o PT na eleição presidencial. Na ocasião, Lacerda afirmou que o partido ou apoiaria Ciro Gomes (PDT) ou ficaria neutro na disputa ao Planalto. Em entrevista concedida na manhã de sexta-feira à Rádio Eldorado, o deputado Julio Delgado, vice-líder do PSB na Câmara, lamentou que o partido esteja enfrentando essa divisão interna, pois dirigentes da legenda já haviam manifestado apoio ao pré-candidato do PDT, Ciro Gomes. Após a declaração pública de Câmara, Delgado acredita que será muito difícil o PSB seguir unido neste pleito e a tendência é que a sigla libere os Estados e cada um siga o caminho que lhe for mais conveniente, priorizando as alianças regionais. Nos bastidores, contudo, o PT aposta que, na pior das hipóteses, terá o apoio dos diretórios pessebistas no Norte e no Nordeste. Segundo interlocutores petistas, em jantar com o governador da Bahia, Rui Costa (PT), no fim da noite de quinta-feira, 12, Gleisi disse estar otimista quanto às negociações, após a declaração de apoio feita por Paulo Câmara e uma conversa que teve com o governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB). A crença da senadora, afirmou um dos participantes da reunião, é que pelo menos a neutralidade do PSB pode ser conquistada – o que ajudaria a isolar Ciro Gomes. Durante o encontro, a senadora deu a Rui Costa e ao ex-governador e ex-ministro Jaques Wagner a tarefa de coordenar a campanha de Lula no Nordeste. Ela informou ainda que a Bahia teria prioridade na divisão do fundo eleitoral, o que está programado para acontecer no dia 20 de julho, em reunião da Executiva Nacional do PT, em Brasília. Também estavam presentes o vice-presidente nacional do PT, Márcio Macedo, o deputado federal Paulo Pimenta, o presidente do PT na Bahia, Everaldo Anunciação, e dois representes da direção estadual do partido na Executiva Nacional, Ivan Alex Lima e Sara Gabriela.

Estadão

Comentários