13 de junho de 2018, 11:27

INTERIOR DA BAHIAVereadores de Lauro denunciam preços abusivos nos estacionamentos privados

A cobrança de preços abusivos por parte dos estacionamentos privados e a ausência de contrapartidas para os donos de veículos e o município foram alvos de críticas dos vereadores, na sessão da Câmara de Lauro de Freitas, terça-feira (12). Há um ano, no dia 21 de junho de 2017, os parlamentares aprovaram Projeto de Lei do Executivo regulamentando a exploração da atividade dos estacionamentos rotativos privados e agora querem a fiscalização.Autor de uma Indicação à prefeita Moema Gramacho, para que seja intensificada a fiscalização e o cumprimento da Lei dos estacionamentos, o vereador Coca Branco (PPS) disse que foi vítima dos preços extorsivos, quando, no último fim de semana, teve que pagar R$ 30,00 para estacionar próximo a um evento, sem sequer ter direito à nota fiscal. “Isto significa que o município não arrecada”, observou.Além de receber queixas de munícipes, o vereador Decinho (PRB) contou que também é submetido aos preços abusivos ao ter que pagar R$ 20,00 no estacionamento do local onde faz sessões de fisioterapia. Já o vereador Edilson Ferreira (PRB) sugeriu que a Prefeitura convoque os donos de estacionamentos para a assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC).Edilson criticou as condições do estacionamento no centro comercial onde funciona o Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC), sem câmeras de segurança, iluminação e enlameado. “É um absurdo, arrecadam dinheiro, não dão segurança e prejudicam o andamento do serviço no SAC”, concordou o vereador Valmir Sodré (PRB). Para os parlamentares, se tem lei para rebocar automóveis estacionados em locais indevidos, deve ter para fiscalizar os estacionamentos.De acordo com o vereador Fausto Franco (DEM), existem alguns espaços que nem têm condições de ser estacionamentos. Ele sugeriu que os secretários de Desenvolvimento Urbano (Sedur), José Pires, e de Trânsito, Transporte e Ordem Pública (Settop), Olinto Borri, sejam convidados pela Câmara para uma audiência sobre o assunto.

Comentários