16 de maio de 2018, 20:36

ECONOMIABC surpreende e mantém Selic em 6,5% ao ano

Foto: Beto Nociti/BCB

Comitê de Política Monetária manteve taxa em decisão unânime; cenário externo adverso e volatilidade do mercado financeiro determinaram decisão do Copom

Em meio à disparada do dólar ante o real nas últimas semanas, o Banco Central surpreendeu o mercado financeiro e interrompeu o ciclo de cortes de juros no Brasil, iniciado em outubro de 2016. O Comitê de Política Monetária (Copom) do BC anunciou nesta quarta-feira, 16, a manutenção da Selic (a taxa básica da economia) em 6,5% ao ano. Foi a primeira manutenção após 12 decisões consecutivas de corte. A instituição também deixou claro que, nos próximos meses, manterá a Selic no nível atual. O anúncio contrariou a maior parte dos economistas do mercado, que esperavam por um último corte da Selic. De 55 instituições financeiras consultadas pelo Projeções Broadcast, 53 projetavam corte de 0,25 ponto porcentual, para 6,25% ao ano, enquanto apenas duas – o Bank of America Merrill Lynch e a Flag Asset – esperavam pela manutenção da taxa. A decisão do Copom surpreendeu inclusive porque, nas últimas semanas, o presidente do BC, Ilan Goldfajn, manteve a ênfase na inflação e na atividade como os principais fatores de influência sobre a política monetária. Em 8 de maio, último dia antes de os dirigentes do BC entrarem no período de “silêncio do Copom”, quando não são mais feitas declarações públicas sobre juros, Goldfajn havia repisado, em entrevista à GloboNews, que o Banco Central, “num regime de metas de inflação, olha para inflação, atividade; é isso o que importa na decisão”. Para a gestora de renda fixa da Mongeral Aegon Investimentos, Patricia Pereira, a decisão de ontem do BC até tem respaldo nos fundamentos econômicos, mas Goldfajn induziu o mercado a apostar que haveria mais um corte da Selic. “Não fosse a entrevista, a aposta majoritária seria para manutenção dos 6,5%”, disse Patricia. “Isso afeta a credibilidade em relação às próximas comunicações”. Leia mais no Estadão.

Estadão

Comentários