17 de maio de 2018, 15:18

BRASILFHC defende união de partidos de centro e diz que movimento ‘não é centrão’

Foto: Estadão

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso

Defendendo a união do que chama de centro democrático e reformista, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou nesta quinta-feira, 17, que é importante “não confundir o centro com centrão”. Fernando Henrique é um dos patrocinadores de um manifesto a ser lançado no fim de maio, conforme antecipado pelo Estado, que destaca a necessidade de unir um “centro democrático” nas eleições, encabeçado por lideranças de PSDB, DEM, MDB e PTB. “Acho que precisa haver um esforço”, disse FHC. “Se você diluir o centro no centrão, não corresponde com o desejo de reforçar o pensamento democrático, prestar atenção nas desigualdades, combate à corrupção e visão de futuro, o Brasil integrado na economia global, isso que eu acho uma visão que precisa ser renovada no centro.” Como centrão, o tucano explicou que se refere a pessoas com interesses fisiológicos no “dá cá toma lá” de partidos e governo. “O povo não quer saber de dá cá toma lá, o povo quer saber da vida concreta dele. Esse centro democrático progressista tem que olhar para os interesses do povo, e não o interesse dos políticos, que nós estamos cansados de ver que não dá certo.” O ex-presidente deu um recado ao seu partido falando que é preciso unir o centro nas eleições, mas que misturar o chamado “centrão” na aliança pode ter um custo caro perante o eleitorado. Questionado se Geraldo Alckmin (PSDB) está confundindo o centro com centrão, FHC disse que o presidenciável tem sido prudente. “O Alckmin tem tido bastante prudência nessa matéria. Não tem nem dado passos além da perna”, citou. Destacando que o ex-governador paulista é experiente, Fernando Henrique citou uma “receita” para Alckmin na campanha. Leia mais no Estadão.

Estadão

Comentários