17 de maio de 2018, 07:58

SALVADORParque Costa Azul amarga abandono e insegurança para frequentadores

Inaugurado em 1995 pelo governo do estado – que o administra até hoje – o Parque Costa Azul atualmente é o retrato do abandono e insegurança: falta madeira nos bancos dos parquinhos, há lama onde deveria ter grama na quadra de esportes, banheiros estão quebrados e até um bebedouro dá choque ao ser acionado.Por falta de opção, a visita arriscada ao parque costuma ser a melhor alternativa para estudantes de colégios do bairro poderem relaxar.“A gente já viu vários assaltos aqui. Teve uma vez que chegaram dois caras em uma bicicleta e tentaram nos assaltar, mas não conseguiram. Deviam colocar algum policiamento, uma guarnição para vigiar aqui”, comenta Bruno.Na teoria, o policiamento pedido pelo estudante já existe; segundo visitantes do parque, porém, polícia é por lá é coisa rara.Os amigos e colegas de classe Guilherme Luan Reis, 16, e Jefferson Vieira, 17, passam todos os dias pelo parque para conseguir chegar a um ponto de ônibus, que fica próximo a uma das entradas do local. É um momento do dia de medo constante. “A gente tem que passar correndo, andar sempre em grupo… Eu já fui assaltado aqui uma vez por um cara na ponte”, lembra Jefferson.Entre os problemas do parque, a oceanógrafa Daniela Espírito Santo, 27, diz que o principal é a falta de segurança. “Tem muito morador de rua aqui. Uma vez, um deles se masturbou na minha frente e de minha amiga. Teve uma vez também que tentaram me assaltar enquanto eu patinava”, recorda. Amanda Moreira, 23, concorda com a amiga. “Já está na hora de ser feita uma requalificação do espaço”, sugere. Leia mais no Correio*.

Comentários