7 de fevereiro de 2018, 21:22

MUNDOSem valor, notas de bolívar viram artesanato e arte na Venezuela

Foto: Federico Parra/AFP Photo

Desvalorizada, moeda venezuelana é usada por ambulantes na confecção de bolsas e carteiras em Caracas

Começou como uma brincadeira. O ambulante Wilmer Rojas, de 25 anos, recolhia notas de 2, 5, 10 e 20 bolívares – descartadas e indesejáveis em um país no qual a hiperinflação deve chegar a 13.000% este ano – para fazer barquinhos de papel. Conforme o tempo passa, a moeda se desvaloriza e a repulsa a ela cresce, ele passou a confeccionar de tudo com as notas que ninguém quer: de carteiras a caixas de cigarro para vendê-las numa barraca em uma das estações de metrô de Caracas, a capital da Venezuela. “As pessoas jogam essas notas fora porque não servem para comprar nada, ninguém as aceita”, explica. “Não servem nem para comprar uma bala”. Para confeccionar uma carteira, são necessárias 400 notas. Mesmos as notas maiores, como as de 100, e as de denominações maiores, emitidas recentemente, como 500, mil e 10 mil, também perdem o valor rapidamente em consequência da hiperinflação. Hoje, somados, os bilhetes em circulação – 100, 500, mil, 2 mi, 5 mil. 10 mil, 20 mil e 100 mil – equivalem a 50 centavos de dólar no mercado negro. “Com esse bolo de 50 notas de mil consigo fazer uma caixa de cigarros”, conta o vendedor. “Posso fazê-las com jornal ou revista, mas com dinheiro é mais fácil. Não vale nada, é do mesmo tamanho e não preciso cortar”. Apesar disso, Wilmer diz que está cada vez mais difícil vender seus produtos. “Os clientes apenas me cumprimentam pois não tem mais dinheiro vivo”, diz. “Sem dinheiro para comida, por que gastariam com isso?”. No centro de Caracas e na fronteira com a Colômbia, também é comum a venda de bolsas e mochilas feitas a partir de notas de bolívares. “A moeda ser usada dessa forma é a melhor expressão de sua perda de valor”, disse a economista. Com mil notas de 2 bolívares que ninguém aceita, o desenhista de José León, de 26 anos, começou um protesto no Instagram chamado “Venezuela Desvalorizada”. Ele pintou as notas com imagens de heróis de histórias em quadrinhos, paisagens e cenas cotidianas da crise venezuelanas, sobrepostas sobre o rosto do libertador Simón Bolívar. Seus clientes pagam até 20 dólares por uma peça. “Com um pouco de tinta, eu revalorizo minha moeda em 5.00%”, brinca.

Estadão Conteúdo

Comentários