14 de março de 2018, 06:50

BRASIL“A oposição sistemática é o grande erro da política no Brasil”, diz governador do Ceará

Foto: Divulgação

Camilo Santana

O governador do Ceará, Camilo Santana, de 49 anos, parece ser um petista diferente. Ao contrário de muitos de seus “companheiros” do PT, que fazem oposição implacável a todas as propostas e ações de governos de que o partido não participa, ele diz que a “oposição pela oposição” faz mal ao País. “A oposição sistemática é o grande erro da política no Brasil”, afirma. Santana também difere do PT e de seus aliados de esquerda na gestão fiscal. Enquanto eles costumam se opor às políticas de ajuste fiscal, dizendo que são prejudiciais aos mais pobres, Santana diz que, com as contas públicas em ordem, sobra dinheiro para investir na saúde, na educação, na segurança e na área social. Chamado pelo senador Tassso Jereissati (PSDB-CE), ex-governador do Estado, de “o mais tucano dos petistas”, ele alcançou um feito notável, em meio à crise fiscal que assola o País. O Ceará ocupa, hoje, o primeiro lugar na lista dos Estados com a melhor situação em suas contas, entre as 27 unidades da Federação. Além disso, o Ceará lidera o ranking dos Estados que mais investem – uma combinação virtuosa que muitos analistas considerariam improvável num governo do PT. Nesta entrevista, realizada no Palácio da Abolição, em Fortaleza, para a nova série Além da Crise, recém-lançada pelo Estado, Santana revela o segredo do Ceará para alcançar o equilíbrio fiscal e fala sobre o PT, os chamados “movimentos sociais” e a participação da iniciativa privada na administração pública. Leia a entrevista completa no Estadão.

Estadão

Comentários